Sacha Arcanjo

Sacha Arcanjo

O cantor, compositor, violonista baiano Sacha Arcanjo radica em São Paulo, desde 1968, onde buscou uma chance com seu objetivo pessoal.

Engajado com os movimentos sócio culturais da época, buscava uma razão para a sua criação artística. Com algumas canções e letras na bagagem, em 1971 encontra a pessoa certa para começar um trabalho musical e criam a dupla de MPB, Tomé e Simão. Depois de muitas criações, alegrias e decepções, resolvem mudar de nome se tornam Sacha e Raberuan, em 1977. Em 1978, fundam o coletivo MPA – Movimento Popular de Arte, juntamente com Edvaldo Santana, Akira Yamasaki, Zulu de Arrebatá, Severino do Ramo, Cláudio Gomes, Cleston Teixeira e outros. Em 1982, Sacha e Raberuan gravam e lançam um trabalho em K7. Em 1984, veio a separação da dupla e SachaArcanjo segue em carreira solo. Em 1985, gravam juntos e separados no LP coletivo “MPA”. No começo dos anos 1990, Sacha retorna à Bahia onde permanece por uma temporada, quando realiza diversos shows, E promove o K7 Sacha Arcanjo. Em 2000, lança o CD – “Feito Bicho”, com o qual se torna mais conhecido em várias regiões do Brasil. Em 2009, é feito um CD com diversos intérpretes brasileiros com suas canções e parcerias para uma homenagem denominada “Sacha 60”. Em 2020 a Casa Amarela – Espaço Cultural, editou um Songbook Sacha 70, com 70 canções suas e parcerias com Raberuan, Severino do Ramo, Edvaldo Santana, Adilson Aragão, Ceciro Cordeiro, Zulu de Arrebatá, Welton Gabriel, André Marques, Akira Yamasaki, Francisco Gui e Cleber Eduão. Foi um lançamento recente por Live, no Sarau Virtual da Casa Amarela, este trabalho tem como objetivo resgatar e registrar parte significativa das músicas mais conhecidas entre fitas K7, CDs, shows, saraus, luaus e lives.

Segue abaixo entrevista exclusiva com Sacha Arcanjo para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistado por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 04.01.2021:

Índice

01) Ritmo Melodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

Sacha Arcanjo: Nasci no dia 07 de novembro de 1949, São Gabriel, Bahia, Brasil. Registrado como Gilson Pereira da Silva.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

Sacha Arcanjo: O primeiro contato está no Serviço de Alto Falante da Sociedade Amigos de São Gabriel nos anos 50, quando lembro que aprendi as músicas: “Carolina” e “Kalú” de Luiz Gonzaga.

03) RM: Qual sua formação musical e/ou acadêmica fora da área musical?

Sacha Arcanjo: Na música sou autodidata e sou formado em Licenciatura em Letras.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

Sacha Arcanjo: Influências de épocas: Forró, Bossa Nova, Rock, Funk, Folk, Pop Rock, Samba, Reggae, Axé Music. Nenhuma deixou de ter a sua importância.

05) RM: Quando, como e onde você começou sua carreira musical?

Sacha Arcanjo: Do ponto de vista da busca do profissionalismo, eu considero em 1971, quando formei a dupla “Tomé e Simão” e em 1977 a dupla muda o nome artístico para: Sacha e Raberuan (Sebastião Roberto da Silva).

06) RM: Quantos CDs lançados?

Sacha Arcanjo: Em 1985 o LP coletivo do “MPA – Movimento Popular de Arte”. Em 1993 a fita K7 “Maior carente”. Em 2000 o CD Sacha Arcanjo – “Feito Bicho”. Em 2006 o CD – “Inocente”. Em 2009 o CD com diversos intérpretes brasileiros que gravam minhas canções e parcerias. Uma homenagem denominada “Sacha 60”. Em 2020 pela Casa Amarela – Espaço Cultural, editou um Songbook “Sacha 70”, com 70 canções minhas e parcerias com Raberuan, Severino do Ramo, Edvaldo Santana, Adilson Aragão, Ceciro Cordeiro, Zulu de Arrebatá, Welton Gabriel, André Marques, Akira Yamasaki, Francisco Gui, Cleber Eduão.

07) RM: Como você define seu estilo musical?

Sacha Arcanjo: Defino como MPB e fusão com Rock, FUNK, Folk e Reggae.

08) RM: Você estudou técnica vocal?

Sacha Arcanjo: Não estudei técnica vocal. Ensaiei muito e aprendi a vocalizar.

09) RM: Qual a importância do estudo de técnica vocal e cuidado com a voz?

