Continua após a Publicidade
Categorias: Entrevistas

Theo de Barros


Theo de Barros em 1962, teve seu primeiro trabalho registrado com a gravação de “Natureza” e “Igrejinha” por Alaíde Costa.

Como cantor, estreou em 1963 em disco, interpretando as canções “Vim de Santana” e “Fim”, ambas de sua autoria. Em 1963, atuou como contrabaixista no Sexteto Brasileiro de Bossa, e apresentou-se como cantor e músico em televisão e em várias boates paulistas, como João Sebastião Bar, Baiúca e Jogral, entre outras. Sua canção “Menino das laranjas” foi gravada por Geraldo Vandré em 1964 e por Elis Regina em 1965, projetando-o como compositor.

Em 1966, participou do II Festival de Música Popular Brasileira com sua composição “Disparada” (c/ Geraldo Vandré), interpretada por Jair Rodrigues, Trio Maraiá e Trio Novo. A música obteve o 1º lugar, empatando com “A banda” de Chico Buarque. Ainda nesse ano, juntamente com Aírto Moreira, Heraldo do Monte e Hermeto Pascoal, formou o Quarteto Novo.

Participou de vários outros Festivais de Música e dirigiu diversas produções do Teatro de Arena (SP), destacando-se a montagem de “Arena conta Zumbi”, de Gianfrancesco Guarnieri e Augusto Boal. Escreveu, em parceria com Augusto Boal, a peça musical “Arena conta Bolívar”, que excursionou, em 1967, pelo México, Peru e EUA, com o elenco do Teatro de Arena. Participou, como compositor, da trilha sonora de “Quelé do Pajeú”, filme dirigido por Anselmo Duarte em 1970. Em 1972, assinou a direção musical da apresentação de “A capital federal”, de Artur Azevedo, encenada no Teatro Anchieta (SP), sob direção geral de Flávio Rangel. Assinou a produção musical e escreveu arranjos para “Música popular do centro-oeste”, coleção de 4 LPs lançada pela gravadora Marcus Pereira.

Em 1979, fundou a Eldorado, em sociedade com Aluísio Falcão, lançando por esta gravadora o LP duplo “Primeiro disco”, como compositor, intérprete, arranjador, produtor musical e diretor artístico. Participou do LP – “Raízes e frutos”.

De 1981 a 1982, produziu e escreveu os arranjos para dois LPs premiados de Edu da Gaita. Participou, em 1982, do Festival MPB Shell (Rede Globo), com a canção “Barco sul”, composta em parceria com Gilberto Karan.

Trabalhou como arranjador para a Movieplay entre 1990 e 1993, em CDs como “The Best of Antonio Carlos Jobim”, “The Beatles in Bossa Nova”, “The Best of Chico”, “Toquinho e Vinicius”, “Pery Ribeiro Songs of Brazil” e “Jane Duboc”. 

Participou, em 1995, do VII Encontro da MPB com “Fruta nativa”, em parceria com Paulo César Pinheiro. Em 1997, lançou o CD – “Violão solo”.

Atuando também na área publicitária, é autor de mais de 2.000 jingles. Em 2004, lançou o CD – “Theo”. Em 2017, lançou no Auditório Ibirapuera, em São Paulo, com acompanhamento de João Taubkin (baixo acústico e baixolão), André Kurchal (percussão), Shen Ribeiro (flautas), Angelo Ursini (clarinete, quarteto de cordas) e Ricardo Barros (viola caipira), o CD – “Tatanagüê”, que contou com as participações de: Renato Braz, Mônica Salmaso,  do seu filho Ricardo Barros, apresentando diversas parcerias com Paulo Cesar Pinheiro.

 

Segue abaixo entrevista exclusiva com Theo de Barros para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistado por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 01.08.2020:

Índice

01) RM: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

Theo de Barros: Nasci no dia 10 de março de 1943 no Rio de Janeiro – RJ. Registrado como Theophilo Augusto de Barros Neto.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

Theo de Barros: Na casa dos meus pais, sempre havia reuniões de músicos. Às vezes os músicos deixavam seus instrumentos para buscá-los depois. Por curiosidade, eu abria todos os estojos. Até que me encantei com o Violão e meu tio Manoel me ensinou os primeiros acordes. Daí em diante, a turma me chamava para jogar futebol, mas eu preferia ficar com um Violão emprestado. Até que no Natal, um vizinho me deu um Violão.

