More Projeto Caleidoscópio »"/>More Projeto Caleidoscópio »" />
Uma Revista criada em 2001
pelo jornalista, músico e poeta paraibano
Antonio Carlos da Fonseca Barbosa.

Projeto Caleidoscópio


“Valsa do Mar” é uma canção que chega como um carinho de marola nos seus pés na beira do mar, que aos poucos vai te envolvendo e, conforme a música vai sendo apresentada, o ouvinte vai se sentindo dentro deste cenário. É uma letra cinematográfica e performática vocalmente. Analu Paredes & Arthur Nogueira, mentores do Projeto Caleidoscópio, se misturam com Ney Matogrosso fazendo um vocal de arrepiar.

Depois do Projeto presentear seus fãs com lindas participações como as de: Gilberto Gil, Kleiton e kledir, Jane Duboc, Jay Vaquer, Marcus Viana, Ricardo Feghali (Roupa Nova), Alberto Rosenblit, chega com o novo single que soa como um diamante para os ouvidos. Participando desta canção como instrumentista temos o violoncelista mais requisitado da MPB, Jacques Morelenbaun, reforçando uma melancolia de tirar o fôlego com a assinatura de seu Cello.

“Valsa do Mar” faz parte do terceiro álbum “Luz e Sombra” do Projeto Caleidoscópio, pertencente ao casal de músicos cariocas, que trazem no seu som influência de MPB, Pop, progressivo, Jazz, Fusion. O álbum traz 11 singles e será lançado ainda em 2022 na íntegra em todas as plataformas digitais, além de fisicamente em CD e vinil.

O Projeto trará também clipes com as participações dos músicos e convidados. Quem assina a arte do projeto é o designer gráfico Gabriel Paredes Sochaczewski que também é o fotógrafo deste single.

O mote do Projeto são músicas autorais, instrumentistas de renome e convidados importantes que se misturam com Analu Paredes & Arthur Nogueira formando imagens sonoras em cada faixa e criando um lindo Caleidoscópio musical.

Dos outros álbuns (“O Sete” e “Carrossel”) já participaram Guilherme Arantes, Hermeto Pascoal, Egberto Gismonti, Toninho Horta, Flávio Venturini. O primeiro álbum – “O Sete” foi prefaciado pela cantora inglesa Annie Haslam da antológica banda Renaissance.

Faltando ainda o lançamento dos dois últimos singles para concluir o álbum “Luz e Sombra”, o projeto já está em estúdio gravando o próximo e quarto álbum também cheio de novidades e participações.

O Projeto Caleidoscópio está tocando em aproximadamente 50 rádios espalhadas pelo mundo. Existe desde de 2000, ficaram um tempo sem gravar, mas trazem na bagagem muitas conquistas, como a abertura do show da lendária banda holandesa Focus na casa de espetáculo Canecão com lotação máxima.

“Valsa do Mar” é uma composição é de Analu Paredes, Arthur Nogueira, João Vazquez. Participaram: Analu Paredes: Voz e violão; Arthur Nogueira: Vocal e arranjo; Ney Matogrosso como Performer; Jorge Helder (que toca com Chico Buarque): contrabaixo acústico; Paulo Calasans (que toca com Djavan): Piano; Camila Paredes: Vocais de apoio.

Segue abaixo entrevista exclusiva com Projeto Caleidoscópio para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistados por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 10.08.2022:

01) Ritmo Melodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

Projeto Caleidoscópio: Analu Paredes (Ana Lúcia Pereira Paredes Nunes), nasceu no dia 26/09/1965, no Rio de Janeiro – RJ. Arthur Nogueira (Arthur Leonardo Nogueira Nunes), nasceu no dia 29/10/1966 no Rio de Janeiro – RJ.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

Projeto Caleidoscópio: Analu: comecei a estudar flauta doce aos 4 anos de idade, aos 8 anos um pouco de Piano. E aos 11 anos (1976), iniciei meus estudos de Violão e Harmonia Funcional com o saudoso professor e produtor musical Almir Chediak com quem fiz a minha primeira música aos 13 anos e que está publicada no livro de Harmonia Funcional vol. 2 com vários expoentes da MPB. Temos algumas músicas em parceria que nunca gravei.

