Gisele Meira

gisele meira
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Avalie esta Entrevista

A cantora carioca Gisele Meira começou cantar nos anos 80 em corais e grupos vocais em Brasília: Puro EnCanto, Coro Sinfônico da UnB, Coro Feminino de Brasília, Coral do Senado.

Desde 2002 vem realizando apresentações solo tais como: “Femina”“Noel, Rosa da Vila”, resultado de pesquisa sobre a obra do compositor. Esse espetáculo participou ainda do Projeto Bibliomúsica 2005 da Biblioteca Demonstrativa de Brasília e fez parte da programação da TV Senado, em janeiro de 2005.

“Encanto Feminino”, no evento “Março Mulher” do Espaço Cultural da Anatel“Retiro”, apresentado no Clube do Choro e Restaurante Feitiço MineiroCarmem”, participação como convidada do Coral do Senado na montagem desta ópera; “Tempo de Recomeçar”, vocais no lançamento do CD do compositor carioca Flávio Oliveira; “Gisele Meira canta Paulo César Pinheiro”A Médium”, participação como solista na montagem desta ópera, dentro das apresentações do Curso de Verão da Escola de Música; Sertão em Canto”, show do compositor Elomar, participação nos vocais; Projeto “Outras Bossas” no Café Cultural da Caixa, ao lado do músico Marcus Moraes, em homenagem a Paulo César Pinheiro; projeto em homenagem aos 50 anos de carreira de Roberto Carlos no Terraço Shopping.

Em 2009 lançou seu primeiro CD – E Um Verso Vem Vindo, com músicas do compositor Paulo César Pinheiro, e fez shows de lançamento no Teatro dos BancáriosCentro Cultural de Brasília e Magnólia Bar em São Paulo.

Em 2010 apresentou mais um show no projeto Sextas Musicais do Terraço Shopping pelo Dia Internacional da Mulher. Fez parte do coral convidado para a execução da Nona Sinfonia de Beethovem por ocasião das comemorações do Dia da Europa em maio. Neste mesmo mês realizou show na companhia do pianista José Cabrera em homenagem ao compositor Johnny Alf, falecido no início deste ano.

Fez parte mais uma vez do Projeto Outras Bossas, no Café Cultural da Caixa, neste ano apresentando o repertório de Nara Leão. O show Noel, Rosa da Vila foi mais uma vez apresentado, desta vez em comemoração ao centenário de nascimento de Noel Rosa, no Projeto Quintas Culturais do Iate Clube de Brasília.

Ela é integrante do grupo vocal feminino “Jogo de Damas” que realizou o espetáculo “Para Ver as Meninas” em novembro de 2010. Ela é professora de canto e iniciação musical infantil. “Musicalizar é trazer a criança ao fascinante universo de sons, ritmos, harmonia. Através de jogos, brincadeiras, danças ou de simplesmente ouvir e executar canções a criança vai despertando dentro de si a construção do conhecimento e organização musicais, aperfeiçoando a sua percepção auditiva, memória, coordenação motora, raciocínio lógico-matemático, estética e o gosto pela música. A partir do fazer musical em conjunto desenvolve sua socialização, contribuindo assim para sua formação como ser humano.” Diz Gisele.

Segue abaixo entrevista exclusiva com Gisele Meira para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistada por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 01.12.2012:

01) RitmoMelodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

Gisele Meira: Nasci no Rio de Janeiro – RJ no dia 28.05 (geminiana).

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

Gisele Meira: Desde muito pequena tive contato com a música através dos meus pais. Meu avô era músico e tinha uma oficina de consertar acordeom. Minha mãe cantarolava o dia inteiro (até hoje faz isso) enquanto fazia as coisas da casa e meu pai sempre foi um apreciador da música brasileira. Eu e minha irmã fazíamos uma dupla cantando e ele gravava. Ele sempre nos incentivando. Quando eu tinha 12 anos de idade, meu pai começou a estudar violão e eu ficava assistindo às aulas. Ele não tinha tempo pra se dedicar, mas eu sim! Um dia passei a fazer aulas no lugar dele e assim comecei a tocar. Mas nunca evoluí muito neste instrumento. Também tive um tio que era apaixonado pela música erudita e, através dele, conheci muitas óperas e balés.

03) RM: Qual a sua formação musical e acadêmica fora música?

