Paulinho Pedra Azul

Paulo Hugo Morais Sobrinho, mais conhecido como Paulinho Pedra Azul, é um cantor, poeta, artista plástico, compositor mineiro, nascido em Pedra Azul, no Vale do Jequitinhonha – MG.

Além de músico, também é autor de 200 telas a óleo e acrílico e de 15 livros. Sua carreira artística teve início aos 13 anos de idade, inicialmente com as artes plásticas. E começou na música participando de um conjunto chamado “The Giants”, em que trabalhou com Rogério Braga, Mauro Mendes, Marivaldo Chaves, Salvador, Edmar Moreira e André, interpretando canções The Beatles, The Fevers, Os Incríveis, Erasmo e Roberto Carlos, dentre outros. A partir do final dos anos 1960 participou de festivais regionais de música e de poesia, tendo realizado inúmeros shows em cidades do interior de Minas Gerais. Nos anos 70, mudou-se para São Paulo onde morou por dez anos, período no qual trabalhou com o cantor, humorista e ator Saulo Laranjeira, também nascido em Pedra Azul. Retornou para Minas, se fixando em Belo Horizonte onde mora até hoje. Durante o tempo em que viveu em São Paulo gravou seus três primeiros discos. O LP de estréia fez grande sucesso com a canção que lhe dá o título: “Jardim da Fantasia”, popularmente conhecida como “Bem-te-vi”. Com um estilo que varia do romântico à MPB, fortemente influenciada pelo Clube da Esquina e com algumas composições de chorinhos. Ele tem 21 discos gravados, a maioria deles independentes, tendo vendido cerca de 500 mil exemplares de toda a sua obra. Dentre os quinze livros, dentre eles “Delírio Habanero – Pequeno Diário em Cuba”, escrito durante visita à ilha de Fidel Castro.

Apesar de não estar na mídia de massa, tem muitos fãs pelo sudeste, principalmente universitários. Pesquisa feita pela AMAR (Associação de Músicos, Arranjadores e Regentes), o destacou como o segundo cantor mais conhecido de Minas Gerais, perdendo apenas para Milton Nascimento.

Segue abaixo a entrevista exclusiva de Paulinho Pedra Azul para a www.ritmomelodia.mus.br , entrevistado por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa  em 01/11/2011:

01) Ritmo Melodia: Qual a sua data de nascimento e sua cidade natal?

Paulinho Pedra Azul: Eu nasci no dia 03/08/1954 na cidade de Pedra Azul, Médio Jequitinhonha, Minas Gerais, Brasil.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

Paulinho Pedra Azul: A música sempre rodeou minha vida, desde que nasci. Meu pai (Seu Dijon), sempre comprava os álbuns vendidos pelos viajantes que passavam pela cidade. Músicas de todas as nacionalidades, mas a brasileira era predominante. Bons tempos!

03) RM: Qual a sua formação musical e acadêmica fora da música?

Paulinho Pedra Azul: Não estudei música. Aprendi de ouvido, sempre atento aos primeiros tons que meu irmão mais velho (Carlos Dijon) tirava no violão dele, que meu pai deu de presente. A mim, caberia uma sanfona que logo depois virou uma bicicleta. Formei-me em Técnico em Contabilidade, fiz vestibular em Belo Horizonte, na FAFICH, para jornalismo, mas não fiz o curso, pois fui para São Paulo, onde morei 11 anos e gravei meus três primeiros discos.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente? Quais deixaram de ter importância?

Paulinho Pedra Azul: No passado as influências foram: The Beatles, Jovem Guarda, Nelson Gonçalves, Altemar Dutra, The Fevers, Os Incríveis, Paulo Vanzolini, Azimuth, Dominguinhos, Demônios da Garoa, Lúcio Cardin, Adoniran Barbosa, etc. No presente: Alceu Valença, Geraldo Azevedo, Fagner, Ednardo, Belchior, Chico Buarque, Milton Nascimento, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Beto Guedes, Arrigo Barnabé, Almir Sater, Tarancon, Chorinhos, Sambas, Paulinho da Viola, Moacyr Luz, João Bosco e Aldir Blanc, Fundo de Quintal, Zeca Pagodinho, Dona Ivone Lara, Almir Guineto, etc.

05) RM: Quando, como e onde você começou a sua carreira musical?