Arthur: vivi em um ambiente cercado por amantes da música. Ela estava presente o tempo todo na minha casa através dos vinis de meu pai e de meus irmãos mais velhos do que eu desde que nasci. Aos 17 anos iniciei os meus estudos mais seriamente no violão.

03) RM: Qual sua formação musical e/ou acadêmica fora da área musical?

Projeto Caleidoscópio: Analu: fiz bacharelado em Canto e dezenas de cursos que iam desde canto gregoriano, passando por ópera até música popular. Sou professora de canto há mais 30 anos. Sou também fonoaudióloga com especialização em voz e fono-hospitalar. Sou psicossomatista junguiana com formação e especialização. Trabalho também preparando a voz de vários artistas e pessoas que estão iniciando. Tenho curso técnico também em produção musical.

Arthur: Iniciei seriamente os estudos na música aos 17 anos de idade no violão clássico. Aos 21 anos (1987), ingressei no bacharelado em Música na UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro e me formei em 1992.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

Projeto Caleidoscópio: Analu: minhas maiores influências foram e são: Clube da Esquina, Egberto Gismonti, Rita Lee, Guilherme Arantes, Jane Duboc, Renaissance e grupos vocais como Boca Livre, Céu da Boca, Swingle Singers, Manhattan Transfer e como poetisa e letrista do projeto bebi da fonte de Vinícius de Moraes, Aldir Blanc, Chico Buarque, Ronaldo Bastos, Geraldo Carneiro, Vitor Martins, Carlos Drummond de Andrade e outros maravilhosos.

Arthur: fiz escola No Progressivo e na música clássica. Fui e sou apaixonado por bandas como Marillion, Supertramp, Pink Floyd, Yes, Emerson Lake & Palmer. Amo também Bach, Dvorjak, Debussy, Mahler, Villa Lobos e Rackmaninnof. Sempre nutri admiração por grandes cantoras como Elis Regina, Jane Duboc, Barbra Streisend, Annie Haslam, Karen Carpenter.

05) RM: Quando, como e onde você começou sua carreira musical?

Projeto Caleidoscópio: Analu: subi no palco pela primeira vez nos recitais do Almir Chediak muitas vezes com o querido Antônio Adolfo. Aos 17 anos (1982), acompanhada do meu violão, comecei a tocar em bares na noite carioca o que na década de 80 era um programa muito apreciado.

Arthur: atuei inúmeras vezes na banda de Rock Progressivo “Topos Uranos” na qual era guitarrista, vocalista e fundador. No campo da música clássica toquei intensamente em duos, trios e quartetos de câmera em várias salas de concerto pelo país.

06) RM: Quantos CDs lançados?

Projeto Caleidoscópio: O Projeto Caleidoscópio lançou três álbuns: “O Sete” (1999), o álbum foi prefaciado pela cantora inglesa Annie Haslam da banda Renaissance, a qual posteriormente eu produzi o seu show com a banda de Marcus Viana, Sagrado Coração da Terra. Marcus Viana prefaciou também este álbum. Participação especial de Toninho Horta.

“Carrossel” (2002), no álbum participaram: Guilherme Arantes, Flávio Venturini, Egberto Gismonti, Hermeto Pascoal, Jane Duboc, Marcus Viana. Fui produtora da reunião da banda O Terço com formação clássica: Flávio Venturini, Sérgio Magrão, Sérgio Hinds, Sérgio Melo (substituindo Moreno, o baterista original que faleceu). O Projeto Caleidoscópio abriu o primeiro show da banda Focus no Brasil na casa de show Canecão com lotação máxima quando lançamos esse segundo álbum.

“Luz e Sombra” (2022), traz seu som influência de MPB, Pop, progressivo, Jazz, Fusion. O álbum traz 11 singles e será lançado ainda em 2022 na íntegra em todas as plataformas digitais, além de fisicamente em CD e vinil.

07) RM: Como você define seu estilo musical?

