Coroné Caruá

corone carua
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Avalie esta Entrevista

Conheci o Coroné Caruá em São Paulo, já tinha escutando sobre seu trabalho que é na linha do outro Coronel, o Ludugero.

A proposta é a mesma unir o humor com a música. O Coroné Caruá é radialista em Pernambuco e trabalhou em noventa por cento das Rádios de Recife e do Interior. Seu programa uni música e o humor e tem objetivo de acordar o trabalhador nordestino para labuta. No palco ele dança de forma que lembra o outro pernambucano: Genival Lacerda. Porém se veste como um “Coroné Nordestino” e canta com uma voz em falsete. E faz uns, três jeito muito engraçado no palco, é uma figura muito folclórica e tem quase cem músicas gravadas, nas quais algumas foram gravadas por outros forrozeiros. É uma pessoa simples e que fez da arte a sua escola e forma de expressão.

Segue abaixo entrevista exclusiva com Coroné Caruá para a www.ritmomelodia.mus.br , entrevistado por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em março de 2001:

01) Ritmo Melodia: Fale do seu início de carreira profissional.

Coroné Caruá: Foi na Rádio Clube de Pernambuco em 1979. Eu era motorista de praça (Taxista), trabalhava pela manhã com um táxi locado e a noite em algumas Rádios em Recife (PE). Minha vontade era ser artista e todas as rádios me recebiam muito bem. Hoje é um pouco diferente, mas naquela época eles recebiam a gente muito bem. Foi quando despontei e surgiu o interesse da Rádio Clube de me contratar para fazer uns quadros no programa de Paulo Marques. E fui contratado pela RCA para gravar o meu primeiro LP em 1980, o segundo em 1981, o terceiro em 1982. Graças a Deus na minha região eu sou bem conhecido.

02) RM: Como eram o seu programa nas Rádios?

Coroné Caruá: No início era só fazendo aquelas entradas humorística no Programa de Paulo Marques e depois a Rádio Clube achou por bem me colocar para fazer um Programa das 04: ás 06:00 da manhã e das 16:00 às 18:00 todos os dias. E depois a Rádio do Comércio me ofereceu um melhor salário, eu corri para Empresa do Jornal do Comércio. Depois eu enjoei da Rádio do Comércio e fui trabalhar no interior na Rádio na cidade de Caruaru (PE) que também é da Empresa do Jornal do Comércio e depois trabalhei na Rádio Cultura, Rádio 98 FM, Rádio 1001 FM e Rádio Liberdade que estou atualmente. E em algumas rádios cidades como Garanhuns, Pesqueira, Santa Cruz do Capibaribe, Gravatá, Surubi. Em todas essas Rádios o meu Programa é cheio de música e piada. É um programa que a gente faz para acordar o nordestino para Trabalhar.

03) RM: Fale do seu show?

Coroné Caruá: Meu Show tem duração de uma e meia, quando o público está animado, passa para duas horas, não tem cansaço. O público estando me aceitando a gente vai longe com muita música e piadas feitas de improviso.

04) RM: Fale de suas músicas mais populares?

Coroné Caruá: Eu tenho quase cem composições. A maioria eu gravei e outras cantores como: Santana (O Facheiro e Açucena) , Amazan (Jeito de Sereia), Trio Forrozão, Anjinho dos Teclados, Flavio José. As mais populares são: “A rosa”, “Jumento Atrevido”, “Casa da Saudade”, “Jeito de Sereia”, “O Facheio e Açucena”.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor Responsável pela revista Ritmo Melodia desde 2001, músico, letrista e poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, sempre se preocupou em divulgar a música (popular, regional, instrumental e erudita) com entrevistas e artigos sobre os músicos e artistas brasileiros.