More Pedro Netto »"/>More Pedro Netto »" />
Uma Revista criada em 2001
pelo jornalista, músico e poeta paraibano
Antonio Carlos da Fonseca Barbosa.

Pedro Netto


O compositor, multi-instrumentista e professor baiano Pedro Netto (Pedrão) iniciou sua carreira musical nos anos 70 na banda do Trio Elétrico Novos Bárbaros de Salvador – Bahia com artistas como Sarajane, Marcos Lobos, Mônica Milet, Cezinha baterista. Fez parte da banda do Trio Elétrico Tapajós que se apresentou por um ano no Rio de Janeiro com vários artistas: Luiz Caldas, Elza Soares, Agepê, entre outros. Também fez parte do Trio Elétrico e Banda Mach Five de Valença-BA.

Em1986 fez tournée com Grupo Folclórico brasileiro por toda Itália em várias cidades. Pedro Netto ministrou workshops de percussão brasileira em Conservatório Privado, Escolas, Colégios públicos e privados, TV, rádios. Tocou com José Pedro Perez, Sisi Del Castillo, David Minguillon. Fez shows em vários locais durante 26 anos nas Ilhas Canarias, Tenerife, La Palma, Fuertventura, etc.

Pedro Netto fez participações na Oficina De Investigação Musical – OIMBA do saudoso mestre Bira Reis e foi assistente de direção e músico em workshops em vários eventos no Pelourinho – BA.

Na Ilhas Canarias – Espanha ele atualmente toca com o músico cubano Lázaro Angel Perez Cortarzar em Duo Violão e Trompete, música instrumental em Las Palmas de Gran Canárias, Tafira, Espanha. Simultaneamente formou outro Duo de MPB com Percussões e Violão, junto ao músico baiano Wellington Souza Santos sobrinho de Neguinho do Samba, o inventor do Samba Reggae e ex-músico do Olodum. Wellington e Pedro residentes em Tenerife.

Pedro Netto prepara o seu primeiro álbum de música instrumental e para documentários.

Segue abaixo entrevista exclusiva com Pedro Netto para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistado por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 16.03.2022:

01) Ritmo Melodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

Pedro Netto: 29 de junho de1959 em Salvador – Bahia. Registrado como Pedro Bispo dos Santos Neto.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

Pedro Netto: Inevitavelmente todos os sons que faziam parte do cotidiano de Salvador – Bahia como o candomblé, as missas da igreja católica, rodas de capoeira rodas de samba, as rádios, o samba de praia, Samba de Festa de Largo as Trezenas, Novenas e procissões, bandas de desfiles de colégios e militares, blocos de carnaval, afoxés, escolas de samba, batucadas, serenatas, serestas, trios elétricos, blocos de índios. Tinha esse bombardeio de música por todos os lados, logo, decidi tocar violão e comecei ao mesmo tempo que o bandolim.

03) RM: Qual a sua formação musical e/ou acadêmica fora da área musical?

Pedro Netto: Comecei a estudar Violão e Bandolim por livros da época e de forma autodidata. Logo conheci Mou Brasil (Paulo Brasil de Carvalho) e Luiz Brasil que me deram aulas de Campo Harmônico, escalas, intervalos, Improvisação e Harmonização. Harmonia Avançada com o maestro Ubiratan Marques e Mou Brasil. Minha formação segue sendo autodidata e com professores particulares em várias áreas como guitarra rock, guitarra jazz, blues clássico, choro, música contemporânea, flamenco. Morei na Espanha por 26 anos aonde tive acesso a todos os livros que nunca pude comprar no Brasil. Estudei e pratiquei piano jazz, estudos de harmonia e improvisação técnica de piano clássico, guitarra e ritmos flamencos, Flauta transversal e técnica do instrumento. Percussão brasileira e Escrita de partitura com o maestro Rogério Eduardo Souza de Jesus (Rogério Souza), brasileiro formado pelo Conservatório de Madrid. Canto Lírico com Asunción Pérez Rodríguez (Lá Laguna Tenerife). Canto Lírico com o professor Joan Ferrer (Barcelona).

