Waalkyria Mendes

Waalkyria Mendes

A cantora, compositor pernambucana Waalkyria Mendes com mais de trinta anos de carreira, tem como influência artística a família e seu pai Vicente de Paula como grande inspiração.

Vicente de Paula era militar do exército e músico da banda do quartel de Arco Verde – PE, ele tocava saxofone, requinta e clarinete e participava ativamente do coral do exército. A mãe da cantora, Maria José Mendes, dona de casa costumava fugir para cantar na rádio difusora da sua cidade. E sua irmã Maria Auxiliadora Mendes (Dora de Paula) também seguiu como cantora e fez mais de quatro mil gravações como vocalista, juntamente com Robson Ricardo (falecido em 2020), as duas cantoras formavam um trio mais procurado do Brasil para diversas gravações de jingle, LPs, CDs, e entre outros trabalhos.

Waalkyria Mendes iniciou a sua carreira precocemente aos cinco anos de idade nos programas infantis das televisões locais como “Cidade encantada da Tia Linda” na Tv jornal, teve diversas apresentações no programa de Jota Ferreira e Paulo Marques. Aos 13 anos se profissionaliza e começa a fazer suas primeiras apresentações em bandas de baile e com Paulo Tony e a super banda, com 16 anos tem sua primeira experiência já nos estúdios de gravação onde começa sua trajetória como vocalista e cantora.

Devido ao seu sucesso em 1984, recebe o convite do cantor Gustavo Travassos, filho do saudoso Eneias Freire, fundador do maior bloco do mundo, a cantar no trio oficial e se torna a primeira cantora oficial do Galo da Madrugada, parceria que durou oito anos. Faz sua primeira turnê pela Europa em Portugal/Lisboa no ano de 1988 à frente da banda “Forró Brasil” do Rio Grande do Norte onde representou a “cultura nordestina” durante seis meses. De volta ao Brasil grava seu primeiro LP solo em 1992 pela Poly disk, em 1997 grava seu segundo trabalho no Studio Somax, o CD – “Não foi em vão”, lançado pela gravadora Continental sendo umas das músicas mais tocada nas rádios de todo o Nordeste. Esse CD foi divulgado em todo país e a cantora fez uma maratona de shows.

Em 1997 surgi a primeira dupla de Forró do país formada por Gennaro & Walkyria e lançam o primeiro CD – “Forró alegria do povo”, gravaram sete álbuns, incluindo duas coletâneas com interpretação de obras de João Silva, Nando Cordel, Antonio Barros e Cecéu. Com o fim do casamento de 17 anos (de 1997 a 2013) chega ao fim da dupla.

Em 2008 após a separação com Gennaro dentro e fora dos palcos, muda o nome para Waalkyria retoma a sua carreira solo e lança o CD – “Tributo a Marinês” a eterna rainha do xaxado na qual a própria Marinês em vida lhe pedia pra registrar suas belas obras. Em 2011 tem a ousadia de gravar as músicas do rei do baião em um show ao vivo.

Participou de diversos festivais de música em todo o Nordeste, ficou em segundo lugar no festival de música carnavalesca com o frevo “Cheiro de guerra” composição de Junior vieira e com arranjos de Spok, no ano seguinte e ganha como melhor interprete e fica novamente em segundo lugar com a música “De bem com a vida”, participou de abertura e encerramento do carnaval do Recife – PE onde é presença cativa no orquestrão multicultural do Recife projeto do maestro Spok.

Em 2014 lançou o seu primeiro CD católico – “Cuida de mim” e fez diversos cursos de qualificação e especialização em técnica vocal em diversos países como: França, Espanha, Portugal, México.

Em 2017 lança “Vida minha”, sua música em parceria com sua sobrinha Sheila de Paula, o trabalho é uma releitura de grandes clássicos do Forró das antigas.

Walkyria Mendes tem diversos trabalhos também com as bandas: Caviar com rapudura, Calcinha Preta, Calypso, Libanos, Magníficos, Brucelose, Aveloz, Pancada de amor, Anjo Azul, entre outras.

Segue abaixo entrevista exclusiva com Waalkyria Mendes para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistada por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 05.05.2021:

Índice

01) Ritmo Melodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

Waalkyria Mendes: Nasci no dia 28.06.1968 em Recife – Pernambuco. Registrada como Walkyria Mendes de Paula Silva.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

Waalkyria Mendes: O meu primeiro contato com a música foi através de meu pai Vicente de Paula.

