Continua após a Publicidade
Categorias: EntrevistasForró

Trio Virgulino


Conhecido com um dos grandes precursores do tradicional Forró Pé de Serra, o Trio Virgulino celebrou 40 anos de carreira, composto por diversos sucessos no cenário da música nacional, além de muitas histórias ao longo de shows e viagens pelo Brasil e mundo afora.

Formado por Adelmo Nascimento (Voz e Triângulo), Roberto Pinheiro (Voz e Zabumba) e Robson Pinheiro (Voz e Sanfona). Robson é o mais novo integrante e filho do Roberto. O Trio Virgulino é conhecido pela espontaneidade e alegria em seus shows e trabalhos diversos. Ao longo dos anos, muitas músicas marcaram época no segmento Forró, ao lado de grandes artistas de destaque, como Dominguinhos, Elba Ramalho, entre outros.

“Nossas músicas sempre foram muito valiosas junto ao público, nossos fãs sempre cantaram e dançaram ao som do Trio, o que nos deixa muito felizes, e mesmo após tanto tempo de estrada, o povo ainda se recorda de muitas músicas”, conta Roberto Pinheiro, um dos fundadores do Trio Virgulino, ao lado de Adelmo Nascimento e Enok (que saiu em 2018 para se dedicar à carreira solo). Entre as canções citadas por Roberto, destaque para “Preciso do seu Sorriso”, “Forró e Paixão”, “Pequenininha”, “Até Mais Ver”, entre outras.

Ao longo dos 40 anos de carreira (celebrados entre 2020 e 2021), o Trio Virgulino já realizou inúmeros trabalhos de destaque no cenário nacional, com participações especiais de artistas consagrados da música como Dominguinhos, Elba Ramalho, Alceu Valença, Caetano Veloso, Zélia Duncan, Osvaldinho do Acordeon, Tato Cruz (da banda Falamansa), Zeca Baleiro, entre outros. “Nossa história é muito rica, ao lado de grandes artistas e muitos amigos, e seguimos trabalhando com muito amor e carinho, pois queremos seguir cantando e levando alegria para o povo”, diz Adelmo Nascimento.

Atualmente, o Trio vem trabalhando na composição de novas músicas, que devem ser lançadas em 2021, juntamente com a Oitava Produções (produtora que administra a carreira do Trio). Neste período de pandemia do Covid-19, o Trio tem participado de algumas lives como convidados de colegas artistas, além de participações na mídia com entrevistas em rádio, TV, portais e Youtube.

Segue abaixo entrevista exclusiva com Trio Virgulino para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistado por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 13.05.2021:

Índice

01) Ritmo Melodia: Qual a data de nascimento e a cidade natal dos membros do Trio Virgulino?

Trio Virgulino: Adelmo Nascimento (triângulo) nasceu no dia 27.06.1954 em Parnamirim – PE. Roberto Pinheiro (zabumba) nasceu 27.01.1959 em Exu – PE. Robson Pinheiro (acordeon) nasceu 18.06.1983 em Americana – SP.

02) RM: Fale do primeiro contato com a música dos membros do Trio Virgulino.

Trio Virgulino: Adelmo Nascimento: em 1980 chegaram em minha casa, Enok Virgulino e Jaime (seu irmão), quando o vi tocando…

Robson Pinheiro: aos 10 anos de idade ouvindo meu pai Roberto tocar, já me encantei com o mundo da música.

Roberto Pinheiro: aos 6,7 anos de idade, já ouvia Marinês, Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro, Elino Julião, entre outros.

03) RM: Qual a formação musical e/ou acadêmica fora da área musical dos membros do Trio Virgulino?

Trio Virgulino: Adelmo Nascimento: formação musical somente na prática. Acadêmica: Ensino Fundamental incompleto.

Robson Pinheiro: não tenho formação acadêmica, acredito muito em um dom divino. minha formação é apenas Ensino Fundamental completo.

