More Péri »"/>More Péri »" />
Uma Revista criada em 2001
pelo jornalista, músico e poeta paraibano
Antonio Carlos da Fonseca Barbosa.

Péri

Péri
Péri

O cantor, compositor baiano Péri revive memórias e lança novo álbum autoral, o décimo de sua carreira, com músicas inéditas trazendo a maturidade e a contemporaneidade sempre presentes nas canções do artista.

Na sua introspecção artística, Péri encontrou no seu íntimo o momento certo de rever memórias e experiências, aparentemente esquecidas no passado, que guiaram sua infância e seu próprio tempo, para transformá-las em arte. Sua nova obra é fruto desse tempo e traz um caldeirão de emoções traduzidas em melodias que retratam o pensamento da infinitude do tempo. Cenário perfeito para contar histórias e lembranças em composições inéditas no seu décimo álbum – “EU E O TEMPO”, editado pelo Selo da Baticum Music.

No momento da pandemia do Covid-19 impresso em nossas vidas, o cantor e compositor esteve voltado para a poesia e fechou-se nos primeiros meses de 2020 retomando a obra que começou a rabiscar em 2019, quando deu início ao projeto “EU E O TEMPO”, mas que foi freada pela epifania que o inspirou a gravar o cancioneiro popular brasileiro numa versão minimalista, apenas voz e guitarra semiacústica, com músicas da fase praieira do conterrâneo Dorival Caymmi, que tanto influenciou sua visão de mundo e atitude como artista, em seu álbum anterior, “O Bem do Mar”, lançado em outubro de 2019.

“Sim, esse álbum de 10 a 12 canções inéditas estava programado para 2019, mas o de Caymmi ficou pronto e saiu antes. Com o advento da pandemia tudo mudou, mas o tema do tempo já estava nas canções e nas histórias que elas contavam. Foi do jeito que tinha que ser, no tempo certo”, comenta Péri, que fará o lançamento inicial de quatro músicas, sendo um single por mês, até a apresentação do conjunto da obra nos próximos cinco meses. O acesso será pelas plataformas digitais do Spotify, Deezer, Apple Music, YouTube Music, TIDAL e Amazon.

Segundo ele, o propósito anterior já estava marcado na perspectiva do tempo e da arte do sentido da vida, da condição e da existência humana, sentimentos que sempre afetaram Péri e o inquietaram profundamente, desde as aventuras improváveis de sua personalidade silenciosa em seu tempo de crescimento até as descobertas de sabores e religiosidade nos terreiros da Bahia de todos os santos, como na árvore do Tempo. Um reflexo da “tentativa de entender o encontro consigo mesmo, isolados, sem contato aberto, o que representamos para o mundo, o sentido de estarmos aqui nesse plano e nesse tempo. Reviver as memórias é o verdadeiro encontro, a cura para todos os males, e, ao fazê-lo, descobrimos a reinvenção da vida”, completa.

Péri revela que “o mundo virou, e também o tempo das coisas. Agora, temos tempo para tudo, e, isolados pelo vírus, podemos refletir sobre o estranho presente, relembrar do passado mais esquecido, sonhar novos sonhos para um futuro incerto. O tempo é árvore, de frutos, de sombras, de seivas e de raízes que percorrem a terra em busca de afeto, coragem, firmeza, e, na doce ilusão de sermos perpétuos, tentamos dominar o andar dos acontecimentos, mas tudo escapa. O tempo é senhor e senhora, o pai e a mãe do poder, o chão e o teto de tudo, o deus impávido do existir, apesar de nós e de nossa inquietude”.

No álbum “EU E O TEMPO”, o artista contará histórias e cantará lembranças que achava perdidas, revelando a maturidade e a contemporaneidade sempre presentes nos seus trabalhos, que nos traz, em canções, a realidade daquilo que todos estamos vivendo. “É um outro olhar para entender o que se guarda e se perde de uma manhã à outra manhã, é tentar entender o precioso de nós, é aprender com as perdas e celebrar o improvável”, explica.

