Continua após a Publicidade
Categorias: EntrevistasForró

Thaís Nogueira


A cantora e compositora sergipana Thaís Nogueira, faz parte da mais pura e tradicional família de Carira – SE, uma cidade que fica na região sertaneja de Sergipe.

Ela é de uma família de forrozeiros: Manezinho de Carira (avô), Erivaldo de Carira (avô), Mestrinho e Erivaldinho do Acordeon (irmãos) e do mais puro do Forró Pé de Serra de Sergipe. Vindo o dom; primeiro do seu avô, Manezinho de Carira; um grande sanfoneiro da região, que passou para seu filho, Erivaldo de Carira, a herança do tradicional Forró. Hoje Erivaldo de Carira é um dos maiores ícones e referência do Forró em Sergipe e passou a tradição para seus três filhos: Erivaldinho do Acordeon, Mestrinho e Thaís Nogueira. Todos participaram por muitos festivais pelo Brasil: Festival de Forró Rootstock em Belo Horizonte – MG e FENFIT – Festival Nacional de Forró de Itaúnas – Espírito Santo.

Thaís Nogueira também viajou para o exterior levando e representando sua música com muito com muita competência e amor. Ela levou o Forró na Rússia, Portugal, França, Amsterdã, entre outros países. Ela é sinônimo de Forró Tradicional!

Segue abaixo entrevista exclusiva com Thaís Nogueira para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistada por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 09.04.2021:

Índice

01) Ritmo Melodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

Thaís Nogueira: Nasci no dia 22 de fevereiro de 1991 Aracajú – Sergipe. 

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

Thaís Nogueira: Eu já nasci no berço musical por conta dos meus pais. A minha mãe Dina Nogueira que é compositora e já foi empresária/produtora de shows e meu pai Erivaldo de Carira que é cantor e sanfoneiro e meu avô Manezinho de Carira que era sanfoneiro. E meu primeiro contato com a música profissionalmente foi aos 12 anos de idade quando eu entrei como vocalista da banda do meu pai.

03) RM: Qual a sua formação musical e/ou acadêmica fora da área musical?

Thaís Nogueira: Na música sou autodidata.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

Thaís Nogueira: Meu pai Erivaldo de Carira sempre foi minha principal influência musical, também a cantora pernambucana Marinês. Hoje foco na referência da Elba Ramalho. 

05) RM: Quando, como e onde você começou a sua carreira musical?

Thaís Nogueira: Em 2003/2004 eu comecei a cantar na banda do meu pai Erivaldo de Carira ao lado do meu irmão Mestrinho. Iniciamos em nosso Estado natal Sergipe.

06) RM: Quantos CDs lançados?

Thaís Nogueira: Tenho cinco CDs lançados.

07) RM: Como você define seu estilo musical?

Thaís Nogueira: Sou cantora popular brasileira, enraizada no Forró Tradicional Pé de Serra.

08) RM: Você estudou técnica vocal?

Thaís Nogueira: Sou autodidata.

09) RM: Qual a importância do estudo de técnica vocal e cuidado com a voz?

Thaís Nogueira: Mesmo eu não tendo a oportunidade de estudar, aconselho a todos a estudarem.

10) RM: Quais as cantoras(es) que você admira?

Thaís Nogueira: Eu admiro Elba Ramalho, Nana Caymmi, Dominguinhos, Luiz Gonzaga. 

11) RM: Como é o seu processo de compor?

Thaís Nogueira: Vem ao mesmo tempo letra e melodia naturalmente, muitas vezes componho na madrugada.

12) RM: Quais são seus principais parceiros de composição?

Thaís Nogueira: Tenho composição com meu irmão Mestrinho e com meu esposo, sanfoneiro e cantor Marcos Giva.

13) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Thaís Nogueira: O artista mesmo cuidar da carreira é incrível, mas requer 100% do mesmo, tornando muitas vezes cansativo, mas vale muito a pena.

14) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira dentro e fora do palco?

Thaís Nogueira: Procuro sempre mostrar as minhas raízes, meu jeito de ser em forma de canção. tem dado muito certo!

15) RM: Quais as ações empreendedoras que você pratica para desenvolver a sua carreira?

Thaís Nogueira: Nada específico. Tudo fluindo naturalmente.

16) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira?

Thaís Nogueira: Só tem ajudado e muito. Tenho bons seguidores e faço tudo por lá e é só crescimento.

17) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso à tecnologia de gravação (home estúdio)?

Thaís Nogueira: Principalmente no momento atual de pandemia do Covid-19 em que nos encontramos, vale muito a pena, pois não perdemos a criação, mas gravar no estúdio profissional com uma acústica melhor, teremos um resultado bem gratificante.

18) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo. Mas, a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que você faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

Thaís Nogueira: Eu sempre levantei a bandeira do Forró tradicional que é uma herança de família, meu público sabe porque canto Forró. O que me segue ama isso em mim.

19) RM: Como você analisa o cenário do Forró. Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas duas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Thaís Nogueira: Forró é um gênero tão especial para pouco conhecimento, mas nunca morre. Hoje em dia temos a Elba Ramalho como grande referência.

