Manuel Filho

manuelfilho
  • 63
    Shares
Manuel Filho
Avalie esta Entrevista

O cantor, compositor, escritor paulistano, agraciado com o prêmio JABUTI 2008, possui mais de 40 livros publicados por editoras como Melhoramentos, Ática, Saraiva, Editora do Brasil, Panda Books, Mundo Mirim, Prumo, Paulus, Besouro Box, Escala Educacional, entre outras.

Em 2015, foi o patrono da 24ª. Feira Literária da cidade de Carlos Barbosa – RS. Seu livro, “O SUMIÇO DA LUA” integrou o catálogo da Feira do Livro Infantil de Bologna – 2015 e seu livro “SENSOR, O GAME”, fez parte do catálogo oficial da CBL (CÂMARA BRASILEIRA DO LIVRO) na feira do livro em Frankfurt/2013.

Finalista em 2013, do prêmio Açorianos de literatura com o livro A MENINA QUE PERDEU O TREM, Besouro Box. Em 2015 seu projeto A RODA DA VIDA foi selecionado pelo PROAC-SP, criação de livro infantojuvenil. Seu livro O QUE VI POR AÍ, editora Arvoredo, foi selecionado para o PNBE 2014. Viajou por todo o Brasil participando de feiras e encontros literários, entre eles FELISB/FELIT SBC, Bienal do Livro de São Paulo e Feira de Porto Alegre.

Em seu repertório encontra-se o show CANTANDO DE BRINCADEIRA, em que interpreta canções de grandes compositores brasileiros que tenham a literatura como inspiração. Iniciou como redator na Rádio 97FM. Em seguida trabalhou na TV Mulher (redator programa Clodovil), TV Record (Ana Maria Braga/Note e Anote) e TV Senac (Histórias de Comércio) Integra o projeto LITERATURA VIVA, do SESI, desde 2011, viajando pelo estado de São Paulo participando de encontros com alunos e apresentando palestras. Também integrou o projeto VIAGEM LITERÁRIA, da Secretaria Estadual de Cultura. E ministra oficinas literárias com regularidade por todo o país. A principal delas é QUEM CONTA SEUS CONTOS ENCANTA, que já foi publicada em livro pela prefeitura municipal de São Bernardo do Campo -SP.

Esteve habilitado pela prefeitura municipal de São Paulo para ser oficineiro em suas diversas unidades. Já recebeu, por cinco vezes, o selo de ACERVO BÁSICO da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil – FNLIJ. A Fundação Dorina Nowill lançou em 2012 a primeira obra em Braille do autor, AGORA É COMIGO, durante a 22º Bienal do Livro de São Paulo e, em 2015, JOÃO E O PÉ DE FEIJÃO.

Além disso, também é cantor e teve o seu primeiro CD – TEMPO, lançado no Brasil e em Portugal. Em 2010 lançou o seu segundo CD – RAÍZES, que foi pré- selecionado para o Prêmio de Música Brasileira 2011 e disputou duas indicações para o Grammy Latino. Também trabalha como ator e já participou de grandes espetáculos teatrais como OS LUSÍADAS, O MÁGICO DE OZ, e A LUTA SECRETA DE MARIA DA ENCARNAÇÃO, último espetáculo escrito por Gianfrancesco Guarnieri. Escreveu para revistas, televisão e rádio.

Segue abaixo entrevista exclusiva com Manuel Filho para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistado por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 01.03.2016:

01) Ritmo Melodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

Manuel Filho: Nasci no dia 06/03/1968 em São Bernardo do Campo – SP.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

Manuel Filho: O primeiro contato se deu pela audição de discos de cantores brasileiros, principalmente Vicente Celestino e Luiz Gonzaga.

03) RM: Qual a sua formação musical e\ou acadêmica fora da área musical?

