Marlene Andrade

Marlene Andrade

A cantora, compositora pernambucana Marlene Andrade começou a cantar com sete anos de idade em coral de Igreja Católica e iniciou profissionalmente em 1983, abrindo shows para outros artistas.

Gravou como backing vocal para vários artistas e jingles. Participou do Coral Canta Nordeste, da Rede Globo de Televisão. Em 1992 se destacou como a primeira e única cantora no gênero romântico dançante (Brega) em Recife. Gravou três LPs, 13 CDs, sendo um CD com a Banda Feijão com Arroz e outro CD com a Banda Forró Bronzeado, participou de várias coletâneas dançantes (Brega). Em 2016 gravou o DVD – “Forró em Sampa”. Ao longo de sua carreira, emplacou vários sucessos.

Marlene Andrade, se apresentou em vários programas de TVs e Rádios em todo Norte e Nordeste, tendo feito muitos shows em Recife, Maceió, João Pessoa, Fortaleza, Natal, Porto Velho. Também fez shows na fronteira da Bolívia. Desde 2006 reside em São Paulo, apresentou programa musical nas TVs Web, dentre elas: TV Bahamas, TV RBC e Amaral TV. também se apresenta em Rádios e TVS de São Paulo.

Ela percebeu que nas festas juninas e quermesses em São Paulo, encontrava seus conterrâneos com carência de Forró, e começou a mostrar sua cultura cantando o Forró Pé de Serra, e vem conquistando também o público paulistano. Há oito anos canta na festa Junina da Paróquia Nossa Senhora da Consolação e outras Quermesses. Em setembro de 2018 cantou no grande evento em São Paulo, o Forró da Garoa. Se apresentou no movimento Forró dos Amigos e em diversas casas de shows: Feijão de Corda (Santana), CTN, Tropical Butantã, Canto da Ema, Casa dos Artista (Biroska), Casas de Cultura em São Paulo, Festival do Morango, Festa Junina, Julina do Parque da Água Branca, entre outras. Em agosto 2019, se apresentou na grande homenagem ao centenário do Jackson do Pandeiro no CTN – Centro de Tradições Nordestinas. Participa de shows pelos coletivos: SP Forró, Mulheres na Arte do Forró, Forró das Minas. No carnaval de 2019 em São Paulo, cantou os frevos pernambucanos, no Bloco na Manha do Gato. Todos os anos participa cantando com a cantora Fabiana, no Bloco do Galo da Madrugada, em Recife-PE. Dividiu palco com vários artistas, dentre eles a dupla Caju e Castanha, Anastácia, Trio Sabiá, Trio Amizade, Trio Beijo de Moça, Trio da Lua, Banda Feijão com Arroz, Banda Keijo com mel, Walter de Afogados no Bloco Camburão da Alegria da PM em Recife,Fabiana, Arlindo Cross-Trio Elétrico Selva Nua no carnaval de Paulista-PE, no Galo da Madrugada no Trio do Amor.

Marlene Andrade, vem com sua cultura nordestina, cantando o autêntico forró, seu show é dançante e mostra o forró, xote, xaxado, baião e arrasta-pé, interpretando suas músicas e de artistas como: Alceu Valença, Elba Ramalho, Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro, Dominguinhos, Anastácia, Nando Cordel, Petrúcio Amorim, Maciel Melo, dentre outros. Além de Forró, Marlene canta muito Frevo. Também tem o projeto “Marlene AndradeCanta Elba”, fazendo uma homenagem a grande interprete da música popular brasileira.

Segue abaixo entrevista exclusiva com Marlene Andrade para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistada por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 22.12.2020:

Índice

01) Ritmo Melodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

Marlene Andrade: Nasci no dia 16.09.1962 em Recife-PE. Registrada como Marlene Gusmão.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

Marlene Andrade: Aos sete anos de idade, comecei a cantar em coral de Igreja.

03) RM: Qual a sua formação musical e formação acadêmica fora da área musical?

Marlene Andrade: Estudei um pouco de Piano, Teclado, Violão, Guitarra, porém não desenvolvi. Sou um pouco preguiçosa para instrumento (risos)! Tenho experiência em estúdio de gravação como backing vocal. Fora da música o Ensino Médio completo.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente.Quais deixaram de ter importância?

