Suellen Luz

suellen luz
Suellen Luz
Avalie esta Entrevista

A cantora, compositora e violonista paulistana Suellen Luz; é Atrevida e irreverente. Tem um carisma contagiante, suas musicas entram diretamente na alma. Ela definiu seu estilo musical como a “Nova MPB”, ou seja, ser livre para criar as mais variadas harmonias e melodias, buscando mostrar a diversidade sem perder a sua identidade musical. De Rock ao Soul, do Samba ao Funk, do Jazz ao Forró, da música Eletrônica ao Reggae, seu trabalho nos convida a um delicioso passeio pela música brasileira. Ela fez 24 anos de idade, mais de 150 composições, sua carreira profissional começou em setembro de 2006. E rapidamente seu nome foi se espalhando pela noite paulistana e hoje possui um grande número de admiradores, a grande prova é o site “Slap da Som Livre” em que em 6 meses obteve mais de 22 mil Votos.

Suellen Luz já se apresentou nas maiores casas de São Paulo como HSBC Brasil na Mostra Exposamba- Rede GloboTonton Jazz, Bubu Lounge, Vermont Itaim, Bar Favela, Studio Roxy, Bar da Grá, Madá, Ebano, grandes eventos como “Virada Cultural”“Projeto 6 na Sé” em que tocou para mais de 100 mil pessoas, “Festa do 1° de Maio” em que subiu ao palco após a banda Capital Inicial para mais de 50 mil pessoas, “ABCD da esperança no Playcenter”, além de se apresentar no Cruzeiro “Freedom on Board” da Rádio Energia 97, entre outros. Após cinco anos de estrada, nasce seu primeiro CD – Suellen Luz – Na Rua. Paixão é a palavra que define este trabalho. Inspirado nos acontecimentos do dia a dia.  O CD retrata os diversos sentimentos, ou seja, pessoas que amam, trabalham, se apaixonam, vivem intensamente e admiram a beleza da vida, buscando sempre uma mensagem positiva. Dentre as doze músicas, se destacam: “Vai dar Fuxico”, “Eu não quero te Perder”, “Ciranda”, “Na Rua“,  “Ela”, “Idiota”, “SE liga no Suingue” e a homenagem ao grande sambista e compositorCartola “Um Samba pra Cartola”. Além das faixas bônus em versão Remix: “Idiota” – by DJ Sandra Bull e DJ Dmu e a música “Ela” – by DJ Ivan Mendez e DJ Reinaldo Bruxxo.

Segue abaixo entrevista exclusiva com Suellen Luz para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistada por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa  em 01/03/2013:

01) RitmoMelodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

Suellen Luz: Sou paulistana, nascida sob o signo de escorpião do dia 10 de novembro de 1987.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

Suellen Luz: A música entrou em minha vida como brincadeira, tinha nove anos de idade e vivia brincando de cantar na bomboniere de minha mãe. Até que um senhor me ouviu cantar e disse que eu tinha uma voz bonita, me perguntou se gostaria de aprender sobre música. Na hora eu respondi que sim, ele me perguntou se eu tinha coragem de me apresentar, novamente disse que sim. Ele conversou com minha mãe, minha mãe mesmo desconfiada aceitou, uma semana depois estava em um palco cantando (risos). Desde então não quis mais sair!

03) RM: Qual a sua formação musical e acadêmica fora música?

Suellen Luz: Este senhor me apresentou as noções básicas sobre música como as sete notas musicais, cantar no tempo certo da música e só. Mas tomei gosto pela música e vivia cantando em concursos, me apresentei em alguns programas de TV, etc. Parei de cantar com doze anos de idade devido a problemas de saúde de minha mãe, fiquei um bom tempo longe dos palcos, até que aos quinze anos participei de um festival de música escolar em que venci e ganhei uma bolsa de estudos para o “Conservatório Orestes Sinatra”, onde estudei Canto e Coral por dois anos e meio. Aos 17 anos consegui uma bolsa de estudar Gestão e Organização de Eventos em uma das maiores universidades do país “Anhembi Morumbi”, onde de simples bolsista recebi o prêmio “Inovação Empreendedora – na Categoria Aluna do Ano” ao lado de grandes nomes como a jornalista Ana Paula Padrão,  Sebrae, entre outros.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente? Quais deixaram de ter importância?