Projeto Caleidoscópio: Arthur: basicamente posso dizer que sou fruto das mais diversas influências. Venho de uma família que era plural no seu gosto musical. Uns apreciavam a música erudita, outros rock, MPB, música vocal, etc… Nas minhas composições, eu expresso tudo isso com um molho no progressivo e na música mineira.

Analu: como compositora misturo as minhas mais fortes influências que são: MPB, Pop, Bossa Nova e Progressivo.

08) RM: Você estudou técnica vocal?

Projeto Caleidoscópio: Analu: como desde cedo comecei a cantar em festivais de música, rodinhas de violão, Barzinhos e recitais, busquei logo o estudo do canto desde os 15 anos de idade (1980), começando pela ópera no Conservatório Brasileiro de música e posteriormente também na Faculdade com Maria Helena Bezz, Alfredo Colósimo, Judith Imbassahy. Estudei também música renascentista e barroca com Heloisa Madeira, Helder Parente. Tive aulas de técnica vocal com Vera do Canto e Melo, e mais um monte de feras. E continuo estudando sempre que posso!

09) RM: Qual a importância do estudo de técnica vocal e cuidado com a voz?

Projeto Caleidoscópio: Analu: não somente como cantora, mas como fonoaudióloga especialista em voz, digo que a voz é o instrumento mais complexo e delicado de todos. A voz sofre interferências do meio ambiente, psicoemocionais, metabólicas e fisiológicas. O cantor tem que parar de colocar a “voz” fora dele e saber que os cuidados com a sua saúde, exercícios semanais e acompanhamento com profissionais competentes fazem toda a diferença. É como praticar arpejos, escalas no violão e também levá-lo ao luthier quando ele está com problemas. Dar atenção e não achar que isso é piegas. Ou seja, ter um bom profissional que o acompanhe nos treinos e na atenção da sua saúde vocal.

10) RM: Como é seu processo de compor?

Projeto Caleidoscópio: Analu: gosto muito de levar ideias melódicas com alguma harmonia para que o Arthur Nogueira as complemente e incremente com o seu toque maravilhoso de arranjador. Muitas vezes, a música nasce desorganizada e ele consegue entender exatamente o que eu quero. Sobre as letras que escrevo para o projeto, sempre as faço após a melodia estar totalmente pronta. Não gosto de colocar melodia em cima de letras já prontas embora eu tenha centenas de poesias espalhadas no meu armário e no meu computador que estou organizando para o livro que lançarei em breve.

Arthur: inicialmente me recolho ao meu silêncio interior, faço uma imersão em coisas que me inspiram e me colocam fluente no meu estado criativo como escutar Bach e Marillion. Depois faço alguns laboratórios experimentando timbres e sonoridades que acabam me levando às ideias musicais.

11) RM: Quais são seus principais parceiros de composição?

Projeto Caleidoscópio: O Projeto Caleidoscópio é sobretudo um trabalho autoral de Analu Paredes e de Arthur Nogueira. Neste álbum “Luz e Sombra” contamos com alguns parceiros, mas a estrutura principal gira em torno de nós. Deste álbum participou como letrista em uma canção Jane Duboc (“Quando o encontro é mais”), Camila Paredes como letrista em “Black Hole” e João Vazquez na música “Valsa do Mar”.

12) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Projeto Caleidoscópio: A melhor parte de ter uma carreira independente, é poder decidir sobre estilo, arranjo e todos os aspectos artísticos que envolvem a nossa obra. A parte ruim é ter que dar conta sozinhos de divulgação, assessoria de imprensa e tudo o que envolve uma produção musical além de ter que ultrapassar de forma criativa todos os inúmeros obstáculos que são impostos a nós artistas.

13) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira dentro e fora do palco?

Projeto Caleidoscópio: Estamos sempre criando estratégias de divulgação diferentes contatando rádios pelo mundo todo, pulverizando a nossas músicas pelas plataformas digitais além de fazer o trabalho de formiguinha do “Boca a Boca”. Em breve faremos o nosso show de lançamento e migraremos para o palco.

14) RM: Quais as ações empreendedoras que você pratica para desenvolver a sua carreira musical?

