Hugo Rafael – Grupo Sambô

Hugo Rafael - Grupo Sambô 1 Entrevista - Música - Revista Ritmo Melodia
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Tempo de Leitura: 7 minutos

O cantor, compositor e multi-instrumentista sorocabano Hugo Rafael conhecido pelo seu trabalho como intérprete, vencedor em 2011 do quadro “Jovens Talentos” do programa Raul Gil e atualmente no grupo Sambô, assumindo os vocais e a guitarra no grupo desde 2015, se apresentando por todo o Brasil e exterior.

Como autor, Hugo Rafael já publicou cerca de 50 canções em vários projetos musicais, sendo o de mais expressividade a banda “Fast Food Brazil”, onde lançou três EPs, em 2008, 2010 e 2012 respectivamente. Além de álbuns e singles em seu projeto solo de nome homônimo e no projeto “dois pesos, uma medida” com o artista João Leopoldo.

Hugo Rafael desde pequeno mostrou interesse pela música. Começou imitando alguns artistas que gostava, como Stevie Wonder, Michael Jackson e Elis Regina. Aos 5 anos, ganhou um gravador. Além dos comerciais de TV e documentários dos artistas preferidos, Hugo começou a experimentar a própria voz, se aventurando a dar novas interpretações aos clássicos que tanto escutava. Aos 13 anos, depois de assistir o VHS de uma das performances de Jimi Hendrix no Woodstock (1969) decidiu que queria aprender a tocar guitarra. Nessa ocasião, seu pai o levou à famosa Feira da Barganha, em Sorocaba – SP. O Violão de R$ 40,00 foi o presente que deu inicio à sua trajetória musical. Aos 14 anos, trocou o Violão pela Guitarra (presente de sua mãe), e passou a integrar a banda da escola “Wart Hog” (nome em homenagem a uma música da banda de punk rock Ramones). Ali começou a dar os primeiros passos rumo às composições. Nessa época, ganhou seu primeiro concurso de bandas (na instituição) cantando clássicos de Deep Purple e Creedence com a banda “Roundabout”, formada na véspera do concurso exclusivamente para a ocasião! A partir desse momento, Hugo viu uma possibilidade real na música. Ele passou por várias bandas em Sorocaba. Também integrou bandas de baile e passou a realizar eventos sociais na cidade e região.

Em 2005 formou a banda “Fast Food Brazil” (FFB)*. O trabalho autoral rendeu ao grupo três EPs: “Fast Food Brazil” (2008), “Retalho” (2010) e “Nova Ordem” (2012) e um single recente, chamado “Amorazeda”. O quarteto formado por Hugo Rafael, Bruno Peretti, Igor Paiva e Ítalo Ribeiro excursionou pelo Brasil, e o grupo ganhou vários prêmios. A banda é bicampeã do Itapê Rock Festival (2007-2008), ficou com o 2º lugar no Festival Funmusic (Guarujá – 2008) e conquistou reconhecimento nacional no cenário musical alternativo. Em 2012, após sete anos de estrada, a “Fast Food Brazil” encerrou a parceria musical para investir em projetos paralelos e desde então, a banda se reúne ocasionalmente para relembrar os bons e velhos tempos.

Durante cinco anos, conciliou a carreira musical com o trabalho era auxiliar administrativo em um escritório de advocacia. Mas em 2009 recebeu uma proposta e decidiu investir exclusivamente na música. O sorocabano passou a integrar o casting de músicos do transatlântico Vision of the Seas, com roteiro Brasil-Europa. A temporada de 5 meses também serviu como fonte de inspiração. A experiência em alto-mar lhe rendeu o primeiro trabalho solo – Raph Zero (2010), composto, gravado e produzido por ele.  Em 2011, se inscreveu para participar do quadro “Jovens Talentos”, do Programa Raul Gil (SBT). Como as vagas já haviam sido preenchidas, Hugo Rafael ficou na lista de espera para a próxima temporada. No decorrer das gravações, um dos participantes desistiu e a produção voltou a entrar em contato com Hugo, que ficou com a última vaga. Sua estreia na televisão aconteceu em 12 de março de 2011. O sorocabano interpretou “Isn’t she Lovely”, sucesso de Stevie Wonder e recebendo ótimas criticas! Ainda na competição, cantou “All Night Long” (Lionel Ritchie), “Fantasy” (Earth, Wind and Fire), “Dez mais um Amor” (Ed Motta), “Maria, Maria” (Milton Nascimento) e “Cérebro Eletrônico” (Gilberto Gil). Na grande final, interpretou “Samurai”, de Djavan, e levou o almejado prêmio – a gravação em 2012 de um CD com lançamento pelo selo Sony Music. Intitulado “Colorido”, o segundo disco solo do cantor foi muito bem recebido pela crítica e conquistou importantes prêmios: os de Aclamação Popular, com a música “Jardim de Flores” (2010) e Melhor Intérprete, com “Me Deixa em Paz” (2012) ambos nos Prêmios Sorocaba de Música em 2010 e 2012.

