Ricardo Madeira

Ricardo Madeira

O cantor, compositor carioca Ricardo Madeira, morador do subúrbio do Rio de Janeiro. O menino que nos tempos de escola, tentava escrever RAP no auge do FUNK carioca, entre 1994 e 1996 e sonhava em ser jogador de futebol.

Retorna ao mundo da composição, através do Samba, com uma boa tentativa de escrever sua história e viver de música. Quando jovem, escrevia RAP e analisando nos dias de hoje, parceira mais um hobby. Pois, nunca teve a pretensão de canta-los em festivais de música. Ele queria ser jogador de futebol. Era seu sonho. No futebol, passou por clubes amadores e não se profissionalizou e idade chegou e foi trabalhar. Com sua família sempre dando força e com seus irmãos mais velhos, sempre ouvindo samba. Aliás, as festas de sua família, eram regadas a samba e faziam as suas batucadas, ao som de Jorge Aragão, Zeca Pagodinho, Beth Carvalho, Fundo de Quintal, Arlindo Cruz, entre outros como referência.

Nos primeiros meses de 2017, se juntou com um irmão, no intuito de fazer uma feijoada em homenagem a São Jorge, como devotos que são e saíram à caça de um grupo para fazer uma Roda de Samba. Seu irmão o leva ao encontro de um grande compositor, da Ilha do Governador, chamado Kinho PQD. Lá o grande mestre Kinho PQD começa a fazer seu merchandising, para que pudessem contrata-lo e apresenta alguns sambas autorais. É aí que Ricardo Madeira, pensa: “Isso eu sei fazer”! Com base na referência musical de Jorge Aragão, Zeca Pagodinho, Reinaldo, Arlindo Cruz, Fundo de Quintal, Beth Carvalho. Além de ouvir outras vertentes da nossa música como: Cazuza, Lulu Santos, Marisa Monte, Titãs e etc. Ele retornou ao mundo das composições e interpretar as músicas: “Pedido ao Senhor”, “Meu Intercessor”, “Renova meu fogo”, entre outras. A parte de interpretação tem grande impulsionamento através do Projeto Na Voz do Compositor.

Hoje em dia as divulgações das suas músicas autorais, são feitas através das redes sociais, Facebook, Instagram e YouTube. No YouTube está participou do FESTNET, um festival de música pela internet, promovido pela TVFESTNET. “Astro rei”, a sua música de trabalho no momento, concorreu com outras.

Segue abaixo entrevista exclusiva com Ricardo Madeira para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistado por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 09.07.2021:

Índice

01) Ritmo Melodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?
Ricardo Madeira: Nasci no dia 09.07.1979 no Rio de Janeiro. Registrado como Ricardo Pinheiro Chaves.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

Ricardo Madeira: Meu primeiro contato com música foi no auge do FUNK carioca, entre 1994 e 1996. Ainda na escola, cursando ensino fundamental, comecei a escrever RAP. Porém, sem a pretensão de apresentá-los ou cantá-los. Eu os via como um hobby, pois, meu sonho, na época, era ser jogador de futebol.

03) RM: Qual sua formação musical e\ou acadêmica fora da área musical?

Ricardo Madeira: Eu estudo técnica vocal e música em geral com aulas de canto, características da composição e Aulas de música em geral. Sou Técnico em Contabilidade. Mas, não exerço a profissão. Atuo na área de comércio exterior.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

Ricardo Madeira: Minha influência musical é diversificada. Curto o Pop Rock nacional de Lulu Santos, Cazuza, Titãs, Cássia Eller. MPB com Caetano Veloso, Gilberto Gil, Gal Costa, Chico Buarque, Maria Bethânia, Marisa Monte. Samba me identifico com Jorge Aragão, Zeca Pagodinho, Arlindo Cruz, Sombrinha, Beth Carvalho, Reinaldo, Fundo de Quintal, Candeia, Martinho da Vila, Leci Brandão, Almir Guineto, entre outros. Acredito que todos esses citados, influenciam meu passado e presente por serem atuais com seu legado.
Na atualidade, vejo nomes do Sertanejo, da MPB, Samba e Pagode com bons olhos e também influenciam minha carreira. Já o FUNK carioca, que foi minha primeira experiência musical, ficou de lado ao passar dos anos.

05) RM: Quando, como e onde você começou sua carreira musical?

Ricardo Madeira: Ainda não tive uma experiência profissional. Porém, as apresentações nos projetos de Sambas autorais têm me dado certa bagagem, na luta por reconhecimento na música.

06) RM: Quantos CDs lançados?