03) RM: Qual sua formação musical e/ou acadêmica fora da área musical?

Theo de Barros: Eu fui autodidata no estudo do Violão, embora tenha tido aulas com João Caldeira Filho, Francisco Batista Barros e Léo Perachi. Também fiz dois anos de Faculdade de Música. Por fim, formei-me em Comunicação Social/Jornalismo.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

Theo de Barros: Eu fui criado na Era do Rádio. Sempre ouvi músicas de todos os gêneros, com destaque para a música brasileira. Em São Paulo, passei pelo Rock, pelo Jazz e pela Bossa Nova. Acabei ficando com esses dois últimos.

05) RM: Quando, como e onde você começou sua carreira musical?

Theo de Barros: Através de um amigo comum, conheci Alaíde Costa e comecei a acompanhá-la em shows. Alaíde também gravou as minhas primeiras composições: “Natureza” e “Igrejinha”.

06) RM: Como é seu processo de compor?

Theo de Barros: Não existe. Cada obra musical sai de um jeito.

07) RM: Quais letristas são seus parceiros musicais?

Theo de Barros: Geraldo Vandré, Ruy Guerra, Augusto Boal, Gianfrancesco Guarnieri. Chico de Assis, Cristina Saraiva e o mais assíduo, Paulo César Pinheiro. 

08) RM: Quais artistas que gravaram suas músicas?

Theo de Barros: Alaíde Costa, Geraldo Vandré, Elis Regi-na, Jair Rodrigues, Márcia, Claudete Soares, Maricene Costa, Leila Pinheiro, Tatiana Parra, Mônica Salmaso, Clarisse Grova, Renato Brás e Alice Passos.

09) RM: É possível viver dos direitos autorais das suas músicas famosas?

Theo de Barros: Não. Ajuda no orçamento, mas não sustenta.

19) RM: Quantos CDs lançados?

Theo de Barros: Cinco CDs. Dois como solista de Violão e três mostrando minhas composições e orquestrações. Algumas músicas foram consagradas e outras nem tanto. Em 1979 meu primeiro disco em LP pela Eldorado.  Em 1997 meu CD – “Violão solo” pela Paulinas. Em 2003 o CD – “Theo” pela Maritaca. Em 2007 o CD – “À Luiz de Velas”. Em 2017 o CD – “Tatanagüê”. Participações de Renato Braz, Mônica Salmaso, Alice Passos, Ricardo Barros, filho do compositor.

11)RM: Fale da sua experiência na época do Festival de Música na TV nos anos 60 e 70.

Theo de Barros: Na verdade, o primeiro Festival de Música Popular, foi idealizado por meu pai Theophilo de Barros Filho. Portanto, o Festival estava no sangue. Eu participava dos Festivais como instrumentista até a música “Disparada”. Então a coisa mudou. Passei a atuar também como compositor, mas logo desisti. Fui jurado em vários Festivais em São Paulo e Tatuí, e no Paraná, em Cascavel e Toledo. Fui mais para orientar do que para julgar. Logo, conheci os dois aspectos de um Festival, como compositor e como jurado.

12) RM: Hoje Festival de Música revela novos talentos?

Theo de Barros: Sempre aparece alguém de talento. Eu observei que existam especialistas em música de Festival. Porém, essas pessoas não chegam ao grande público e o trabalho deles fica perdido.

13) RM: Quais os prós e contras do cenário musical dos anos 60 e 70?

Theo de Barros: Se de um lado houve a valorização da MPB, do outro, tivemos a invasão das multinacionais do disco, com a sua voracidade pelo lucro e pela música de menor qualidade.

14) RM: Você acredita que teria mais visibilidade para o grande público se tivesse lançado um disco cantando as suas músicas nos anos 60 e 70?

Theo de Barros: Sem dúvida. Eu só gravei um disco solo no final dos anos 70 pelo selo Eldorado. A época certa já tinha passado.