Em 2011 Hugo Rafael foi convidado à interpretar canções do grupo Jota Quest, no Quadro “Homenagem ao Artista – Programa Raul Gil” e dividiu o palco na ocasião com o vocalista Rogério Flausino. Em 2014, Hugo iniciou uma nova parceria musical, ao lado dos músicos Derico Sciotti e Chico Oliveira (Programa do Jô), integrando o grupo de jazz “8 do Bem”, excursionando com o grupo pela região sudeste, além de se apresentar em renomados bares paulistanos como Bourbon Street e The Orleans.

Segue abaixo exclusiva com  Hugo Rafael vocalista, compositor e guitarrista do grupo Sambô para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistado por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 01.10.2019:

01) Ritmo Melodia: Qual a sua data de nascimento e cidade natal?

Hugo Rafael: Nasci no dia 10.12.1985 em Sorocaba – SP. Registrado como Hugo Rafael Gonzaga de Araújo primogênito de Ademir Benedito de Araújo e Leila Maria Gonzaga. Em 1992 nasceu a minha irmã Lilian Gabriele.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

Hugo Rafael: Meu primeiro contato com a música foi aos 4 anos de idade, quando pedi ao meu pai pra alugar um VHS da Elis Regina na vídeo locadora.

03) RM: Qual a sua formação musical e formação acadêmica fora da área musical?

Hugo Rafael: Sou músico autodidata e conclui o ensino médio e curso de Eletricista pelo SENAI (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) mas não exerci a profissão.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

Hugo Rafael: Principal influência é o rock e o pop, sobretudo internacionais. No presente adquiri influências de sambas das décadas de 70 a 90.

05) RM: Quando, como e onde começou o grupo Sambô? 

Hugo Rafael: O Grupo Sambô nasceu em 2003, em Ribeirão Preto – SP, entre amigos que se reuniram em festas de amigos para fazer rodas de samba. Eu entrei como vocalista e guitarrista em 2015 somando com Júlio Fejuca (Cavaquinho, Guitarra, voz); Jacques (Bateria e voz), Zé da Paz (Pandeiro e voz) mais três músicos contratados para nos acompanhar e Ricardo Gama atua na produção artística.

06) RM: Quantos CDs lançados?

Hugo Rafael: CDs como Hugo Rafael: “Raph Zero” (2010); “Colorido” (2012 pela Sony Music); “Raph Um” (2016); Hugo Rafael (2018). O grupo Sambô já lançou cinco discos além de vários singles que vem sendo lançados com frequência desde 2018.

07) RM: Como é o processo de compor canção do grupo Sambô?

Hugo Rafael: Embora trabalhemos com releituras de músicas na grande maioria do repertório, temos também canções inéditas de compositores parceiros, além de músicas criadas pelo Ricardo Gama, nosso diretor artístico.

08) RM: Quais são seus principais parceiros musicais em composição?

Hugo Rafael: Vários grupos de compositores de vários estilos como Walmir Borges, Ivo Mozart.

09) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Hugo Rafael: É muito bom ter a noção geral de como tudo funciona no ramo artístico, para sermos independentes e conscientes do caminho que estamos percorrendo, saber os porquês disso. Ter consciência de quem está do nosso lado e ter clareza de como fazer de forma que tenhamos o máximo de êxito. Isso sem dizer que nos dias de hoje, grande parte das produções são independentes.

10) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo. Mas, a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que o grupo faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

Hugo Rafael: O grupo Sambô é uma grande mistura de estilos musicais, isso permite que façamos parcerias inusitadas com artistas de MPB, RAP, Sertanejo, Pop por exemplo. Isso contribui para que a gente sempre transite por vários nichos, com o nosso estilo.

11) RM : Quais as vantagens e desvantagens do acesso à tecnologia  de gravação (home estúdio)?