Paulinho Pedra Azul: Eu comecei minha carreira em apresentações nos colégios, festivais, bailes, clubes, formando conjuntos (Bandas)…

06) RM: Quantos CDs lançados e os anos de lançamentos ? E quantos livros lançados?

Paulinho Pedra Azul: Discografia:

1982 – Jardim da fantasia (RCA/BMG/Ariola) LP/CD

1984 – Uma janela dentro dos meus olhos (Independente) LP

1986 – Sonho de menino (Independente) LP

1988 – Pintura (Independente) LP

1989 – Papagaio de papel (Independente) LP

1990 – Mais uma vez (Clave de Lua) LP

1991 – Paulinho Pedra Azul-10 anos/Coletânea (Clave de Lua) LP/CD

1992 – Uma história brasileira (Clave de Lua) LP/CD

1994 – Quarenta (Velas/Clave de Lua) CD

1995 – Vivo (Velas/Clave de Lua) CD

1997 – 15 Anos (Clave de Lua) CD

1997 – O Instrumental Encantado (Clave de Lua) CD

1997 – As Estações Do Homem (Clave de Lua) CD

1998 – Alma Expressa (Coletânea) (1998) (Clave de Lua) CD

1999 – E Lá Vou Eu NEssa Estrada (Escola de Canto Babaia) (Independente) CD

1999 – Samba Canção (Clave de Lua) CD

2000 – As Canções de Godofredo Guedes – Paulinho Pedra Azul e Wagner Tiso (NS Produções) CD

2002 – 20 Anos (Clave de Lua) CD

2004 – Os 50 Anos de Paulinho Pedra Azul (Clave de Lua) CD

2006 – 25 Anos (Clave de Lua) CD

2008 – Lavando A Alma (Clave de Lua) CD

2011 – Paulinho Pedra Azul – 30 Anos (Som Livre) CD

Livros publicados: 

1978 – Pedaço de Gente – Independente.

1984 – Borboleta Branca com Cheiro de Cravo (Infantil) – Independente.

1989 – Uma fada nos meus olhos (Infantil) – Editora Lê.

1990 – Conta Gotas – Editora Dino Sávio / Clave de Lua.

1990 – Soltando os Bichos (Infantil) – Editora Lê.

1990 – Borboleta Branca com Cheiro de Cravo (Adulto) – Editora do Brasil.

1991 – De Versos – Edições Giordano.

1992 – A Canção do Circo (Infantil) – Editora Lê.

1995 – A Menina da Janela (Infanto-Juvenil) – Editora Lê.

1995 – Quando se Olha pra Dentro – Editora Dino Sávio / Clave de Lua.

1998 – Do Bico do Passarinho Para o Bico da Caneta – Clave de Lua.

1999 – Uma Pedra no Caminho – Clave de Lua.

2000 – Dois Mundos – Clave de Lua.

2002 – Delírio Habanero (Pequeno Diário em Cuba) – Clave de Lua.

2004 – Poesia Noite e Dia – Clave de Lua.

07) RM: Como se deu o convite e contrato pela Som Livre para gravar uma coletânea dos 30 Anos de Carreira? Quais as participações especiais? Quais as músicas que estão neste trabalho?

Paulinho Pedra Azul: O CD – 30 ANOS, teve a participação do Padre Fábio de Melo, que é meu amigo há mais de 10 anos e participei de um CD dele há oito anos. O Presidente e Vice da Som Livre me viram cantando num show dele (Padre Fábio) e me contrataram para esse trabalho de comemoração de 30 anos de carreira e lançamos essa coletânea com 4 regravações.

08) RM: Faça um balanço dos seus 30 anos de carreira. Comente os prós e contras de sua trajetória.

Paulinho Pedra Azul: Trinta anos de carreira me trouxeram várias informações, para que eu amadurecesse o suficiente para me tornar um profissional dedicado e esperançoso, que é o que continuo fazendo até hoje e vivo em paz quanto a isso.

09) RM: Como você define o seu estilo musical?

Paulinho Pedra Azul: Meu estilo musical é BRASILEIRO.

10) RM – Como você se define como cantor/intérprete?

Paulinho Pedra Azul: Canto por amor. Gosto de cantar coisas que deixam as pessoas refletindo. Canto, acreditando que estou rezando e me realizando.

11) RM: Você estudou técnica vocal?

