Marco Antonio Bouquard

Marco Antonio Bouquard 1 Revista Ritmo Melodia
  •  
  • 270
  •  
  •  
  •  
    270
    Shares
Tempo de Leitura: 11 minutos

Além de cantor, Marco Antonio Bouquard é instrumentista, compositor, historiador e também professor de violão em projetos sociais.

Adolescente, interessou-se por violão, o que o levou a investir em teoria musical, com ajuda do avô Luiz Pinto da Cunha, regente das sociedades musicais Carlos Gomes e Sete de Setembro. Sua dedicação ajudou na conquista, logo cedo, do prêmio de “aluno destaque”, quando cursava o conservatório de música lia salgado, em Leopoldina-MG. Atuou como professor de música, em cursos ofertados pelo “Fórum das artes”, “Clube da Música”, “Casa da Cultura” e cursos particulares, sempre em Além Paraíba. Tornou-se músico profissional, como guitarrista da banda de rock “Apollo XI”, criada com o irmão e alguns amigos; acompanhando outros artistas; participando de bandas de bailes e conjuntos de rock. Marco Antonio investiu na carreira solo, apresentando-se em bares, clubes, casas de show e eventos culturais, que muitas vezes produz, em toda a região e transpondo as divisas de Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo. Já conta mais de quinze anos de estrada, e já realizou um grande sonho: lançou um álbum solo com canções autorais. Nele mistura MPB, Folk e Rock, para apresentar suas bem elaboradas letras, com a força da juventude, do amor pelo trabalho e a disponibilidade para parcerias. Em sua mochila, além da paixão pela música, pela poesia e pela ousadia, carrega uma grande experiência e muitos troféus de participações em Festivais de Música, como intérprete, compositor ou instrumentista. Ainda cabe nela projetos sociais como o “Clube da música”, com aulas gratuitas para crianças e adolescente em áreas de risco e o “Além de um porto”, que durante os domingos das férias escolares, levou música gratuita à espaços públicos da zona rural e distritos de Além Paraíba, promovendo a circulação de ações culturais, fortalecendo a auto estima e apropriando o espaço público para promover cultura.

Mas, melhor que estar falando do artista, é curtir sua arte. Além do CD já lançado com belas canções, está em fase de finalização, o repertório do segundo trabalho, que apresentará um músico mais experiente, inovador, e cada vez mais apaixonado pelo que faz.

Segue abaixo entrevista exclusiva com Marco Antonio Bouquard para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistado por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 11.04.2019:

01) Ritmo Melodia: Qual o seu dia e mês de nascimento e a sua cidade natal?

Marco Antonio Bouquard: Nasci no dia 11 de Abril de 1984, em uma cidade da zona da mata mineira, denominada de Além Paraíba (MG), onde vivo até hoje.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

Marco Antonio Bouquard: Foi quando ainda criança, através dos discos de rock progressivo de meu pai e do contato com meu avô (maestro Luiz Pinto da Cunha de sociedades musicais aqui do interior).

03) RM: Qual a sua formação musical e\ou acadêmica fora da área musical?

Marco Antonio Bouquard: Na música, tive meus primeiros estudos em Violão, aprendendo posteriormente teoria musical com a tradição adquirida de meu avô Luiz Pinto da Cunha através das sociedades musicais. Também passei um período no Conservatório de Música Lia Salgado de Leopoldina (MG). Sou graduando em Direito, possuo graduação em História e especialização em Gestão de Sistema e Serviços de Saúde, com que atuo atualmente paralelamente a música.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

Marco Antonio Bouquard: Em minha casa se ouvia muita música, minha mãe gostava de canções que tocavam no rádio, meu pai com seus discos de rock e ao lado de minha casa meu avô com seus dobrados e a música instrumental. Porém minha juventude foi marcada por Rock Progressivo, Rock “Clássico” e Rock Brasileiro, era aquela coisa de ter cabelos longos, uma guitarra elétrica e andar por ai de calça rasgada. Um pouco mais para frente à canção brasileira bateu muito forte em minha vida: “Clube da Esquina” (principalmente), Tropicalismo, Bossa Nova, Samba, Canções Nordestinas. Também existe a influência da música Erudita, Jazz, música instrumental brasileira e blues… Atualmente o que menos escuto é o rock, porém acredito que o espírito transgressor deste gênero sempre vai estar presente em minha vida! Hoje posso afirmar que minhas maiores influências são as experiências vividas e as pessoas.