20) RM: Quais os músicos já conhecidos do público que você tem como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

Thaís Nogueira: Admiro muito meu irmão Mestrinho, o bicho toca tudo (risos). 

21) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical (falta de condição técnica para o show, brigas, gafes, show em ambiente ou público tosco, cantar e não receber, ser cantado etc)?

Thaís Nogueira: Uma vez fui a um programa de televisão e o apresentador antes de gravar, me perguntou se eu tinha alguma história para contar que fosse até mais atraente que minha musicalidade. Isso para mim foi o oh!

22) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Thaís Nogueira: O que me deixa mais feliz é realmente poder cantar, viver da arte. O mais triste é que não sei até quando vou conseguir viver só da música.

23) RM: Qual a sua opinião sobre o movimento do “Forró Universitário” nos anos 2000?

Thaís Nogueira: Tenho total gratidão a banda Falamansa, eles só engrandeceram nossa arte.

24) RM: Quais os grupos de “Forró Universitário” chamaram sua atenção?

Thaís Nogueira: Falamansa, Bicho de pé, Rastapé.

25) RM: Você acredita que sem o pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

Thaís Nogueira: Talvez por amizade, alguns radialistas coloquem a minha música na programação.

26) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Thaís Nogueira: Humildade e paciência, sempre.

27) RM: Quais os prós e contras do Festival de Música?

Thaís Nogueira: Participar de um festival de música é uma vitrine. O contra é quando o artista não ganhar alguma premiação, pode mexer com o psicológico do mesmo.

28) RM: Hoje os Festivais de Música revelam novos talentos?

Thaís Nogueira: Sim, conheço muita gente boa, eu já participei do festival de Forró em Itaúnas no Espírito Santo – ES.

29) RM: Como você analisa a cobertura feita pela grande mídia da cena musical brasileira?

Thaís Nogueira: A grande mídia deveriam falar mais sobre Forró, que é tão rico quanto outros gêneros musicais.

30) RM: Qual a sua opinião sobre o espaço aberto pelo SESC, SESI e Itaú Cultural para cena musical?

Thaís Nogueira: Super importante, não deve acabar nunca.

31) RM: Qual a sua opinião sobre as bandas de Forró das antigas e as atuais do Forró Estilizado?

Thaís Nogueira: Forró só tem um que foi propagado por Luiz Gonzaga.

32) RM: Thaís Nogueira, Quais os seus projetos futuros?

Thaís Nogueira: Gravar um DVD com o título “Disparada” e aguardar a pandemia do covid-19 acabar para cair em campo.

33) RM: Quais seus contatos para show e para os fãs?

Thaís Nogueira: cantorathaisnogueira@hotmail.com

| https://web.facebook.com/thaisnogueiraoficial

| https://web.facebook.com/officialthaisnogueira  |www.instagram.com/oficialthaisnogueira  

Canal Thaís Nogueira: https://www.youtube.com/channel/UCH5sHgadscG1rhrqd6NzjWA 

Thais Nogueira no Release Showlivre: https://www.youtube.com/watch?v=YZLoLRY9HJE 

Thais Nogueira e Mestrinho – No Festival de Forró de Carira: https://www.youtube.com/watch?v=eWXLaDSTSV4

Playlis: https://www.youtube.com/watch?v=0KY1K7VajVo&list=PLTEYdGM5qUeQFGlWGOgVzdX6KLi6u0Zha


Continua após a Publicidade
Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor responsável pela revista digital RitmoMelodia desde 2001, jornalista, músico, poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, propaga a diversidade musical brasileira através de entrevistas e artigos. Jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB (1996 a 2000) que lançou um livro de poesia em 1998 e seus poemas ganharam melodias gravadas em três álbuns concluindo a trilogia "reggae baseado em poesia" no seu projeto musical Reggaebelde. Unindo a sensibilidade do poeta, músico com o senso crítico do jornalista e pesquisador musical colocado em prática em uma revista que Canta o Brasil.

Disqus Comments Loading...
Publicado Por
Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa
    Continua após a Publicidade

Artigos Recentes

Chambinho do Acordeon

Cantor, compositor, acordeonista, ator paulistano Nivaldo Expedito de Carvalho, mais conhecido como Chambinho do Acordeon.…

% dias atrás

O Forró no Ritmo, na Melodia e nos Acordes do Acordeon

Por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa Acordeão e a sua corruptela acordeon vêm do alemão…

% dias atrás

Carneiro do Acordeon

O cantor, compositor, produtor, arranjador musical e acordeonista Carneiro do Acordeon, toca desde a sua…

% dias atrás

Chico Ceará

O cantor, compositor, acordeonista Chico Ceará com 45 anos de carreira musical e começou aos…

% dias atrás

Cosme Vieira

Cantor, compositor, acordeonista Cosme Vieira, filho de Baiano e Paranaense. Um dia em uma enchente…

% dias atrás

Zé do Norte

Em 1980, José Lásaro Rodrigues Santos deixou Madalena, para vir a Fortaleza estudar no Conservatório…

% dias atrás
Continua após a Publicidade

Este website usa cookies.