Mauri de Noronha

mauri i
  •  
  • 152
  •  
  •  
  •  
    152
    Shares
Tempo de Leitura: 5 minutos

O poeta cantador pernambucano Mauri de Noronha. Vive como um conterráqueo, um conterrâneo do planeta. Sua poesia trata dos descaminhos e dos amores. Mesmo quando canta está declamando; esta é a sua essência.

A discografia é composta por três CDs gravados de forma independente: Habitantes da Terra; Índio Branco de Alma Negra; O Cantar da Poesia. Sua trajetória artística inclui apresentações na cidade de São Paulo; Centro Cultural São Paulo, Funarte – sala Guiomar Novaes, Biblioteca Mário de Andrade. Aracaju, Sesc – Festival 2013 e o Evento “O Poeta o Vinho e o Violão”.  Minas Gerais, Fenac 2011, além de bares e espaços alternativos.

A apresentação – Mauri de Noronha, DE REPENTE, UM CANTADOR é basicamente autoral. Seu formato é de voz, violão, e conta com a companhia do flautista Chico Pedro (Raíces de América), e do percussionista Afonsinho Menino.

Segue abaixo entrevista exclusiva com Mauri de Noronha para a www.ritmomelodia.mus.br , entrevistado por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa  em 13.06.2016:

01) Ritmo Melodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

Mauri de Noronha: Nasci em Garanhuns – PE no dia 08 de outubro de 1961, mas registrado em 08 de novembro do mesmo ano, em função de meu pai acreditar que o signo de libra não dava sorte (risos).

02) RM: Como foi o seu primeiro contato com a música?

Mauri de Noronha: Foi no sítio Brejinho, ouvindo rádio com meu pai, de manhã bem cedo.

03) RM: Qual a sua formação musical e acadêmica fora música?

Mauri de Noronha: Sou autodidata em termos de música. Formação incompleta em Ciências Sociais.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente? Quais deixaram de ter importância?

Mauri de Noronha: As influências musicais do passado foram Luiz Gonzaga e os repentistas. No presente não tenho influências, apesar de admirar uma infinidade de artistas. Procuro desenvolver uma identidade própria.

05) RM: Quando, como e onde você começou sua carreira musical?

Mauri de Noronha: No Festival de Música promovido pelo Colégio Caetano de Campos em 1984 em São Paulo.

06) RM: Quantos discos lançados e quais os anos de lançamento (quais os músicos que participaram das gravações)? Qual o perfil musical de cada álbum? E quais as músicas que que caíram no gosto do seu público?

Mauri de Noronha: Foram três discos lançados: Habitantes da Terra/1994, arranjos de Adi Sangeroti; Índio Branco de Alma Negra/2004, arranjo de Eduardo Bolinha; O Cantar da Poesia/2013, arranjos Mauri de Noronha. Todos os discos são autorais com algumas parcerias. O estilo é música popular brasileira com inserção na poesia travando um dialogo do blues ao baião. Pela receptividade nos shows não lembro de nenhuma música em específico.

07) RM: Como você define seu estilo musical?

Mauri de Noronha: Música popular brasileira com ênfase na poesia.

08) RM: Como você se define como cantor/intérprete?

Mauri de Noronha: Sou um poeta-cantador.

09) RM: Quais os cantores e cantoras que você admira?

Mauri de Noronha: Luiz Gonzaga, João do Vale, Alceu Valença, Ednardo, Núbia Lafayete, Elis Regina, Clementina de Jesus entre outros e outras.

10) RM: Quem são os seus parceiros nas composições?

Mauri de Noronha: Fundamentalmente meu trabalho é autoral e conto com algumas parcerias: Márcio Miele, Emanuel de Almeida e Santiago Dias.

11) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Mauri de Noronha: O lado positivo é a liberdade de criação e expressão. A dificuldade está na captação de recursos, difusão e distribuição.

12) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira musical dentro e fora do palco?

Mauri de Noronha: O planejamento do trabalho artístico acontece por etapas; processo de criação, escolha de repertório, escolha dos músicos e do arranjador, gravação, prensagem e a difusão (show). O cidadão e o artista Mauri de Noronha são indissociáveis.

13) RM: Quais as ações empreendedoras que você pratica para desenvolver sua carreira musical?

