Sandra Grego

Sandra Grego

No cenário cultural há anos, a mineira de Maria da Fé, Sandra Grego, vem consolidando sua maturidade musical com um trabalho de elaboração singular e perfeita sintonia com seu estilo visceral e ao mesmo tempo de grande sensibilidade artística.

Descendente dessa relação entre arte e artista, entre blues, baladas ou nas canções mais ácidas, sua trajetória é marcada por momentos memoráveis a quem tem a oportunidade de prestigiar seus shows por diversas casas noturnas do Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo causando surpresas ao público que ainda não a conhecia.

Sua música já foi trilha sonora do programa “A Vida Alheia”, da Rede Globo, pode ser ouvida nas plataformas digitais. Sandra Grego escreve com propriedade sua história na música popular brasileira e proporciona sempre uma opção diferente e de qualidade para a geração atual.

Segue abaixo entrevista exclusiva com Sandra Grego para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistada por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 03.07.2021:

Índice

01) Ritmo Melodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

Sandra Grego: Nasci no dia 08.04.1967, em Maria da Fé, Minas Gerais. Registrada como Sandra Regina Gonçalves.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

Sandra Grego: Desde criança adorava os programas de música e já explorava com habilidades especiais os brinquedos musicais. Ainda na infância participei da fanfarra do colégio, fiz algumas aulas de piano e no início da adolescência ganhei um violão, quando comecei a tocar e cantar.

03) RM: Qual sua formação musical e/ou acadêmica fora da área musical?

Sandra Grego: Formei no curso técnico de professora primária, em seguida fiz um curso técnico de Processamento de Dados. Estudei no Conservatório de Música em Pouso Alegre, fiz o curso de canto, tínhamos uma grade curricular diversificada que ampliou meu universo musical e artístico, fiz aulas de Técnica Vocal, História da Arte, Canto Coral e outras. Nesse período, frequentei um Seminário de Violão em São Paulo, ministrado por Henrique Pinto – um dos mais importantes didatas do violão do século 20 em todo mundo. No Rio de Janeiro tive aulas de Canto, Harmonia Funcional 1 e Violão 1 e 2 na Rio Música; um instituto que trouxe muitos conhecimentos das escolas conceituadas dos EUA. Além da aprendizagem regular em instituições e cursos, também tive aprimoramento com aulas particulares de Percepção Musical e Canto. Participei do I Congresso Carioca da ABENEPI-RJ e do Seminário Empretec, promovido pelo SEBRAE/RJ.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

Sandra Grego: Nas Canções da MPB dos anos 70, eu conheci Simone, Elis Regina, Maria Bethânia, Gal Costa, Ney Matogrosso e através desses intérpretes fui apresentada aos grandes compositores como: Milton Nascimento, que também é um grande intérprete, Fernando Brant, Gonzaguinha, Chico Buarque, João Bosco e Aldir Blanc, Gilberto Gil, Caetano Veloso. No cenário Pop da mesma época: Roberto Carlos, Erasmo Carlos, Rita Lee e Tutti-Frutti, Raul Seixas e Paulo Coelho, também me atraíam muito. No início dos anos 80, o cenário do Rock Nacional apresentou-se com determinação e relevância e me apaixonei por Marina Lima, Cazuza, Lobão, Renato Russo, RPM. Nos anos 90 fiquei muito impressionada com Marisa Monte e Cássia Eller. Ouvia também Sandra de Sá, Angela RôRô, Tim Maia, Jorge Benjor, Cláudio Zolli, Djavan, Diana Ross, Michael Jackson, Bee Gees, Tina Turner, Aretha Franklin, Beatles, Rolling Stones, White Snake, Titãs, Lulu Santos, Guns N’ Roses, Carlos Santana, Joe Satriani, Pacco de Luccia, Astor Piazzola… …por aí vai… Sou bem eclética! Letras metafóricas, profundas e bem construídas são de um seguimento bem interessante e que sempre me influenciou muito. Por outro lado, aquelas populares não tão complexas, com refrão que todo mundo canta junto, eu também ouço bastante. No Rio de Janeiro, onde morei entre os anos de 1988 e 2019, ouvi muitos artistas do cenário alternativo e com alguns tive a felicidade e oportunidade de estabelecer parcerias. Todos esses artistas são presentes e tem grande importância em minha trajetória, os sons das décadas de 60, 70 e 80 criaram conceitos que são usados até hoje. Música de qualidade é atemporal!