Suellen Luz: Comecei a gostar de música ao som de Xuxa e Roberto Carlos, quando criança vivia cantarolando suas músicas. Com o tempo fui conhecendo grandes tesouros como Elis Regina, Ed Motta, Djavan, neste momento me apaixonei e defini meu estilo musical. Aos treze anos de idade conheci o trabalho de cantoras como Zélia Duncan, Cássia Eller, Ana Carolina e fiquei encantada, pois não conhecia cantoras com o mesmo timbre que eu, ainda mais que cantam e tocam tão bem um violão. E com isso, me inspirei a tocar um instrumento. E sou autodidata, aprendi observando meus amigos tocar e tentando de “ouvido” reproduzir os sons, além de comprar as famosas revistinhas de música. Hoje escuto muito Clara Nunes, mulher que tenho muito respeito e admiração pelo trabalho lindo que a mesma realizou e faço questão de continuar levando esta mensagem do bem que foi espalhada por ela. Também escuto muitoooo: Pedro Mariano, Jorge Vercillo, Lenine, Zeca Baleiro, Antonio Villeroy, entre outras feras da MPB.

05) RM: Quando, como e onde você começou a sua carreira musical?

Suellen Luz: Comecei minha carreira profissional com dezoito anos de idade. Na faculdade conheci o contrabaixista Lucas Marinho, começamos a tocar juntos nos bares próximos à universidade, o sucesso foi tão grande que até criaram uma comunidade nas redes sociais “Suellen Luz – Pague Minhas DP’s” (risos). Com a grande repercussão destes shows, surgiram convites para tocar nos bares: Bar Dom Corleoni, Bar Favela, Mada, entre outros. Um grande público LGBT frequentava os shows, com isso começaram a pedir meu show nas grandes casas da noite paulistana, com isso toquei nas consagradas Bubu Louge, Club Z, Bar da Grá, The L Club, O Gato Bar, Farol Madalena, entre outras grandes casas famosas em São Paulo.

06) RM: Fale do seu primeiro CD lançados (quais os músicos que participaram nas gravações). Qual o perfil musical do CD? E quais as músicas que se destacaram no CD?

Suellen Luz: Durante a faculdade fiz um projeto para gravar um CD Demo, que me custou a minha própria DP na faculdade, pois, no dia da reunião para a aprovação do mesmo, foi o dia da prova final na faculdade. Faltei à prova, nesta época eu mal tinha o dinheiro para comprar um lanche, imagine pagar o valor da prova. Mas valeu a pena, o projeto foi aprovado, foram 10 faixas gravadas, coma participação dos músicos Lucas Marinho (Baixo), Jedie (Bateria), Jhonatan (Guitarra), Joci (Percussão) e Suellen Luz (Voz e violão). Com este material meu trabalho ficou conhecido em São Paulo. A música que mais se destacou foi a “Idiota”“Eu não quero te Perder” e “Bicho Assustado”, em que o público até hoje vai à loucura. Em novembro de 2010, nasceu meu primeiro CD – Suellen Luz – Na Rua. No lançamento do CD, lotamos o Club Roxy (casa de renome na Rua Augusta), o local para mil pessoas. Gravado nos estúdios: SP Áudio (do produtor Sergio Ferreira), direção musical de Rodrigo Matos e Suellen Luz, na bateria contamos com Alexandre Aposan (banda Oficina G3) e Grégory PaolyRodrigo Matos (Baixo e Teclado), Dante de Almeida e Koká Pereira (Percussão), Suellen Luz (Voz, Backvocal e Violão) e tivemos a participação do grupo Pegada de Gorila na música “Um samba pra Cartola”, esta canção levou meu trabalho as semifinais do concurso Exposamba (Rede Globo), em que me apresentei no HSBC Brasil. Este CD está disponível para download gratuito através do site: http://tramavirtual.uol.com.br/suellen_luz

07) RM: Como você define o seu estilo musical?

