Gilson Baggadread

baggadreadlegend
  • 84
    Shares
Gilson Baggadread
Avalie esta Entrevista

O cantor, compositor mineiro Gil Baggadread se mudou para Camburi no Litoral Norte de São Paulo aos nove anos de idade.

Cantou em coros de igrejas em que teve seu primeiro contato musical. Ainda no litoral norte aos 14 anos de idade começou a tocar teclado com a banda “Malungos”, grupo de reggae da praia de liderada pelo vocalista Ronaldo Vieira Camburi. Logo participou de vários eventos e shows se apresentando na região litorânea e algumas casas de shows e Bares de São Paulo. Em 2002 a banda Malungos se juntou a banda Alma Zion, banda de reggae paulistana liderada pelo cantor e compositor Girafha 17, gravaram o álbum “Sodoma e Gomorra” em 2006. Junto à banda Alma Zion, tocou em casas grandes em São Paulo (litoral e interior) e outros Estados.

Já com experiência a partir de 2008 fez participações e gravações em Grupos Musicais de São Paulo como Kabelo e banda, Projeto da Mata, EfeitoNatural, Walking Lions, Elemento Reggae, Reforce, ParkRasta, Katavento, Family from the Guetto e Protagonistas.

Gilson BaggaDread já tinha suas letras e começou a carreira solo, gravando em arranjos próprios, bases ” riddim s'” de musica jamaicana e bases com levadas Hip Hop, Ragga e envolvendo elementos de música brasileira. Hoje faz seu shows com banda e também com DJ.

Gilson baggadread foi o vencedor no dia 20 de janeiro de 2014 no programa de televisão SBT, sendo o melhor do programa cantando uma música a capela “Chapolim” e depois fazendo uma homenagem a grande rei do Reggae Bob Marley. Foi convidado a participar do programa do Ratinho também no SBT, Teve o vídeo exibido no programa Domingo legal, e jornal do SBT. Participou de um programa na Band Macapá e participou do programa Domingão do Faustão cantando uma música do Bob Marley.

Gravou um show ao vivo com a banda Alma Zion para um programa musical, apresentado pelo grande Clemente, vocalista da banda Inocentes. Fez uma turnê de 4 meses do Norte do pais, até Litoral Norte de São Paulo.

No inicio de 2015 com a banda BAGGADREAD, gravou um disco que será lançado em 2016.

Segue abaixo entrevista exclusiva com Gilson Baggadread para a www.ritmomelodia.mus.br , entrevistado por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 18.04.2016:

01) Ritmo Melodia: Qual a sua data de nascimento e cidade natal?

Gilson Baggadread: Nasci no dia 25.02.1984 em Viçosa – MG.

02) RM: Conte como foi o seu primeiro contato com a música.

Gilson Baggadread: Meu primeiro contato com a música foi na igreja evangélica, eu cantava no coral das crianças.

03) RM: Qual a sua formação musical e acadêmica fora música?

Gilson Baggadread: Sou músico e Analista de Sistema e Fotografo.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente? Quais deixaram de ter importância?

Gilson Baggadread: Nas antigas eu ouvia muito hino gospel como: Neal Robson, Harlem gospel choir. E Marco Antonio, Mattos Nascimento

05) RM: Quando, como e onde você começou a sua carreira musical?

Gilson Baggadread: Primeira vez que cantei em publico solo foi aos quatro anos de idade em um show da prefeitura em Viçosa – Minas Gerais em 1988.

06) RM: Quantos discos lançados e quais os anos de lançamento (quais os músicos que participaram das gravações)? Qual o perfil musical de cada álbum? E quais as músicas que caíram no gosto do seu público?

Gilson Baggadread: Em 2015 gravei um disco oficial produzido por DJCuca from brasil esse produtor já lançou: Latino, Kelly Key, Shakira, e produziu vários artistas da cena brasileira como Edi Rock, Seu Jorge, Mano Brown e outros. O disco tem o tema de MATUTO com seis músicas: África free; Rubdubstyle; Matuto; Welcome to jungle; Chapolin; Luz de Jah. Em 2013 lancei WORKMAN com quatro músicas: Correntezas; Ragga; Mama África; Só Deus sabe. E em 2009 lancei um DEMO com quatro músicas: Político vampiros; Rubdubstyle; Chegou a hora; Disse me disse. O meu primeiro disco foi com a banda Malungos em 2003 e o segundo com a banda Alma Zion em 2006.

07) RM: Como você define o seu estilo dentro da cena reggae?

Gilson Baggadread: World music: Musica mundial sem fronteiras.

08) RM: Como você se define como cantora/intérprete?

Gilson Baggadread: Cantor e Tecladista.

09) RM: Quais os cantores e cantoras que você admira?

Gilson Baggadread: Max Romeu, Bob Marley, Peter Tosh, Burning Spear, Eke Mouse, Algustus Pablo, Black Uhuru, Skatalites…

10) RM: Quem são os seus parceiros musicais na autoria dos seus reggae?