Gisele Meira: Fiz curso superior em Serviço Social, paralelamente à Escola de Música de Brasília.  Estudei canto com excelentes professores particulares. Fiz especialização na área de Administração e hoje faço outra na área de Educação Especial, que é uma paixão.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente? Quais deixaram de ter importância?

Gisele Meira: Eu sou da geração que viveu a beleza da música mineira do Clube da Esquina, das canções de Chico BuarqueMilton Nascimento, João Bosco, Elis Regina. Mas minha grande paixão até hoje é o Grupo Boca Livre. Tenho um carinho especial pelo trabalho vocal (canto em um quarteto feminino, o Jogo de Damas) e afirmo com certeza que por influência deste grupo. Zé Renato para mim ainda é uma das maiores vozes masculinas do país.

05) RM: Quando, como e onde  você começou a sua carreira musical?

Gisele Meira: Comecei nos anos 80 cantando em um grupo vocal chamado Puro EnCanto. Fizemos alguns shows, cantava em bares e restaurantes também, mas nesta época tive meus dois primeiros filhos e me afastei um pouco da música. Quando voltei, participei do Coro Sinfônico da UnBCoro Feminino de Brasília. E como convidada do Coral do Senado. Desde 2002 comecei a fazer shows cantando sozinha. Tudo isso em Brasília. Já cantei no Rio de Janeiro e em São Paulo, mas minha carreira está concentrada na Capital do País.

06) RM: Fale do seu primeiro CD (quais os músicos que participaram nas gravações). Qual o perfil musical do CD? E quais as músicas que se destacaram?

Gisele Meira: Participei da gravação de alguns CDs, inclusive infantis. Em 2009 lancei o CD – E um Verso Vem Vindo – As Canções de Paulo Cesar PinheiroPaulo César Pinheiro é o maior poeta da música brasileira e eu me identifico muito com suas letras, por isso a homenagem. Destaco as músicas “Poder da Criação”, “Senhorinha” e “Pesadelo”, sendo esta última a minha preferida, um arranjo belíssimo de Marcus Moraes. Este CD foi gravado todo em Brasília com músicos daqui, pessoas que fizeram parte da minha carreira desde o início e, pela competência, eu quis que participassem comigo: Marcus Moraes, Daniel Sobreira, Flávio Fonseca, entre outros.

07) RM: Como você define seu estilo musical?

Gisele Meira: Sou uma apreciadora da MPB e do samba. É o que gosto de cantar…

08) RM: Como você se define como cantora/intérprete?

Gisele Meira: Difícil à gente se definir (risos). Sou extremamente preocupada com minha voz e tenho um imenso respeito pela música. Tenho uma personalidade tranquila e acho que isso se reflete na minha interpretação.

09) RM: Você estudou técnica vocal?

Gisele Meira: Sim, muito. E estudo até hoje. Fui aluna do maestro Marconi Araújo e de Valéria Klay. Sou professora de canto e dar aulas faz a gente pesquisar e se aperfeiçoar a cada dia.

10) RM: Quais as cantoras que você admira?

Gisele Meira: Elis Regina, Joyce, Zizi Possi, Mônica Salmaso, Fabiana Cozza.

11) RM: Você compõe? Quem são seus parceiros musicais?

Gisele Meira: Quando era adolescente gostava de compor, participar de festivais no colégio, mas nunca me julguei muito boa nisso! Hoje em dia gosto de compor só pra crianças. Sou professora de musicalização infantil e as crianças me inspiram…

12) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Gisele Meira: O nome já diz, a independência é uma vantagem, porque hoje eu tenho uma identidade criada por mim mesma. Mas as dificuldades são grandes, como por exemplo na distribuição e venda dos cd’s, realização de shows… Hoje eu digo que vivo de música porque sou professora e não sendo só cantora.

13) RM: Como você analisa o cenário musical brasileiro? Em sua opinião quem foram as revelações musicais nas duas últimas décadas, quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Gisele Meira: Posso parecer saudosista, mas sinto falta da poesia e do caráter político das músicas da minha juventude. Nos últimos 20 anos, pra mim, se destacam as composições de Lenine, Zeca Baleiro e Sérgio Santos. Continuam compondo lindamente, Dori Caymmi e Paulo Cesar Pinheiro.