As novas canções falam do tempo do amor, da saudade, das ilusões, das alegrias, esse universo de sentimentos que arrebatou muitos dos nossos artistas nesses tempos tão doídos. Sobre a relevância desse trabalho atual, Péri declara: “os artistas precisam traduzir o viver, aliviar a agonia dos corações e contar as histórias desse tempo para que o mundo não esqueça.”

Dessa forma, o cantor e compositor trás para todos nós não a tradução desses dias tão sombrios, mas uma obra que ilumina um caminho de esperança com sua música e poesia. “É uma tentativa de rever as memórias do que vivemos, entender as escolhas. Tivemos essa pausa obrigatória para encarar os fatos e os sentimentos de tudo o que vivemos. Desde as primeiras tenras lembranças até essa encruzilhada em que estamos agora. Não somos mais que o tempo, o tempo é tudo. Temos que fazer tudo da melhor maneira possível, ter paciência, e tratar bem nossos semelhantes, mesmo quando deles discordamos. O tempo é assim, leva, traz, começa, acaba, independe de nós, o tempo reina, nos cabe aprender”, ensina Péri.

Ao longo da sua trajetória, o artista já teve canções gravadas por Gal Costa, Margareth Meneses, Jussara Silveira, Ceumar, Eliana Printes, Bia Goes, Vania Abreu, Ione Papas, Carlos Navas, Zé Guilherme, Patricia Talen, Denise Melo, Vanderlei Carvalho, Adriana Dre, Diogo Ramos. Péri também ganhou destaque como finalista do Grammy Latino, do Prêmio TIM de Música Brasileira e do Troféu Caymmi.

Segue abaixo entrevista exclusiva com Péri para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistado por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 30.06.2021:

Índice

01) Ritmo Melodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

Péri: Nasci no dia 14.09.1965 em Salvador, Bahia. Fui registrado como mesmo nome do meu avô materno Periandro Cordeiro Nogueira.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

Péri: Foi vendo minhas duas irmãs mais velhas fazendo aula de violão com meu tio avô Amilton Ferreira.

03) RM: Qual sua formação musical e/ou acadêmica fora da área musical?

Péri: Cheguei a fazer o curso de História na Universidade Católica de Salvador – BA, mas não completei. Na música, sou autodidata.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

Péri: No passado e no presente: Dorival Caymmi, João Gilberto. Continuam para mim, sendo atuais.

05) RM: Quando, como e onde você começou sua carreira musical?

Péri: Em 1982 no Bar Cheiro de Mar em Salvador – BA. Eu era cantor de uma banda de MPB com uns amigos.

06) RM: Quantos CDs lançados?

Péri: Lancei em 1997 “A Cama e a TV”. Em 2001 “Morda Minha Língua”. Em 2003 “Ladainha”. Em 2005 “Samba Passarinho”. Em 2007 “2º Tempo”. Em 2009 “Vibe”. Em 2012 “2012”. Em 2016 “O Eterno Retorno”. Em 2019 “O Bem do Mar”. Em 2021 “Eu e o Tempo”.

07) RM: Como você define seu estilo musical?

Péri: Eu gosto muito de samba, do jeito que fazia João Gilberto. Se eu tiver que escolher um rótulo, vou ter que usar Música Popular Brasileira.

08) RM: Você estudou técnica vocal?

Péri: Não.

09) RM: Qual a importância do estudo de técnica vocal e cuidado com a voz?

Péri: Importantíssimo. Eu fui negligente nesse ponto. Aconselho que façam o estudo de técnica vocal!

10) RM: Como é seu processo de compor?

Péri: Normalmente letra e melodia nascem juntas.

11) RM: Quais são seus principais parceiros de composição?

Péri: Beto Pellegrino e Ariston.

12) RM: Quem já́ gravou as suas músicas?