05) RM: Quando, como e onde você começou a sua carreira musical?

Marco Antonio Bouquard: Comecei nos anos 90 tocando em bandas de “garagem”, me apresentando em festas de colegas, bares, Festivais de Música estudantis e encontro de motociclistas, logo em seguida veio a fase das bandas de baile, assim como acompanhar artistas da região e lançar meu trabalho autoral. Também trabalhei por bastante tempo com cursos livres de música em projetos sociais, aulas particulares e escolas de música.

06) RM: Quantos CDs lançados?

Marco Antonio Bouquard: Tenho um CD lançado em 2014 e um em fase de conclusão do segundo disco “Tangram”. Comentários sobre o perfil do primeiro Disco: “O álbum de estreia do músico, cantor e compositor Marco Antonio Bouquard mexe com os sentidos e a mineiridade ao trazer algo leve como a brisa dos vales, no cantar de canções que trazem um toque disso tudo que evoca essa gente nascida nas Minas Gerais. O disco tecido como uma “colcha de retalhos” costurada com a linha de uma sonoridade regional, traz diferentes gêneros e sonoridades. O trabalho foi lançado em Setembro de 2014 (após uma odisséia que levou um pouco mais de um ano para sua concepção). O artista adicionou ao seu novo trabalho uma soma de experiências vividas com outros grandes músicos da cidade e outras regiões, a exemplo do renomado maestro Luís Nascimento, responsável pela produção e arranjo do CD e das participações especiais dos músicos Adriano Chaves, Brasilino Bittencourt, Maria Elisa Couto França Coité, Marcio Bouquard e Luiz Keller, que marcou presença com uma de suas composições. Também foram parceiros em composições Daniela Saad, Fred Antunes, Lucas Aragão, Marcio Bouquard e Fernando Bamboo. O projeto visual é do artista gráfico Fred Antunes, com fotos do mesmo e Mariana Quintão. O trabalho ainda conta com mais duas regravações de compositores da música popular brasileira, união que resultou em um disco embalado por uma melodia harmoniosa e que valoriza a canção da terra”. Sobre o perfil do segundo disco: “Tangram é  está pautado em 12 canções inéditas, focadas em pesquisas diversas para suas letras, melodias, ritmos, sons e arranjos. Um quebra-cabeça que pode ser montado de várias formas, para obter resultados diferentes, mas sempre em harmonia com o que se objetivou. Neste disco existe uma busca por uma estética antropofágica, já que consumimos tudo ao entorno e regurgitamos algo nosso. Creio que culturalmente uma de nossas peculiaridades é o fato de não possuirmos uma característica pura ou genuína. Sendo assim, nossa característica mais relevante é o fato de não termos uma característica. Mas parece que é o que nos dá liga e nos permite desenvolver com liberdade nossa arte e cultura. Este CD, também é fruto de toda uma diversidade de encontros,  pois prima por parcerias não só nas canções, mas com as múltiplas idéias e diversidade de desejos e propostas culturas. Fazem parte deste projeto: Luis Nascimento, Maria Eliza, Wanderlan, Sérgio Marcelo, Serginho de Souza, Marcelão Gomes, Banjo, Alysson, Márcio Bouquard, Fred Antunes, Gilberto Vaz de Melo, Edson Leão, Tiquinho Balbino, Charles Pere e Dannyel Tostes.”

07) RM: Como você define seu estilo musical?

Marco Antonio Bouquard: Gosto de definir meu trabalho autoral como canções de MPB.

08) RM: Você estudou técnica vocal?

Marco Antonio Bouquard: Já participei de corais e grupos vocais onde tive acesso a noções sobre técnica vocal, porém nunca dei continuidade efetiva nestes estudos.