Manuel Filho: Não possuo formação musical formal. Sou cantor/intérprete e estudei canto por quatro anos, além de ter participado de diferentes grupos vocais e coros. Formação acadêmica em 1987-1990 em Publicidade e PropagandaUniversidade Metodista – SP.  Em 1990-1992 Ator – DRT 10640 – Escola Superior de Artes Célia Helena. Cursos complementares: 2010 – A Construção do Roteiro da Ideia ao Último Capítulo – Walcyr Carrasco. 2009 – Ciência e Arte da Biografia – Ruy Castro. 2002 – 2004 CCBB – Encontros e Palestras. 2002 ENCONTROS COM A TELEVISÃO BRASILEIRA – TELEDRAMATURGIA CCBB – Coordenação – CINUSP. 2002 – SEMINÁRIO DE ROTEIRO AUDIOVISUAL. Realização: CINUSP EDUCINE. Coordenação Geral : Profa. Dra. Maria Dora Mourão. Coordenação Pedagógica: Newton Cannito: 1996 – Dramaturgia – Sesc Consolação. 1993 – Interpretação – GRUPO TAPA. 1992 – Encarando a personagem – RENATO BORGHI. 1992 – Dramaturgia no Teatro e na TV – Renata Pallottini. 1991 – Workshop – Klauss Vianna. 1991 – Seminário “ CÂMERA 91 “ – Editora Referência. 1991 – Improvisação teatral – Flávio de Souza. 1991 – Workshop – Renata Sorrah. 1991 – Workshop “AHHHHHHHHHH” – Nancy Miranda. 1990 – TEATRO ESCOLA MACUNAÍMA – Básico

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

Manuel Filho: Eu fui e sou muito influenciado pela MPB. Gosto muito dos compositores dos anos 30/40/50 como Noel Rosa, Lupicínio Rodrigues, Pixinguinha, Cartola, entre outros. Eu escutava muita canção popular quando criança, como Nilton César e Wanderléa e, de fato, eles deixaram de ser importantes, não são referências em meu trabalho.

05) RM: Quando, como e onde você começou a sua carreira profissional?

Manuel Filho: Comecei atuando como ator e cantor no Teatro Musical. Em seguida, participei por três anos do grupo vocal On The Vox, que fez temporadas em diversos teatros com o show TV Themes. Atuei nos musicais OS LUSÍADAS, produção de Ruth Escobar, BRASIL, OUTROS 500, espetáculo comemorativo dos 500 anos do descobrimento do Brasil, A LUTA SECRETA DE MARIA DA ENCARNAÇÃO, último espetáculo criado por Gianfrancesco Guarnieri e o MAGICO DE OZ, produzido por Billy Bond.

06) RM: Quantos CDs lançados, quais os anos de lançamento (quais os músicos que participaram nas gravações)? Qual o perfil musical de cada CD? E quais as musicas que entraram no gosto do seu público?

Manuel Filho – Já lancei três CDs: CANTANDO DE BRINCADEIRA (2015) – Trabalho voltado ao público infantil. Participam dele Xinho Rodrigues, Leandro Neri, Beto Marsola, Bira Azevedo. Destacamos as canções: MEU AMIGO DE QUATRO PATAS e O GORILA ESTÁ SUJO. RAÍZES (2010) – Este CD foi lançado com um grande show no tradicional Teatro Oficina em São Paulo. Participam desse CD, Dino Barioni, João Cristal, Toninho Ferragutti, Rita Braga, Fernanda Gianesella, Cristina Lemos, Beto Marsola, Xinho Rodrigues, DaLua. Destacamos as canções: EU VOU CONTAR PRO PAPAI e UM HOMEM SEMEANDO ESTRELASTEMPO (2007) – A canção título foi gravada em outro CD pela cantora Alaíde Costa com arranjo de Théo de Barros. Toninho Ferragutti, no Acordeom, Da Lua, na Percussão, no Teclado João Cristal e no Baixo Xinho Rodrigues. Na produção e Violão Beto Marsola. Merece destaque as canções: TEMPO e ÀS NAUS, feita em homenagem ao espetáculo OS LUSÍADAS.

07) RM: Como você define o seu estilo musical?

Manuel Filho: Cantor de MPB.

08) RM: Você estudou técnica vocal?

Manuel Filho: Sim, durante mais de quatro anos estudei com Nancy Miranda, Cristina Cordeiro, Jeller Filipe e Adélia Issa.

09) RM: Qual a importância do estudo de técnica vocal e cuidado com a voz?

Manuel Filho: Para cantores, isso é fundamental, caso contrário, o artista perderia o seu “instrumento”, sua capacidade de se expressar plenamente através de uma canção.

10) RM: Quais as cantoras(es) que você admira?

