More Augusto Vasconcelos »"/>More Augusto Vasconcelos »" />
Uma Revista criada em 2001
pelo jornalista, músico e poeta paraibano
Antonio Carlos da Fonseca Barbosa.

Augusto Vasconcelos


Augusto Vasconcelos é um cineasta independente e produz seus próprios filmes, séries e clips musicais, com o seu próprio celular e com amigos.

Em 2008, ele foi entrevistado no Programa do Jô Soares na TV Globo. Ele tem uma vasta produção autoral, em 10 anos é o único diretor de filmes no livro dos recordes brasileiros, o RANKBRASIL (página 51). Augusto formou a banda de rock “Sonâmbulos”, e também produz eventos beneficentes com arrecadação de alimentos para quem precisa. Atualmente é focado no seu canal YouTube e está produzindo constantemente independente de pandemia do Covid-19 ou de dificuldades. O que chama atenção em suas produções é o orçamento de seus filmes entre 10,00 a 40,00 reais. A série Era uma vezDeep web é um sucesso do seu canal e custa em média 15,00 reais por episódio. O líder de visualizações desse ano em seu canal são os seus documentários com simulações teatrais sobre crimes famosos, pois é o primeiro canal a fazer esse feito junto com amigos. Conteúdo não falta em seu portfólio. Ele é um dos maiores representantes da cultura underground audiovisual da Baixada fluminense do Rio de Janeiro.

Mas ainda não consegue sobreviver através da monetarização do seu canal e continua tirando sustento como gerente de supermercado em Nova Iguaçu – RJ. É casado e pai de uma filha que tem 8 anos de idade. Atual formação da banda Sonâmbulos: Augusto (Cantor, compositor), Guilherme (Guitarra), Cavalo (Baixo), Filé (Bateria).

Segue abaixo entrevista com Augusto Vasconcelos para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistado por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 01.11.2021:

01) Ritmo Melodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

Augusto Vasconcelos: Nascido no dia 01.11.1978 em Nova Iguaçu – RJ. Registrado como Augusto da Silva Vasconcelos.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

Augusto Vasconcelos: Eu comecei ouvindo FUNK carioca e Charme no final dos anos 80 e início dos anos 90, mas na época o FUNK tinha letra boa, melodia e parecia lutar por uma causa social, era quase um MPB Pop. Depois veio os tempos dos bailes de corredor com pessoas sendo espancadas, mortas, brigas de gangs e a época de putaria, exaltação ao tráfico, armas e bandidos, então me afastei. Um dia ouvi “I remender you” do Skid Row, me tornei roqueiro.

03) RM: Qual sua formação musical e/ou acadêmica fora da área musical?

Augusto Vasconcelos: Não tenho nenhuma formação acadêmica em música. Sou vocalista na minha própria banda. Fora da música sou formado em Marketing e Administração de Empresa.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

Augusto Vasconcelos: Minha maior referência sempre foi e será o Charlie Brown Jr. Mas tenho influência também de Metallica, Iron Maiden, Nirvana, Korn, Legião, Capital Inicial, Titãs, Lobão, etc.

05) RM: Quando, como e onde você começou sua carreira profissional?

Augusto Vasconcelos: Não tenho uma carreira profissional na música, mas me senti um astro em 2008 cantando ao vivo no programa do Jô Soares na TV Globo com a banda Sonâmbulos e a Filhote de Skylab (banda cover de Rogério Skylab). Entre 2002 e 2008 eu fazia shows com a banda Sonâmbulos pela Baixada Fluminense. Nosso último show foi em dezembro de 2020 em Nova Iguaçu e no dia seguinte no bairro da Pavuna. Fora da área musical eu trabalhei como locutor de supermercado de 2001 até 2009 e em 2010 me tornei gerente no supermercado que trabalho até o momento.

06) RM: Quantos CDs lançados?