03) RM: Qual a sua formação musical e/ou acadêmica fora da área musical?

Waalkyria Mendes: Minha formação em música é como cantora e sou professora de Canto. Fora da música atuo como pedagoga. Estou cursando Estética corporal e facial.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

Walkyria Mendes: Na minha infância vem dos meus pais (Vicente de Paula e Maria José Mendes de Paula).

05) RM: Quando, como e onde você começou a sua carreira musical?

Waalkyria Mendes: Comecei a cantar com cinco anos de idade (1973) no “Programa cidade encantada com tia linda” no canal 2 de televisão em Recife – PE. Mas nos estúdios de gravações aos 13 anos de idade (1981), em que trabalhei com vários artistas de nível nacional e internacional como: Dominguinhos, Alceu Valença, Beto Barbosa, Cauby Peixoto, Ângela Maria, Vanusa, Aguinaldo Timóteo, Aguinaldo Rayol, Reginaldo Rossi, Luís Airão, Elson Forrogode, Osvaldinho do acordeon, Noite Ilustrada, Maurício Regeis, Núbia Lafaiete, Dalva de Oliveira, Roberto Miller, Fernando Mendes, Paulo Diniz, Leonardo Sullivan, Machel Sullivan, Xuxu, Benito Di Paula, José Augusto, Almir Bezerra, Kakau Góis, Naná Vasconcelos, Esqueci João Silva, Antônio Barros e Cecéu, Kisan Neri, Tânia Alves, Renata Arruda, Joana, Simone, me apresentei no melhor São João do mundo em Campina Grande – PB, com Sérgio Mendes (em que eu e minha irmã Dora de Paula cantamos na abertura da novela Renascer), Flávio José, Santana – O Cantador, Alcimar Monteiro, Maciel Melo, Jorge de Altinho, Adelmário Coelho, Del Feliz, Antônio José, Quinho de Valente, Terezinha do Acordeon, Ceiça Moreno, Amazan, Ton Oliveira, Genival Lacerda, Junior vieira, Nando Cordel, Calypso, Magníficos, Calcinha Preta, Companhia do Calypso, banda Loirinha, etc. Minha voz está em mais de quatro mil discos.

06) RM: Quantos CDs lançados?

Waalkyria Mendes: Lancei dez CDS e um LP. Em 1989 o primeiro LP pela Poly Disk. Em 1996 o segundo CD – “Não foi em vão” pela Continental. Em 1997 o terceiro CD – “Gennaro e Walkyria”, fui casada e companheira nos palcos por 17 anos (1997 a 2013). Em 1998 o quarto CD – “Gennaro e Walkyria – o melhor do Forró”. Em 1999 o quinto CD – “Gennaro e Walkyria – uma coletânea” pela Poly Disk. Em 2000 o sexto CD – “Gennaro e Walkyria – alegria do povo no Forró”. Em 2007 o sétimo CD após ganhar o segundo lugar como melhor intérprete de música carnavalesca pela prefeitura do Recife – PE. Em 2010 oitavo CD – “Walkyria Mendes canta Luiz Gonzaga”. Em 2011 o nono CD – Walkyria Mendes canta Marinês a rainha do xaxado”, e a própria Marinês me pede para segurar as suas obras. Em 2014 o décimo CD, um católico – “Cuida de mim”. Em 2017 o décimo primeiro o CD – “Vida minha”, com forrós das antigas, em que eu também tenho composição minha. Em 2002 fiz um CD com sambas de Ary Barroso.

Músicos que já participaram nos meus álbuns: Toninho Tavares (baixo), Wellington (bateria), Luciano Magno (guitarra), Quartinha (zabumba), Durval Zabumbeiro, Dora de Paula (vocal), Robson Ricardo (vocal), Gennaro (acordeon), Mahattima Costa (acordeon).

07) RM: Como você define seu estilo musical?

Waalkyria Mendes: Meu estilo musical é eclético, pois em cima do palco eu sou também eclética, pôr ser professora de dança popular.

08) RM: Você estudou técnica vocal?

Waalkyria Mendes: Eu estudei técnica vocal e dou aulas de canto e técnica vocal.

09) RM: Qual a importância do estudo de técnica vocal e cuidado com a voz?