Marlene Andrade: No passado e no presente Diana, Elba Ramalho, Luiz Gonzaga. Nenhuma referência perdeu a importância.

05) RM: Quando, como e onde você começou a sua carreira musical?

Marlene Andrade: Comecei como secretaria do jornalista e radialista Samir AbouHana, ele apresentava um programa na rádio e tv Jornal do Comércio em Recife – PE. Nessa mesma época comecei a cantar, abrindo shows em circos para outros cantores, e também gravava backing vocal em estúdios de gravação, participei do Coral Canta Nordeste, da TV Globo do Recife. Depois gravei em 1989 meu primeiro LP independente, e comecei a fazer shows em Maceió – AL, Paraíba, Pernambuco, Rondônia e fui até a fronteira da Bolívia.

06) RM: Quantos CDs lançados?

Marlene Andrade: Em 1989 LP – “Forró e Lambada”. Em 1991 LP pela gravadora Polydisc, o sucesso em Recife com a música “Agora é tarde”, gênero romântico dançante. Em 1993 terceiro LP pela gravadora Polydisc, onde a música “Amor Bonito”, uma cumbia do ritmo latino foi bastante tocada. Em 1994 gravei o CD – “Feijão com Arroz”, com a banda “Forró Feijão com Arroz” de forró estilizado. Em 1996 gravei o CD – “Forró Bronzeado”. Em 1997 um CD pela gravadora Mega Music, tendo sucesso com a maioria das músicas, às principais foram: A Surpresa da Carta, Toca o Telefone, Escuta Meu Amor, Tenta Esquecer, Momentos de Amor, Meu Lamento, dentre outras. Em 1998 um CD pela gravadora Polydisc, destacou as músicas: “Como eu Te Amo”, “Deixa eu Te Amar”, “Oh Meu Amor”, “O Encontro”. Em 2002 um CD pela gravadora Atração, selo Sony Music, destacando as regravações: “Por Causa de Você”, “Te Amo que mais posso dizer”. Em 2003 o CD – “Marlene Andrade e Seus Sucessos”. Em 2004 o CD – “As 20 Melhores”. Em 2005 o CD – “A Noite do Arrocha”. Em 2009 o CD – “Arrocha com Pizadinha”, gravadora Bahamas Music. Em 2013 CD – “Os 20 Super Sucessos”, pela gravadora Polydisc. Em 2013 CD – “Na Base do Forró”. Em 2015 CD – “Forró Gostoso”. Em 2016 DVD – “Forró em Sampa”. Em 2018 CD – “Forró Danado”. Um CD com a banda “Forró Bronzeado”. Todos os LPs e CDs, com a produção do Múcio Araújo e os músicos que gravaram comigo: Teclados: Ramalho e Sergio Kirillos. Guitarras: Luciano Magno, Lalá, Ximbinha. Sax: Spok. Bateria: Welington, Karine. Baixo: Toninho, Juliana Andrade. Percussão: Ivo e Ivinho. Acordeon: Duda da Passira, Orginho, Léo. Zabumba: Quartinha,Michelle. Triângulo: Karine e Ivo. Vocais: Nena Queiroga, Monica Carvalho,Robson Ricardo. O perfil musical dos álbuns: Forró, Lambada, Brega. Músicas de destaques: “Agora é Tarde”, “Amor Bonito”, “Surpresa da Carta”, “Toca o Telefone”, “Escuta Meu Amor”, “Momentos de Amor”, “Oh! Meu Amor”, “Deixa eu Te Amar”, “Como Eu Te Amo”, “Sou tua namorada”, “Te Amo que Mais Posso Dizer”, “Swingueira do Arrocha”, “Quero Voltar pra Bahia”, “Amor e Saudade”, “Coração Danado”.

07) RM: Como é o seu processo de compor canção?

Marlene Andrade: Não me programo, a melodia aparece de repente, depois coloco a letra (risos)!

08) RM: Quem gravou as suas músicas?

Marlene Andrade: Tarcys Andrade, Fabiana, Walquiria Mendes, Ana Freire.

09) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Marlene Andrade: Prós é que você faz ao seu modo, e contras é não ter recurso para divulgar nas grandes rádios e TVs. Embora hoje, as redes sociais ajudam muito.

10) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo. Mas, a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que você faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

Marlene Andrade: Um bom repertório, um visual diferente, e um show dançante.

11) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso à tecnologia de gravação (home estúdio)?

Marlene Andrade: A vantagem é que se consegue gravar com baixo custo, bom para o artista que não tem condições financeira.

12) RM: Como você analisa o cenário do Forró. Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas duas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Marlene Andrade: O Forró vem crescendo em todo Brasil, e também em alguns países. Às revelações nas últimas duas décadas são: Jorge de Altinho, Petrúcio Amorim, Santanna – O Cantador. Eles têm altos e baixos, mas permanecem com suas obras.

13)RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical (falta de condição técnica para o show, brigas, gafes, show em ambiente ou público tosco, cantar e não receber, ser cantado etc)?

Marlene Andrade: Em uma cidade do interior de Pernambuco, eu e minha banda de gênero brega, que era só de mulheres. Na hora show, uma pessoa gritou dizendo que estávamos fazendo com playback e dublando. Na mesma hora parei o show, e perguntei, qual a música que você quer que eu cante, para você vê que meu show está ao vivo. Ele pediu uma música do Reginaldo Rossi. Cantei, ele viu que realmente estávamos fazendo ao vivo. Depois do show foi me pedir desculpa.

14) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Marlene Andrade: Mais feliz, é o carinho dos fãs. O mais triste é a falta da grande mídia divulgar nossa cultura.

15) RM: Você acredita que sem o pagamento do Jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

Marlene Andrade: Não. Mas alguns dos meus antigos sucessos no gênero romântica (Brega) ainda tocam em Recife e em algumas cidades do interior de Pernambuco. Meus atuais sucessos no gênero Forró, alguns amigos tocam em seus programas em São Paulo.

16) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Marlene Andrade: Estudar, se dedicar e fazer o diferencial, mostrando o seu melhor.

17) RM: Quais os prós e contras do Festival de Música?

Marlene Andrade: Favorece o encontro de novos artistas.

18) RM: Hoje os Festivais de Música revelam novos talentos?

Marlene Andrade: Se tiver divulgação, sim.

19) RM: Como você analisa a cobertura feita pela grande mídia da cena musical brasileira?

Marlene Andrade: A grande mídia dedica pouco espaço aos novos talentos, e principalmente a nossa cultura nordestina.

20) RM: Qual a sua opinião sobre o espaço aberto pelo SESC, SESI e Itaú Cultural para cena musical?

Marlene Andrade: Acho importantes esses espaços e tem uma boa estrutura para shows.

21) RM: O circuito de Forró na sua cidade?

Marlene Andrade: Centro de Tradição Nordestina, Canto da Ema, Remelexo, Forró dos Amigos.

22) RM: Quais os projetos futuros?

Marlene Andrade: Poder mostrar nossa cultura para as grandes mídias.

23) RM: Quais os seus contatos para show e para seus fãs?

Marlene Andrade: (11) 95481 – 8256 | 98480 – 1382

| marlenegusmã[email protected]

| https://web.facebook.com/cantoramarleneandrade

|https://web.facebook.com/marlene.andrade.36

| www.instagram.com/marleneandradecantora

Canal: https://youtu.be/7WZuVp2gROs

Playlist: https://youtu.be/bglENaxFSUs?list=PLeUo6CHQ-jSuFIjauYYNVNkNFTlbzau3a

Playlist: https://youtu.be/eAxNUIIxi6w?list=PLeUo6CHQ-jSuFIjauYYNVNkNFTlbzau3a

https://www.palcomp3.com.br/marleneandradeoficial

https://musio.net.br/marlene-andrade/discografia


Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor responsável pela revista digital RitmoMelodia desde 2001, jornalista, músico, poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, propaga a diversidade musical brasileira através de entrevistas e artigos. Jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB (1996 a 2000) que lançou um livro de poesia em 1998 e seus poemas ganharam melodias gravadas em três álbuns concluindo a trilogia "reggae baseado em poesia" no seu projeto musical Reggaebelde. Unindo a sensibilidade do poeta, músico com o senso crítico do jornalista e pesquisador musical colocado em prática em uma revista que Canta o Brasil.