Os DJs do Frequênciareggae


Tudo começou em 1994 com Flávio Ferreira (Leroy) e seu primo Ivanildo Souza (Jamaica) cantando RAP.

Leroy e Jamaica frequentavam no final de semana o Parque Ecológico Chico Mendes, na zona leste de São Paulo e as 15:00 ficavam na frente da casa da mãe do Alfredo Rasta, na época o Alfredo e seus irmãos colocavam as caixas de som para fora da garagem e na época usando um tocador de disco de vinil, colocava os Long Play da banda Cidade Negra, Jimmy Cliff, Pato Banton e Bob Marley, entre outros regueiros. Era uma época de propagação e popularização das Rádios Comunitárias. Em 1997, iniciaram o primeiro programa na Rádio Difusora FM, de São Miguel Paulista, Jardim Pantanal e depois foram para a rádio RCB FM, com o programa Frequênciareggae, que significa: uma frequência de vários ritmos na linha reggae no qual divulgam principalmente as bandas independentes que estão começando, com entrevistas ao vivo. Eles tinham um espaço a cada quinze dias na Praça dos Boys (Praça Madre Maria Josefina Villac – Jardim Helena) em São Miguel Paulista, onde davam oportunidade para as bandas independentes divulgarem seu trabalho para a galera que frequentavam a praça.

Em 1998 teve um acontecimento que marcou Leroy e Jamaica, uma outra rádio passou a transmitir o sinal do seu programa, em tempo real, nessa época eles apresentavam o programa Frequênciareggae na rádio RCB FM e eles tinham que falar o nome da outra rádio (Sumplativa FM), foi impactante para eles duas rádios no mesmo horário com transmissão que chegava até Mogi das Cruzes. Através da propagação do trabalho criaram o site do programa. Uma criação de Leroy e Silvanio Rockers, que entrou para família Frequênciareggae, como fotografo dos eventos.

Alfredo Rasta da Associação Cultural Reggae vendo o trabalho de Leroy e Jamaica, seja com o programa de rádio e com discotecagem nos eventos nos bairros, fez um convite para os dois entrarem para a Diretoria da Associação Cultural Reggae, foi uma grande honra para os jovens. Eles acompanharam o nascimento da Associação, estavam nos eventos realizados pela Associação nos anos 90: “Grito de Carnaval Reggae”, evento realizado em fevereiro e depois passou a ser chamado “Grito Cultural Reggae”. Nesse evento Leroy e Jamaica faziam parte da equipe de apoio que divulgavam as bandas, exemplo, Nazireu Rupestre, que se apresentaram pela primeira vez pela Associação Cultural Reggae. Eles indicaram para o “Grito Cultural Reggae (2012), as apresentações de: Nazireu Rupestre, Jah I Ras, Ras Tacomi e Myura, banda Família Teocratas, todos tocaram pela primeira vez no “Grito Cultural Reggae”. Em 2015 a banda Mato Seco tocou pela primeira vez no “Grito Cultural Reggae”. O Projeto Reggae 2016, idealizado por Renatinho, em agosto a equipe Frequênciareggae (Leroy, Jamaica) foi premiada como a melhor equipe de reggae da zona leste de São Paulo.

Rototom Sunsplash festival 2016 (Barcelona – Espanha) fechamos uma parceria com General Sandoz (Suíça) e Charles Saint’s como patrocínio com camisetas e bonés da marca Frequênciareggae, os dois estiveram no principal festival de reggae que é o Rototom Reggae Festival no palco Juanita. Neste festival já se apresentaram cantores como: Ziggy Marley, Julian Marley (Jamaica), Dada Yute (Brasil), Los Cafres (Argentina), Alborosie (Espanha), etc. E o tour deles passou também pela França e Suíça. No canal do Frequênciareggae no YouTube tem o vídeo com Charles Saint’s & General Sandoz – The Pressure (Live in Barcelona).

Nos dias 14 e 15.06.2018 a equipe Frequênciareggae (Leroy, Jamaica, Denise) participou do Grande Arraiá de São Gonçalo no bairro de São Miguel Paulista e no dia 08.09.2018 com artistas e moradores participaram pela primeira vez dos festejos dos 396 anos de São Miguel Paulista a convite de Alex Dment, ex Criminal RAP, que organizou os dois eventos junto com sua esposa Keila Fabricia.