Paulinho Pedra Azul: Nunca estudei canto. Sou original (risos).

12) RM: Quais os cantores e cantoras que você admira?

Paulinho Pedra Azul: Gosto de ouvir o Milton Nascimento, Gal Costa, Maria Rita, Nana, Emílio Santiago, Dory Caymi, Fagner, Roberto Carlos.

13) RM: Como é seu processo de compor? Quem são seus parceiros musicais?

Paulinho Pedra Azul: Tenho mais de 40 parceiros musicais. Eles me mandam a música e eu faço as letras.

14) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Paulinho Pedra Azul: Ser independente não é muito diferente de estar numa gravadora, que também não deixa de ser independente no processo de gravar, produzir, divulgar. Meus discos são produzidos com pouca grana, mas com muita gana. Assim eu consigo ser 100% fiel ao resultado final.

15) RM: Como você analisa o cenário musical brasileiro? Em sua opinião quem foram as revelações musicais nas duas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Paulinho Pedra Azul: Os artistas antigos estão bem e criativos. Caetano Veloso é o maior exemplo disso. Está à frente do tempo! Deus disse: Artistas, cantem, componham, viagem, mas deixem o futuro para Caetano Veloso!. Os novos são geniais: Yamandú Costa, Maria Gadú, Maria Rita, Roberta Sá, Carla Villar, Paula Santoro, Selma Carvalho, Marina Machado, etc. A música Sertaneja, o Axé, o Pagode e o Funk, regrediram demais, estão fora do aceitável, o que é uma pena.

16) RM: Qual ou quais os músicos conhecidos nacionalmente que você tem como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

Paulinho Pedra Azul: Dominguinhos, Wagner Tiso, César Camargo Mariano, Roberto Carlos, Zeca Baleiro, Maria Rita, Leny Andrade, Pery Ribeiro, Maria Bethânia.

18) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical?

Paulinho Pedra Azul: Quando você lida com público, tudo pode acontecer, desde um cano no cachê (nunca aconteceu comigo!). Até cantar para seis pessoas em um teatro de 200 lugares (aconteceu comigo! Risos).

19) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Paulinho Pedra Azul: Mais feliz é quando as pessoas vibram e cantam junto comigo. Mais triste é cantar para gente mal educada e mal informada, que não estão nem aí para o show.

20) RM: Nos apresente a cena musical na cidade que você mora?

Paulinho Pedra Azul: Belo Horizonte ferve de música boa. É um Caldeirão de diversidade rítmica e de alta qualidade. Estamos muito bem na fita, no CD, no palco e nos bares da vida.

21) RM: Na sua opinião você faz música mineira ou música caipira mineira?

Paulinho Pedra Azul: REPETINDO: Faço música BRASILEIRA (risos).

22) RM: Quais os músicos ou/e bandas que você recomenda ouvir?

Paulinho Pedra Azul: BANDAS E GRUPOS: Roupa Nova, Boca Livre, Bossakucanova, Demônios da Garoa. MÚSICOS: Celso e Juarez Moreira, Beto Lopes, Aranha, Toninho Horta, Duo fel, Duo Assad, Marco Pereira, Rafael Rabelo (O maior de todos), Yamandú Costa.

23) RM: Você acredita que sem pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

Paulinho Pedra Azul: Minha música toca ha trinta anos no Brasil todo, sem eu ter pago um centavo de jabá. Milagres existem!(risos).

24) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Paulinho Pedra Azul: Para quem gosta do que faz, os empecilhos viram lições. Temos que trabalhar, trabalhar, trabalhar…

25) RM: Quais os seus projetos futuros?

Paulinho Pedra Azul: Futuramente penso num documentário sobre minha vida de artista INDEPENDENTE que resistiu a tudo e todos. E publicar meu décimo sexto livro que é um diário que escrevi entre Berna e Milão e voltar com as minhas pinturas, para uma futura exposição. No mais, saúde, amores, filhos, amigos, fé em Deus e bola pra frente, porque atrás vem gente!(risos).

26) RM: Contatos ?

Paulinho Pedra Azul: paulinhopedraazul@yahoo.com.br   | (31) 3344 – 2163. Grato a revista Ritmo Melodia pela oportunidade. Parabéns pelo belíssimo trabalho | www.myspace.com/paulinhopedraazul

O que achou? Comente aqui!