09) RM: Qual a importância do estudo de técnica vocal e cuidado com a voz?

Marco Antonio Bouquard: A voz é como um instrumento e para executar bem um instrumento é necessário o estudo da técnica e o cuidado…  Porém pessoalmente sou bastante caótico nessas questões, dentro de minhas limitações técnicas busco inspiração estética em uma mistura entre: Chet backer, João Gilberto e Beto Guedes!

10) RM: Quais as cantoras (es) que você admira?

Marco Antonio Bouquard: Como certa vez, disse Elis Regina: “Se Deus cantasse, ele cantaria com a voz de Milton Nascimento!”… Sou apaixonado pela voz desse cara!

11) RM: Como é o seu processo de compor?

Marco Antonio Bouquard: O processo criativo vem de forma intuitiva e espontânea em uma busca por sons que representem ideias e sentimentos. Gosto muito do processo de criação coletiva buscando sempre parcerias com pessoas sensíveis, que muitas vezes nunca tiveram experiência em compor.

12) RM: Quais são seus principais parceiros de composição? 

Marco Antonio Bouquard: Minha lista de parceiros vem crescendo ao logo do tempo. Porém poderia dizer que meus principais parceiros em composição são: Meu irmão Márcio Bouquard em meu primeiro disco, e o amigo Serginho de Souza no segundo disco Tangram.

13) RM: Quem já gravou as suas músicas?

Marco Antonio Bouquard: Até o momento apenas eu gravei minhas canções, porem tenho uma postura aberta para disponibilizar canções para outros artistas que tenham interesse em gravar.

14) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Marco Antonio Bouquard: Creio que os prós estão relacionados à liberdade artística e a liberdade para se gerenciar a carreira. Já os contras estariam relacionados ao excesso de funções: Desenvolvimento de planejamento de marketing, produção de material, gestão de redes sociais, vendas e desenvolvimento de formas e estratégias para custear todo esse processo. É necessário tomar conta de todas as etapas do processo de produção, já que para o artista independente as coisas são mais complicadas, além da falta de recurso. Mas creio que tudo isso se torna irrelevante quando se deseja de verdade chegar mais próximo de um sonho.

15) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira dentro e fora do palco?

Marco Antonio Bouquard: Fora dos palcos tenho um trabalho pautado em um planejamento estratégico, onde existem metas de curto, médio e longo prazo. Além das metas definidas existem instrumentos de controle e estratégias ligadas ao marketing, produção e vendas. Dentro do palco é pura emoção e sentimento, buscando sempre me conectar comigo mesmo e com as pessoas.

16) RM: Quais as ações empreendedoras que você pratica para desenvolver a sua carreira?

Marco Antonio Bouquard: Busco sempre estudar sobre o mercado musical, aplicar técnicas e instrumentos de gestão em minha carreira. Também busco sempre desenvolver projetos para disseminar minhas canções assim como produzir eventos próprios. Tenho como missão cativar pessoas através de canções, semear cultura e gerar sustentabilidade através da arte. Existe uma frase interessante que me inspira muito sobre empreendedorismo: “Se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, não precisa temer o resultado de cem batalhas. Se você se conhece, mas não conhece o inimigo, para cada vitória ganha sofrerá também uma derrota. Se você não conhece nem o inimigo nem a si mesmo, perderá todas as batalhas…” Sun Tzu

17) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira?

Marco Antonio Bouquard: A internet de uma forma geral só ajuda! Através dela podemos distribuir nosso trabalho, criar contatos, interagir com público e parceiros. Creio que o que seria ruim nesse contexto é o excesso de informação para o público, fica difícil atrair a atenção das pessoas com tanta informação ao mesmo tempo.

18) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso a tecnologia  de gravação (home estúdio)?

Marco Antonio Bouquard: A vantagem crucial é dar oportunidade para as pessoas produzirem seus projetos através de um custo relativamente barato, pensando de uma forma egoísta a desvantagem seria a proliferação de um excesso de material gerando desta forma uma expressiva “concorrência” na corrida para se chamar a atenção do público. Porém eu particularmente acredito que o sol nasce para todos e o acesso a tecnologia democratiza o processo criativo, gerando mais oportunidades.

19) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo. Mas, a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que você faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

Marco Antonio Bouquard: Para os artistas do inteiro assim como eu, gravar um disco ainda é um grande desafio! Para produzir meus trabalhos vivenciei aventuras “homéricas”, custear a produção dos CDs, por exemplo: Lancei mão de “festivais de prêmios” (bingos), Financiamento coletivo (fui o primeiro artista da cidade a realizar esta iniciativa), shows com o intuito de angariar fundos,  ofertar publicidade para empresas locais,  além de outros percursos, tudo tendo em mente a vontade de ter um sonho materializado. Com relação a diferenciação com relação ao nicho musical, busco apenas ser o mais sincero possível, compondo e tocando apenas aquilo que acredito de verdade, sem me importar com os modismos ou padrões estéticos em vigor no mundo do entretenimento.

20) RM: Como você analisa o cenário musical brasileiro. Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas duas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Marco Antonio Bouquard: O cenário independente está fantástico, muita gente boa criando, produzindo e apresentando maravilhas para nós, o problema é a dificuldade destes projetos chegarem até o grande público, o artista independente tem pouco ou quase nenhum poder de escala, o fato de postar canções nas redes sociais e sites de streaming não são fatores determinantes para se atingir o público. Creio que um exemplo de artista revelação que permaneceu com uma obra consistente durante essas duas últimas décadas foi Renato Braz, mas poderia citar uma expressiva lista que nem caberia nesta entrevista!

21) RM: Quais os músicos já conhecidos do público que você tem como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

Marco Antonio Bouquard: Acho interessante citar a figura do “Criolo”, me passa a impressão de ser um artista engajado e sério, além de aparentar ser sincero com sua arte e valorizar as pessoas que estão com ele desde o principio.  Reconheço que o trabalho dele tem uma qualidade artística interessante, flertando com diversos gêneros musicas de nosso Brasil.

22) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical?

Marco Antonio Bouquard: Já passei por quase tudo atuando nesses quase vinte anos na música: Viagens na boleia de caminhão, sair corrido do show após fazer um discurso que retratava a falta de respeito com os músicos e artistas em um encontro de motociclistas, vais e criticas… Também existiram muitas coisas boas! Aqui na minha região só falta tocar em velório e casa de tolerância!

23) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Marco Antonio Bouquard: O que me deixa mais feliz são as experiências boas que vivi, as pessoas e lugares que conheci. Quando existe a possibilidade de tocar as pessoas através de canções as conexões e vínculos são muito marcantes! O triste é quando existe a falta de respeito e a indiferença com nosso trabalho.

24) RM: Nos apresente a cena musical da cidade que você mora?

Marco Antonio Bouquard: Além Paraíba (MG) é muito pequena e fica bem no interior… Desta forma não existe uma cena, porém acredito no potencial dos artistas que por aqui residem e espero poder trabalhar mais para estreitar esses laços e colaborar para o desenvolvimento de uma cena.

25) RM: Quais os músicos, bandas da cidade que você mora, que você indica como uma boa opção?

Marco Antonio Bouquard: Artistas como Luisinho Nascimento (foi produtor de meus dois discos) e Maria Elisa, uma grande interprete e compositora!

26) RM: Você acredita que sem o pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

Marco Antonio Bouquard: Nas rádios locais elas até já tocam. Os radialistas do interior na maior parte das vezes apóiam os artistas de nossa cidade. Agora com relação a rádios de grande expressão a música só ira tocar através do pagamento do jabá ou se de alguma forma conseguir atingir um expressivo número de público consumidor.

27) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Marco Antonio Bouquard: Às vezes não é você que escolhe a música ou a arte, elas te escolhem. Desta forma cada um naturalmente vai seguindo seu caminho e encontrando seu espaço. Creio que o estudo técnico é muito importante,assim como desenvolver um arcabouço cultural, ser sincero consigo mesmo e o mais importante saber se relacionar com as pessoas e plantar boas amizades.