Ricardo Madeira: Estamos idealizando o projeto do primeiro CD autoral, com previsão de lançamento em 2021. Que será com Samba e Pagode. Músicas que falam de amor, de religiosidade e de relacionamento. Minhas músicas que tem boa visibilidade nas redes sociais são: “Meu intercessor”, “Pedido ao Senhor”, “Desfaz meu tormento”, “Renova meu fogo”, “Dias de paz”, “Insaciavelmente”.

07) RM: Como você define seu estilo musical?

Ricardo Madeira: Uma mistura de Samba de raiz com Pagode. É uma vertente mais “melosa” do Samba.

08) RM: Você estudou técnica vocal?

Ricardo Madeira: Eu estudo técnica vocal.

09) RM: Qual a importância do estudo de técnica vocal e cuidado com a voz?

Ricardo Madeira: É de suma importância, para que se tenha bom desempenho em apresentações e gravações. Isso em conjunto com a confiança, equilíbrio e concentração.

10) RM: Quais as cantoras (es) que você admira?

Ricardo Madeira: Jorge Aragão, Jorge Vercillo, Marisa Monte, Lulu Santos, Maria Bethânia, entre outros.

11) RM: Como é seu processo de compor?

Ricardo Madeira: Penso num tema do cotidiano, crio um verso, depois a melodia e assim sigo o processo de composição de minhas músicas.

12) RM: Quais são seus principais parceiros de composição?

Ricardo Madeira: Como participante ativo do Projeto Na Voz do Compositor, tenho como grandes parceiros o compositor Duda Partideiro, o compositor e produtor Leandro B e o compositor Karin Willians. Além de parceiros, são grandes amigos.

13) RM: Quem já gravou as suas músicas?

Ricardo Madeira: Até o momento ninguém famoso gravou minhas músicas. Coloquei na cabeça para eu não me frustrar com a não gravação de minhas músicas por artistas consagrados. Eu iria aprender a cantá-las, buscar reconhecimento e tentar viver de música.

14) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Ricardo Madeira: Dar vida ao que eu escrevo em forma de música, interpretá-las a meu gosto é muito prazeroso. Já a grande dificuldade é obter reconhecimento e ter oportunidades na grande mídia ou que grandes cantores escutem compositores anônimos, faz com que muitos desistam de seus ideais, quando não se tem foco no que se deseja.

15) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira dentro e fora do palco?

Ricardo Madeira: Ter boa interação com o público, ter boas músicas para divulgar nas redes sociais, ter um repertório diversificado, estudar música, escrever sem parar, respirar música.

16) RM: Quais as ações empreendedoras que você prática para desenvolver a sua carreira?

Ricardo Madeira: Invisto em meu estudo de música, gravações em estúdio, promoção de vídeos nas redes sociais, live autoral, apresentações em live como convidado e gravações produzidas nos projetos de música autoral.

17) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira?

Ricardo Madeira: A internet ajuda nas divulgações dos trabalhos, funciona com um termômetro quanto a questão do gosto do público pelos trabalhos. Ajuda na relação com o público e fãs. O outro lado da moeda vem com as críticas maldosas de leigos e seus ataques, aos que estão galgando um lugar ao Sol.

18) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso à tecnologia de gravação (home estúdio)?

Ricardo Madeira: Ter um trabalho de qualidade e bem elaborado em home estúdio faz certa diferença o cuidado com a obra. Já a falta de experiência com o palco, com a batida dos instrumentos ao vivo pode prejudicar o artista independente na transição, home estúdio para o show.

19) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo. Mas, a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que você faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

Ricardo Madeira: Tento sair do que é consagrado corriqueiro e busco diferenciar os trabalhos, sem utilizar os clichês do cotidiano.

20) RM: Como você analisa o cenário do Samba. Em sua opinião quais foram as revelações musicais nas últimas décadas e quais permaneceram com obras consistentes e quais regrediram?

Ricardo Madeira: Vejo o samba com grande força nas regiões Sul e Sudeste, com grandes nomes como: Xande de Pilares, Ferrugem, Mumuzinho, Péricles, Thiaguinho, Belo, Tiee, fazendo sucesso nas últimas décadas. Os grupos de Samba e Pagode foram os que deram uma estagnada nas suas carreiras.

21) RM: Quais os músicos já conhecidos do público que você tem como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

Ricardo Madeira: Tem meu respeito Baden Powell, João Donato, Carlinhos Brown, Macelinho Moreira, Dirceu Leite, entre outros.

22) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical (falta de condição técnica para show, brigas, gafes, show em ambiente ou público tosco, cantar e não receber, ser cantado etc)?

Ricardo Madeira: Ficar nervoso perante o público e demorar a entrar no começo da música. Falar nome errado, do grupo que estava tocando ao ser convidado para apresentação.

23) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Ricardo Madeira: Fico feliz com as oportunidades dadas como músicas sendo tocadas por web rádios e rádios FM, convites para entrevistas e apresentações.
A dificuldade em não poder se dedicar ao extremo à música, ter “pouco retorno”, às vezes dá uma desanimada.

24) RM: Existe o Dom musical? Como você define o Dom musical?

Ricardo Madeira: Sim existe, com certeza. Defino com habilidade natural para o desenvolvimento da música como um todo. Facilidade cantar, de aprender tocar instrumentos, ter boa percepção musical.

25) RM: Qual é o seu conceito de Improvisação Musical?

Ricardo Madeira: Simples, inventar na hora. Compor e registrar no mesmo ato.

26) RM: Existe improvisação musical de fato, ou é algo estudado antes e aplicado depois?

Ricardo Madeira: Sim, existe. Os bambas no samba e os repentistas fazem isso com muita maestria. É algo que pode ser aprimorado.

27) RM: Quais os prós e contras dos métodos sobre Improvisação musical?

Ricardo Madeira: Improvisar com algo que caia no gosto do público é maravilhoso. Já quando isso não acontece traz certo constrangimento ao artista.

28) RM: Quais os prós e contras dos métodos sobre o Estudo de Harmonia musical?

Ricardo Madeira: Saber dar base e o tempo a sua melodia é de suma importância às composições. No entanto, o efeito de cada nota em relação com outras pode gerar dificuldade na construção da composição. Caso não se tenha isso bem esclarecido.

29) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Ricardo Madeira: Que estude, se dedique, que escreva, que cante, que cuide da sua obra, que respire música.

30) RM: Quais os prós e contras do Festival de Música?

Ricardo Madeira: O festival de música é uma grande oportunidade para mostrar as músicas e adquirir experiência. Mas pode ser uma querma de cartucho, se for feita uma escolha de repertório equivocada, pode esbarrar na falta de popularidade ou num dia não muito favorável e ocasionar erros.

31) RM: Na sua opinião, hoje os Festivais de Música ainda é relevante para revelar novos talentos?

Ricardo Madeira: Sim, os festivais de música são relevantes e boas iniciativas. Porém, deve-se estar preparado para a ocasião.

32) RM: Como você analisa a cobertura feita pela grande mídia da cena musical brasileira?

Ricardo Madeira: A grande mídia só tem olhos para o que lhe dá audiência e retorno. Ela não aposta no novo, inédito e anônimo. Se não é reconhecido como tal, não tem visibilidade na grande mídia.

33) RM: Qual a sua opinião sobre o espaço aberto pelo SESC, SESI e Itaú Cultural para cena musical?

Ricardo Madeira: Todos os espaços abertos em prol da música, para dar visibilidade há quem quer galgar um espaço nesse nicho é importante para que não se desista dos sonhos.

34) RM: O circuito de Bar na cidade que você mora ainda é uma boa opção de trabalho para os músicos?

Ricardo Madeira: Hoje não muito, por conta da pandemia do covid-19. Mas, ter um local fixo para tocar e mostrar o trabalho, é de grande valia para quem almeja viver de música.

35) RM: Ricardo Madeira, Quais os seus projetos futuros?

Ricardo Madeira: Lançar meu primeiro CD, EP, autoral. Gravar clipes para apresentação nas mídias e plataformas digitais. Ter músicas no gosto e na boca do público. Ter reconhecimento. Despontar como uma revelação e viver de música.

36) RM: Quais seus contatos para show e para os fãs?

Ricardo Madeira: (21) 9641 – 42468 | [email protected] | www.ricardomadeira.com.br

|https://web.facebook.com/ricardo.madeira.5011

|https://web.facebook.com/watch/compositorricardomadeiraoficial.com.br

|https://www.instagram.com/ricardomadeira0108oficial

Canal: https://youtube.com/channel/UCw5RubWKsKLB5YFKlnMywjg

Ricardo Madeira – Dvd – #2021 – Completo: https://www.youtube.com/watch?v=5u-41hOtIfQ

Compositor Ricardo Madeira bate papo com o DJ MR, da Rádio Top Samba: https://www.youtube.com/watch?v=wanPyO2b0R8


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tagged

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor responsável pela revista digital RitmoMelodia desde 2001, jornalista, músico, poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, propaga a diversidade musical brasileira através de entrevistas e artigos. Jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB (1996 a 2000) que lançou um livro de poesia em 1998 e seus poemas ganharam melodias gravadas em três álbuns concluindo a trilogia "reggae baseado em poesia" no seu projeto musical Reggaebelde. Unindo a sensibilidade do poeta, músico com o senso crítico do jornalista e pesquisador musical colocado em prática em uma revista que Canta o Brasil.