Waalkyria Mendes: A importância do estudo de técnica vocal é o conhecimento da própria voz. E o cuidado com a voz é falar sempre baixo entes e depois de cantar. Dormir bastante também faz parte do cuidado com a voz.

10) RM: Quais as cantoras (es) que você admira?

Waalkyria Mendes: Dominguinhos, Ângela Maria, Gal Costa, Elis Regina, Flávio José, Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro.

11) RM: Como é o seu processo de compor?

Waalkyria Mendes: Quando eu estou dormindo vem inspirações, acordo para criar canções.

12) RM: Quais são seus principais parceiros de composição?

Waalkyria Mendes: A minha sobrinha e cantora Sheila de Paula.

13) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Waalkyria Mendes: Quando fazemos um trabalho independente temos muitas dificuldades em divulgar. Não é fácil. Mas de uma coisa eu sei, eu não posso desistir.

14) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira dentro e fora do palco?

Waalkyria Mendes: Estudar antes de projetar tudo.

15) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira?

Waalkyria Mendes: A internet ajuda em tudo, mas se eu fizer alguma coisa errada, ela me derruba logo. Sabemos que nada no mundo é perfeito.

16) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso à tecnologia de gravação (home estúdio)?

Waalkyria Mendes: A mais de vinte anos atrás gravávamos em uma fita que demorava e muito. Hoje gravamos em um computador aonde se uma voz for desafinada o computador afina em dois tempos (risos).

17) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo. Mas, a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que você faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

Waalkyria Mendes: Antigamente só fazia sucesso quem era afinada e talentosa. E hoje qualquer um grava e só paga o jabá na rádio, tv, para fazer sucesso. Eu dou aulas de técnica vocal e sou esteticista na área de face e corpo para ir sobrevivendo.

18) RM: Como você analisa o cenário do Forró. Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Waalkyria Mendes: O cenário do Forró sempre foi nível classe A. As revelações nas últimas décadas: Flávio José, Adelmário Coelho. Os dois artistas que ainda permanecem: Alceu Valença, Beto Barbosa, etc.

19) RM: Quais os músicos já conhecidos do público que você tem como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

Waalkyria Mendes: Quartinha zabumbeiro, Toninho Tavares, Durval zabumbeiro, Mestre Camarão (compositor e acordeonista Reginaldo Alves Ferreira, um grande músico), minha irmã Dora de Paula.

20) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical (falta de condição técnica para o show, brigas, gafes, show em ambiente ou público tosco, cantar e não receber, ser cantado etc)?

Waalkyria Mendes: Foram muitas situações inusitada como não ter dinheiro para colocar gasolina, passar fome, etc. Já levei muita cantada por políticos, que me contratava e depois me convidava para manter relações sexuais, eu recusava e o contratante me queimava para os próximos eventos. Mas eu não me abalava, pois sou cantora e professora de canto.

21) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Waalkyria Mendes: O que me deixa mais feliz é levar alegria para nosso povo tão sofredor. E também o que me deixa mais feliz é o reconhecimento profissional.

22) RM: Qual a sua opinião sobre o movimento do “Forró Universitário” nos anos 2000?

Waalkyria Mendes: Este Forró já existia na época de seu Luiz Gonzaga. Aí vem falar que é universitário, por ser tocado pelos estudantes. Luiz Gonzaga deixou uma boa referência para todos que fazem um bom Forró.

23) RM: Quais os grupos de “Forró Universitário” chamaram sua atenção?

Waalkyria Mendes: Só teve um grupo com seu jeito bem rasteiro no falar e no cantar: Falamansa.

24) RM: Você acredita que sem o pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

Waalkyria Mendes: As rádios deveriam tocar músicas de qualidade e de intérprete que tivesse uma perfeita voz. Mas o jabá atrapalhou muito a tudo e a todos. Eu acredito que sem o pagamento do jabá a nossa música pela qualidade poderia ser tocada.

25) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Waalkyria Mendes: Eu falo para quem está começando no meio musical que tenha muita força de vontade, pois o caminho é árduo, mas que se eu puder, eu ajudo o mundo é para todos.

26) RM: Quais os prós e contras do Festival de Música?

Waalkyria Mendes: O bom dos festivais de música é que se for no nível nacional o artista já fica sendo conhecido.

27) RM: Hoje os Festivais de Música revelam novos talentos?

Waalkyria Mendes: Eu acho que ajuda muito.

28) RM: Como você analisa a cobertura feita pela grande mídia da cena musical brasileira?