Roberto Pinheiro: sou autodidata na música, acredito no dom divino. Minha formação é Ensino Fundamental incompleto.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

Trio Virgulino: Adelmo Nascimento: no passado, Luiz Gonzaga, Waldick Soriano, artistas da Jovem Guarda. 

Robson Pinheiro: no passado, o próprio Trio Virgulino, e no presente aprecio a música em geral, aprendemos muito com outros estilos musicais.

Roberto Pinheiro: Luiz Gonzaga, Marinês, Jackson do Pandeiro, Elino Julião.

05) RM: Quando, como e onde começou o Trio Virgulino?

Trio Virgulino: Adelmo Nascimento: em 1980 em Americana – SP.

Roberto Pinheiro: em 1981, em Americana – SP, reencontrei Enok e Adelmo. Tudo já vinha desde pequeno, eu, Enok e seus irmãos, fomos para Salvador – BA e tocávamos no terreiro de Jesus. Enok foi para o Piauí e eu fiquei em Salvador tocando com os Caçulas do Norte, Amigos do Samba e no trio elétrico Tapajós.

Robson Pinheiro: em 2019 tive a oportunidade de acompanhar mais de perto como apoio de palco o Trio Virgulino, e depois a oportunidade de atuar na percussão. Hoje tenho a honra de ser o acordeonista/sanfoneiro.

06) RM: Quantos CDs lançados?

Trio Virgulino: Em 2015 DVD – Festival Rootstock. Em 2011 o CD – “Vida de Forró”. Em 2009 o CD – “Isso aqui tá bom demais”. Em 2008 o CD – “26 anos de estrada”. Em 2008 o DVD – “26 anos de estrada”. Em 2007 o CD – “Isso sim é São João”. Em 2005 o CD – “Forró do Futuro”. Em 2001 o CD – “Coração feliz” pela Abril Music. Em 1999 o CD – “O beijo que você me deu”. Em 1998 o LP – “Forró e paixão”. Em 1996 o LP – “Trio Virgulino ao vivo”. Em 1986 o LP – “Beijo moreno”. Nossas músicas de sucesso: “Chamego bom” (Trio Virgulino com João Libório), “De mala e cuia” (Enok Virgulino e Flávio Leandro), “Foi por um triz” (Enok Virgulino e Bosco Carvalho), “Forró de pé de bode” (Enok Virgulino e Miraldo Aragão), “Meu Padrim” (Enok Virgulino e João Libório), “Pedindo arrego” (Enok Virgulino e João Libório), “Preciso do teu sorriso” (Enok Virgulino e João Silva), “Querer bem” (Enok Virgulino e João Libório).

07) RM: Como você define o seu estilo musical?

Trio Virgulino: Adelmo Nascimento: meu estilo é música boa. Sou amante de Forró, Rock, João Nogueira, entre outros.

Robson Pinheiro: Forró Universitário.

08) RM: Você estudou técnica vocal?

Trio Virgulino: Adelmo Nascimento: meu estilo é feito na hora, improviso.

Robson Pinheiro: sim, ainda estudo.

Roberto Pinheiro: não.

09) RM: Qual a importância do estudo de técnica vocal e cuidado com a voz?

Trio Virgulino: Adelmo Nascimento: vejo como importante para saber o meu limite e onde posso chegar na tonalidade.

Robson Pinheiro: importante para cuidar das cordas vocais, e melhorar afinação.

Roberto Pinheiro: é muito importante, mas não tive oportunidade de estudar.

10) RM: Quais as cantoras(es) que você admira?

Trio Virgulino: Adelmo Nascimento: Marinês, Elba Ramalho, Fafá de Belém.

Robson Pinheiro: Dominguinhos, Luiz Gonzaga.

Roberto Pinheiro: Elba Ramalho, Alceu Valença, Raul Seixas, Assisão.

11) RM: Como é o seu processo de compor?

