Donaleda

bannernovo01
  • 5
    Shares
Avalie esta Entrevista

O baixista Daniel Feitosa foi o fundador da Donaleda, estudou música no Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Ceará e atualmente é formando na Universidade Estadual do Ceará. Já gravou e acompanhou grandes cantores da música jamaicana como Eric Donaldson, Cedric Myton e Honey Boy.

Donaleda lançou cinco CDs ao longo de 15 anos de existência, é a maior banda de reggae do Ceará e uma das maiores do Norte/Nordeste. Desde 2001 a banda vem divulgando o reggae que produz. O primeiro resultado desse projeto é o disco “Liberdade e Libertação”, lançado em 2003, que levou a banda ao topo das paradas de sucesso das rádios em Fortaleza e em outras cidades do Nordeste. Após vários shows pelo Norte e Nordeste do Brasil e uma turnê com o jamaicano Eric Donaldson, lançou em 2005 seu segundo álbum intitulado “Resistência da Pedra”, emplacando o hit “H para os Presos” que originou seu 1º vídeo clipe. Seguindo na estrada levando seu reggae com uma pegada forte e com muita originalidade, no início de 2008, grava o álbum “Tudo Tens de Rever”, lançado em novembro de 2009. O disco ainda traz uma faixa bônus em parceria com o cantor jamaicano Eric Donaldson, onde ele interpreta a faixa “I’m Survivor”. Entre variados shows realizados pela banda destacam-se: Ceará Music em 2003 e 2004, I Festival Internacional de Reggae em Fortaleza em 2005, Festival Petrobrás da Música em 2005, Expocrato em 2004, 2005 e 2006, Mostra do Reggae Cearense em 2008, Festival Férias do Ceará em 2011 e A Noite do Cachorro Doido que ocorreu em Belém do Pará em 2011, Fifa Fan Fest em 2014. E dividiu palco com grandes nomes, como: The Original Wailers, Stell Pulse, Honey Boy, Andrew Tosh (filho de Peter Tosh), Cidade Negra, Natiruts, Los Hermanos, Skank, Lulu Santos, Chico César, Israel Vibration, Graundation. E sempre fazendo shows por várias cidades do Norte e Nordeste: Fortaleza, Teresina, São Luís, Belém, Mossoró, Natal, João Pessoa. Em 2011 a banda lançou o seu quarto álbum totalmente autoral “VIBE POSITIVA”, com uma levada mais regional e a participação do cantor Waldonys. Em 2015 lançou seu quinto álbum “VIDA LABIRINTO”, com participações especiais de Nayra Costa e Cedric Myton, um dos cantores da banda THE CONGOS, na música Beside You, com o objetivo de expandir suas músicas para outras regiões do País. Em parceria com Messias Holanda, Dominguinhos, Adelson Viana, Waldonys, Carlinhos Nação, a banda Donaleda vem a tornar-se precursora do movimento FORREGAE no Ceará, uma junção do forró pé-de-serra com o reggae.

Por realizar um trabalho independente, a banda faz questão de deixar disponível toda sua discografia gratuitamente na internet, para que o público de outras regiões do Brasil e exterior possa conhecer melhor o trabalho e faça com que o reggae brasileiro continue em expansão.

Segue abaixo entrevista exclusiva com a banda Donaleda para a www.ritmomelodia.mus.br,  entrevistado por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 01.09.2016:

01) RitmoMelodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

Daniel Feitosa | Donaleda: Eu (Daniel Feitosa) nasci no dia 20.02.1980 – Fortaleza – CE, sou o fundador da banda e o baixista.

02) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente? Quais deixaram de ter importância?

Daniel Feitosa | Donaleda: No passado Bob Marley e The Wailers, no presente World Music.

03) RM: Quando, como e onde a banda Donaleda?

Daniel Feitosa: Em 2001, formei a banda para tocar na noite de Fortaleza – CE, pois, haviam muitas pessoas que gostavam de reggae, mas quase nenhuma banda se apresentava em lugares públicos. E daí surgiu a ideia de ter uma banda que levasse o reggae do gueto para os grandes centros culturais. Nasceu Dona Leda: Daniel Feitosa – Baixo; André Augusto – Vocalista; André Portela – Teclado; Malakas – Guitarra; Bobby Beck e Jeferson Braun – Bateria.