05) RM: Quando, como e onde você começou sua carreira musical?

Sandra Grego: Em 1981 iniciei minhas apresentações nos eventos de destaque e em Bares, Clubes e Festas em Maria da Fé – MG, seguindo para as cidades vizinhas como Itajubá, Cristina, Santa Rita, Pouso Alegre.

06) RM: Quantos CDs lançados?

Sandra Grego: Em 2005 o CD – “Será que eu falo Grego?” (Independente). Em 2011 o CD – “Solar” pelo selo Fina Flor. Em 2011 “Emoção Atlântica” participação como cantora no trabalho do poeta Márcio Catunda.

07) RM: Como você define seu estilo musical?

Sandra Grego: Nas canções que gravei, as harmonias têm forte influência da MPB e os ritmos vêm carregados da pegada Pop, Blues e Rock.

08) RM: Você estudou técnica vocal?

Sandra Grego: Sim, em cursos, escolas de música e aulas particulares.

09) RM: Qual a importância do estudo de técnica vocal e cuidado com a voz?

Sandra Grego: Tanto exercícios vocais quanto respiratórios são essenciais para o aquecimento e controle da voz, além de impedirem danos às pregas vocais. Quando se aprende a “colocar” a voz, tirando da garganta e colocando no peito ou “em máscara” evita-se um desgaste que com o tempo traria prejuízos irreversíveis. Cuidados como não tomar gelados, não gritar ou falar sem “colocar” a voz, não fumar ou respirar fumaça de cigarros, evitar exposição a ventos frios, proteger sempre o peito, costas e pescoço, beber água frequentemente – principalmente quando a voz está atuante, são ações imprescindíveis para garantir a estabilidade vocal.

10) RM: Quais os cantores que você admira?

Sandra Grego: São muitos! Alguns com mais afinidades como Elis Regina, Ney Matogrosso, Marisa Monte, Cássia Eller, pela entrega e atuação nos trabalhos sempre muito bem produzidos.

11) RM: Como é seu processo de compor?

Sandra Grego: A inspiração pode vir através de sentimentos como indignação, impossibilidades, admiração, paixões ou mesmo uma necessidade de algum trabalho que eu esteja participando ou produzindo.

12) RM: Quais são seus principais parceiros de composição?

Sandra Grego: Allan Bastos, Ana Cruz, Ana Alcantara, Léo Azevedo, Márcio Catunda, Ricardo Calafate, Norma Spagnuollo.

13) RM: Quem já gravou as suas músicas?

Sandra Grego: O Allan Bastos gravou “Segredos”; a Ana Cruz gravou “Refeita” e “Sublime Ancestralidade” e Ana Alcantara gravou “Adia para outro dia”.

14) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Sandra Grego: O que temos a favor é a liberdade de expressar e desenvolver o trabalho sem nenhuma exigência da produção, mas, temos que observar o que agrada; afinal fazemos canções com o objetivo de criar um público. Já o que dificulta é que faltam recursos como agendamento de shows, divulgação do trabalho, captação de “budjet” e outras possibilidades que são facilitadas quando se tem uma equipe de produção executiva.

15) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira dentro e fora do palco?

Sandra Grego: Dentro do palco: estar atenta a qualidade e equalização do som (caixas de retornos e P.A), entrosamento entre os músicos, produção pessoal (roupas, acessórios, cabelo e maquiagem) e roteiro de comunicação. Fora do palco: o máximo de ensaio possível, arranjos das músicas, escolha e sequência do repertório, mapa de palco, seleção dos músicos, agendamentos e divulgação das apresentações – Estas são algumas das estratégias de planejamento, mas existem muitas outras.