Waalkyria Mendes: Eu analiso como péssima a cobertura feita pela grande mídia, o pagamento do jabá é a lei e a grande mídia não propaga a diversidade musical.

29) RM: Qual a sua opinião sobre o espaço aberto pelo SESC, SESI e Itaú Cultural para cena musical?

Waalkyria Mendes: Estou até hoje querendo entrar no Sesc, Sesi, mas ainda não entrei é lamentável. Eu tenho 35 anos de carreira musical, fui a primeira a cantar no primeiro trio elétrico do Galo da Madrugada. Quem tem mais história na música não tem oportunidades nesses espaços. E pessoas que não tem nada a haver com a nossa música regional tem mais direitos a tudo. Quantas vezes terei que me apresentar em países da Europa e da américa latina. Na França me especializei como professora de técnica vocal. Mas enquanto viva estiver eu não posso parar.

30) RM: Qual a sua opinião sobre as bandas de Forró das antigas e as atuais do Forró Estilizado?

Waalkyria Mendes: As bandas de Forró das antigas (Mastruz com Leite, Magníficos, Cavalo de Pau, Calcinha Preta, etc) não tenho nada contra, pois se não fosse Luiz Gonzaga na história, essas bandas ainda não estariam aí. E as bandas do Forró Estilizado, eu não acho que são estilos, pois ainda permanecem o mesmo ritmo do Forró de Luiz Gonzaga, só mudaram a frequência de som e da maneira de tocar nos estúdios.

31) RM: Waalkyria Mendes, Quais os seus projetos futuros?

Waalkyria Mendes: Meus projetos no futuro é pedir a Jesus Cristo que faça alguma coisa pela nossa cultura e que eu possa estar levando a minha história musical para o mundo.

32) RM: Quais seus contatos para show e para os fãs?

Waalkyria Mendes: (81) 99800 – 5282 | 98712 – 2769 | [email protected]

https://web.facebook.com/walkyria.mendes

www.instagram.com/walkyria.mendesoficial

https://www.palcomp3.com.br/producaoevideos/

https://www.forroemvinil.com/tag/walkyria-mendes/

Canal: https://www.youtube.com/channel/UCnJ3-mODVK0u3lCVMpmOqAw

CD Walkyria Mendes: https://www.youtube.com/watch?v=un43oWxNDpY

Wallkyria canta Marinês as melhores: https://www.youtube.com/watch?v=G3NUlJZiu5A

Walkyria Mendes Live junina 2020: https://www.youtube.com/watch?v=t2vU_iJvmxg

Vida Minha /Walkyria Mendes: https://www.youtube.com/watch?v=skByCRcAoRI

Festa no interior-Walkyria Mendes: https://www.youtube.com/watch?v=S_O3Xrm4H2w

Walkyria Mendes – Carnaibas-PE: https://www.youtube.com/watch?v=g5rsprYRBSo

Ave Maria-WALKYRIA MENDES: https://www.youtube.com/watch?v=x2XAwgkqv9I

Walkyria Mendes – Cheiro de guerra: https://www.youtube.com/watch?v=y1fL-NqZ1aM

Sanfona Branca – Waalkyria Mendes: https://www.youtube.com/watch?v=Oxyst7Al10M

Walkyria Mendes – Bezerros-PE – 2012: https://www.youtube.com/watch?v=BgOJamWAW-0

Walkyria Mendes – Bezerros-PE: https://www.youtube.com/watch?v=0rf6rPhHWpI

Walkyria Mendes-Manhãs de setembro: https://www.youtube.com/watch?v=bpPESUaQBNs

Walkyria comemora 35 anos de carreira: https://www.youtube.com/watch?v=J5DE53hFEz8

Walkyria Mendes no Programa Metrópoles – PE: https://www.youtube.com/watch?v=7tgUZ5hQHqQ


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tagged

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor responsável pela revista digital RitmoMelodia desde 2001, jornalista, músico, poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, propaga a diversidade musical brasileira através de entrevistas e artigos. Jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB (1996 a 2000) que lançou um livro de poesia em 1998 e seus poemas ganharam melodias gravadas em três álbuns concluindo a trilogia "reggae baseado em poesia" no seu projeto musical Reggaebelde. Unindo a sensibilidade do poeta, músico com o senso crítico do jornalista e pesquisador musical colocado em prática em uma revista que Canta o Brasil.