Péri: Gal Costa, Ceumar, Margareth Menezes, Jussara Silveira, Diogo Ramos, Eliana Printes, Zé Guilherme, Patrícia Talen, Ione Papas, Vania Abreu, Vanderlei Carvalho, Bia Góes, Adraina Drê, Ricardo Chaves, Banda Pau D’Água, Banda A Zorra, Carlos Navas, Louise Lou, Maíra Baumgarten.

13) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Péri: Dá muito trabalho ser independente. A parte boa é o fechamento das contas (risos).

14) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira dentro e fora do palco?

Péri: A estratégia vem quando eu lanço um álbum. Obedeço a um cronograma: primeira etapa repertório, gravação, mixagem, masterização, liberações, fotos Release. Segunda etapa Assessoria de Comunicação – Imprensa Off-line e Mídias Sociais. Terceira etapa lançamento Plataforma Digitais. Quarta etapa Pré-produção do show, Ensaios para o show. Quinta etapa lançamento do show e Tournê.

15) RM: Quais as ações empreendedoras que você pratica para desenvolver a sua carreira?

Péri: Assessoria de comunicação para cuidar do relacionamento com a imprensa e com as mídias sociais e a produção e venda dos shows. Ferramentas indispensáveis.

16) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira?

Péri: A internet me aproxima mais do público e tenho respostas imediatas. Fundamental, sempre que puder, ter um profissional especializado para cuidar das suas redes sociais e marketing digital. Mas é possível você̂ se dedicar e fazer esse contato direto.

17) RM: Quais as vantagens e desvantagens do à tecnologia de gravação (home estúdio)?

Péri: Vantagens do home estúdio: baixo custo de produção de música e democratizou mais o acesso à tecnologia de ponta. Desvantagens: qualidade do som. É preciso muito cuidado com o resultado final da música produzida.

18) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo. Mas, a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que você̂ faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

Péri: Tenho muito cuidado com a qualidade final do produto e, quando posso, conto com um profissional de divulgação.

19) RM: Como você analisa o cenário musical brasileiro. Em sua opinião quem foram as revelações musicais nas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Péri: O cenário sempre foi difícil e hoje, cada vez mais, porque tem muito artista de qualidade. Com a democratização dos meios de produção, muito mais artistas tem oportunidade de mostrar o seu trabalho e isso, obvio, aumenta a concorrência. São milhares de lançamentos todo mês. Nas últimas duas décadas quem realmente me chamou atenção foi Amy Winehouse.

20) RM: Quais os músicos já́ conhecidos do público que você̂ tem como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

Péri: Caetano Veloso e Gilberto Gil estão aí lançando coisas novas o tempo todo. Isso me impressiona! Milton Nascimento, sempre atento. Dos mais novos, Chico César, acho uma referência como cantor e compositor.

21) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical (falta de condição técnica para show, brigas, gafes, show em ambiente ou público tosco, cantar e não receber, ser cantado etc)?

Péri: Tenho até́ aqui a felicidade de nunca ter passado por constrangimentos sérios nos meus shows. Sempre tudo ocorreu de forma profissional e saudável. Lembro-me agora que uma vez faltou luz no teatro, mas minha produção foi em um supermercado próximo e comprou o estoque de velas (risos). Ocupamos todo o palco com as velas e fiz um show acústico de voz e violão. Foi lindo!

22) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Péri: Mais feliz é ver alguém cantando minha canção e se identificar com ela. Mais triste? Não tenho o que falar. Prefiro só́ lembrar das alegrias.

23) RM: Existe o Dom musical? Como você define o Dom musical??

Péri: Acho que a gente nasce com essa missão. É uma habilidade que vem com a pessoa. Uns desenvolvem mais e outros, menos, mas a habilidade está lá́.

24) RM: Qual é o seu conceito de Improvisação Musical?

Péri: A improvisação é algo que surge naturalmente numa apresentação. Nunca é ensaiada. Ela não é combinada. Ela tem que ser espontânea.

25) RM: Existe improvisação musical de fato, ou é algo estudado antes e aplicado depois?