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

Pedro Netto: Minha influência inicial é Gilberto Gil ao ouvir Expresso 2222 o som do violão numa música nordestina. Logo veio o Trio Elétrico na formação instrumental antiga de música solo e depois cantada. As Rodas de Choro, Toquinho, Baden Powell, António Carlos Jobim, jazz, blues, clássico, soul, a música Nordestina e hoje músicas do mundo. Olhando positivamente o passado deixou muito mais lições em todos os sentidos que o presente. O Brasil tem uma impressão indelével aonde tocar seus sons fica a marca. O Chorinho a Bossa Nova, o Balanço, a Gafieira, os ritmos Nordestino. O Samba em toda sua árvore genealógica e ramificações, incluindo todas as tendências até o Samba Reggae a MPB. Todos os ritmos de ponta a ponta que influi no peso das composições formam um passado brilhante. No presente tem um 30% de música de qualidade e audível e outros 70% de músicas que não vale a pena citar. O que é bom sempre volta e as mediocridades desaparecem e ninguém sabe como desapareceram. Existem milhares delas que são tão sem essências que desaparecem e ninguém lembra delas.

05) RM: Quando, como e onde você começou a sua carreira musical?

Pedro Netto: Nos anos 70 comecei tocando em festas de casa de amigos e casas privadas e dar canja em shows sempre aonde tinha alguém tocando. Em 1979 vieram me chamar em casa no primeiro dia de carnaval para tocar num trio elétrico como solista de música instrumental tal qual era no início do trio elétrico com a formação percussão e instrumentos de cordas e no repertório os frevos. As minhas pernas tremiam ao ver tanta gente e me equilibrar em cima de um palco que caminhava, mas deu certo. Depois me nutria de ir solar em Rodas de Choro com a velha guarda que me acompanhava, os velhos sabiam mais músicas que os jovens. Montei uma banda de rock no Colégio e treinava muito de tudo que estava ao meu alcance. Em 1982 passei a tocar na banda do Trio Elétrico Novos Bárbaros e gravamos um disco com músicas próprias que incluiu uma instrumental “Tribarbarizando a Praça”. No réveillon de 1983, eu debutei com a banda do Trio Elétrico Tapajós tocando com Luiz Caldas no Clube Caiçara na Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio de Janeiro.

06) RM: Quantos CDs lançados?

Pedro Netto: Ainda não lancei um álbum solo. Mas participei de várias gravações de álbuns e viagens e aulas que me ocupam muito.

07) RM: Cite os CDs que já participou tocando guitarra?

Pedro Netto: Como guitarrista em LPs no CD de Zeu Lobo.

08) RM: Como você define o seu estilo musical?

Pedro Netto: Livre.

09) RM: Como é o seu processo de compor?

Pedro Netto: As melodias aparecem rondando na minha cabeça e logo vou buscando os acordes e tratando de dar continuidade harmônica que os acordes encaixem num sentido musical. Em outras eu foco tocar acordes e vão aparecendo melodias. Eu prefiro cantar ou assobiar e o campo harmônico diz aonde eu devo ir.

10) RM: Quais são seus principais parceiros de composição?

Pedro Netto: Bira Paim Nery, Lito, David Minguillon.

11) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Pedro Netto: Contras: você tem que pagar tudo enquanto outros encontram apoio de todos os tipos e subsídios. Prós: ninguém lhe dar ordens nem alterar seus conceitos, concepções musicais e pessoais. Evita o chato do diretor, o babaca do presidente, aquela secretária que vive despeitada, etc…

12) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira dentro e fora do palco?

Pedro Netto: Por mais que faça estratégias o mundo da música gira muito veloz e desmonta tudo. Minha estratégia fora do palco é estar sempre alerta e preparado para ir aonde precisar. Mesmo que seja pegar o avião dentro de uma hora. Eu já deixei a mala pronta ou jogo o que eu puder nela e sigo na estrada. Quando recebi as perguntas para essa entrevista para a Ritmo Melodia, um dia depois me convidaram para tocar nas Ilhas Canarias (Espanha) e tive que desmontar a casa e mais uma vez fazer tudo muito rápido para viajar além da parte extensiva e intensiva documentação já preparando para morar no exterior. Dentro do palco a grande estratégia é o resultado de antes do show ter feito muitos ensaios.

13) RM: Quais as ações empreendedoras que você pratica para desenvolver a sua carreira musical?

Pedro Netto: Minha vida sempre girou em torno dos artistas que acompanhei. Até que decidi me fechar dentro da Mata Atlântica na Praia de Imbassaí na Bahia para compor. Foi o maior investimento que trago para o exterior para gravar meu primeiro trabalho de música instrumental.

14) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento da sua carreira musical?

Pedro Netto: A Internet só ajuda nos contatos através das redes sociais e WhatsApp. Mas na publicação de trabalhos funciona quando é pago através de impulsionamento. Vejo muita gente publicar coisas muito boas e não tem seguidores nem curtidas.

15) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso à tecnologia de gravação (home estúdio)?

Pedro Netto: A Vantagem é que se pode gravar sem pagar quantidades exorbitantes a um estúdio de grande porte. A Desvantagem é que sem a distribuição das músicas esse trabalho pode ficar aí dentro do Home Studio para sempre.

16) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo. Mas, a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que você faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

Pedro Netto: Eu estou focado na música de verdade e que cada um siga seu caminho. Se alguém vem me dizer que falta um contrabaixo potente e uma bateria pesada para alcançar o grande público, eu gravarei guitarras flutuantes! Sempre quero chegar ao ponto de ficar dentro da música sem me importar em competir. É muito importante aprender com as demais pessoas, com o novo, com as novas tendências e tecnologia. Mas também é importante desafiar tudo que está acontecendo e tratar de perfurar a muralha com algo original e natural.

17) RM: Como você analisa o cenário musical brasileiro. Em sua opinião quais foram as revelações musicais nas últimas décadas? Quais permaneceram com obras consistentes e quais regrediram?

Pedro Netto: Fui ao show do Jorge Vercillo no Projeto Tamar da Praia do Forte na Bahia. Ele e Violão no palco, foi fantástico. Ele foi o último da MPB a apresentar um trabalho inovador de todos os que estavam tocando nas rádios. Sobre regressão musical, o Brasil sempre foi palco de música brega e a lista de gente que faz música de mal gosto é extensa não tem como citar apenas um exemplo. O Retrocesso musical no Brasil está relacionado com a perda do poder cognitivo de muitos brasileiros que escutam música ruim com letra horrível que se multiplicam e tem espaço para essas músicas. O que representa um fracasso escolar para toda à sociedade brasileira. A escola não é só em uma sala de aula. A formação educacional é também o que vemos na TV, na internet e nas rádios. Se abaixa o nível, tudo cai! Tem muito mais compositores na resistência e persistência.

18) RM: Quais os músicos já conhecidos do público que você tem como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

Pedro Netto: Vários. Jorginho Gomes, Carlinhos Brown, Luiz Caldas, Rubem Dantas, Marcos Lobos.

19) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical (falta de condição técnica para show, brigas, gafes, show em ambiente ou público tosco, cantar e não receber, ser cantado, etc)?

Pedro Netto: Na carreira de um músico acontece muito mais do que foi citado na pergunta. Já abandonei o hotel, pois o empresário não pagou a diária! A empresa que ia sonorizar o show teve problema enviaram outros “profissionais” de última hora. Receber um cheque para a próxima semana. O Show ser adiado por falta de publicidade e público. Ao ligar o equipamento de som acontecer um apagão total no local. Em Friburgo no Rio de Janeiro aconteceu um incêndio no Trio Elétrico Tapajós. Em Salvador – BA aconteceu um incêndio em pleno show no Espaço Cultural da Barroquinha, eu tocando com A Oficina de Investigação Musical de Bira Reis.

20) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Pedro Netto: Feliz por que amo tocar e a música me faz feliz. Triste por que no mercado musical tudo é manipulado e as vezes você tem que enfrentar os tubarões e dinossauros.

21) RM: Você acredita que sem o pagamento do Jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

Pedro Netto: As rádios ficaram obsoletas já são coisas do passado se salvam no momento algumas emissoras. As rádios cumpriram sua missão, a internet e a tecnologia cada dia aponta os novos rumos e mudam o formato e arrastam tudo tirando o tapete de muitos. Hoje são as plataformas digitais que estão em alta.

22) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Pedro Netto: Eu oriento que se prepare tecnicamente, estude com um bom professor e se prepare psicologicamente e espiritualmente. Boa Sorte!

23) RM: Quais os guitarristas que você admira?

Pedro Netto: Gosto de muitos brasileiros e internacionais. Baden Powell, Pat Metheny, Paco de Lucia, John Williams,Toninho Horta.

24) RM: Quais os compositores eruditos que você admira?

Pedro Netto: Heitor Villa-Lobos, Vivaldi, Bach Mozart, Beethoven, Erik Satie, Debussy, Joaquin Rodrigo, Tedesco Castellnuevo.

25) RM: Quais os compositores populares que você admira?

Pedro Netto: Pixinguinha, Jacob do Bandolim, Waldir Azevedo, Paulinho da Viola, Cláudio Nucci, Paulinho Tapajós, Adir Blanc, Belchior, a lista é enorme…

26) RM: Quais grupos e artistas de forró que você já acompanhou?