15) RM: Quais os motivos o levaram a só gravar o primeiro disco aos 37 anos de idade?

Theo de Barros: Falta de ambição, excesso de timidez ou falta de convite mesmo. A mesma coisa acontece com o meu filho Ricardo Barros (https://www.ritmomelodia.mus.br/entrevistas/ricardo-barros/), um compositor brilhante que ainda não gravou o seu trabalho.

16) RM: Quais as principais diferenças do cenário musical dos anos 60, 70 para o século 21?

Theo de Barros: As casas noturnas tinham música ao vivo tocando música de alta qualidade. As rádios e as televisões com os seus programas de auditório e os Festivais de música, tudo conspirava em favor da nossa música. A invasão das grandes gravadora, o “jabá” e a corrupção foram acabando com o nível das obras e nos deixando com um ambiente musical deplorável.

17) RM: Como você analisa o cenário musical brasileiro? Em sua opinião quais foram as revelações musicais nas duas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Theo de Barros: Tem muita gente nova e bem intencionada. Porém, os que conseguem gravar não são divulgados. Hoje em dia você tem que garimpar para ouvir alguma coisa decente. Existe a música descartável e a que veio para ficar. Fica aquela que tem mais valor qualitativo.

18) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo. Mas a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que você faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu meio musical?

Theo de Barros: Cada compositor tem a sua marca registrada. Eu procuro desenvolver o meu estilo e caminhar dentro dele.

19) RM. Quais as vantagens e desvantagens do acesso à tecnologia de gravação (home estúdio)?

Theo de Barros: É bom para você testar o seu trabalho. Mas nada se compara a um estúdio profissionalmente projetado para isso.

20) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento da sua carreira?

Theo de Barros: A internet é uma ferramenta fabulosa. Em termos de pesquisa é rápida e eficiente. Eu procuro usá-la em meu benefício. Ela não me prejudica em nada.

21) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical (falta de condição técnica para show, brigas, gafes, shows em ambiente ou público tosco, cantar e não receber, ser cantado e etc)?

Theo de Barros: Ao longo da carreira, já enfrentei todas essas situações citadas e continuo enfrentando.

22) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Theo de Barros: A própria música me faz feliz. O triste é ver tanta injustiça que ainda ocorrem no nosso país.

23) RM: Existe o Dom musical? Como você define o Dom musical?

Theo de Barros: Existe o Dom musical. Porém, ele não é suficiente. É preciso desenvolvê-lo. Desde criança, a pessoa mostra tendência para alguma atividade. É preciso estar atento a este sinal. Educação e disciplina são necessárias.

24) RM: Qual é o seu conceito de improvisação musical?

Theo de Barros: O meu conceito vem do Jazz e do Chorinho. No “Quarteto Novo”, nós desenvolvemos uma maneira de improvisar usando frases tipicamente brasileiras. Esta é agora a minha forma de improvisar.

25) RM: Existe improvisação musical de fato, ou é algo estudado antes e aplicado depois?

Theo de Barros: Existe o improviso estudado antes. Mas o verdadeiro músico usa toda a sua técnica para mostrar o que ele está sentindo naquele momento.

26) RM: Quais os prós e contras dos métodos sobre improvisação musical?

Theo de Barros: Existem inúmeras escalas que você pode usar. Porém, o verdadeiro improviso é aquele que você cria na hora.

27) RM: Quais os prós e contras dos métodos sobre o Estudo de Harmonia musical?

Theo de Barros: Se for o método de algum autor respeitado, não existe contra só a favor.

28) RM: Você acredita que sem o pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

Theo de Barros: Acho difícil. Hoje tudo gira em torno do dinheiro.

29) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Theo de Barros: Eu procuro prevenir ao máximo, mostrando a realidade da profissão. Os espinhos e as rosas. 

30) RM: Como você analisa a cobertura feita pela grande mídia da cena musical brasileira?

Theo de Barros: A grande mídia atende aos interesses comerciais. A mídia escolhe por você. Você consome aquilo que não gosta ou não precisa. A mídia é dirigida e planejada. Não é algo natural. Através de um planejamento de marketing, ela coloca qualquer um nas alturas.