Manuel Filho: Linda Batista, Elis Regina, Nana Caymmi, Mário Reis, Ney Matogrosso, Tim Maia, Orlando Silva, Gal Costa, Maria Bethânia, Mariza (cantora portuguesa).

11) RM: Você compõe? Como é seu processo de compor?

Manuel Filho – Componho pouco. Normalmente eu exploro uma melodia que posso estar “cantando na cabeça” e, em seguida, coloco a letra.

12) RM: Quais são seus principais parceiros de composição?

Manuel Filho: Cristina Lemos e Beto Marsola.

13) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Manuel Filho: A principal vantagem é a liberdade. Um dos principais problemas é a distribuição e o marketing do trabalho que, mesmo no mundo digital, ainda demanda conhecimentos específicos no meio

14) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira musical dentro e fora do palco?

Manuel Filho: A principal característica de meu trabalho é a música autoral, minha ou de outros compositores modernos. Assim, tenho criado projetos temáticos como, por exemplo, um show de retrospectiva da história do Samba, chamado de RECEBEMOS A DENÚNCIA DE QUE AQUI SE CANTA SAMBA.

15) RM: Quais as ações empreendedoras que você pratica para desenvolver a sua carreira?

Manuel Filho: Crio projetos, ministro oficinas, participo de editais que possam propiciar o desenvolvimento do meu trabalho.

16) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira?

Manuel Filho: A internet viabiliza a divulgação para eventos e propicia a distribuição mundial de nossas canções por um preço razoável. Ao mesmo tempo em que permite a rápida popularização, isso também se torna um problema, pois o volume de oferta é muito grande e fica difícil encontrar um destaque. Por outro lado, também fica mais fácil para se encontrar um nicho adequado.

17) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso a tecnologia de gravação (home estúdio)?

Manuel Filho: Os atuais processos de gravação propiciam que qualquer artista possa registrar seu trabalho, o que seria impossível há algum tempo. Processos de experimentação artística também se tornaram mais viáveis. Não vejo grandes desvantagens em toda essa liberdade alcançada.

18) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira. Hoje gravar o disco não é mais o grande obstáculo. Mas, a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que você faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

Manuel Filho: Eu sou, naturalmente, um contador de histórias, assim, todo projeto meu sempre vem com muita informação que é passada ao público. Isso tem aparecido de forma natural em meu trabalho e, aos poucos, tenho notado que é um aspecto bastante relevante. Cada vez mais tenho incluído histórias em meu trabalho. Certamente isso não é inédito, mas está meio desaparecido do mercado. Antigamente, Vinicius de Moraes contava suas histórias e recitava seus belos poemas, talvez seja um dos grandes exemplos desse segmento que hoje tento seguir.

19) RM: Como você analisa o cenário musical brasileiro. Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas duas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Manuel Filho: Acho que está se impondo um estilo de cantar que não me agrada, principalmente observado em novas cantoras. Raramente ouvimos uma frase “limpa”, normalmente vem carregada de trinados, que são mal imitados das cantoras norte-americanas. Há um jeito excessivamente meloso e monótono que algumas cantoras que estão na grande mídia efetuam e tem também sido copiado. Acho que os movimentos de Samba da Lapa, no Rio de Janeiro, são excelentes e o que se tem produzido de melhor. Tereza Cristina e Pedrinho Miranda são importantes cantores de samba da atualidade.

20) RM: Quais os músicos já conhecidos do público que você tem como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

Manuel Filho: Ney Matogrosso, por sua presença de palco, longevidade e qualidade artística. Maria Bethânia, por sua integridade artística. Cauby Peixoto também por longevidade e originalidade e Elza Soares.

21) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical?

Manuel Filho: Acho que o que mais pode atrapalhar a carreira de um artista é a vaidade, quando ele pode se achar maior do que seus parceiros ou até mesmo do público.

22) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Manuel Filho: Feliz, o momento em que estou no palco, ao vivo, me comunicando com as pessoas é, certamente, o mais vibrante, o que amo fazer. Triste, na carreira, é lidar com burocracia e gente de má-fé.

23) RM: Nos apresente a cena musical da cidade que você mora?

Manuel Filho: Sou do Grande ABC (Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul) e percebo um cenário vibrante em Santo André, que tem revelado diversos músicos que atuam na região e no mundo, inclusive, como o grande pianista João Cristal.

