More Systhar Coragem »"/>More Systhar Coragem »" />
Uma Revista criada em 2001
pelo jornalista, músico e poeta paraibano
Antonio Carlos da Fonseca Barbosa.

Systhar Coragem


Rapper, poetisa, escritora, missionária paulistana Systhar Coragem é uma artista que desenvolveu sua carreira na periferia da zona leste de São Paulo.

Realizou turnê e intercâmbio sócio cultural e humanitário de 2000 a 2006 em países como: Argentina, Paraguai, Equador, Chile, Uruguai, Bolívia, Colômbia. E de 2006 a 2012 na África: Cabo Verde, Moçambique, com trabalhos de acolhimento sócio cultural, utilizando o hip hop e a cultura, literatura periférica como ferramenta de diálogo na lusofonia.

Em 2019 participou do Primeiro Festival Tereza de Benguela e Mulher Negra Caribenha e Dia da Mulher Africana, no Centro de Cultura Negras – Mãe Sylvia de Oxalá, Casas de Cultura Municipal Hip Hop Sul e Campo Limpo – SP, com o Sarau Enfrentamento Preto e Tranças que Encantam. Em 2020 durante a pandemia covid-19, participou do circuito de shows Biblioteca Viva OnLine da Rede Pública Municipal com o Sarau Enfrentamento Preto 2020 contra o covid-19, com performances artísticas em 10 edições do sarau.

É integrante do Núcleo Mulheres Negras da Quebrada e da Casa de Cultura Hip Hop Sul, desde sua fundação, com participações e contribuições artísticas em diversos eventos culturais da Casa de Cultura Municipal Hip Hop Sul, dentre eles o terceiro Aniversário da Casa de Cultura em 2019. Evento do dia 20 de novembro

com a temática da África do Brasil. Em 2021, participou dos projetos Sarau Enfrentamento Preto, Vacina Sim – Genocídio Não! Na Casa de Cultura Municipal Cidade Ademar Itinerante, e ainda do Projeto Trançado Periférico Mulher Negra Cultura Criativa.

Atualmente realiza produção cultural de grupos e artistas de hip hop de São Paulo, em shows, eventos e saraus. Realiza o projeto autoral com músicas e poesias, com diversas participações das culturas negras periféricas contemporâneas. Entre eles os eventos Invadindo a Capital em novembro de 2019, A Voz do Gueto não se Cala em março de 2020 (antes da pandemia covid-19), Segundo Festival Rap Online em 2021, Live no Quintal em 2021.

É mais uma Preta do Guetho Paulista desde 1975 envolvida na Cultura Periférica resgatando nossas ancestralidades e o empoderamento feminino e a autoestima das pessoas mais sensíveis que se encontram em situações de vulnerabilidade social. Passando por várias tendências musicais.

Atualmente se dedicando ao movimento Hip Hop, e a causa das mulheres negras, por respeito e auto valorização, com uma vasta bagagem cultural procurando atingir ao máximo com meu trabalho de luta e resistência, vivências e conhecimentos.

Atualmente trabalhando na gravação do seu primeiro álbum – “RIMAS & POESIAS”. Que contará com diversas participações de nomes do Rap Nacional. E o objetivo é divulgar em rádios, escolas, palestras, debates, Roda de conversa, festivais, eventos e saraus. Pois, somente com Cultura, educação. Podemos mudar o Futuro da nação.

Segue abaixo entrevista exclusiva com Systhar Coragem para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistada por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 20.05.2022:

01) Ritmo Melodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

Systhar Coragem: Nasci no dia 21/06/1956 em São Paulo – SP. Registrada como Rose Meire Ramos Pereira.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

Systhar Coragem: Meus primeiros contatos com a música foi ainda criança, meus pais (José Manoel Pereira e Maria Aparecida Ramos Pereira) gostavam de ouvir música em casa. E minha mãe vivia cantarolando canções da época, tínhamos uma vitrola de toca discos e me lembro dela cantarolando ao escutar: Altemar Dutra, Pixinguinha, Ângela Maria, Inezita Barroso, etc…

03) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

Systhar Coragem: Minhas influências musicais vieram pelo gosto musical recebido pela minha mãe, Maria Aparecida. Eu por querer me sobressair a minha irmã mais velha (Valentina Pereira); que era a queridinha e perfeitinha da casa, ela começou a ouvir Beatles que era a sensação musical do momento. Eu para ser o oposto, descobri a banda Rolling Stones que era ouvida pelos jovens transviados e rebeldes, nessa época eu tinha 14 anos (1970). E, também nessa época comecei ouvir e a cantar muito Blues, MPB classe A. No presente ouço um pouco de quase tudo, mas estou mais seletiva, ouço do jazz ao Rock, do Blues ao Clássico. Escuto mais o RAP Nacional e alguns internacionais também. O atual Sertanejo, FUNK e a nova MPB já não escuto…

04) RM: Qual a sua formação musical e/ou acadêmica fora da área musical?