A equipe Frequênciareggae tem parceria com a Casa do Reggae no Rio de Janeiro na qual realizam um trabalho de parceria, desde 2015 e em 2019, realizaram vários projetos juntos, na conexão São Paulo – Rio de Janeiro A equipe Frequênciareggae trabalha no “Encontro das tribos”, “Casa do Reggae”, Associação Cultural Reggae, etc. DJ Leroy trabalha junto com a equipe do contratante Encontro das Tribos, Macyel Roots, na parte de divulgação e no dia do evento na organização e faz parte da equipe principal.

Em janeiro de 2019 o programa Frequenciareggae começou ser transmitido pela Milenion FM 87,5, a rádio comunitária do bairro Itaim Paulista que vai ao ar das 18hs às 20hs e pela web radio – https://www.planetareggae.com.br, um programa onde divulgamos principalmente o trabalho de bandas novas.

Em janeiro de 2019 a equipe Frequênciareggae (Leroy, Jamaica, Denise, Silvanio) foi convidada pelo Pepeu Lorena para organizar o “Ensaio aberto do Pepeu’’ na versão reggae, que vai ao ar na primeira segunda feira do mês e já passaram artistas como: The Captors, diretamente da Guiana Francesa, Tribo Guaru, Jah Walas, Mariosan, Caminho Suave, Luana Faddlei, DJs Primata e Zambol (Encontro das Tribos, Família 105 FM). O evento passa ao vivo pelo Facebook “Ensaio aberto com Pepeu Lorena’’ e na página no Facebook “Nós no Role’’. Frequênciareggae (Leroy, Jamaica, Denise, Silvanio) firmou uma parceria com Freedomreggae (Canoa Quebrada – CE) e Reggaeclub (Fortaleza – Ceará).

Segue abaixo entrevista com os DJs da equipe Frequênciareggae para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistados por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 07.09.2021:

01) Ritmo Melodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

DJs do Frequênciareggae: Dj Leroy (Flávio Ferreira), nasceu no dia 28.02.1976 em São Paulo – SP. Dj Jamaica (Ivanildo Souza), nasceu no dia 07.09.1975 em São Paulo – SP. Dj Denise Ribeiro (de Alvarenga), nasceu 01.10.1990 em São Paulo – SP.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

DJs do Frequênciareggae: Dj Leroy, desde pequeno ouvia músicas Sertaneja caipiras, Forró, Samba, nos Vinis e K7 que meu pai tocava nos finais de semana.

Dj Jamaica: meu primeiro contato foi curtindo os bailes Black anos 90.

Denise Ribeiro: meu primeiro contato com a música aconteceu acompanhando o meu Tio Daniel em sua banda de Rock em Barzinhos, Casas de shows e anos depois passei para a categoria reggae atuando como produtora de bandas, backstage, camarim e entre outros. Hoje atuo como locutora na Web Rádio Planeta Reggae – https://www.planetareggae.com.br .

03) RM: Qual sua formação musical e/ou acadêmica fora da área musical?

DJs do Frequênciareggae: Leroy: Formado em Locução com DRT pelo SENAC, Organizador de Eventos, Dj, Produção de Eventos.

Jamaica: Dj, locutor e produtor de eventos.

Denise Ribeiro: Formada em Gestão de Recursos Humanos pela Anhanguera.

Atualmente esta estudando com o Dj Zambol está sendo um bom aprendizado, ele é muito conceituado no meio musical. Hoje ser Dj é também ser empreendedor. Tem que ter muito conhecimento, técnicas e estou aprendendo com ele e é uma honra.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

DJs do Frequênciareggae: Leroy: Black Music, RAP, Samba, MPB, FUNK das antigas e o Reggae que me proporcionou o trabalho que faço hoje.

Jamaica: Minhas influências das antigas são: Black Music, RAP nacional, FUNK e o Reggae. O FUNK hoje não tem muita importância.

05) RM: Quando, como e onde você começou sua carreira de DJ?

DJs do Frequênciareggae: Leroy: tem dois fatores importantes. O primeiro foi os bailes nos anos 90 na Danceteria Toco no bairro da Vila Matilde na zona leste. O segundo curtindo os bailes Blacks. Daí já veio o nosso primeiro programa de rádio Frequênciareggae em 1997 e deslanchou à vontade também de discotecar.