31) RM: Qual a sua opinião sobre o espaço aberto pelo SESC, SESI e Itaú cultural para a cena musical?

Theo de Barros: Acho que essas três entidades fizeram mais do que todos os Ministérios de Cultura reunidos. É sem dúvida uma benção para o cenário musical.

32) RM: Quais os prós e contras do seu trabalho na área de publicidade? Quais seus jingles que ficaram conhecidos?

Theo de Barros: Eu fiz quase dois mil jingles e trilhas sonoras. É uma atividade que ensina você a tirar leite de pedra. Se o cliente pedir uma música para amanhã, ela tem que estar pronta. Isso me deu velocidade na criação e no arranjo. Foi uma grande escola. Os jingles mais conhecidos são o da: Vasp (a Vasp abre suas asas sua ternura), do Banespa, Doriana e por aí vai. São muitos.

33) RM: Qual sua relação pessoal e profissional com Geraldo Vandré (Geraldo Pedrosa de Araújo Dias)?

Theo de Barros: Nós fizemos juntos “Disparada” (Theo de Barros e Geraldo Vandré) e “De Céu, De Terra e de Mar” (Hermeto Pascoal, Theo de Barros e Geraldo Vandré). Depois do “Quarteto Novo”, cada um foi para o seu lado. Não tivemos mais nenhum contato.

34) RM: Qual a sua relação pessoal e profissional com Paulo César Pinheiro?

Theo de Barros: Paulinho é o meu grande parceiro. Nós temos cerca de sessenta parcerias, muitas delas inéditas.

35) RM: Qual a sua relação pessoal e profissional com Heraldo do Monte?

Theo de Barros: Nós fomos companheiros no “Quarteto Novo” e tenho pelo Heraldo a maior admiração. Ele reinventou a Viola Caipira.

36) RM: Qual a sua relação pessoal e profissional com Airto Moreira?

Theo de Barros: Airto também foi meu colega no “Quarteto Novo”. É um baterista e um percussionista fora de série.

37) RM: Qual sua relação pessoal e profissional com Hermeto Pascoal?

Theo de Barros: Mesmo caso. Tocamos no “Quarteto Novo”. Hermeto é um gênio. Foi muito edificante a minha experiência com ele.

38) RM: Qual a sua relação pessoal e profissional com Edu Lobo?

Theo de Barros: Nós fomos amigos de infância. Nossos pais eram conhecidos. Edu tocava Acordeon e eu também. Mudamos para o Violão e composição. Estivemos juntos em “Ponteio” e fomos para Paris para uma apresentação. Aí a vida nos separou e nunca mais nos vimos.

39) RM: Qual a sua relação pessoal e profissional com Elis Regina?

Theo de Barros: Elis Regina gravou “Menino das Laranjas” e me deu o primeiro sucesso de público. A nossa relação se resume nisso. Nunca houve uma aproximação maior.

40) RM: Qual a sua relação pessoal e profissional com Jair Rodrigues?

Theo de Barros: Com Jair Rodrigues, houve uma relação mais estreita. A gente se encontrava em shows e reuniões.

41) RM: Qual a sua relação pessoal e profissional com Renato Braz?

Theo de Barros: Conheci o Renato Braz no “Feitiço de Áquila”, uma casa noturna em Pinheiros – SP. De lá pra cá, tivemos sempre contato. Ele participou do meu CD – “Theo” e do recente e premiado CD – “Tatanagüê”.

42) RM: Qual a sua relação pessoal e profissional com Mônica Salmaso?

Theo de Barros: Conheci a Mônica numa apresentação no “Vou Vivendo”. Sou um grande admirador do seu trabalho. Ela também participou dos CDs: “Theo” e do recente e premiado “Tatanagüê”.

43) RM. Qual a sua relação pessoal e profissional com Alice Passos?

Theo de Barros: Alice é flautista e cantora. Afinação não é problema. Ela também colaborou no CD – “Tatanagüê”.

44)RM: Qual a sua relação pessoal e profissional com Augusto Boal?