Systhar Coragem: Nunca estudei música, e não tenho formação acadêmica, mas gosto de ler muito, meus estudos foram só até o magistério da época. Hoje chamado de Ensino Médio.

05) RM: Quando, como e onde você começou a sua carreira musical?

Systhar Coragem: Comecei em 1975 (19 anos de idade), entrei numa banda de Rock na zona leste como backvocal, nessa banda de garagem, fiquei alguns meses. Eu era hippie na época, comecei também a cantar em barzinhos das cidades em que eu passava. Cantava de tudo. O cliente pedia e a gente cantava foi minha escola musical.

06) RM: Quantos CDs lançados?

Systhar Coragem: Tenho alguns trabalhos próprios e fiz algumas participações em trabalhos de amigos que podem serem encontrados no YouTube. Meu plano futuro é gravar meu primeiro álbum.

07) RM: Como você define seu estilo musical dentro do RAP?

Systhar Coragem: Eu defino como RAP Poesia, a realidade rimada em versos e prosas.

08) RM: Você estudou técnica vocal?

Systhar Coragem: Tenho algumas poucas noções de técnicas vocais. Nada muito profundo.

09) RM: Quais as cantoras (es) que você admira?

Systhar Coragem: Gosto de muitas representantes femininas da música: minhas favoritas internacionais são: Janis Joplin, Etta James, Billie Holiday, Nina Simone, entre outras. As nacionais, gosto de: Elza Soares, Leci Brandão, Elis Regina, Dina Di, Vanessa Kriolla, Amanda Negrasim, Fá Kabeluduru, Rita Lee, e várias outras…

10) RM: Como é o seu processo de compor?

Systhar Coragem: Eu não tenho um processo definido: as vezes estou no metrô, em casa ou conversando com alguém e me surge na mente as palavras e eu escrevo e gravo no celular. Em outros momentos ouço um beat (ritmo) em casa e as palavras surgem aí paro o que estou fazendo e gravo. Também depende muito do meu estado de espírito no momento…

11) RM: Quais são seus principais parceiros de composição?

Systhar Coragem: Geralmente componho sozinha, mas meu marido (S’dyBrown) também dá umas ideias. Ele também é rapper e trocamos opiniões em nossas composições.

12) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Systhar Coragem: Os prós: você tem a total liberdade de se expressar, e como só depende de nós para o lance sair, a gente se joga de alma e coração. Os contras: A correria para as realizações é maior, os custos são maiores. A gente tem que se atirar sozinha e na maioria das vezes não temos o reconhecimento desejado.

13) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira dentro e fora do palco?

Systhar Coragem: Eu procuro planejar dentro do processo que se apresenta, sem muitas estratégias programadas, sem roteiros pré-estabelecidos. Vai aparecendo e eu vou fazendo. Simples assim.

14) RM: Quais as ações empreendedoras que você pratica para desenvolver a sua carreira?

Systhar Coragem: Procuro não estabelecer regras, mas não fujo dos convites e me comprometo dentro do possível.

15) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira?

Systhar Coragem: A Internet como toda invenção humana tem seu lado bom e ruim. O lado bom é a facilidade de se comunicar, a facilidade de pesquisa. E tudo que diz respeito à conhecimento. O lado ruim que aparentemente parece bom é a divulgação do seu trabalho. Antes da Internet na época dos cartazes nos postes e paredes, da janela do ônibus voltando pra casa via os cartazes colados na parede anunciando um show, uma peça de teatro, etc. A Internet inibiu essa ação, e você acaba sabendo apenas o que acontece dentro do seu círculo de amigos, mais próximos, ou menos próximos…, mas o círculo é muito menor…

16) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso à tecnologia de gravação (home estúdio)?

Systhar Coragem: O Home Studio nos traz mais liberdade de criação e nos ajuda a progredir no interesse do que se está criando. E, a qualidade pode ser igual e até melhor do que sairia em um estúdio de maior porte ou nome.

17) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo. Mas, a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que você faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

Systhar Coragem: Sou bastante espiritualista. E, acredito que tudo acontece na hora que tem que acontecer, desde que você acredite. Eu tenho alguns pontos que já me destacam, então eu procuro me aprimorar nesses pontos, dando mais destaques para eles. Eu aposto na diversidade do que eu faço. Simples assim.

18) RM: Como você analisa o cenário do RAP brasileiro. Em sua opinião quais foram as revelações musicais nas últimas décadas? Quais artistas permaneceram com obras consistentes e quais regrediram?