Pedro Netto: Minha Experiência direta com o Forró foi no Forró Forrado na Rua do Catete no Rio de Janeiro aonde ia dar Canjas.

27) RM: Quais as principais diferenças e semelhanças de tocar Guitarra e Violão?

Pedro Netto: As Diferenças é que a Guitarra fica mais sensível por causa da captação elétrica do som e pode aumentar o volume e muitas vezes tem que atuar abafando cordas que não soam bem no acorde para não cobrir o que realmente deve soar. As características de timbres que são distintas. As semelhanças são as seis cordas com a mesma afinação.

28) RM: Quais os outros instrumentos que toca além de Guitarra e Violão?

Pedro Netto: Piano, Guitarra baiana, Bandolim, Ukelele, Flauta transversal e várias percussões.

29) RM: Quais as principais técnicas que o aluno deve dominar para se tornar um bom Guitarrista e Violonista?

Pedro Netto: Digitação atualizada de escalas para ambos instrumentos (Guitarra e Violão). Conhecer cada nota em cada casa em todo o braço do instrumento e todas as técnicas de mão direita e esquerda. Ornamentação musical clássica e moderna. Todas os tipos de acordes (Tríade e Tétrades) e suas inversões. Conhecer os intervalos por todo o braço do instrumento, Harmonia e tipos de harmonização. Ouvir bons guitarristas e violonistas. Saber ler partitura e tablatura. Hoje em dia temos muitos mais recursos, meios e métodos de aprendizagem. Trabalhar com diferentes ritmos e sobretudo ler ritmos na partitura.

30) RM: Quais os principais vícios e erros que devem ser evitados pelo aluno de Guitarra e Violão?

Pedro Netto: Não estar totalmente relaxado. Deixar de prestar atenção à postura. Pressa e tocar muito rápido. Não repetir as partes difíceis de forma separada até chegar a uma perfeita e natural execução.

31) RM: Quais os principais erros na metodologia de ensino de música?

Pedro Netto: Os principais erros na metodologia de ensino de música são: ensinar ler partitura e técnica do instrumento simultaneamente, ambos os estudos devem ser trabalhados de forma separadas e na sequência juntas. Não ensinar percepção aural dos intervalos e acordes indo direto a que o aluno toque uma canção como um autômato sentindo o efeito do prazer da música como uma diversão e não como é não a identificação e reconhecimento dos elementos que nela se encontram.

32) RM: Existe o Dom musical? Como você define o Dom musical?

Pedro Netto: A palavra dom foi empregada de forma para definir algo específico para uma pessoa e não para o potencial do ser humano. Eu desmitifico o Dom, qualquer pessoa tem a capacidade de aprender, mas depende da própria vontade, do ambiente que vive e as coisas que atraem a pessoa de forma natural. A música é algo abstrato, não podemos vê-la, não podemos agarrar, só podemos sentir através das vibrações que produzem diferentes efeitos e sensações em nosso cérebro. E para perceber necessitamos de concentração é o que todos os alunos de qualquer disciplina necessitam para aprender. A memória auditiva é muito elástica e ampla a música não faz nenhum esforço para se alojar no cérebro de uma pessoa. Daí a importância da música nas escolas. Todos podem aprender música!

33) RM: Qual é o seu conceito de Improvisação Musical?

Pedro Netto: Aparte de vir através dos anos estudando vários métodos e músicos. A inspiração enquanto improvisa é fundamental muitas vezes é melhor esquecer fórmulas, clichês e buscar a beleza, a expressão e o sentido. E a parte mais importante é estar conectado com a música e sem conexão não há nada.

34) RM: Existe improvisação musical de fato, ou é algo estudado antes e aplicado depois?

Pedro Netto: A improvisação pode ser aleatória e natural, e pode ser também estudada. Mas uma coisa é certa, a improvisação é de fato uma arte que vem de muitos estudos de acordes, de vários tipos de classificação, Campo Harmônico, o uso das Escalas e Intervalos, tríade, tétrade aliados estudos de células Rítmicas e ornamentação melódica.

35) RM: Quais os prós e contras dos métodos sobre Improvisação musical?