Theo de Barros: Eu fiz a direção musical de “Arena conta Zumbi” (Augusto Boal e Gianfrancesco Guarnieri) substituindo Carlos Castilho. Em seguida fiz “Arena conta Tiradentes”, (Augusto Boal e Gianfrancesco Guarnieri) quando compus várias das músicas.

Boal também foi meu parceiro em “Xaréu”, que concorreu no Festival da Globo. Musiquei um poema de Nicolás Guillen para a peça “Doce América, latino América”. E finalmente, criei as músicas de “Arena conta Bolívar” (Augusto Boal), peça que foi censurada no Brasil e que nós levamos ao México, Estados Unidos e Peru. Em 2019 aconteceu uma leitura da peça com público no Sesc. Porém ela nunca foi apresentada integralmente. Augusto Boal foi um grande teatrólogo e um dos nossos maiores intelectuais.

45) RM: Qual sua relação pessoal e profissional com Gianfrancesco Guarnieri?

Theo de Barros: Minha relação com Guarnieri, aconteceu quando trabalhei no Teatro de Arena. Ele como autor, ator e diretor e eu como diretor musical e violonista.

46) RM: Qual a sua relação pessoal e profissional com Alaíde Costa?

Theo de Barros: Alaíde me lançou como compositor. Ela gravou “Natureza” e “Igrejinha”. Eu a acompanhei no Violão em seus shows. É uma grande amiga e intérprete.

47) RM: Qual a sua relação pessoal e profissional com seu filho Ricardo Barros?

Theo de Barros: A melhor possível. Ricardo é minha paixão e meu orgulho. Ele é formado pela Faculdade de Música Santa Marcelina. Ele aprendeu música por conta própria e solicitou muito pouco dos meus conhecimentos. Só falta ele fazer o seu disco solo para mostrar a todos o tamanho de seu talento.

48) RM: Quais os seus projetos futuros?

Theo de Barros: Revelar as minhas músicas inéditas e continuar trabalhando.

49) RM: Theo de Barros, Quais seus contatos para shows e para os fãs?

Theo de Barros: theodebarros@uol.com.br | (11) 99228 – 2323

Theo de Barros – Tatanaguês – 2017

https://open.spotify.com/artist/7cukosT9LtxcXIkHzCsEbj

Theo de Barros – À Luiz de Velas – 2007

https://open.spotify.com/album/6uNUy06i7JKGQCMpg72Pwb

Theo de Barros – Violão Solo – 1997

https://open.spotify.com/album/61LGVki8xEE24PCGsJUcvC


Continua após a Publicidade
Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor responsável pela revista digital RitmoMelodia desde 2001, jornalista, músico, poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, propaga a diversidade musical brasileira através de entrevistas e artigos. Jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB (1996 a 2000) que lançou um livro de poesia em 1998 e seus poemas ganharam melodias gravadas em três álbuns concluindo a trilogia "reggae baseado em poesia" no seu projeto musical Reggaebelde. Unindo a sensibilidade do poeta, músico com o senso crítico do jornalista e pesquisador musical colocado em prática em uma revista que Canta o Brasil.

Disqus Comments Loading...
Publicado Por
Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa
    Continua após a Publicidade

Artigos Recentes

Jorge Mello

O cantor, compositor, arranjador, produtor musical, instrumentista, advogado, o piauiense Jorge Mello, é amigo e…

% dias atrás

Banda Zangaia

A Zangaia começou no ano de 2010 em Capão da Canoa, quando alguns amigos das…

% dias atrás

Nanda Guedes

A cantora, compositora, violonista, acordeonista, percussionista cearense Nanda Guedes aos quatro anos de idade teve…

% dias atrás

Edvaldo Santana

“Não há equivalente de Edvaldo Santana na música brasileira. Digo isso de um longínquo e…

% dias atrás

Mauro Marcondes

O cantor, e compositor, violonista carioca Mauro Marcondes criado em Copacabana na época da Bossa…

% dias atrás

O Cordel que virou Música

O   cantor, compositor, violonista e poeta pernambucano Cacá Lopes escreveu um cordel a partir de…

% dias atrás
Continua após a Publicidade

Este website usa cookies.