16) RM: Quais as ações empreendedoras que você prática para desenvolver a sua carreira?

Sandra Grego: Sempre participei de eventos musicais, saraus de poesias, estabelecendo conhecimento e contatos com empreendedores de entretenimento, da cultura e da música. Também movimento minhas redes sociais com agendas de shows, músicas lançadas ou qualquer projeto que participo. Agora, com este novo cenário de pandemia do Covid-19 que se apresentou, tenho divulgado meu trabalho através de lives autorais, além de participar das lives de parceiros, programas de entrevistas e onde posso tenho feito divulgações.

17) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira?

Sandra Grego: A internet tem sido fundamental e o melhor recurso para artistas independentes como eu; apesar de não observar nenhum fator que me prejudique diretamente, existe cada vez menos um modelo de negócio em referência à venda de músicas. Isso foi bem prejudicado e está se extinguindo. Os direitos autorais e conexos pagos por execução em rede são irrisórios quando comparados aos executados em rádios, emissoras de TV, casas de show e bares cadastrados no ECAD. Esse assunto ainda é muito discutido em nosso meio, mas, como toda mudança, levará um tempo até que se ajuste. Em minha opinião, o saldo é positivo; hoje, qualquer artista tem acesso à gravação e exposição de seu trabalho. E todos nós temos acesso a diversos tipos de conteúdo. Isso é muito bom!

18) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso à tecnologia de gravação (home estúdio)?

Sandra Grego: Acho que foi um grande passo para a produção musical em massa devido o baixo custo financeiro dos estúdios. Para garantir um bom trabalho é preciso pesquisar, selecionar e/ou adquirir e saber usar os recursos que ofereçam qualidade de gravação, mixagem e masterização. Existem muitas possibilidades, entretanto nem sempre se encontra a qualidade necessária para uma produção tecnicamente bem feita.

19) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo. Mas, a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que você faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

Sandra Grego: Procuro manter meu material sempre organizado e atualizado, disponibilizando projetos nos quais tenho participado, além de ter um perfil diferenciado e flexível em relação aos estilos musicais. Busco sempre estabelecer parcerias com outros artistas, produtores e agentes de música.

20) RM: Como você analisa o cenário da MPB. Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Sandra Grego: Não tenho certeza quais artistas foram lançados na grande mídia desde o ano 2000. Vou citar alguns que acho ser o caso: Roberta Sá, Monica Salmaso, Ceumar, Lineker, Filipe Catto, Simone Mazzer, Mart´Nalia… Me falta aprofundamento sobre as obras desses artistas, porém, das vezes que ouvi, gostei bastante. Ainda assim, não tenho propriedade para opinar a respeito de nenhum deles.

21) RM: Quais os músicos já conhecidos do público que você tem como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

Sandra Grego: Marisa Monte. Sempre admirei o trabalho da Marisa, como artista e empreendedora. Todo o trabalho é impecável, com excelentes composições, arranjos e participações. No Brasil, foi precursora em material áudio visual, exibiu um VHS no início dos anos 90 registrando vários momentos de uma turnê, e acho que em meados de 2000 apresentou um CD explicando como acontecia um lançamento de um trabalho. Os CDs sempre vieram com as letras cifradas e com o tempo 1 marcado na letra, diferencial que só encontrei nos encartes dela. Considero um material didático de muito valor para qualquer artista. As atitudes e opiniões da Marisa são boas influências para mim. E, claro, tem uma voz belíssima!

22) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical (falta de condição técnica para show, brigas, gafes, show em ambiente ou público tosco, cantar e não receber, ser cantado etc)?