Projeto Caleidoscópio: Estamos sempre em contato com o maior número possível de profissionais do meio musical enviando-lhes as nossas músicas, releases, mantendo as nossas redes sociais abastecidas de informação além de nós fazermos presentes em shows e eventos de amigos e colegas incentivando-os e nos nutrindo de arte.

15) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira musical?

Projeto Caleidoscópio: A internet, por um lado é extremamente vantajoso, pois ela nos proporciona um grande barateamento de custos de produção e distribuição da nossa música pelo mundo (estamos em mais de 50 rádios pelo mundo). Por outro lado, a internet remunera de forma precária sobretudo uma grande produção como a nossa.

16) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso à tecnologia de gravação (home estúdio)?

Projeto Caleidoscópio: Gravamos 90% do álbum no Estúdio Oasis de nosso querido amigo Ricardo Feghali (Roupa Nova) que atuou como técnico, o que trouxe um resultado sonoro grandioso ao trabalho. Trabalhar em Home Studio requer muito cuidado e “know how”. As vozes do nosso álbum foram todas gravadas em nossa casa. Investimos bastante em equipamentos e cursos.

17) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo. Mas, a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que você faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

Projeto Caleidoscópio: A tecnologia democratizou muito o acesso às gravações que antes eram restritas aos ambientes internos das grandes gravadoras. Porém isso fez com que produções com pouca qualidade e conteúdo artístico alcançassem grande projeção. Não abrimos mão de um trabalho musicalmente bem construído e com excelência sonora.

18) RM: Como você analisa o cenário da Música Popular Brasileira. Em sua opinião quais foram as revelações musicais nas últimas décadas? Quais artistas permaneceram com obras consistentes e quais regrediram?

Projeto Caleidoscópio: A grande mídia sempre foi para poucos! Os grandes talentos continuam produzindo grandes obras por aí. Na cena independente sempre houveram excelentes artistas abastados de talento. Neste ponto as plataformas digitais ajudam muito. Como revelação nos identificamos muito com artistas como: Zé Ibarra, Dora Morelenbaum, Delia Fisher, Melim, Anavitória. Tiago Iorc, Liniker, Tim Bernardes. Gilberto Gil, Lenine, Milton Nascimento, Ney Matogrosso mantiveram consistência na sua obra.

19) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical (falta de condição técnica para show, brigas, gafes, show em ambiente ou público tosco, cantar e não receber, ser cantado etc)?

Projeto Caleidoscópio: Todas essas situações citadas na pergunta já aconteceram! Preferimos não entrar em detalhes (risos).

20) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Projeto Caleidoscópio: A maior felicidade é sem dúvida a realização dos projetos e a troca com os demais artistas durante as produções. O lado ruim é a instabilidade financeira da carreira.

21) RM: Existe o Dom musical? Como você define o Dom musical?

Projeto Caleidoscópio: O dom musical é algo que já trazemos dentro de nós e pode ser ou não desenvolvido. O estudo é fundamental para o seu desenvolvimento. Como professores acreditamos firmemente que quanto mais você souber mais livre será.

22) RM: Qual é o seu conceito de Improvisação Musical? Existe improvisação musical de fato, ou é algo estudado antes e aplicado depois? Quais os prós e contras dos métodos sobre Improvisação musical?

Projeto Caleidoscópio: Trabalhamos com músicos que dominam a técnica de improvisação, mas o projeto Caleidoscópio é pensado nos mínimos detalhes desde a sua pré-produção. Quando nos encontramos com os músicos já temos uma estrutura bastante definida de composição e arranjo (tudo escrito em partitura). Dito isso, quando eles pegam as obras para gravar, colocam as suas impressões pessoais dentro daquele projeto original. A ideia do Caleidoscópio está bastante estruturada neste conceito.

23) RM: Quais os prós e contras dos métodos sobre o Estudo de Harmonia musical?

Projeto Caleidoscópio: O estudo só soma ao artista, sobretudo no que diz respeito a harmonia, composição e arranjo.