14) RM: Quais os músicos já conhecidos do público que você tem como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

Gisele Meira: Já citei Zé Renato como uma das mais belas vozes do Brasil, além de ser um compositor fantástico. Renato Braz é outra voz encantadora e a forma como interpreta também. Aprecio muito o trabalho de Lenine e a técnica e interpretação de Mônica Salmaso. E, como letrista eu não posso deixar de citar Paulo César Pinheiro, de quem sou uma fã incondicional! As composições dele em parceria com Dori Caymmi são pérolas preciosas…

15) RM: Quais as situações mais inusitadas que aconteceram na sua carreira musical?

Gisele Meira: Acho que a situação mais inusitada (e tensa) que já passei foi no lançamento do meu CD. Show marcado, produção perfeita, divulgação plena. E eu acordo completamente rouca!(uma faringite que durou 14 dias). Desesperada, fui tentando ao longo do dia tudo que conhecia que pudesse me fazer ficar melhor. E eu chorava e rezava. Até que chegou a hora do show e eu percebi que teria que passar por isso. Fiz umas adaptações no repertório, recebi todo apoio e carinho dos produtores e músicos e encarei este desafio. E posso dizer, foi uma noite incrível! O público estava comigo o tempo todo, acho que torcendo por mim, cantando comigo, solidário ao meu sofrimento. Muitas pessoas vieram falar comigo que “cantar não é só a voz”. Como surpresas daquela noite, recebi um convite pra cantar no CD do compositor Ivo Ângelo e uma aluna de canto. Foi emocionante, inesquecível, aprendi muito naquele dia!  Mas eu juro que não quero passar por isso nunca mais (risos).

16) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Gisele Meira: Fico feliz de fazer o que gosto. Desde pequena sabia que não poderia viver sem a música. Mas o que me deixa triste é esta eterna luta pra ter meu trabalho reconhecido e bem remunerado. E isso não acontece só comigo, claro. Músico ainda não é considerado por grande parte da sociedade como uma profissão séria. Faltam-nos espaços para mostrar o trabalho e patrocínio para shows.

17) RM: Nos apresente a cena musical na cidade que você mora?

Gisele Meira: Brasília é uma cidade que fervilha musicalmente. Desde a criação do Clube do Choro, passando pelo Rock Nacional dos anos 80/90. Hoje temos o Clube da Bossa Nova, grupos de rock, reggae e uma grande força do samba, com vários músicos se destacando neste estilo, inclusive no cenário nacional.

18) RM: Quais os músicos ou/e bandas que você recomenda ouvir?

Gisele Meira: Já citei alguns que eu gosto muito: Sérgio Santos, Renato Braz, Zé Renato, Carlos Malta, Fabiana Cozza, Paula Santoro, Mônica Salmaso. Daqui de Brasília recomendo o grupo instrumental Marambaia.

19) RM: Você acredita que sem o pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

Gisele Meira: Aqui em Brasília temos excelentes rádios, como a Nacional FM e a Rádio Verde Oliva, que dão muita força para a produção local e já veiculam músicas do meu CD. Não sei responder sobre as rádios comerciais.

20) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Gisele Meira: Que tenha coragem, força, amor e respeito pelo que faz. Que nunca deixe de estudar e se especializar no seu instrumento. Que saibam sempre dosar a técnica com a emoção. Que tenha orgulho deste dom que recebeu.

21) RM: Quais os seus projetos futuros?

Gisele Meira: Estou envolvida num projeto voltado para o público infantil. No próximo semestre inicio um trabalho pioneiro em Brasília de musicalização para idosos, com o apoio da escola em que trabalho, Tokata Instituto de Música. Além disso, pretendo continuar dando aulas de canto, que é uma coisa que eu realmente gosto. E quero ainda fazer muitos shows em Brasília e pelo Brasil! Só preciso de convites…

22) RM: Quais os seus contatos para show e para seus fãs?

Gisele Meira: (61) 99223 – 5857 | [email protected]

Gisele Meira no Facebook | www.myspace.com.br/giselemeira


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor Responsável pela revista Ritmo Melodia desde 2001, músico, letrista e poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, sempre se preocupou em divulgar a música (popular, regional, instrumental e erudita) com entrevistas e artigos sobre os músicos e artistas brasileiros.