Sacha Arcanjo: É muito importante. Quando você tem técnica vocal, cuida melhor da voz e só tem ganho. Sabe usá-la de modo a não se prejudicar. Isso se aprende com o tempo também.

10) RM: Quais as cantoras(es) que você admira?

Sacha Arcanjo: O principal é Luiz Gonzaga, mas gosto de Caetano Veloso, Gilberto Gil, Alceu Valença, Fagner, Xangai, Maria Bathânia e Marisa Monte.

11) RM: Como é seu processo de compor?

Sacha Arcanjo: Geralmente surge uma ideia um sussurro e dali fica ou não uma canção. E muitas vezes escrevo letras que alguém se interessa em criar a melodia e vice-versa.

12) RM: Quais são seus principais parceiros de composição?

Sacha Arcanjo: O principal parceiro é Raberuan, com quem compus umas dezenas de canções. Os demais são esporádicos e são poucas composições.

13) RM: Quem já gravou as suas músicas?

Sacha Arcanjo: Se a referência for cantor famoso, ninguém. Tenho músicas gravadas por: Rosa Maria Colin, Edvaldo Santana, Zulu de Arrebatá, Raberuan, Welton Gabriel, e a galera do CD – Sacha 60.

14) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Sacha Arcanjo: O prol, é que você mesmo cuida de sua carreira musical e o contra, é que a concorrência é desleal com as gravadoras e artistas que têm empresários que investem pesado financeiramente. O sistema absorve quase tudo e deixa o artista independente à margem.

15) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira dentro e fora do palco?

Sacha Arcanjo: É a preparação de agenda e repertório, o roteiro das músicas e início e fim do show. Tempo de duração, conforme o compromisso. Tem que ser planejado e de acordo com o lugar e a referência de público e contrato.

16) RM: Quais as ações empreendedoras que você pratica para desenvolver a sua carreira?

Sacha Arcanjo: A roda já está aí. Se eu for esperar o convite, ele pode não vir. A gente age como promotor e vendedor. Essa ação estratégica se faz necessário, diante da visão de mercado. Os espaços onde aceitam o show tem que ser conquistado antes e depois, para você sobreviver o tempo.

17) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira?

Sacha Arcanjo: A internet ajuda muito, mas as dificuldades são as mesmas. Quem tem mais nome, mais fama, ocupa todos os espaços e ficam só as brechas para o artista desconhecido.

18) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso à tecnologia de gravação (home estúdio)?

Sacha Arcanjo: No meu caso é só desvantagem, porque eu não domino a tecnologia, e tenho pouca amizade disponível quem tem home estúdio. Então uso raramente home estúdio.

19) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo. Mas, a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que você faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

Sacha Arcanjo: Como o nosso nicho de mercado musical é pequeno, é necessário abrir caminho para os demais parceiros para que haja um intercâmbio, uma troca. Uma ocupação desse nicho pelo mesmo agrupamento e que se crie de fato uma constante movimentação dessa arte e seu público.

20) RM: Como você analisa o cenário musical brasileiro. Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas duas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Sacha Arcanjo: É, uma situação difícil de eu analisar, pois eu não sou esse ouvinte todo. Não ligo muito para isso. Vejo que tem muita gente por aí tocando no rádio e na internet, mas eu não sou fã ou observador. Até porque não me preocupo com isso. Na MPB que presencio mais, não sei de ninguém que surgiu na última década. Ouvi Seu Jorge, o grupo de reggae Maskavo.

21) RM: Quais os músicos já conhecidos do público que você tem como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

Sacha Arcanjo:Toquinho, João Bosco, Geraldo Azevedo, Elomar, Chico César, Nando Reis, Zé Geraldo, etc.

22) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical (falta de condição técnica para show, brigas, gafes, show em ambiente ou público tosco, cantar e não receber, ser cantado etc)?

Sacha Arcanjo: As gafes/falha técnica do som sempre foi uma constante nos espaços de minha circulação, mas chega em um lugar pela primeira vez, sempre há uma gafe. Pouca gente para assistir ao show é a mais comum.

23) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Sacha Arcanjo: O que me deixa mais feliz são os elogios sinceros, e o que me deixa mais triste, é quando não há retorno do público.

24) RM: Existe o Dom musical? Como você define o Dom musical?

Sacha Arcanjo: Acredito que sim, e que todo mundo tem. Alguns desenvolvem mais que outros e se profissionalizam, outros não.

25) RM: Qual é o seu conceito de Improvisação Musical?

Sacha Arcanjo: Tema livre; como no Samba, no Repente, na Embolada e no Jazz.

26) RM: Existe improvisação musical de fato, ou é algo estudado antes e aplicado depois?