24) RM: Você acredita que sem o pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

Projeto Caleidoscópio: Nunca tocamos em uma rádio grande por sermos independentes, mas sabemos que pagar o jabá é algo determinante, infelizmente. Porém em rádios pequenas e com programadores livres estamos tocando em mais de 50 em diversos países.

25) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Projeto Caleidoscópio: Primeiramente se certificar da qualidade do seu trabalho perguntando a pessoas que tenham experiência e competência reconhecida na música. O próximo passo é o planejamento onde deve constar metas, repertório, público alvo, estratégias de marketing, um bom produtor musical, etc…

26) RM: Festival de Música revela novos talentos?

Projeto Caleidoscópio: Festivais de música sempre foram ambientes catalizadores de talentos. É um espaço muito agradável para o público também. Poderiam haver mais deles.

27) RM: Como você analisa a cobertura feita pela grande mídia da cena musical brasileira?

Projeto Caleidoscópio: A cobertura feita pela grande mídia da cena musical brasileira é péssima! Como se só houvesse um grupo sociocultural no Brasil.

28) RM: Qual a sua opinião sobre o espaço aberto pelo SESC, SESI e Itaú Cultural para cena musical?

Projeto Caleidoscópio: São espaços bastante interessantes e com boa estrutura. Devemos sempre valorizar este tipo de iniciativa, pois o Brasil não é um país que proporciona muitas oportunidades para os seus artistas.

29) RM: Quem já gravou no Caleidoscópio como instrumentista tocando nossas músicas e arranjos:

Projeto Caleidoscópio: Roberto Silva, Neném (Esdras Ferreira), Mac Willian, Marco Suzano, Marcos Lobo, Delia Fischer, Fred Bertoli, Adriano Giffoni, Mauro Senise, Marcelo Martins, Itamar Assieri, Marcos Nimrichter, Kiko Continentino, Marcio Bahia, Paulo Calasans, Rogério Dy Castro, Thiago Feghali, Sérgio Melo, Jorge Helder, Francisco Falcon, Paulo Márcio, Paulo Renato Maciel, Yuri Popoff, Lena Horta, André Santos, dentre outros.

30) RM: Quais os seus projetos futuros?

Projeto Caleidoscópio: Já estamos gravando o próximo álbum do Projeto Caleidoscópio que virá logo após o lançamento do álbum como um todo nas plataformas digitais e em formato de CD e Vinil. Falta apernas 1 single para terminarmos de lançar o álbum “Luz e Sombra” (nosso terceiro álbum).

31) RM: Quais seus contatos para show e para os fãs?

Projeto Caleidoscópio: [email protected]

| [email protected]

| https://www.instagram.com/projeto_caleidoscopio

 

“Valsa do Mar” – Ney Matogrosso · Jaques Morelenbaum · Analu Paredes · Arthur Nogueira · João Vazquez: https://open.spotify.com/track/5Y7EWvHCROhGWYeDFDnpkC?si=DUY1SN-0S4uzcduo2D4dEw&utm_source=copy-link&nd=1

Canal: https://www.youtube.com/channel/UC_zhOHXwrP4kQL630qvwzTQ

“Valsa do Mar” – Ney Matogrosso · Jaques Morelenbaum · Analu Paredes · Arthur Nogueira · João Vazquez: https://www.youtube.com/watch?v=EUeTN9d9pAk

Projeto Caleidoscópio – O Amor – Feat Gilberto Gil: https://www.youtube.com/watch?v=vVMzjI-Dxvw

Playlist do álbum Luz e Sombra: https://www.youtube.com/watch?v=393C-NB3x3A&list=PLlHTx_GRjg2kibRwDhpW4njpnf-NbvNQi

Playlist do álbum Carrossel: https://www.youtube.com/watch?v=6WthChqvXGk&list=PLlHTx_GRjg2mliaUIP8PBUjgJvMV3kg_2

Playlist do álbum O Sete: https://www.youtube.com/watch?v=bu70-OlPdyE&list=PLlHTx_GRjg2nucQ51LpsZAIa8OpKT3-4A


Deixe um comentário

*

Uma Revista criada em 2001
pelo jornalista, músico e poeta paraibano
Antonio Carlos da Fonseca Barbosa.
Notícias por WhatsApp