Suellen Luz: Defino como a Nova MPB, ou seja, uma mistura de ritmos e estilos, sem perder a identidade musical, buscando sempre a inovação.

08) RM: Como você se define como cantora/interprete?

Suellen Luz: Me defino como Cantora Popular. Tenho mais de 150 composições, mas sou fã da música brasileira, então faço questão de levar ao público estas lindas obras. Confesso que quando interpreto músicas de outros artistas, gosto de colocar a minha personalidade na melodia. A música é sentimento, não me prendo a padrões, gosto de transmitir emoções.

09) RM: Você estudou técnica vocal?

Suellen Luz: Estudei dos quinze aos dezessete anos de idade, em que sempre levava bronca (risos), minha professora me colocava junto as vozes contraltos e bastava a mesma se virar que esta baixinha saia de fininho da posição, para ficar ao lado das sopranos, baixos, etc. Meu desejo não era aprender somente o que tinha mais facilidade e sim aprender a cantar em outros tons, graças a esta travessura, hoje domino bem estas tessituras vocais.

10) RM: Quais as cantoras que você admira?

Suellen Luz: Clara Nunes, Elis Regina, Betânia, Rita Ribeiro, Cássia Eller, pela inovação e atitude entre outras.

11) RM: Você compõe? Quem são seus parceiros musicais?

Suellen Luz: Comecei a compor aos treze anos de idade e hoje tenho mais de 150 composições. Geralmente faço a letra e melodia sozinha, até hoje só tive cinco parceiros musicais. Uma música, eu fiz com meus pais quando era criança em homenagem a Nossa Senhora. Outra “Maresia”, eu fiz com um amigo Vinicius Cazé (Ex. Integrante da novela Chiquititas, ele detesta que fale isso, mas tenho que citar (risos). Outra “Duas Taças”, eu fiz com um amigo poeta chamado Nario Rabelo e meu último parceiro, que na verdade me intrometi em seu trabalho (risos)… Após escutar o lindo CD – Lagoinha de Sandro Bernardes, eu fiquei encantada com as músicas, porém, as mesmas eram curtas, pontos originalmente tocados em terreiros e ele transformou em samba. O CD é muito bom, mas, faltava o desenvolvimento, a música havia apenas o refrão, com isso, perguntei se poderia “brincar” com elas. Desta brincadeira nasceram doze músicas em que mantenho o refrão criado por Sandro e complemento com a história da música. Para ter ideia, bastava escutar uma vez a música, que surgia toda composição em menos de cinco minutos. Em breve este trabalho será lançado para todo Brasil. Aguardem!

12) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Suellen Luz: Os prós é você se superar a cada dia fazendo o que ama. E levar a nossa verdade, aprendendo a gerenciar nossa carreira, conquistando dia a dia novos públicos, novos espaços. E quando finalmente alcançamos o objetivo que é viver da música, levar alegria pra milhares de pessoas, só temos a agradecer a Deus, como diria um grande filósofo: “É um privilégio viver uma vida difícil, desta forma, aprendemos as maiores lições”. Não vou mentir dizendo que é um paraíso, pois não é. Muitos pensam que a carreira musical é fácil, tudo é mil maravilhas. E que basta subir no palco, cantar, tocar, as pessoas aplaudem e tudo fica lindo. Poucos conhecem a dura batalha que rola até chegar ao palco. E que muitas vezes temos que lutar e muito para conseguir um espaço neste mercado tão disputado. E no começo da carreira tocar por longas horas e receber (se receber) cachês superbaixo. E passar noites na rua, pois não tem para onde ir depois do show. E passar frio, fome, fora conseguir encontrar músicos responsáveis. E formar uma equipe que lhe apoie, sem falar nas falsas promessas, os famosos “Picaretas” que prometem mundos e fundos e quando você vê não fazem nada. E na maioria das vezes ainda tiram o pouco que você tem. Neste momento a maioria dos artistas acaba desistindo desta longa e difícil caminhada. Para levar essa carreira, mais que gostar você tem que amar a profissão, para sempre seguir em frente. E se cair, levantar ainda mais forte até que chegue o momento certo, com a pessoa certa para que o trabalho decole. O fato é que ninguém faz nada sozinho. Além de passar por tudo isso você ainda tem que contar com um grande fator que é a Sorte e o Destino. Todos sabemos que existem milhares de artistas maravilhosos, se o sucesso não estiver em seu destino, infelizmente não acontece. O caro leitor e músicos iniciantes devem estar apavorados com este relato, e se perguntando por que têm malucos que encaram passar por tudo isso, nesta hora eu respondo: Porque cada vez que subo no palco, todos os problemas desaparecem. E só existem as forças mais poderosas do universo “Deus, Amor e a Música”. E quando você provoca alegria no público, quando essa galera canta com você, principalmente quando cantam suas músicas, parece que tudo desaparece e só existe esta energia mágica que encanta e seduz, refaz todas as feridas e nos dão forças para continuar.

13) RM: Como você analisa o cenário musical brasileiro. Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas duas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Suellen Luz: Caos, palavra que resume este mercado, em que as grandes gravadoras quebraram devido à pirataria. E quando você consegue entrar em uma gravadora, você fica preso em longos contratos em que além de lucrar com as músicas a gravadora também gerencia a carreira ficando com boa parte dos lucros, além de aguardar a na fila de prioridades das mesmas. No geral as oportunidades estão cada vez mais escassas, devido um antigo jogo de cartas marcadas. O cenário independente não fica atrás como já relatei na pergunta acima. Para minimizar esta desigualdade, existem leis de incentivo a cultura, mas que acabam beneficiando os artistas que já estão no topo, pois muitas empresas preferem patrocinar um show que é certeza de retorno em publicidade do que um projeto de pouca visibilidade. Resumindo: “Se correr o Bicho pega e se ficar o Bicho Come”. Tenho 24 anos, sobre quem prevaleceu e quem regrediu é um tanto quanto relativa, em minha existência vi surgir grandes fenômenos como Mamonas Assassinas, Cássia Eller, Ana Carolina, Seu Jorge, Maria Gadú e tanta gente boa. O gosto do brasileiro é mutante, o que hoje é sucesso, amanhã vira clichê, lógico que tem suas exceções que levaram anos e anos para construir sua carreira como Chico Buarque, Caetano Veloso, Maria Bethânia, Gal Costa, etc. A música é um objeto muito particular, os cantores baseiam-se em suas verdades, seus momentos. Às vezes o que para ele é o máximo, para o ouvinte pode ser uma porcaria e vice e versa. Penso que os cantores que permanecem são aqueles que as músicas fazem sentido para a alma de alguém, não importando se esta na mídia ou não, se mudou radicalmente o estilo ou não. Para não ser totalmente imparcial uma cara que entrou para o mercado e a cada dia apresenta trabalhos maravilhosos, dentro da identidade que construiu é Seu Jorge, acompanho seu trabalho desde o álbum “Cru”, desde então ele só vem lapidando e aprimorando sua obra.

14) RM: Quais os músicos já conhecidos do público que você tem como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

Suellen Luz: Djavan sem dúvidas, ele é simplesmente genial, um poço de criatividade, sem falar em sua postura profissional que é de tirar o chapel. O que mais desejo é chegar neste patamar em que não vê fofocas de sua vida, não é um cara que esta sempre na mídia, mas basta abrir a venda para seu show que os ingressos se esgotam em segundos! Por incrível que pareça sou tímida, quando subo no palco me transformo, canto, brinco com a galera, é uma explosão de alegria e energia, mas quando saio do palco imagine alguém encabulada. Batalho muito para conseguir o carinho do público e poder trocar esta energia maravilhosa durante anos e anos como faz o grande mestre Djavan.

15) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical (falta de condição técnica para, brigas, gafes, show em ambiente ou público tosco, cantar e não receber, ser cantada, etc)?

Suellen Luz: Já passei por quase todas citadas na pergunta. E ser contratada para cantar e não ter equipamento de som no local, não receber, problemas com músicos, meu estilo é a Nova MPB, ou seja, musicas mais agitadas, atualidades, etc. E ser contratada para tocar em uma festa com pessoas de 90 anos de idade, cantar em um conservatório musical a música“Pagu” e na parte da música que fala “Não sou freira… nem sou Puta” ter uma Freira na primeira fila assistindo, me obrigando mudar o palavrão da música de improviso(risos). Entre estas pérolas, tem um show que não esqueço, tinha apenas onze anos de idade, acabava de participar de um importante programa de televisão quando fiz um show para seis mil pessoas em uma comunidade carente. E nunca dei tanto autógrafo, para ter ideia armaram um esquema de segurança para me tirar do palco, pois se formou um aglomerado para tirar foto, etc. Atendi quase 100 pessoas e na hora de ir para o camarim, mesmo com toda barreira de policiais, um menininho furou a barreira, agarrou meu pescoço e me deu um beijo na boca (risos). Esta foi uma das situações mais engraçadas que já passei.

16) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Suellen Luz: Mais feliz é subir no palco, encontrar alguém triste e fazer esta mesma pessoa sair com um sorriso gigantesco! Levar alegria através da música é minha missão de vida, nasci para dar e receber esta energia positiva para o público. É o que me motiva a viver! O que me deixa triste é vê a maioria das pessoas passando por cima dos outros sem se importar com as consequências, o jogo de vaidades, a inveja, como o poder corrompe a maioria das pessoas. Por isso continuo caminhando devagarzinho, como diria Martinho da Vila, no Sapatinho, um passo a cada vez, construindo uma carreira limpa, de muita luta não nego, mas com muito amor.

17) RM: Nos apresente a cena musical na cidade que você mora?

Suellen Luz: Moro em São Paulo, os estilos musicais são diversos. Em cada região tem um estilo que mais se destaca. Nos bairros da Vila Madalena, Pinheiros, Vila Olímpia, Centro, Barra Funda, os estilos que comandam a noite é MPB, Samba e Sertanejo Universitário. Na Zona Leste e no extremo da Zona Sul a febre é o Funk, Forró, Arrocha e Pagode. Na Rua Augusta é um espaço a parte, pois reúne todas as tribos, principalmente o publico Rock, Musica Eletrônica e MPB.

18) RM: Quais os músicos ou/e bandas que você recomenda ouvir?

Suellen Luz: Eu super-recomendo “O Teatro Mágico”, um grupo sensacional, que reúne música, dança, malabarismo, artes de circo em geral, sempre com uma ideologia, músicas bem elaboradas. Também realiza um trabalho independente, que encanta o mundo! Recomendo o grupo Samba de Rainha, formado apenas por mulheres elas detonam na noite paulistana cantando samba de raiz e músicas próprias. Quando comecei a tocar na noite elas já estava há muito tempo reinando, hoje já se apresentaram em vários programas, participações em novelas da Globo como “O Astro”, enfim, é muito bom ver pessoas guerreiras que estão no mesmo caminho conseguindo seu espaço. E para lavar a alma recomendo: Gabriel Pensador, Lenine, Djavan, Zeca Baleiro, Pedro Mariano, Jorge Vercillo, Clara Nunes, Rita Ribeiro e Céu.

19) RM: Você acredita que sem o pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

Suellen Luz: Eu acredito, como graças a Deus já toca em vários lugares, inclusive em uma rádio chamada “Sem Jabá” (risos). Meu trabalho já esta na programação da Rádio USP, já tocou algumas vezes na Nova Brasil FM, NJovem Pan de Santos, entre outras. É lógico que para tocar diariamente isso demanda muita grana (jabá), como todos já sabem. Mas para os músicos independentes, recomendo a internet que é uma grande amiga e proporciona abertura de várias portas. É uma longa batalha mas aos poucos conquistamos nosso espaço.

20) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Suellen Luz: Digo uma frase que ouvi aos sete anos de idade e ficou gravada em minha alma… Antes da fama, o Dinho (Mamonas Assassinas), pediu uma oportunidade para tocar no ginásio de Guarulhos-SP, o gerente da época, debochou deles e disse que não era para qualquer um tocar, somente banda grande e que eles não eram ninguém. Anos depois eles fecharam o ginásio com lotação Máxima e antes de começar o show emocionado ele disse “O impossível não existe, é apenas uma desculpa de quem venceu para desestimular você a conseguir realizar teu sonho”. Ou seja, de uma bandinha, se tornaram em Lenda e vivem para sempre em nossos corações. O caminho não é fácil, muitas vezes você vai cair, sem vontade de se levantar, ouvirá muitos não, mas, se você realmente amar o que faz, continuará, se a porta não abrir, crie uma janela e siga sempre em frente!

21) RM: Quais os seus projetos futuros?

Suellen Luz: Acabo de participar das seletivas do The Voice Brasil, que teve onze milhões de inscrições, tive a honra de chegar entre os 104 que subiram ao palco. Gravei o programa, mas não chegou a ir para o ar. E foi minha primeira vez em Reality, uma experiência que realmente mexe com todas as estruturas, em que você tem apenas um minuto e meio para mostrar tudo que sabe. E quando você sobe no palco uma emoção invade a alma, passa um filme de toda sua vida, com todas as pessoas que lhe apoiam, torcem por você, ao mesmo tempo você tenta se concentrar para cantar. E quando você começa a controlar a vontade absurda de chorar de emoção a música acabou (risos), só de falar dá para ter ideia da tensão. Todos que chegaram ao palco realmente são feras, o nível estava altíssimo. O que diferenciou os que passaram e os que não passaram, foi quem conseguiu controlar a bendita emoção, sem falar que acredito que tudo tem seu momento e hora certa para acontecer. E tenho certeza que quando Papai do Céu permitir a hora da baixinha também vai chegar. O melhor de tudo foi os bons amigos que fizemos, aproveito para mandar um mega beijo a todos desta nova família do bem e tenho certeza que o Brasil vai se encantar ainda mais com esta galera. Lancei o meu primeiro Vídeo Clip com a música “Bicho Assustado” (http://www.youtube.com/watch?v=9ZQysNcCC1w ).  Em paralelo, estou produzindo meu novo CD, um projeto diferente, em que o repertório é formado por Afrosambas, este projeto é fruto de minha parceria com o cantor Sandro Bernardes e promete agitar o Brasil. Aguardem.

22) RM: Quais os seus contatos para show e para os fãs?

Suellen Luz: Antes de terminar agradeço o Carinho de todos os leitores que acompanharam a entrevista da baixinha e parabenizo toda equipe por este belo trabalho que a revista Ritmo Melodia tem desenvolvido ao longo destes anos. De presente, deixo o link do meu CD gratuitamente: http://tramavirtual.uol.com.br/suellen_luz

Contato para shows: (11) 98620 – 8530 | [email protected]

Links e referências:  Suellen Luz – Paulinha (Hit 2013):
http://www.youtube.com/watch?v=RLoHzIloWPY

| www.wix.com/cantorasuellenluz/home  www.myspace.com/cantorasuellenluz

www.palcomp3.com/cantorasuellenluzhttp://tramavirtual.uol.com.br/artistas/suellen_luz

http://twitter.com/suellenluzhttp://www.facebook.com/suellenluz

http://www.youtube.com/user/suellenluz

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor Responsável pela revista Ritmo Melodia desde 2001, músico, letrista e poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, sempre se preocupou em divulgar a música (popular, regional, instrumental e erudita) com entrevistas e artigos sobre os músicos e artistas brasileiros.