Trio Virgulino: Adelmo Nascimento: estou começando a compor agora, como dizem por aí, o ladrão não avisa a hora, acho que a música também.

Robson Pinheiro: primeiro: um tema a ser tratado, segundo: inspiração chegar para criar a música.

Roberto Pinheiro: não tem uma regra; a inspiração vem das coisas e ocasiões que vejo e vivo.

12) RM: Quais são seus principais parceiros de composição?

Trio Virgulino: Adelmo Nascimento: Roberto Pinheiro (Trio Virgulino) e também o João Libório.

Robson Pinheiro: Roberto Pinheiro, Valmir Santos, Zé Adriano.

Roberto Pinheiro: J. Cruz, Henauro.

13) RM: Quem já gravou as suas músicas?

Trio Virgulino: Adelmo Nascimento: Por enquanto, apenas o Trio Virgulino.

Robson Pinheiro: Grupo Kixodo.

Roberto Pinheiro: Trio Dona Zefa, Trio Araripe, Frank Aguiar.

14) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Trio Virgulino: Adelmo Nascimento: primeira barreira é o acesso a grande mídia, e sem dinheiro é mais difícil, pois temos que correr atrás de tudo.

Robson Pinheiro: o não reconhecimento do músico no país, infelizmente ainda existe. E o bom da música é levar alegria ao povo.

Roberto Pinheiro: quando tem um trabalho é bom, mas quando ainda não tem. Aí não tem para onde correr, é a única opção.

15) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira dentro e fora do palco?

Trio Virgulino: Adelmo Nascimento: primeiro quero estar no palco não pensando na queda do jegue de ontem, e fora do palco poder mostrar o melhor para viver bem.

Robson Pinheiro: dedicação, criatividade, para os ensaios e criação das músicas, fora do palco repassar o conhecimento através de aulas, tenho planos de voltar ao estudo.

Roberto Pinheiro: quase não me planejo, sou muito impulsivo.

16) RM: Quais as ações empreendedoras que você pratica para desenvolver a sua carreira?

Trio Virgulino: Adelmo Nascimento: primeira coisa estudar bastante e tomar conhecimento da vida de quem já venceu.

Robson Pinheiro: no momento apenas parcerias.

17) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira?

Trio Virgulino: Adelmo Nascimento: muito conhecimento que tenho devo a internet, e isso não me atrapalha.

Robson Pinheiro: ajuda nas divulgações do trabalho musical.

Roberto Pinheiro: ajuda a fazer contato com pessoas, nos mantendo lembrados, etc. Porém atrapalha um pouco também, pois têm muitas mentiras sendo propagada como verdades.

18) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso à tecnologia de gravação (home estúdio)?

Trio Virgulino: Adelmo Nascimento: eu sei pouco sobre internet, então gosto mais do estúdio, onde os profissionais podem nos ajudar a gravar.

Robson Pinheiro: a vantagem é a facilidade de gravação em casa, desvantagem é a pirataria.

Roberto Pinheiro: fica cada vez mais fácil as gravações de músicas, mas se não for muito profissional, pode ficar artificial o uso dos recursos tecnológicos.

19) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo. Mas, a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que você faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

Trio Virgulino: Adelmo Nascimento: antigamente só gente profissional sabia fazer os trabalhos musicais, mas hoje virou balela, todo mundo sabe gravar música. E existe muito profissional bom e ruim, além de músicas de péssima qualidade.

Robson Pinheiro: apresentar a trajetória dos 40 anos do Trio Virgulino e o carisma com o público. 

20) RM: Como você analisa o cenário do Forró? Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Trio Virgulino: Adelmo Nascimento: no Forró eu vejo poucas revelações, tem gente que canta um estilo musical e quando viu o cenário do Forró crescer, bota uma música no meio álbum. Como o artista já tem espaço na grande mídia, fica mais fácil aparecer, porém no início ela não era nada.