Hugo Rafael: O acesso à tecnologias de gravação facilitou muito pra todos nós. Isso deixa o processo muito mais produtivo, pois cada um pode ir preparando ideias já com qualidade superior às clássicas “fitas demo”. Até mesmo levar arranjos prontos a ensaios ou gravações em estúdio, bem como gravar tudo em casa “valendo” mesmo!

12) RM: Como você analisa o cenário do Samba. Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas duas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Hugo Rafael: O samba é o estilo musical mais popular e um dos mais antigos que temos no nosso país. O samba nunca sairá de moda e grandes artistas contemporâneos como Diogo Nogueira, Ferrugem, Dilsinho estão aí para validar essa opinião. Tudo tem se reinventado de maneira natural.

13) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical?

Hugo Rafael: Já vivi momentos memoráveis com Grupo Sambô, mas até hoje pra mim não foi uma “cantada” e sim alguém muito famoso que até então eu não tinha me apresentado, me chamar pelo nome no backstage da TV Record: fomos gravar o programa da Xuxa na Record, e no caminho pra passagem de som dei de cara com ela no corredor e então ouvi da boca dela: “você é o Hugo, né?”. É claro que a produção dela já havia passado meu nome, mas a forma como isso aconteceu pra mim foi completamente único, inesquecível.

14) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Hugo Rafael: Mais feliz é a infinidade de boa arte que nos cerca, o fácil acesso a tudo, devido o crescimento exponencial da internet e mais triste é saber que tem muita gente que ainda não faz ideia de quanta coisa boa está rolando por aí, de graça, só clicar e ouvir.

15) RM : Você acredita que sem o pagamento do Jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

Hugo Rafael: Sim. Embora o “jabá” seja algo aparentemente vigente para garantia de uma divulgação satisfatória do seu trabalho em rádios. Hoje em dia é possível divulgar seu trabalho por meio de outros meios de menor investimento e talvez um feedback mais engajado por parte de quem ouve o material, como a internet por exemplo.

16) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Hugo Rafael: Pra você que quer trilhar uma carreira musical, recomendo: sentir, criar, acreditar, divulgar, se empenhar, fazer circular, colher feedbacks e então, repartir tudo de novo.

17) RM: Quais os prós e contras do Festival de Música?

Hugo Rafael: Festivais de Música são oportunidades ótimas para compartilhar ideias entre amigos, músicos, artistas, empresários sobre música, arte, quesitos técnicos, tendências de mercado, além de ser uma ótima oportunidade de por o pé na estrada defendendo músicas autorais.

18) RM: Na sua opinião, hoje os Festivais de Música revela novos talentos?

Hugo Rafael: Revela. Nos dias de hoje é possível acompanhar grandes nomes da música popular brasileira com um histórico de sucesso em Festivais de Música como Dani Black e Tó Brandileone.

19) RM: Como você analisa a cobertura feita pela grande mídia da cena musical brasileira?

Hugo Rafael: A grande mídia continua trabalhando baseada em música de nicho, da mesma forma que há décadas atrás e não só exclusivamente no Brasil como no mundo inteiro. Muitos artistas têm tido êxito na função viral que a internet proporciona, antes mesmo de buscar caminhos para a grande mídia.

20) RM: Qual a sua opinião sobre o espaço aberto pelo SESC, SESI e Itaú Cultural para cena musical?

Hugo Rafael: Acho importantíssimo todo programa de incentivo à cultura que existe para a circulação e divulgação da arte no nosso país. Já participei de alguns projetos com o SESC e foi ótimo.

21) RM: Como é cenário do Samba na sua cidade?

Hugo Rafael: O samba em Sorocaba – SP tem lugar especial no coração de todos apaixonados por boa música. Nomes como Kemkésamba, Família Pereira e Salada Samba Rock sempre são solicitados pra animar festas pela região.

22) RM: Quais os projetos futuros?

Hugo Rafael: O Grupo Sambô lança com frequência canções novas em plataformas digitais e redes sociais, formando assim uma playlist de canções, entre releituras de músicas conhecidas, e também canções autorais.

23) RM: Quais os seus contatos para show e para seus fãs?

Hugo Rafael: [email protected] | www.gruposambo.com.br | [email protected]

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of
Tagged
Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor Responsável pela revista Ritmo Melodia desde 2001, músico, letrista e poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, sempre se preocupou em divulgar a música (popular, regional, instrumental e erudita) com entrevistas e artigos sobre os músicos e artistas brasileiros.