Augusto Vasconcelos: Lancei um CD com minha Sonâmbulos, vendemos o álbum apenas onde tocávamos. Atual formação da banda Sonâmbulos: Augusto (Cantor, compositor), Guilherme (Guitarra), Cavalo (Baixo), Filé (Bateria). Atualmente estou terminando o primeiro volume do álbum “Reboot”, que tenho musicais inéditas para mais dois álbuns. Todas as músicas gravadas nesse álbum terão vídeo clipe. Músicas minhas que tem vídeo clip: “Andando na Escuridão”, “A fórmula do amor”, “Devorador de pecados”.

07) RM: Como você define seu estilo musical?

Augusto Vasconcelos: Rock. Algumas músicas mais pops e outras mais pesadas. Algumas poéticas e outras mais ácidas.

08) RM: Você estudou técnica vocal?

Augusto Vasconcelos: Não. Às vezes vejo vídeos de aulas no YouTube.

09) RM: Qual a importância do estudo de técnica vocal e cuidado com a voz?

Augusto Vasconcelos: Acho importante estudar técnica vocal, mas vejo um futuro meio diatópico na música, pois tem muita gente que não tem talento para cantar ou canta mal fica, mas ficaram ricos quando por caírem no gosto popular, ou mudaram de condições financeira as vezes cantando mal, tipo: “Para nossa alegria”, “Caneta Azul”, Pabllo Vittar ao vivo, Tiririca e centenas de outros. Não ligo muito em ficar estudando, gastando dinheiro, se dedicando e nada acontecer. Existem milhares de funkeiros que mal sabem falar e cantam horrivelmente e ficaram ricos, qualquer “Mulher-fruta” ou MCs desses que a grande mídia “baba o ovo”. Do outro lado, há excelentes cantores que até estudaram em Faculdades passando fome ou cantando em boteco por 150,00 reais. Alguém deveria perguntar a eles qual a sensação de viver em um país em que os valores são invertidos.

10) RM: Quais as cantoras (es) que você admira?

Augusto Vasconcelos: Vocalista do Skid Row, Metalica, Iron Maiden, Charlie Brown Jr. e Legião urbana.

11) RM: Como é seu processo de compor?

Augusto Vasconcelos: É quase uma mágica, vem a ideia e escreve “cantarolando” e na minha mente sai uma ideia de notas musicais mesmo sem saber tocar.

12) RM: Quais são seus principais parceiros de composição?

Augusto Vasconcelos: Componho sozinho.

13) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Augusto Vasconcelos: Prós: liberdade de cantar o que sente, pensa, acha ou tem certeza. Fazer do jeito que quer sem se preocupar em vender muito, pouco ou nada. Não se preocupar em agradar ninguém, pois por mais merda que fique terá fãs, do contrário funkeiro que canta “proibidão” morreria de fome. Fazer seu clip como pode ou quer. Se cair nas “graças do povo” meu canal do YouTube explode, a música explode e potencializa meus pensamentos e opiniões. Contras: se não for putaria, besteirol ou exaltação à vagabundos, traficantes ou maconheiros, você demorará muito mais ou até nunca “explodir”. Poucas views, poucos inscritos, poucos espaços pra se apresentar, quase nenhum interessado em investir em você, por que seu som é “muito nerd” para os dias de hoje e a geração de hoje.

14) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira dentro e fora do palco?

Augusto Vasconcelos: Quando há data de show apenas ensaio mais, no dia fazemos o melhor que dá pra voltarmos, anunciamos nosso canal e redes sociais e se tiver outro show já anunciamos ali mesmo no final. Fora do palco apenas divulgação dos clips e temos o costume de filmar um pouco alguns shows. Só isso.

15) RM: Quais as ações empreendedoras que você pratica para desenvolver a sua carreira?

Augusto Vasconcelos: Só divulgação no WhatsApp, YouTube e Facebook. Não vendo nada. Meu foco é a monetização do canal e fazer shows, pois sempre consigo lugares pra tocar facilmente.

16) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira?

Augusto Vasconcelos: A internet ajuda a espalhar nosso som, ficar conhecido, as pessoas acessam nossos clips e vídeos. Temos clip com pegada de comédia que a galera curte, a gente consegue ser pesado e leve quando precisa, dependendo do lugar. E prejudica no sentido de ficar expostos à julgamentos, pois a maioria dos hates faz críticas por diversão e não por conhecimento, mas eu nunca me intimei. E se tiver que discutir eu discuto, se tiver que ir pra justiça vou e se tiver que sair na porrada eu saio também.

17) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso à tecnologia de gravação (home estúdio)?

Augusto Vasconcelos: A vantagem é realizar seu sonho em ver seu som ser tocado mesmo que só no seu celular e a desvantagem é a falta de alta tecnologia pra ter a qualidade de Rádio FM.

18) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo. Mas, a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que você faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

Augusto Vasconcelos: Apenas sou eu mesmo. Posso ser simpático ou nojento. Posso ser humilde ou arrogante. Posso ser educado ou manda você tomar no c… Ser você mesmo te faz ter um público mais fiel assim como Tim Maia, Chorão, Renato Russo, etc.19) RM: Como você analisa o cenário do Rock Brasileiro. Em sua opinião quais foram as revelações musicais nas últimas décadas e quais permaneceram com obras consistentes e quais regrediram?

Augusto Vasconcelos: O cenário do rock no Brasil está inerte, tem mais de 15 anos que não surge uma banda de rock nova que conquiste o público. Existem muitas bandas boas, mas do jeito que a minha é. O rock não morrerá, mas vai sufocar até acabar essa pandemia do covid-19 e tudo voltar ao normal. O que mais motiva são os pontos de shows alternativos que nunca param, muitos fecharam, mas outros abriram. As revelações foram muitas para todos os gostos: NX Zero, Hevo 84, Restart, Strike, Malta, mas acho que nenhuma deve estar na ativa. Mas deixaram hits memoráveis, sobre quem regrediu…Não sei dizer.

20) RM: Quais os músicos já conhecidos do público que você tem como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

Augusto Vasconcelos: Eu amo a banda Charlie Brown Jr., mas Chorão morreu se enchendo de droga, então vou ficar dessa vez com Renato Russo.

21) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical (falta de condição técnica para show, brigas, gafes, show em ambiente ou público tosco, cantar e não receber, ser cantado etc)?

Augusto Vasconcelos: Eu posso escrever um livro nessa resposta (risos). Em um show a corda da guitarra quebrou e o guitarrista fez o solo, de “Geração Coca Cola” da Legião Urbana, solfejando no microfone a melodia do solo! Já fiz show para três pessoas e uma estava deitado dormindo. Eu já esqueci a letra e esperei a plateia me lembrar. Já faltou luz no meio do show, um maconheiro já ficou falando merda e xinguei ele no microfone. Uma galera de escola invadiu o palco para cantar comigo música da Legião Urbana e me derrubaram, etc.

22) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Augusto Vasconcelos: Fico feliz quando termino uma gravação de uma música e saiu como gosto. Eu fico triste, pois não tenho esperança de virar um rock star. Faço por amor à arte e a cultura alternativa.

23) RM: Existe o Dom musical? Como você define o Dom musical?

Augusto Vasconcelos: Existe o dom. São as pessoas que nasceram para aquilo e fazem música com a mesma facilidade que respiram mesmo sem nunca ter tido aula de nada.

24) RM: Qual é o seu conceito de Improvisação Musical?

Augusto Vasconcelos: Razoável, tenho uma boa postura de palco e improviso até que bem se algo dá errado eu me viro.

25) RM: Existe improvisação musical de fato, ou é algo estudado antes e aplicado depois?

Augusto Vasconcelos: Improvisar para mim é instintivo, eu sinto no momento que acontece o que devo fazer. Eu funciono assim.

26) RM: Quais os prós e contras dos métodos sobre o Estudo de Harmonia musical?

Augusto Vasconcelos: Só vejo prós no estudo de Harmonia. Eu sempre tive dificuldade. Eu não nasci com esse dom de cantar, mas canto por que amo música e amo cantar.