Systhar Coragem: O RAP Nacional, não é apenas um estilo musical, é também uma ideologia, apesar de todas infiltrações que tentam denegrir a sua imagem ideológica, ele continua vivo. As maiores revelações dos últimos tempos do RAP Nacional são: a imortal, Dina Di, Racionais MC’s, Ndee Naldinho, Thaíde. Esses continuam consistentes nos seus propósitos ideológicos. Os que regrediram? Eu creio que não existe regressão, a música independente do estilo RAP tem altos e baixos, pois dependemos da grande mídia. E a grande mídia depende do Sistema que a manipula.

19) RM: Quais os músicos já conhecidos do público que você tem como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

Systhar Coragem: Conheço muitos que eu poderia citar aqui, por sua correria e dedicação naquilo que faz. Eu seria injusta se não citar quem eu conheço e acompanho a correria: Amanda Negrasim, Vanessa Kriolla, Poder Bélico da Favela, D’Antiga, entre muitos outros.

20) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Systhar Coragem: Mais feliz: quando lanço uma música e é bem aceita, e é compartilhada. Demonstra que o meu objetivo foi alcançado e que entenderam o que eu quis dizer. E, o que me entristece é o oposto, quando não consigo com o meu trabalho transmitir o meu sentimento. O meu objetivo é que ele seja ouvido e compartilhado.

21) RM: Você acredita que sem o pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

Systhar Coragem: Infelizmente nós sabemos que estamos vivendo em uma época um tanto confusa em que, não se sabe quem é e quem não é. Eu não costumo pagar “jabá”, por princípios, minhas composições tem sempre o intuito de fazer quem as ouve a refletir sobre o ser leal, consigo mesmo em primeiro lugar, então não teria sentido eu dizer uma coisa nas rimas e estar fazendo outras.

22) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Systhar Coragem: Mete o pé na porta e vai fazer seu sonho virar realidade!

23) RM: Quais os prós e contras do Festival de Música?

Systhar Coragem: Todo tipo de competição de música faleceu. Quem ganha se certifica de que está indo pelo caminho certo e quem perde estimula a melhorar.

24) RM: Como você analisa a cobertura feita pela grande mídia da cena musical brasileira?

Systhar Coragem: Nós gostamos de culpar a grande mídia da nossa ascensão ou anonimato, mas quem decide é o público. E se a música não cair no gosto do povo não há mídia que consiga elevar o artista a fama.

25) RM: Qual a sua opinião sobre o espaço aberto pelo SESC, SESI, Itaú, Banco do Brasil e CAIXA Cultural para cena musical?

Systhar Coragem: Foi um dos melhores programas da Cultura! Essa junção tem trazido muitos benefícios ao artista de todos os públicos em geral!

26) RM: O circuito de Bar na sua cidade é uma boa opção de trabalho para os músicos?

Systhar Coragem: Moro em São Paulo e os Bares que abrem essa oportunidade para os músicos são diversos e existem lugares para todos os ritmos e são ótimas oportunidades de aprendizado e reconhecimento pelo público.

27) RM: Quais os seus projetos futuros?

Systhar Coragem: Lançar um vinil e também agora estou me lançando como produtora cultural, promovendo eventos musicais e culturais, levando música, poesia e dança para as comunidades.

28) RM: Quais seus contatos para show e para os fãs?

Systhar Coragem: (11) 98481 – 1212 | [email protected] | [email protected]

| https://www.instagram.com/systharcoragem_poetiza

| https://www.instagram.com/rapper_poetiza_escritora

| https://www.instagram.com/systha_coragem

| https://www.facebook.com/CoragemSysthar

Canal: https://www.youtube.com/channel/UCHw_tsvtkLHzihsnbl91E4Q

A TRILHA – Systhar Coragem: https://www.youtube.com/watch?v=s3tLP0sLILc

Há verdades nessa vida! – Systhar Coragem: https://www.youtube.com/watch?v=nvZJNnijFkw

BASTA O POVO SE LEVANTAR- Systhar Coragem: https://www.youtube.com/watch?v=KzN-qhaKU7o

Projeto Trançado Periférico Mulher Negra Cultura Criativa Convida Live Shows – Sarau e muito mais: https://www.youtube.com/watch?v=QnqutT7hNMo

Projeto Trançado Periférico Mulher Negra Cultura Criativa Convida Live Shows – Sarau e muito mais: https://www.youtube.com/watch?v=oN4wnqekc60


Comments · 2

Deixe um comentário

*

Uma Revista criada em 2001
pelo jornalista, músico e poeta paraibano
Antonio Carlos da Fonseca Barbosa.
Notícias por WhatsApp