Sandra Grego: Bem, vamos lá! Vou tentar lembrar…, mas, acontece de tudo mesmo citado na pergunta…- Condições técnicas: trabalhei em casas com equipamentos que não tinham sons adequados, às vezes estragados e ninguém consertava ou demorava a vida toda para executar o reparo. As “pessoas reclamavam: “Tá alto”, “Tá com barulho…”, “Tá baixo…”, “Vocês têm que exigir condições melhores de trabalho…” Eu ria e continuava… – Brigas… Hum… Já levei músico comigo que encrencou com garçonete, dizendo que ela tinha preconceito com ele… Queria receber antes de fechar o borderô, me deu o maior trabalho. Depois desse episódio, não chamaram mais a gente… – Gafes eu não lembro, mas, deve ter acontecido sim (risos). – Show em ambientes toscos é o que tem mais! E também já tive problemas com público tosco… Pediam músicas que eu não sabia tocar, tinha gente que vinha brigar, outros que levantavam e saiam xingando e por aí vai…- Trabalhar e não receber também já aconteceu algumas vezes. Diziam para pegar o cachê outro dia e eu voltava, voltava, voltava… E o contratante não estava, não abria a porta, e um belo dia…desaparecia…- Cantadas… Nossa…Foram muitas! Pessoal dava presente, carona, levava pra jantar, catava na esquina… “…são tantas emoções…” (risos).

23) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Sandra Grego: O dom de tocar o interior, os sentimentos guardados das pessoas, ganhar um carinho especial de tantos fãs, me deixa muito feliz e realizada. Por outro lado, fico triste de ver que a criatividade, o estilo, tem menos valor do que artesanato musical. Cantores que fazem “cover” de um artista renomado ou outros, com repertório das mais tocadas do momento, têm seu trabalho mais vendido do que quem produz músicas inéditas.

24) RM: Existe o Dom musical? Como você define o Dom musical?

Sandra Grego: Sim, existe. Quem tem facilidade de realizar atividades musicais com habilidade acima da média e sem conhecimentos teóricos, tocam e /ou cantam com a naturalidade; são requisitos de quem nasceu com o talento. De toda forma, precisa de estudo e técnica para aprimorar o trabalho.

25) RM: Qual é o seu conceito de Improvisação Musical?

Sandra Grego: Eu não tenho conhecimento de improvisação para falar com propriedade sobre o assunto. Mas, observo meus amigos que têm e acho que improviso seria criar uma melodia na inspiração do momento. Não é sair dando nota à vontade! Tem uma gravidade, uma linha a ser seguida, e o resultado tem que ser bom.

26) RM: Existe improvisação musical de fato, ou é algo estudado antes e aplicado depois?

Sandra Grego: Bom, pelo que observo, o improviso não tem estudo… Tem o estudo das escalas, da técnica do instrumento, do tema…, mas, na hora da execução, será sempre uma melodia inédita, cada dia vai fluir uma bela novidade.

27) RM: Você acredita que sem o pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

Sandra Grego: Não. Nas rádios tradicionais o pagamento da divulgação é praticamente condicionado à execução das músicas. Mas a Rádio Web tem sido uma opção de divulgação do nosso trabalho sem a cobrança do jabá!

28) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Sandra Grego: Quem nasce com o dom e tem a arte no sangue só consegue ser feliz caminhando nessa estrada. Não importam as adversidades, as desilusões com a falta de reconhecimento do trabalho ou de recursos para a divulgação dele, o prazer está em viver a música!

29) RM: Quais os prós e contras do Festival de Música?

Sandra Grego: Acredito que atualmente os festivais de música não têm o efeito que teve no fim dos anos 60, mas, de qualquer forma, para compositores é sempre válido estar presente. O público que freqüenta está aberto a ouvir composições inéditas, isso é uma raridade. E quem participa, pode ouvir belas composições e apresentações de artistas não conhecidos da grande mídia e fazer contatos ou parcerias. O ponto negativo é que se não ganhar em nenhuma modalidade ou não tiver prêmio em dinheiro, você trabalha sem ganhar cachê e muitas vezes precisa arcar com os custos.

30) RM: Hoje os Festivais de Música revelam novos talentos?