24) RM: Quais os músicos, bandas da cidade que você mora você indica como uma boa opção?

Manuel Filho: Adolar Marin, Kleber Albuquerque, Marcia Cherubin.

25) RM: Você acredita que sem o pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

Manuel Filho: Não, assim como a de vários amigos, que possuem grandes qualidades, mas não conseguem furar o cerco desonesto do jabá (pagamento para tocar um música na programação da Rádio e TV).

26) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Manuel Filho: Ame o seu trabalho e se esforce para transformá-lo sempre no melhor que puder fazer. Jamais abra mão de sua qualidade.

27) RM: Quais livros lançados, qual perfil e que quais anos de lançamentos?

Manuel Filho: Já lancei mais de quarenta livros, todos para o público infanto-juvenil.

FILHO, Manuel; Um e-mail em vermelho. São Paulo: Editora Saraiva, 2003. FILHO, Manuel; O ouro do fantasma. São Paulo: Editora Ática, 2004. FILHO, Manuel; Cresci, e agora, o que vou ser? São Paulo: Editora Escala Educacional, 2005. FILHO, Manuel; Eu sei o que estou fazendo. São Paulo: Editora Escala Educacional, 2006. FILHO, Manuel; Quem tem medo do Boitatá? São Paulo: Editora Escala Educacional, 2007. FILHO, Manuel; No coração da Amazônia. São Paulo: Editora Escala Educacional, 2007. FILHO, Manuel; Deserto verde. São Paulo: Editora Escala Educacional, 2008. FILHO, Manuel; Desafio nas missões. São Paulo: Editora Saraiva, 2008. FILHO, Manuel; O dono da bola. São Paulo: Editora Mundo Mirim, 2009. FILHO, Manuel; O casamento da viúva-negra. São Paulo: Editora Prumo, 2010. FILHO, Manuel; Meu avô português: São Paulo: Panda Books, 2010. FILHO, Manuel; No ninho da coruja. São Paulo: Editora Mundo Mirim, 2011. FILHO, Manuel; Compra pra mim. São Paulo: Editora Paulus, 2011. FILHO, Manuel; Tinha que ser comigo? São Paulo: Panda Books, 2012. FILHO, Manuel; O príncipe sapo. São Paulo: Editora Paulus, 2012. FILHO, Manuel; Agora é comigo. São Paulo: Fundação Dorina Nowill, 2012. FILHO, Manuel; A menina que perdeu o trem. Porto Alegre:Besouro Box, 2013. FILHO, Manuel; Sensor, o game. São Paulo: Editora do Brasil, 2013. FILHO, Manuel; Desatando os nós. São Paulo: Editora Melhoramentos, 2013. FILHO, Manuel; Vovô não gosta de gelatina. São Paulo: Panda Books, 2014 . FILHO, Manuel; Além da parede mágica. Belo Horizonte: Baobá, 2014. FILHO, Manuel; O mundo gelado. São Paulo: Editora Rideel, 2014. FILHO, Manuel; De quem é este ovo. São Paulo: Editora Rideel, 2014. FILHO, Manuel; O lápis branco. São Paulo: Editora Rideel, 2014. FILHO, Manuel; O Sumiço da Lua. São Paulo: Editora do Brasil, 2014. FILHO, Manuel, João e o pé de feijão. São Paulo: Fundação Dorina Nowill, 2014. FILHO, Manuel, Histórias dos bancos da praça. São Bernardo do Campo – VAI- SBC 2015. FILHO, Manuel, Vento forte, de sul e norte. São Paulo: Editora do Brasil, 2015

28) RM: Quais os seus projetos futuros?

Manuel Filho: Continuar contando histórias por meio da música, teatro, literatura e audiovisual. Todos esses projetos já estão em andamento.

29) RM: Quais seus contatos para show e para os fãs?

Manuel Filho: [email protected] | http://manuelfilho.wix.com/manuel-filho | https://www.facebook.com/manuel.filho.1

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor Responsável pela revista Ritmo Melodia desde 2001, músico, letrista e poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, sempre se preocupou em divulgar a música (popular, regional, instrumental e erudita) com entrevistas e artigos sobre os músicos e artistas brasileiros.