04) RM: Quantos discos lançados e quais os anos de lançamento (quais os músicos que participaram das gravações)? Qual o perfil musical de cada álbum? E quais as músicas que você acha que caíram no gosto do seu público?

Daniel Feitosa | Donaleda: Em 2003 – Liberdade e Libertação, todas as músicas caíram no gosto do público, formação da banda: Daniel Feitosa – Baixo; André Augusto – Vocalista; André Portela – Teclado; Malakas – Guitarra; Bobby Beck e Jeferson Braun – BateriaEm 2005 – Resistência da Pedra com os hits, H pros Presos que se tornou o 1º vídeo clipe da banda e Êxodo do Povo, formação da banda: Dudu Iriê – Vocalista; Edvar – Bateria; Fábio Tavares – Teclado; Daniel Feitosa – Baixo; Bobby Beck, André Portela – Teclado e Malakas – Guitarra. Em 2008 – Tudo Tens de Rever com participação do grande cantor jamaicano Eric Donaldson, mesma formação com exceção de André de volta aos vocais no lugar de Dudu. Em 2010 – Vibe Positiva com Participação super especial de Waldonys, com os sucessos Vibe positiva, Chão Rachado, Game Over e País do Bem e As Tuas Cores que teve o clipe gravado em nossa turnê pelo norte do país em Macapá. Em 2015 – Vida Labirinto com as músicas: O Caminho e Homem Hostilizado com a brilhante participação de Cedric Myton diretamente da Jamaica cantando a faixa Beside You, fizemos o clipe da música: O Caminho com a participação especial de Nayra Costa. Todos os discos têm influência da música jamaicana e nordestina também.

05) RM: Como vocês definem o estilo da banda dentro da cena reggae?

Daniel Feitosa | Donaleda: Estilo próprio.

06) RM:  Dona Leda já participou do festival de reggae “Sunsplash Festival”, na Baía de Mondego, na Jamaica? Qual o motivo da não participação?

Daniel Feitosa | Donaleda: Ainda não estamos nos articulando para isso.

07) RM: Quem são os autores das canções da banda?

Daniel Feitosa | Donaleda: David, Daniel, Fábio e Malacas, além dos integrantes que passaram pela banda e deixaram sua contribuição.

07) RM: Quais as ações empreendedoras que vocês sempre praticam para o desenvolvimento da banda Donaleda?

Daniel Feitosa | Donaleda: Divulgar na internet, nos shows, Rádio e TVs, procurar sempre estar antenado ao que acontece no mundo, procurar a evolução constante no meio profissional musical.

08) RM: Como você analisa o cenário reggae brasileiro? Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas duas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Daniel Feitosa | Donaleda: Novas bandas como Ponto de Equilíbrio, Planta & Raiz, Natiruts conquistaram seu lugar no cenário brasileiro e internacional, mas temos que dar o devido valor as bandas que abriram caminho para que o reggae pudesse penetrar no Brasil, como a grande Tribo de Jah, Cidade Negra e Edson Gomes. Regressão não tenho como mensurar, o reggae é feito de ciclos e no Brasil só tem aumentado consideravelmente o número de pessoas que se identificam com o estilo.

09) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso à tecnologia de gravação (Home Estúdio)?

Daniel Feitosa | Donaleda: Bem mais fácil gravar e alcançar bons resultados, não vejo desvantagens.

10) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo. Mas, a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que a banda faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

Daniel Feitosa | Donaleda: A Donaleda prima pela qualidade das músicas que produz procurando sempre desenvolver uma sonoridade diferenciada sempre respeitando as raízes e bebendo em novas fontes fora do reggae também.

11) RM: Quais os músicos já conhecidos do público que vocês têm como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

Daniel Feitosa | Donaleda: Vários, Waldonys, Dominguinhos os filhos de Bob Marley.

12) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na carreira musical?

Daniel Feitosa | Donaleda: As situações inusitadas vêm da própria condição do reggae ser encarado por muitos de forma pejorativa, na verdade fazemos grandes show com regularidade com boas condição aqui no Norte e no Sudeste.

13) RM: O que deixa você mais feliz e mais triste na carreira musical?