Mauri de Noronha: Todo artista independente é um empreendedor por natureza, e as ações fazem parte do planejamento.

14) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira musical?

Mauri de Noronha: A internet é a mídia do artista independente. Não vejo nenhum ponto negativo por enquanto.

15) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso a tecnologia de gravação (home estúdio)?

Mauri de Noronha: Só vejo vantagens nos home estúdio, baixo custo com boa qualidade, ambiente informal e flexibilidade de horários.

16) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo. Mas, a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que você faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

Mauri de Noronha: A concorrência não é um desafio, o mercado é que é desigual. Cada artista tem sua característica que é reproduzida no seu trabalho.

17) RM: Como você analisa o cenário musical brasileiro? Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas duas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Mauri de Noronha: Vários são os artistas talentosos, entre eles estão: Chico Cesar, Zeca Baleiro, Lenine, etc. Em relação à regressão não tenho nenhum comentário a fazer.

18) RM: Quais os músicos já conhecidos do público que você tem como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

Mauri de Noronha: Luiz Gonzaga, Chico Buarque, Caetano, Gil, Milton Nascimento, Fagner, além dos já citados, entre outros.

19) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical (falta de condição técnica para show, brigas, gafes, show em ambiente ou público tosco, cantar e não receber, ser cantado e etc)?

Mauri de Noronha: Por enquanto nenhum fato a relatar neste sentido.

20) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Mauri de Noronha: O que me faz feliz é a concepção de uma obra. O que me entristece é a dificuldade de difusão e distribuição.

21) RM: Nos apresente a cena musical na cidade que você mora?

Mauri de Noronha: Participo do cenário musical independente da cidade de Aracaju – SE.

22) RM: Quais os músicos ou/e bandas que você recomenda ouvir?

Mauri de Noronha: Samba de Moça Só, Camilla Campos, Elvis Boamorte, Ato Libertário, entre outros.

23) RM: Quais os cantores e cantoras que gravaram as suas canções?

Mauri de Noronha: Samba de Moça Só e Camilla Campos, cada uma com uma canção.

24) RM: Você inscreve as suas músicas em Festivais de Música?

Mauri de Noronha: Sim.

25) RM: O que acha da importância dos Festivais de Música para lançar novos talentos para um grande público?

Mauri de Noronha: Considero relevantes os Festivais de Música, sendo que questiono alguns critérios de julgamento.

26) RM: Você acredita que sem o pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

Mauri de Noronha: Acredito, mesmo porque a música Cantadores, que faz parte do repertório do disco índio Branco de alma Negra, tocou na rádio USP FM/SP por um bom período, sem jabá ou qualquer outra influência. Além desta emissora ter feito a divulgação do lançamento deste disco no Centro Cultural São Paulo.

27) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Mauri de Noronha: Incentivo e peço paciência.

28) RM: Quais as suas principais críticas agrande mídia?

Mauri de Noronha: A mídia representa um setor financeiro, que acaba por dificultar a visibilidade de talentos genuínos.

 

29) RM: Quais os seus poetas e cantadores preferidos? Quais os poetas influenciaram a sua obra? 

Mauri de Noronha: Os cantadores repentistas: Diniz Vitorino, Geraldo Pedrosa, Geraldo Amâncio, Sebastião Marinho, dentre outros. Os poetas de caneta: Manuel Bandeira, Castro Alves, Carlos Drummond de Andrade, entre outros.

30) RM: Qual a motivação de cantar e compor canção com letra poética em um tempo que a música que toca na rádio FM e o mercado musical não dar mais espaço para esse formato de música? 

Mauri de Noronha: A arte é uma manifestação da alma, assim penso, assim vivo.

31) RM: Quais os seus projetos futuros?

Mauri de Noronha: O próximo disco está em fase de masterização. Encontro-me em São Paulo fazendo shows e contatos para o lançamento deste futuro disco.

32) RM: Quais os seus contatos para show e para os fãs?

Mauri de Noronha:  [email protected] |(11) 95223 – 2630 (TIM) | 94669 – 2513 (VIVO) | http://www.facebook.com/mauridenoronha

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of
Tagged
Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor Responsável pela revista Ritmo Melodia desde 2001, músico, letrista e poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, sempre se preocupou em divulgar a música (popular, regional, instrumental e erudita) com entrevistas e artigos sobre os músicos e artistas brasileiros.