Jamaica: Em 1997 começou com programa de rádio Frequênciareggae, em uma brincadeira e faz 24 anos.

06) RM: Quais motivos levaram você escolher o repertório de Reggae?

DJs do Frequênciareggae: Leroy: Eu curtia e curto até hoje RAP, e o que me levou para o reggae, foi uma música mais relaxante, mais dançante, as mensagens e a grande Influência foi Bob Marley.

Jamaica: Reggae é o ritmo que relata o dia a dia. Fala no mandamento maior que é amar ao próximo como a si mesmo. O reggae é uma música de meditação, de elevação para uma conexão ao pai Jah. Reggae é um ritmo que transmite paz a alma e busca a paz mundial.

07) RM: Como você escolhe o seu repertório?

DJs do Frequênciareggae: Leroy: procuro escolher cantores que passam boas mensagens em suas letras, gosto de misturar RAP com Reggae.

Jamaica: meu repertório e escolhido pelas mensagens da música e tem que ter mensagens positivas.

08) RM: Você é colecionador de disco?

DJs do Frequênciareggae: Leroy: não sou, mas tenho uma pequena coleção de vários ritmos, bem selecionado ao meu gosto.

Jamaica: não sou.

09) RM: Qual a importância do colecionador de disco?

DJs do Frequênciareggae: Leroy: manter a história do vinil viva.

Jamaica: a sonorização do vinil não tem comparação, o chiado da agulha, sensação é sem explicação.

10) RM: Quais as cantoras (es) que você admira?

DJs do Frequênciareggae: Leroy: Erick Donaldson, Luke Dube, Tribo de Jah, Mato Seco, Jacareggae, Enah Ha, Andread Jó, Nengo Vieira e Bob Marley é meu grande influenciador.

Jamaica: Daniel Profeta, GrooVI, Mato Seco, Tribo de Jah.

Denise Ribeiro: Eu adoro Dezarie, The Congos, Zeider Pires da banda Planta & Raiz, eles passam muitas mensagens positivas em suas canções e fora a simplicidade e carisma incríveis.

11) RM: Apresente seu set up equipamentos.

DJs do Frequênciareggae: Leroy: Controladora, Mesa de som, Notebook.

Jamaica: controladora, mesa de som, notebook.

Denise Ribeiro: Controladora, Mesa de som, Notebook.

12) RM: Quais são seus principais equipamento para começar a função de DJ?

DJs do Frequênciareggae: Leroy: Controladora e mesa de som Yamaha.

Jamaica: Notebook e uma controladora.

13) RM: Quais as diferenças de entre usar um notebook como tocador de mp3 através de um programa como toca discos e os próprios toca discos?

DJs do Frequênciareggae: Leroy: o vinil tem o chiado.

Jamaica: Notebook tem como fazer uma programação automática. O toca-discos é faixa por faixa e sempre trovando o disco.

14) RM: Quais os melhores periféricos e indispensáveis para o DJ?

DJs do Frequênciareggae: Leroy: saber exatamente qual equipamento será usado vai te poupar um grande esforço na hora de animar a festa. Existem inúmeros termos e particularidades que devem fazer parte dos seus conhecimentos sobre os equipamentos que tocam música: CDJ, P10, P2, RCA, mixer, etc.

Jamaica: os melhores periféricos de preferência para manter a qualidade do seu trabalho, pois todo baile é importante.

15) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira dentro e fora do palco?

DJs do Frequênciareggae: Leroy: fazer uma boa divulgação, pois quem não é visto não é lembrado.

Jamaica: Minha estratégia é sempre espalhar mensagem positiva para o público.

16) RM: Quais as ações empreendedoras que você pratica para desenvolver a sua carreira de DJ?

DJs do Frequênciareggae: Leroy: se manter atualizado, tanto musicalmente, quanto de equipamentos e contatos.

Jamaica: Ser independente…

17) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira de DJ?

DJs do Frequênciareggae: Leroy: a internet ajuda e muito, todo material, foto, publicação em menos de cinco minutos pode ser visto em qualquer lugar do mundo. E sendo bem usada, para várias informações e conhecimento nos ajuda e muito.