27) RM: Você acredita que sem o pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

Augusto Vasconcelos: Sim. Mas tudo funciona pagando o jabá para a música tocar nas rádios e TV. Agora se a música agrada o gosto popular pelas redes sociais pode vim a tocar nas rádios sem pagar o jabá. As rádios quase ninguém se importa, pois quase ninguém ouve rádio hoje em dia. A única coisa ainda honesta é o YouTube, por isso, invisto em clips.

28) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Augusto Vasconcelos: “Não alimente expectativas”. Faça por amor à arte e a cultura. Assim nunca se magoará.

29) RM: Quais os prós e contras do Festival de Música?

Augusto Vasconcelos: Só vejo prós em Festival de Música, aonde conhecerá vários tipos de artistas e bandas, será ouvido por gente na mesma batalha que você, talvez até consiga parcerias e aliados.

30) RM: Hoje os Festivais de Música ainda revelam novos talentos?

Augusto Vasconcelos: Sim.

31) RM: Como você analisa a cobertura feita pela grande mídia da cena musical brasileira?

Augusto Vasconcelos: A cobertura feita pela grande mídia da cena musical brasileira é manipuladora, sempre mais do mesmo, sempre a mesma panela de militância política. Eu só cantei na Globo devido os meus filmes e por ser um programa de humor (Jô Soares). Infelizmente estou meio descrente, mas tomara que eu me engane.

32) RM: Qual a sua opinião sobre o espaço aberto pelo SESC, SESI e Itaú Cultural para cena musical?

Augusto Vasconcelos: Se não forem espaços de “cartas marcadas” ou para lavagem de dinheiro de investidores, eu acho excelente espaços abertos para a arte.

33) RM: O circuito de Bar na cidade que você mora ainda é uma boa opção de trabalho para os músicos?

Augusto Vasconcelos: Não é uma boa opção para os músicos. É um lixo. Só tem espaço para FUNK carioca de putaria e Forró de putaria. Só isso.

34) RM: Apresente seu trabalho como ator, diretor, produtor de filmes.

Augusto Vasconcelos: Sou cineasta independente e produzo meus próprios filmes e web séries com o meu celular e amigos. Estou na página 51 do livro dos recordes brasileiros, o RANKBRASIL. Criei o primeiro Universo compartilhado do cinema independente brasileiro no YouTube. Fiz o primeiro filme de terror sobre o Coronavírus de forma independente no Brasil. Essas duas afirmações acima estão oficializadas, mas não tenho dinheiro para pagar a homologação. Escrevo o roteiro, atuo, edito e dirijo tudo com meus amigos. Tudo por amor ao cinema. Também tenho banda de rock, a banda Sonâmbulos e componho e canto minhas músicas e produzo meus próprios clips. No dia 24 de novembro de 2021 as 20:00 eu vou entrevistar pelo https://www.instagram.com/sescnovaiguacu o cineasta de filme de terror brasileiro Rodrigo Aragão, ele é autor de um filme mais famoso de zumbi do cinema independente: “Mangue Negro”https://www.youtube.com/watch?v=L57d-vPkiQM e o filme “Mar Negro”https://www.youtube.com/watch?v=v_VAbGrIq-8 e também foi o maquiador do filme “A Noite do Chupa Cabra”https://www.youtube.com/watch?v=-mG6NmobQ08 .

35) RM: Quais as diferenças do Punk Rock brasileiros dos anos 80,90 e novo milênio?