28) RM: Quais os prós e contras do Festival de Música?

Marco Antonio Bouquard: Gosto muito de Festivais de Música, sabia? Sempre sinto aquele frio na barriga ao subir no palco, conhecer pessoas e lugares, além de ser uma ótima oportunidade para fazer novos contatos. Minha esposa Mayara Oliveira Bouquard produziu esse ano o 1º Festival de Voz e Violão de Além Paraíba e tive a oportunidade de trabalhar na produção artística do evento, foi uma experiência muito rica principalmente no sentido de conhecer o trabalho de artistas independentes e cultivar novas amizades. O lado ruim é o modelo de competição, sinceramente creio que todos que participam são vencedores!

29) RM: Na sua opinião, hoje os Festivais de Música revela novos talentos?

Marco Antonio Bouquard: Sinceramente creio que não, não percebo que os grandes meios de comunicação abram espaço para revelar novos talentos de artistas que tem expressão em Festivais de Música. Porém é uma ótima oportunidade do artista apresentar a sua canção para o público e criar vínculos, além de ter a oportunidade de desenvolver material / portfólio e fazer network!

30) RM: Como você analisa a cobertura feita pela grande mídia da cena musical brasileira?

Marco Antonio Bouquard: Creio que a grande mídia não cobre a “cena musical brasileira”.  O artista acaba de uma forma geral sendo “obrigado” a custear o processo de distribuição de seu trabalho, seja através jabás ou planos de marketing com orçamentos robustos, talvez desta forma possa alcançar um público significativo e atrair a atenção da grande mídia. Agora acredito no trabalho de formiguinha, que através de um fenômeno espontâneo esse artista caia nas graças do povo e venha despertar desta forma a atenção da grande mídia; creio que esse contexto é exceção no meio da regra.

31) RM: Qual a sua opinião sobre o espaço aberto pelo SESC, SESI e Itaú Cultural para cena musical?

Marco Antonio Bouquard: Conheço pouco sobre esses circuitos, aqui no interior não temos acesso aos mesmos. Sempre busco me inscrever através da internet em editais como Itaú Cultural, por exemplo, porem eu acredito que a seleção de artistas é um processo hermético que não priva pela democratização de seus respectivos espaços.

32) RM: O circuito de Bar ainda é uma boa opção de trabalho para os músicos?

Marco Antonio Bouquard: De acordo com minha experiência acredito ser uma forma válida para obter experiência e uma alternativa de fonte de renda, mesmo pouco significativa. O músico deve ter consciência que a maior parte das pessoas no BAR não está ali para assistir ao seu trabalho, o foco delas é o bater papo, degustar um tira gosto e tomar uma cerveja gelada. Quando a gente entende essa função social as coisas ficam mais tranqüilas, como diz um amigo “dói menos”.

33) RM: Quais os seus projetos futuros?

Marco Antonio Bouquard: Focar no processo de lançamento de meu segundo disco intitulado “Tangram”. Desenvolver produções de projetos culturas e eventos em minha cidade e continuar buscando cativar as pessoas através de canções, arte e cultura. Também tenho o desejo de fomentar e gerar sustentabilidade não apenas para minha pessoa, mas também para outros indivíduos através do mercado criativo/artístico!

34) RM: Quais seus contatos para show e para os fãs?

Marco Anonio Bouquard: (32) 99137 – 8884 (TIM e WhatsApp)

 https://www.facebook.com/marcobouquard

Pagina youtube: https://www.youtube.com/channel/UCDypqumaPSOWbA5hrMkz64Q

Instagran: https://www.instagram.com/marcoantoniobouquard

Links para clipes/vídeos:

https://www.youtube.com/watch?v=wfl4q9E0_jU 

https://www.youtube.com/watch?v=q4-tazSBC8M

https://www.youtube.com/watch?v=63zhoXSiOQw

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor Responsável pela revista Ritmo Melodia desde 2001, músico, letrista e poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, sempre se preocupou em divulgar a música (popular, regional, instrumental e erudita) com entrevistas e artigos sobre os músicos e artistas brasileiros.