Daniel Feitosa | Donaleda: Muitas felicidades em ver que as pessoas cantam nossas músicas em todos os lugares onde chegamos, tristeza só a saudade dos filhos mesmo.

14) RM: Apresente a cena reggae na cidade que vocês moram?

Daniel Feitosa | Donaleda: A cena reggae em Fortaleza – CE é uma das melhores do Brasil, o ritmo é bem aceito mesmo estando na terra do forró.

15) RM: Quais os músicos ou/e bandas que você recomenda ouvir?

Daniel Feitosa | Donaleda: Djavan, Bob Marley, Dominguinhos, Luis Gonzaga, Jackson do Pandeiro, Chico Science e Nação Zumbi, e muitos outros.

16) RM: Você acredita que sem o pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

Daniel Feitosa | Donaleda: Não pagamos jabá, é muito caro, mas fazemos parcerias com as rádios.

17) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Daniel Feitosa | Donaleda: Vá em frente, mas saiba que o caminho é muito árduo.

18) RM: Como você analisa a relação que se faz do reggae com o uso da maconha?

Daniel Feitosa – Estereótipo que começou nos anos 70 quando associaram a música reggae a cultura Rastafari, cada coisa é uma coisa, devemos respeitar a diversidade cultural, sem esquecer do nosso objetivo que é vencer pela música, pelo talento. Os rastas vivem nas montanhas da Jamaica e fazem seus rituais a Jah usando a erva como comunhão. E nós aqui também cremos em Deus Rei dos Reis e usamos apenas a MÚSICA para entrar em contato com Jah.

19) RM: Como você analisa a relação que se faz do reggae com a religião Rastafari?

Daniel Feitosa | Donaleda: Foi um marketing, os rastafaris desde de a década de 30 já existiam, quando o reggae surgiu foi usado como veículo para divulgar as mensagens Rastafári, mas, na verdade a música dos rastafaris é o Chant, música espiritual puxada por tambores.

20) RM: Algum de vocês é adepto a religião Rastafari?

Daniel Feitosa | Donaleda: Não a religião, pois, rastafári é um caminho de vida com vários ensinamentos contidos na Bíblia que nos guia. Não será um rótulo que fará você ser bom ou ruim perante os olhos de Jah, mais valem as atitudes, o homem é aquilo que sai da sua boca.

21) RM: Os adeptos a religião Rastafári afirmam que só eles fazem o reggae verdadeiro. Como vocês analisam essa afirmação?

Daniel Feitosa | Donaleda: Não sei quem foi o rastafári entrevistado por vocês, mas se perguntar a um rastafári da ordem bobochant ou outra que seja, é capaz de ouvir que ele não gosta de reggae pois, como lhe falei a música dos rastafaris é o chant, o som do tambor Nyahbinghi (Nyahbinghi é um conceito filosófico que se insere no contexto Rastafári e tem como fundamento a propagação da cultura rasta através da música. Uma das possíveis origens do termo Nyahbinghi, vem do leste africano e está relacionada com o culto da resistência ao domínio colonial) que reproduz o som do coração da mãe África.

22) RM: Na sua opinião porque o reggae no Brasil não tem o mesmo prestigio que tem na Europa, nos EUA e no exterior em geral?

Daniel Feitosa | Donaleda: Estamos caminhando a passos largos e conquistando nosso respeito a cada dia aqui no Brasil. O povo está abrindo os olhos. A Europa é o velho continente onde a muito eles aprenderam as riquezas das diversidades culturais.

23) RM: Quais as atitudes individuais que permitem manter uma banda por longos anos?

Daniel Feitosa | Donaleda: FOCO, DETERMINAÇÃO E EMPENHO.

24) RM: Quais os projetos futuros da banda?

Daniel Feitosa | Donaleda: Gravar um DVD na Jamaica, levar o nosso trabalho até o sul do Brasil e turnê europeia.

25) RM: Quais os seus contatos para show e para os fãs?

Daniel Feitosa | Donaleda: https://www.donaleda.com.br | (85) 98709 – 9965 | 99960 – 1854 | 3263 – 3412 | [email protected] | [email protected]

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor Responsável pela revista Ritmo Melodia desde 2001, músico, letrista e poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, sempre se preocupou em divulgar a música (popular, regional, instrumental e erudita) com entrevistas e artigos sobre os músicos e artistas brasileiros.