Augusto Vasconcelos: Não deveria haver diferença nenhuma no Punk Rock mesmo daqui a mil anos, pois esse estilo deveria ser único, clássico e intocável. Mas, o tempo passa e a cultura de alguns sentem a necessidade de “adaptar” camadas ou modificar com a desculpa de estar modernizando algo para ficar mais atrativo ou comercial. Um Punk, hoje, já não exala tanta revolta contra o sistema em geral, pelo menos não em todo o contexto. Falar mal de um setor é punk, mas se esse mesmo setor abre um Festival de música Punk com bandas valendo um prêmio, dezenas de bandas se inscrevem, o que já descaracteriza o gênero punk, que foi criado justamente contra esse tipo de coisa. Um adepto ou simpatizante do movimento punk de antes tinha na ponta da língua o motivo da luta e o porquê de carregar um legado. E o punk de agora já não tem os mesmos motivos, ou pelo menos não demonstra, age de acordo com a conveniência ou o oportunismo do momento. No exemplo acima, o correto era nenhuma banda punk se inscrever para o festival de disputa de bandas, pois isso cria julgamentos de quem é melhor ou causa concorrência entre elas. E o júri não será composto de punk, mas de músicos comuns. O correto seria as bandas se unirem e criarem o próprio festival sem premiação, apenas para cada banda mostrar seu som, pensamentos e sentimentos. E a “premiação” seria o aplauso da plateia ou se esse festival fosse patrocinado sem disputa e sim apenas para todas as bandas serem ouvidas igualmente. Um ícone de punk dos anos 80 e 90 é o João Gordo, vocal da banda Ratos de Porão, nos anos 2000 foi criticado por “trair” o movimento punk se adaptando à um sistema capitalista, por fazer comercial de sorvete, apresentar programa de TV. É clássica a briga em 2003 ao vivo no programa dele na MTV com o ator Dado Dolabella, após o ator tocar na “ferida” dizendo que ele “traiu” o movimento punk.

36) RM: Quais seus contatos para show e para os fãs?

Augusto Vasconcelos: (21) 99463 – 1991 | [email protected]

| www.facebook.com.br/augustovasconcelosdiretor

| www.instagram.com.br/augusto_vasconcelos_perfil

Canal: https://www.youtube.com/channel/UCP73KGKEBm10y0E0q_zWqrg

ANDANDO NA ESCURIDÃO – Banda Sonâmbulos | A força do Rap Rock alternativo protestante: https://www.youtube.com/watch?v=WUqFf4VQ2uQ

A FÓRMULA DO AMOR – Pop Rock Acústico / Uma visão romântica e reflexiva sobre o amor: https://www.youtube.com/watch?v=sg_5fPhHWOE

Devorador de Pecados ao vivo – Banda Sonâmbulos faz show no Planet Music em Cascadura: https://www.youtube.com/watch?v=qnYeMoVe5A4

A Vida (Sonâmbulos): https://www.youtube.com/watch?v=QDx0YK-hqKc

Em 2008 JÔ SOARES entrevista “locutor” de Supermercado Augusto Vasconcelos: https://www.youtube.com/watch?v=WumygKryWd4

DEVORADOR DE PECADOS 2 – A SOCIEDADE BABILÔNICA: TERROR, SUSPENSE E AÇÃO NO CINEMA BRASILEIRO: https://www.youtube.com/watch?v=UvH9OUh5ymM

DEVORADOR DE PECADOS – FILME COMPLETO: A HISTÓRIA NUNCA CONTADA DA LENDA URBANA: https://www.youtube.com/watch?v=X3NQBGQEpFI

Assistam o filme DIRETOR SEM DIREÇÃO, o 3º filme de Augusto Vasconcelos: https://www.youtube.com/watch?v=QVi_Y

Augusto Vasconcelos produziu um filme amador considerado o melhor e mais criativo: http://www.youtube.com/watch?v=Kw6Cui

NA CARA E NA CORAGEM – (Edição final – compacta): http://www.youtube.com/watch?v=QVi_Yc

O PORTAL (capitulo 1): https://youtu.be/nhaow_QGPyE

O PORTAL 2 – A LENDA DE LILITH: http://youtu.be/_1h_W2Btpbo

O PORTAL 3 – A ASCENSÃO (parte 1 do capítulo final): https://www.youtube.com/watch?v=AuwpT

O PORTAL 3 – A ASCENSÃO (parte 2/capítulo final): https://www.youtube.com/watch?v=5Bqq_

Assista o DIRETOR SEM DIREÇÃO: https://youtu.be/ldX-dPhRjII

Assista o SOZINHO (recente): https://youtu.be/KxZobhpz_18

Seu registro no Livro dos Recordes: http://www.rankbrasil.com.br/Recordes


Deixe um comentário

*

Uma Revista criada em 2001
pelo jornalista, músico e poeta paraibano
Antonio Carlos da Fonseca Barbosa.