Sacha Arcanjo: Existe sim. As duas formas. Improviso simples ou elaborado.

27) RM: Quais os prós e contras dos métodos sobre Improvisação musical?

Sacha Arcanjo: Dois músicos de bom senso ou dois cantadores, podem provocar um ao outro e acontecer uma coisa boa ou não.

28) RM: Quais os prós e contras dos métodos sobre o Estudo de Harmonia musical?

Sacha Arcanjo: Os pros, é que você terá um ganho fenomenal com o tempo. Os contras é que se faz necessário disciplina e cuidado.

29) RM: Você acredita que sem o pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

Sacha Arcanjo: Não acredito.

30) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Sacha Arcanjo: Eu digo: Vá com fé e saiba que a sorte é tua, a dimensão dela é do acaso.

31) RM: Quais os prós e contras do Festival de Música?

Sacha Arcanjo: Num Festival de Música, ganhar é prol e perder é o contra.

32) RM: Hoje os Festivais de Música revelam novos talentos?

Sacha Arcanjo: Sim. Um Festival de Música é sempre uma vitrine. Ali pode ser um bom começo e um bom teste.

33) RM: Como você analisa a cobertura feita pela grande mídia da cena musical brasileira?

Sacha Arcanjo: Sempre achei injusta a cobertura feita pela grande mídia. A grande mídia não se interessa por música que propõe mudanças.

34) RM: Qual a sua opinião sobre o espaço aberto pelo SESC, SESI e Itaú Cultural para cena musical?

Sacha Arcanjo: Tenho uma certa descrença com os espaços SESC, SESI e Itaú Cultural. Os programadores desses espaços são muito críticos e elitistas. Não ligam para o nosso nicho musical.

35) RM: O circuito de Bar na cidade que você mora ainda é uma boa opção de trabalho para os músicos?

Sacha Arcanjo: Os Bares em São Paulo são uma fonte de renda para os músicos e alimentam a nossa cultura no formato Voz e Violão, da dupla, do trio. Ainda é uma forma justa de sobrevivência do músico.

36) RM: Fale de sua atuação cultural no bairro de São Miguel Paulista.

Sacha Arcanjo: A minha atuação cultural no bairro de São Miguel Paulista, passou de quarenta anos de atuação, promoção, produção, intercâmbio e coordenação oficial. Fui contemplado em 2009, com a hora ao mérito como Pioneiro da Cultura, título cedido pela comissão das Festividades de São Miguel Paulista.

37) RM: Fale de sua atuação cultural na Oficina Luiz Gonzaga.

Sacha Arcanjo: Coordenei a Oficina, durante dezessete anos (11 de fevereiro de 1998 até 05 de abril 2015). Ali, além da programação oficial da Secretaria, eu aprovei inúmeros projetos, tais como: Sexta Sim-Canto do compositor, Encontro de bandas de Rock, Noite de Arte e Expressão, o Sarau do Gonzagão.

38) RM: Quais os artistas genuinamente de São Miguel Paulista? Fale do Movimento Popular de São Miguel Paulista.

Sacha Arcanjo: Falar artista genuinamente do bairro é complicado, pois os artistas são todos descendentes de pais migrantes ou imigrantes. Então, o Movimento Popular de São Miguel Paulista nasceu de um encontro de artistas, profissionais liberais e dois pesquisadores do Departamento de Patrimônio Histórico da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo. Ali nasceu o MPA – Movimento Popular de Arte, com o lema: Pelo lazer e pela cultura em 1978.

39) RM: O que falta para a Zona Leste ter a mesma agitação e força cultural que uma Vila Madalena?

Sacha Arcanjo: Não sei, acho que são bairros distintos.

40) RM: Quais os prós e contras dos CEUs e Oficinas Culturais em São Paulo?

Sacha Arcanjo: Suas funções são diferentes. Os C.E.UOs Centros Educacionais Unificados, são voltados para a educação básica, com intervenções culturais e esportivas e as Oficinas Culturais de São Paulo tem como finalidade a formação cultural.

41) RM: Quais os prós e contras da popularização dos Saraus em São Paulo?

Sacha Arcanjo: Acredito que os Saraus cumprem um papel fundamental para a arte e a cultura dos desabrigados da grande mídia. Gosto e penso que pode ser que fiquem por muito tempo.

42) RM: Apresente seu parceiro musical Raberuan.