Gilson Baggadread: Eu não tenho parceiro em composições.

11) RM: Quais outras bandas de reggae que regravaram seus reggae?

Gilson Baggadread: Nenhuma banda gravou minhas músicas.

12) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento da sua carreira musical?

Gilson Baggadread: Não vejo nada que prejudica e sim só vantagens de divulgação para grande massa e para o mundo.

13) RM: Como você analisa o cenário reggae brasileiro? Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas duas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Gilson Baggadread: Vejo poucas bandas das antigas que esta até hoje na cena reggae, tais como: Tribo de Jah, Planta & Raiz, Edson Gomes, Cidade Negra.

14) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso a tecnologia  de gravação (Home Studio)?

Gilson Baggadread: O Home Studio serve como laboratório para criar músicas com um custo baixo, mais para lançar um trabalho de qualidade nada melhor que um estúdio profissional.

15) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente uma carreira musical. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo, mas, a concorrência se tornou o grande desafio. O que você faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

Gilson Baggadread: Não olhar para o que os outros fazem e sim trabalhar na minha ideia com identidade própria, isso ajudou a me destacar na cena reggae.

16) RM: Quais os músicos já conhecidos do publico que você tem como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

Gilson Baggadread: Planta & Raiz, Dada Yute, Mato Seco, Morgan Heritage

17) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na carreira musical?

Gilson Baggadread: Em 2001 eu tinha um show em uma cidade faltavam 30 minutos para o início do show e eu estava no ponto de ônibus com os músicos de minha banda e com todos os instrumentos esperando uma Alma Iluminada passar e dar uma carona. Ela veio e no final deu certo chegamos a tempo e o show aconteceu e foi top. Cheguei em vários lugares chegar para tocar e não ter público ou o som ser muito ruim (risos). Faz parte para evolução do trabalho.

18) RM: O que deixam você mais feliz e mais triste na carreira musical?

Gilson Baggadread: Feliz em poder levar a mensagem de paz e amor para a galera. Isso me faz bem. Triste por não ter apoio melhor do governo para cena musical em geral.

19) RM: Qual a sua relação pessoal e profissional com os membros da Tribo de Jah?

Gilson Baggadread: Fiz alguns shows com a banda Tribo de Jah. E o guitarrista Netto Enes já fez vários shows com minha banda, é um grande irmão.

20) RM: Qual a sua relação pessoal e profissional com Ras Kadhu da banda Jah I Ras?

Gilson Baggadread: Parceiros da cena musical paulistana.

21) RM: Qual a sua relação pessoal e profissional com os regueiros jamaicanos?

Gilson Baggadread: Mantenho contatos com alguns como: Jonny ckark, Jesse Royal, Kenyatta Hill. E algumas produtoras da Jamaica.

22) RM: Você acha que sem o pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

Gilson Baggadread: Já tocou, pois o público pediu minhas músicas. Elas tocam no México Month Rey. No Pará, e no Amapá.

23) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Gilson Baggadread: Muita força e foco no caminho.

24) RM: Como você analisa a relação direta que se faz do reggae com o uso da maconha?

Gilson Baggadread: São duas coisas diferentes. Conheço quem fuma e não faz reggae e vários que não fuma e quebra tudo no reggae. Vai de cada um.

25) RM: Como você analisa a relação direta que se faz do reggae com a religião Rastafari?

Gilson Baggadread: Estilo de vida.

26) RM: Você é adepto a religião Rastafari?

Gilson Baggadread: Não.

27-) RM – Os adeptos a religião Rastafari afirmam que só eles fazem o reggae verdadeiro. Como você analisa essa afirmação?

Gilson Baggadread: Verdadeiro não é o que falamos e sim o que as pessoas sentem.

28) RM: Na sua opinião quais os motivos para o Reggae no Brasil não ter o mesmo prestigio que tem na Europa, nos EUA e no exterior em geral?

Gilson Baggadread: O Reggae é novo e ainda mais no Brasil, um país com pouca cultura de música boa.

29) RM: Quais os prós e contras de usar o formato Sound System no show no lugar de uma banda? Qual a receptividade do publico?

Gilson Baggadread: Tem lugar para todos e não importa como segue a mensagem, mas o importante é ela chegar ao ouvidos dos que precisam.

30) RM: Quais os projetos futuros da banda?

Gilson Baggadread: Ser uma banda grande e poder levar minha mensagem pros quatro cantos do mundo. Em breve tem turnê (risos).

31) RM: Quais os seus contatos para show e para os fãs?

Gilson Baggadread – (11) 95830-6537 – Produtora ZionLand | www.palcomp3.com/baggadread  | [email protected]  | www.youtube.com/gilsonbaggadread | www.soundcloud.com/gilsonbaggadread

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor Responsável pela revista Ritmo Melodia desde 2001, músico, letrista e poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, sempre se preocupou em divulgar a música (popular, regional, instrumental e erudita) com entrevistas e artigos sobre os músicos e artistas brasileiros.