Sandra Grego: Acho que não. Festivais de Música dos anos 60 e 70 foram os reveladores de grandes artistas da música. Em 1979, a TV Tupi realizou um festival que revelou artistas como Fagner – que já era conhecido, mas teve reconhecimento ainda maior cantando “Quem me levará sou eu” (Dominguinhos e Manduka), com arranjo de Wagner Tiso. O segundo lugar: “Canalha” (Walter Franco), interpretada pelo autor e o terceiro lugar: “Bandolins” (Oswaldo Montenegro), interpretada por Oswaldo Montenegro e Zé Alexandre. Em 1980 a TV Globo realizou um festival bem interessante que teve a presença de Raimundo Sodré, Sandra de Sá, Amelinha, Quinteto Violado, Joyce e outros grandes nomes apresentados para o Brasil através dele. Salvo engano, em meados da década de 80, a TV Globo realizou o último festival que teve a função de trazer novos nomes para a grande mídia; como Tete Espíndola e Leila Pinheiro. Depois deste, acredito que não tenha acontecido nenhum outro de grande expressividade.

31) RM: Como você analisa a cobertura feita pela grande mídia da cena musical brasileira?

Sandra Grego: O que tenho ouvido que aparece na grande mídia não me agrada! Mas vende, e este é o objetivo.

32) RM: Qual a sua opinião sobre o espaço aberto pelo SESC, SESI e Itaú Cultural para cena musical?

Sandra Grego: Tive algumas experiências com o SESC e os resultados foram positivos. Entretanto, as agendas são sempre muito concorridas e é difícil de entrar, é preciso ser indicado!

33) RM: O circuito de Bar na cidade que você mora ainda é uma boa opção de trabalho para os músicos?

Sandra Grego: Em 2019 voltei para Maria da Fé que fica no Sul de Minas Gerais. Nesse ano, por motivos pessoais, estive um pouco ausente do cenário da música; ainda assim, diversas oportunidades de datas me foram ofertadas. Em 2020, o mundo parou em função da pandemia do novo Coronavírus… Ainda não tive uma noção de como funciona esse mercado por aqui.

34) RM: Quais os seus projetos futuros?

Sandra Grego: Assim que voltei para Maria da Fé – MG, conheci músicos talentosos, formamos uma banda e tocamos em vários espaços; culminou na participação do edital da Lei Aldir Blanc! Realizamos uma apresentação com seis canções inéditas e nosso próximo passo é entrar em estúdio para registrar. Outro projeto que quero gravar é o “Cantiga de Brinquedo”, uma repaginada em canções folclóricas infantis. Além disso, pretendo criar ou participar de espaços que ofereçam cursos e oficinas de musicas, principalmente para o público infantil. Atividades lúdicas ou terapêuticas.

35) RM: Quais seus contatos para show e para os fãs?

Sandra Grego: (21) 98837 – 1197 | https://pt-br.facebook.com/sandra.grego.9| https://www.instagram.com/grego.sandra

Canal: https://www.youtube.com/channel/UCpZzvLasyXiG38eY_bTgqYA

“Discretamente” – Sandra Grego: https://www.youtube.com/watch?v=Nogm2FjgLsM

Playlist de shows: https://www.youtube.com/watch?v=FJtAr_gPqD8&list=PL5QY5PPAui-0SqQf_Blr2dIj0LtWV6Z9A

Playlist: https://www.youtube.com/watch?v=-59Km01FstA&list=PLwxtcGlaEW0v8AeB6dnrWMLIh0lO3Rjpl


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor responsável pela revista digital RitmoMelodia desde 2001, jornalista, músico, poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, propaga a diversidade musical brasileira através de entrevistas e artigos. Jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB (1996 a 2000) que lançou um livro de poesia em 1998 e seus poemas ganharam melodias gravadas em três álbuns concluindo a trilogia "reggae baseado em poesia" no seu projeto musical Reggaebelde. Unindo a sensibilidade do poeta, músico com o senso crítico do jornalista e pesquisador musical colocado em prática em uma revista que Canta o Brasil.