Sacha Arcanjo:Sebastião Roberto da Silva, codinome Raberuan, foi poeta, cantor e compositor. Filho de pais mineiros, Raberuan nasceu em 30 de outubro de 1953, no bairro de Ermelino Matarazzo, zona leste da capital. Em 2006 gravou algumas dessas músicas no CD – “Tião”, link do álbum (https://www.youtube.com/watch?v=hKatNyZlwiM), único realizado em vida, que teve produção de Akira Yamasaki. Tião para os íntimos, era um artista do povo e gostava de estar com o povo, adorava crianças e velhos e sempre que podia, estava interagindo com o novo. Em 2009 foi criador e realizador também, com Gilberto Braz, Cléston Teixeira,e Akira Yamasaki, do Projeto Cultural “Integrações e Rupturas” que ocupou os CEU’s. Em 2005 idealizou com Akira Yamasaki e Sueli Kimura, o Projeto Memória Musical em São Miguel, que busca resgatar e registrar as obras musicais dos poetas e compositores da região de São Miguel Paulista e adjacências. Desde então esse projeto já efetuou em CD o registro das seguintes obras: “TIÃO”, de Raberuan, em 2007; “SACHA, 60”, de Sacha Arcanjo, em 2009; “PRA MIM”, de Osnofa, em 2010; “Ouvindo o coração”, de Gildo Passos. Ainda com muitas ideias e projetos artísticos e culturais na cabeça, Raberuan foi surpreendido pela morte e teve os seus sonhos interrompidos aos 58 anos de idade, no dia 18.11.2011. Para saber mais acesse o link: http://oquedizemosumbigos.blogspot.com/2012/04/homenagem-ao-poeta-cantor-e-compositor.html#:~:text=Sebasti%C3%A3o%20Roberto%20da%20Silva%2C%20codinome,Matarazzo%2C%20zona%20leste%20da%20capital.&text=Viveu%20a%20vida%20inteira%20com,inventando%20versos%20e%20fazendo%20can%C3%A7%C3%B5es.

43) RM: Quais os seus projetos futuros?

Sacha Arcanjo: Não tenho projetos futuros. Já estou no meu futuro.

44) RM: Sacha Arcanjo, Quais seus contatos para show e para os fãs?

Sacha Arcanjo: (11) 99232 – 8645 | [email protected] | https://web.facebook.com/sacha.arcanjo.1 | https://web.facebook.com/Sacha-70-104687764471044

Canal: https://www.youtube.com/channel/UCk6mLhLpRlCyn3ns72ZX7xg

“Chão Americano” (Sacha e Raberuan) – Clipe: https://www.youtube.com/watch?v=yJ4g-mv-VXk

Sacha & Raberuan – O Lavrador (videoclipe): https://www.youtube.com/watch?v=4jQpJ7lgsj8

Sacha Arcanjo e Raberuan – O Lavrador: https://www.youtube.com/watch?v=RC8nABRePkE

Raberuan – “No Quintal do Sacha” (Clipe oficial): https://www.youtube.com/watch?v=WGS4X5W-6Dw

Sacha Arcanjo – “Feito Bicho” (Álbum Completo): https://www.youtube.com/watch?v=zGcic7OghbU

Playlist de álbuns dos artistas do MPA – Movimento Popular de Arte: https://www.youtube.com/playlist?list=PLTlDRZTdMRYbGXGecGs1VrZQFN8blljel

MPA MOVIMENTO POPULAR DE ARTE – SACHA ARCANJO CO-FUNDADOR: https://www.youtube.com/watch?v=5Kr0Id0p7wo

Sarau da Casa Amarela – Especial no ECLA – Raberuan e Sacha Arcanjo – A ultima fome: https://www.youtube.com/watch?v=wP2ebcIA7lA

Revista da Câmara | Sacha Arcanjo: https://www.youtube.com/watch?v=nEMdZOPSy60

Sacha Arcanjo – Um Fantoche – Live em 26 de julho de 2020: https://www.youtube.com/watch?v=Aso8ubM1xNc

Sacha Arcanjo – Viva o Arraiá em 21 de junho de 2020: https://www.youtube.com/watch?v=sNNYiie-qdk

Sacha Arcanjo Live – 19 de Abril de 2020: https://www.youtube.com/watch?v=0t-tdBjDsHs

 


00voto
Avaliar Entrevista
Subscribe
Notify of
Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor responsável pela revista digital RitmoMelodia desde 2001, jornalista, músico, poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, propaga a diversidade musical brasileira através de entrevistas e artigos. Jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB (1996 a 2000) que lançou um livro de poesia em 1998 e seus poemas ganharam melodias gravadas em três álbuns concluindo a trilogia "reggae baseado em poesia" no seu projeto musical Reggaebelde. Unindo a sensibilidade do poeta, músico com o senso crítico do jornalista e pesquisador musical colocado em prática em uma revista que Canta o Brasil.