Robson Pinheiro: revelações: Trio Virgulino, Trio Nordestino, Falamansa, Rastapé são quem permaneceu.

21) RM: Quais os músicos já conhecidos do público que você tem como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

Robson Pinheiro: Djavan, Zé Ramalho, Alceu Valença.

22) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical (falta de condição técnica para o show, brigas, gafes, show em ambiente ou público tosco, cantar e não receber, ser cantado etc)?

Trio Virgulino: Adelmo Nascimento: no começo de carreira era bem difícil, sem dinheiro, aí cantávamos em lugares que nunca tínhamos ido, o povo não nos conhecia, começava a vaiar, aí quando começávamos a tocar, tudo mudava. Temos que fazer sempre o nosso melhor.

Robson Pinheiro: Cantar e não receber, show em local sem público.

23) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Trio Virgulino: Adelmo Nascimento: O que me deixa feliz é saber de onde vim e ser o que sou hoje. Triste fico por estar ausente na grande mídia, por não poder pagar o jabá e ser barrado de pisar nos lugares onde os grandes se apresentam.

Robson Pinheiro: Feliz é estar tocando; triste quando falta show.

24) RM: Qual a sua opinião sobre o movimento do “Forró Universitário” nos anos 2000?

Trio Virgulino: Adelmo Nascimento: o sucesso do movimento do “Forró Universitário” foi muito grande neste período. No espaço do “Projeto Equilíbrio” do professor Vagner Sousa apoiado por Mogi, Beto, Mané, Verinha, esse pessoal botou o Forró nas alturas desde o início, sempre junto com a gente.

Robson Pinheiro: a melhor época do Forró, onde mostrou sua força e veio pra ficar.

25) RM: Quais os grupos de “Forró Universitário” chamaram a atenção?

Trio Virgulino: Adelmo Nascimento: Falamansa, Rastapé, Bicho de Pé, Trio Sabiá, Miltinho Edberto, Trio Chamego, e muitos outros.

Robson Pinheiro: Falamansa, Rastapé, Circulado de Fulô.

26) RM: Você acredita que sem o pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

Trio Virgulino: Adelmo Nascimento: nossas músicas são lindas, mas tem de tudo por aí, nem sei o que é isto, ou é por dinheiro ou não é nada.

Robson Pinheiro: sim, nossas músicas já tocam sempre na região Norte e Nordeste, sem pagar o jabá.

27) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Trio Virgulino: Adelmo Nascimento: procure sempre fazer o melhor.

Robson Pinheiro: não é fácil, mas precisa acreditar!

28) RM: Quais os prós e contras do Festival de Música?

Trio Virgulino: Adelmo Nascimento: hoje tem muita gente boa que saiu dos festivais de antigamente, que mostraram o seu melhor, o seu talento.

Robson Pinheiro: bom é para a divulgação do trabalho, o contra é ter sua arte sendo julgada.

29) RM: Hoje os Festivais de Música revelam novos talentos?

Trio Virgulino: Adelmo Nascimento: acho que os festivais de hoje em dia não revelam talentos, é mais aparecendo na grande mídia e com bons contratos e contatos.

Robson Pinheiro: sim.

30) RM: Como você analisa a cobertura feita pela grande mídia da cena musical brasileira?

Trio Virgulino: Adelmo Nascimento: se o artista estiver na grande mídia, tudo acontece.

Robson Pinheiro: boa, mas deveria ser mais ampla a cobertura feita pela grande mídia, especialmente no cenário do Forró.

31) RM: Qual a sua opinião sobre o espaço aberto pelo SESC, SESI e Itaú Cultural para cena musical?

Trio Virgulino: Adelmo Nascimento: é maravilhoso, já passamos por vários SESCs, eles sempre apoiam a boa música.

Robson Pinheiro: muito bom.

32) RM: Qual a sua opinião sobre as bandas de Forró das antigas e as atuais do Forró Estilizado?