Péri: Existe, claro! Ela é natural. Ela vem da expressão “ao vivo”.

26) RM: Quais os prós e contras dos métodos sobre Improvisação musical?

Péri: Estudar é sempre importante. Mas para improvisar é necessário ter muito talento.

27) RM: Quais os prós e contras dos métodos sobre o Estudo de Harmonia musical?

Péri: Só tem prós. O estudo sempre favorece, dar segurança e abre possibilidades.

28) RM: Você acredita que sem o pagamento do jabá́ as suas músicas tocarão nas rádios?

Péri: Em algumas rádios minhas músicas tocam. Sempre vai existir espaço para o talento. As vezes podemos alcançar muito mais, por isso contar com um profissional de divulgação é indispensável.

29) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Péri: Hoje ser artista requer muito mais do que talento. Exige um conhecimento profundo sobre técnicas musicais incluindo arranjos, produção e uma relação primordial e absoluta com os meios digitais. Hoje sem o conhecimento do que são os meios digitais para uma carreira avançar, é depositar os resultados, única e exclusivamente, à sorte. Quando a sorte aparecer, você̂ tem que estar pronto.

30) RM: Quais os prós e contras do Festival de Música?

Péri: Só́ tem prós. Deveriam existir muito mais Festivais de música e mostras, encontros musicais não como competição. Competição quem gosta é o público.

31) RM: Como você analisa a cobertura feita pela grande mídia da cena musical brasileira?

Péri: A cobertura feita pela grande mídia da cena musical brasileira é pobre. São ínfimos os espaços sem pagar o jabá na grande mídia.

32) RM: Qual a sua opinião sobre o espaço aberto pelo SESC, SESI e Itaú Cultural para cena musical?

Péri: Importante. Quando os grandes conglomerados investem em cultura, todos ganham.

33) RM: Quais os seus projetos futuros?

Péri: No momento lancei um novo álbum – “Eu e o Tempo”, estou ensaiando para shows que em meio a essa pandemia se resumem as lives e produzindo o lançamento, em breve, do meu primeiro livro de poesias.

34) RM: Quais seus contatos para show e para os fãs?

Péri: (11) 99113 – 6349 | [email protected] (Fá Almeida) | (71) 99118 – 7870 – Core Comunicação – Adriana Nogueira

http://www.peri.art.br/site

https://web.facebook.com/periandroart

https://www.instagram.com/periandro

https://www.deezer.com/br/album/203316682

https://open.spotify.com/album/3QeTI9UfOZgmABvOJywQEe

https://music.apple.com/de/album/eu-e-o-tempo-single/1550959777

https://www.letras.mus.br/peri/discografia

Canal: https://www.youtube.com/user/perivideos

Péri – O Bem do Mar: https://www.youtube.com/watch?v=euqKwHu6tBE

Live 1 – Lançamento do álbum “EU E O TEMPO” – canções inéditas: https://www.youtube.com/watch?v=otv7FXoflzI&list=PLkeVT0y63IUai-H4yz8gOPYeSsXHWcCaS&index=3

Live 5 – CANÇÕES VOLUME 2: https://www.youtube.com/watch?v=NMY6ozKfRIw&list=PLkeVT0y63IUai-H4yz8gOPYeSsXHWcCaS&index=2

Live 6 – MIX | Top 10: https://www.youtube.com/watch?v=LMSMCgz_848&list=PLkeVT0y63IUai-H4yz8gOPYeSsXHWcCaS&index=1

Playlist O Eterno Retorno (2016): https://www.youtube.com/watch?v=z98-RS88P0s&list=PLkeVT0y63IUYJ-COSAWol18zIV-Mx_WPO

Playlist Top Vídeos: https://www.youtube.com/watch?v=36zepU6IIGo&list=PL979FCC58233D4371


Deixe um comentário

*

Uma Revista criada em 2001
pelo jornalista, músico e poeta paraibano
Antonio Carlos da Fonseca Barbosa.