Pedro Netto: Prós: é que você aprende de um músico ou professor que dedicou muito tempo em criar uma direção para expor suas ideias, clichês, melodias e solos aonde se cria tensão, distensão, nota de extensão de acorde, cromatismo, passagem, Blue Note, etc. Contra! Mesmo aprendendo tudo isso, se você não criar seus próprios caminhos de improvisar, você não é você! Se John Coltrane começa o solo tocando a Nona do acorde, toque a Nona bemol e vá para Nona, mas modifique toda a frase mesmo que seja com as mesmas notas, mude a disposição delas ou toque elas em intervalos. Os prós é que sempre acende uma nova luz. Os contras é que é a forma, estilo, elementos de quem ensina o que você vai absorver, ninguém ensina a improvisar como você mesmo, você tem que descobrir o seu caminho, maneira e estilo para soar com luz própria.

36) RM: Quais os prós e contras dos métodos sobre o Estudo de Harmonia musical?

Pedro Netto: Hoje temos tudo a favor. Os métodos de Harmonia desde que Almir Santana Chediak; o homem tratou de Standarizar a escrituras de cifras de acordes no Brasil. Fez também o precioso dicionário de acordes uma contribuição das galáxias para todas as futuras gerações de músicos brasileiros e muitas coisas estão saindo à luz! Temos a Ian Guest, Luciano Alves, Nelson Farias e cada vez são mais professores que iluminam essa área que já foi muito escura aqui no país. O primeiro método de Harmonia que comprei era de Paul Hindemith isso sim era um contra. Tive que aprender toda notação de bequadro dobrado, sustenido, dobrado, bemol dobrado antes de aprender um encadeamento de acordes e melodia a quatro vozes. Hoje num Click podemos ter o melhor método editado em qualquer lugar do mundo com gráficos anagrama. Vídeo, fotografia, tablatura, partitura e muito mais. O contra, era o ensino antigo sem análise de campo harmônico, um tanto longe da compreensão para quem toca música popular.

37) RM: Quais os métodos que você indica para o estudo de leitura à primeira vista?

Pedro Netto: Método Prince Vol. I, II, III. O Método Takadimi, Gramani. Estudar com Marcelo Coelho que é muito bom músico e professor. Tem mais professores que tem canal no YouTube oferecendo aulas de qualidade. Independente de leitura à primeira vista a leitura musical também desenvolve outras habilidades.

38) RM: Como chegar ao nível de leitura à primeira vista?

Pedro Netto: Trabalhando todos os dias com música escrita. Eu gosto de ler uma partitura antes de dormir e quando acordo leio também. A última hora do dia é a primeira são muito importantes para ficar coisas.

39) RM: Quais os seus projetos futuros?

Pedro Netto: Trabalhar com Trilhas Sonoras para Filmes e Documentários no Exterior. Eu mudei no dia 4 de fevereiro de 2022 para Ilha de Tenerife, que é a maior das ilhas Canárias espanholas, perto da costa da África Ocidental. Estava morando na Bahia dentro da Mata Atlântica e com a pandemia do covid-19 e o antigoverno (Jair Bolsonaro) atual do Brasil para os artistas a situação profissional ficou muito difícil. Olhe aonde Caetano Veloso foi protestar e não só é o #AtoPelaTerra, todos estamos nela independente de todas as condições diversas de cada ser humano, todos necessitamos o mesmo, um lugar para sorrir e expandir a felicidade. Tenho uma filha aqui.

Muito obrigado e que a Ritmo Melodia lhe dê muitas alegrias para consagrar tanto trabalho e esforço em prol da música e dos músicos brasileiros. Que tudo seja auspicioso na sua vida! Seu campo de mérito é magnífico e atrativo, uma energia invisível e infalível! Não duvide nunca, toda riqueza vai até você! Um forte abraço, Antonio Carlos! Vou divulgar o máximo seu trabalho e sua revista todos os músicos que conheço.

40) RM: Quais seus contatos para show e para os fãs?

Pedro Netto: +34 671 35 97 19 | [email protected]

| https://www.instagram.com/pedronetto1000

| Canal: https://www.youtube.com/channel/UC8zCAcWa-z-bk6zFoTVeN0A

Natureza Mãe e Filha. / Music by Pedro Guitar Netto: https://www.youtube.com/watch?v=dfY0l-_Qx8E

Fonte Luminosa / Pedro Guitar Netto: https://www.youtube.com/watch?v=vQcC9DSiPWY

O Inventor / Pedro Guitar Netto: https://www.youtube.com/watch?v=RHSPX78jtH8


Deixe um comentário

*

Uma Revista criada em 2001
pelo jornalista, músico e poeta paraibano
Antonio Carlos da Fonseca Barbosa.
Notícias por WhatsApp