Trio Virgulino: Adelmo Nascimento: eu gosto muito do Quinteto Violado, mas essas bandas novas da Bahia criaram um axé no Ceará, e para não chamar de axé music, botaram o nome de Forró Estilizado, estão muito distantes de ser o nosso Forró.

Robson Pinheiro: ainda prefiro o Forró raiz, mas respeito os outros estilos.

33) RM: Quais os motivos levaram a saída do Enok Virgulino do Trio?

Trio Virgulino: ele buscava uma carreira solo, e fez o que achou certo para ele.

34) RM: Quais os seus projetos futuros?

Trio Virgulino: Adelmo Nascimento: temos que aguardar passar esta pandemia do Covi-19, depois quero trabalhar muito

Robson Pinheiro: seguir sempre com a música e poder investir.

35) RM: Quais seus contatos para show e para os fãs?

Trio Virgulino: contato para shows e eventos com Oitava Produções e Eventos (11) 94007 – 6661 | contato@oitavaproducoes.com.br

| www.triovirgulino.com.br

Redes sociais: @triovirgulinooficial  (Facebook e Instagram)

Canal do Trio Virgulino: https://www.youtube.com/channel/UCRrUAyDpq-kGpntV2VV6MTA 

Trio Virgulino e Convidados – LIVE: https://www.youtube.com/watch?v=1hv5LXq-ePs 

Canal de Roberto Pinheiro: https://www.youtube.com/channel/UCAR2rLfnLITFKNmkeRZ6low 

Trio Virgulino 23 de abril de 2021: https://www.youtube.com/watch?v=wzx6CJZIfnA 

Forrozim com os amigos: https://www.youtube.com/watch?v=weJTGVDQpzE 

Trio Virgulino #EmCasaComSesc: https://www.youtube.com/watch?v=-luUBTAKMB8 

Trio Virgulino – 26 Anos De Estrada – Show Completo: https://www.youtube.com/watch?v=bp0jmfBUxZg 

https://www.letras.mus.br/trio-virgulino/discografia 

http://www.forroemvinil.com/tag/trio-virgulino


Continua após a Publicidade
Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor responsável pela revista digital RitmoMelodia desde 2001, jornalista, músico, poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, propaga a diversidade musical brasileira através de entrevistas e artigos. Jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB (1996 a 2000) que lançou um livro de poesia em 1998 e seus poemas ganharam melodias gravadas em três álbuns concluindo a trilogia "reggae baseado em poesia" no seu projeto musical Reggaebelde. Unindo a sensibilidade do poeta, músico com o senso crítico do jornalista e pesquisador musical colocado em prática em uma revista que Canta o Brasil.

Disqus Comments Loading...
Publicado Por
Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa
    Continua após a Publicidade

Artigos Recentes

Duka Santos

O cantor, compositor, sanfoneiro Duka Santos, iniciou sua carreira aos 16 anos de idade (2002),…

% dias atrás

Rosemere do Acordeon

Rosemere do Acordeon, aos sete anos de idade quando ganhou seu primeiro acordeom, ingressou na…

% dias atrás

Roberto Lins

O cantor, compositor pernambucano Roberto Lins um dos mais expressivos músicos que mantém o legado…

% dias atrás

Rafael Beibi

O cantor, compositor, multi-instrumentista paulista Rafael Beibi mistura Forró com tudo, dando movimento e melodias…

% dias atrás

Canal Reggae Brasileiro

Canal Reggae Brasileiro: https://www.youtube.com/channel/UCtyE3sTzdIT7ZMk3B8zYw1Q Teve sua construção movida pelo mais puro sentimento, e sem visar…

% dias atrás

Toinho Vanderlei

O cantor, compositor, violonista, publicitário, designer, caricaturista pernambucano Toinho Vanderlei, montou seu grupo em 1998,…

% dias atrás
Continua após a Publicidade

Este website usa cookies.