Jamaica: A internet ajuda a conhecer mais bandas independentes, novos trabalhos. Não me prejudica em nada e só me fortalece.

18) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso à tecnologia de gravação (home estúdio)?

DJs do Frequênciareggae: Leroy: O home estúdio tem várias vantagens dependem de como você irá trabalhar, com o conteúdo das mensagens ou sem mensagens, só dançante ou passageiro.

Jamaica: Vantagem do homem estúdio ajuda o povo da periferia lançar novos trabalhos musicais. Desvantagem é as pessoas fazerem produções sem bom conteúdo.

19) RM: O que você faz efetivamente para se diferenciar como DJ e dentro do seu nicho musical?

DJs do Frequênciareggae: Leroy: garimpo muitas músicas, principalmente fora do Brasil, tenho música do Vietnam, Japão, Rússia, Eua, Alaska, Chile, Argentina, Jamaica e da cena independente brasileira que é muito forte também.

Jamaica: Tentamos mostra bandas que a grande mídia não mostra ao público, exemplo as bandas independentes.

20) RM: Como você analisa o cenário musical para o DJ. Em sua opinião quais os DJs foram as revelações nas últimas décadas e quais regrediram?

DJs do Frequênciareggae: Leroy: É um cenário que tem espaço para todos. Uma revelação Dj Zambol.

Jamaica: Falta organização dos movimentos musicais. Mas tem espaço para todos os DJs. DJs revelação nas últimas décadas: Dj Jah Mahal, Dj Zambol, respeito máximo.

21) RM: Quais os DJs já conhecidos do público que você tem como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

DJs do Frequênciareggae: Leroy: Dj Zambol e Dj Primata.

Jamaica: Dj Jah Mahal, Dj Zambol.

22) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical (falta de condição técnica para show, brigas, gafes, show em ambiente ou público tosco, cantar e não receber, ser cantado etc)?

DJs do Frequênciareggae: Leroy: toquei em uma comunidade e o chefe do tráfico com mais cinco pessoas, veio me elogiar pela música que eu estava tocando. Quando vi um cara com uma arma na cintura junto com mais cinco vindo em minha direção. Pensei: Morri. O contratante veio correndo saber o que houve eu falei que não aconteceu nada (risos).

Jamaica: Já teve briga em show, ter dois shows ao mesmo tempo no mesmo local com tribos diferentes (risos).

23) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira de DJ?

DJs do Frequênciareggae: Leroy: Um fato que me marcou foi tocar em um grande evento, e a técnica de uma banda desligar o meu retorno e as caixas de som da frente, fiquei sem retorno nenhum, só que os P.As do meio do evento para trás estava funcionando, então toquei uma música da banda Maneva, e a galera começou cantar do fundo e o coro musical veio parar na frente, foi de arrepiar. E o que me deixa triste é a falta de respeito de alguns contratantes que acha que o Dj tem que tocar de graça.

Jamaica: Feliz por ter recebido esse dom de Deus de poder contribuir. Poder passar um pouco das mensagens de paz ao público. Triste é a ambição de produtores de shows e eventos que não dão atenção e oportunidade para algumas equipes e DJs e a falta de reconhecimento.

24) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira como DJ?

DJs do Frequênciareggae: Leroy: definir o trabalho que queira trilhar, se especializar bastante e fazer uma boa divulgação.

Jamaica: Primeiro saber qual movimento cultural vai atuar e ir fundo no conhecimento histórico. Ter conhecimento e análise das letras e das suas mensagens musicais. Segundo ter um equipamento básico para ir treinando em casa. Começa tocar na casa de amigos, festa particulares ou por própria curtição.

Denise Ribeiro: Quem quer seguir carreira de Dj nunca desista e acredite em seu potencial. Nunca deixar de sonhar, batalhar para tornar seu sonho real e coloque Deus na frente de tudo e tenha fé.

25) RM: Como você analisa a cobertura feita pela grande mídia da cena musical brasileira?

DJs do Frequênciareggae: Leroy: a grande mídia ignora o cenário reggae, achando que reggae é música de maconheiro, eu nem bebo nem fumo.

Jamaica: A grande mídia ignora e a cobertura do movimento reggae é muito fechado, raramente tem espaço para bandas novas e nos grandes eventos de reggae são sempre as mesmas bandas.

26) RM: O circuito de Bar na cidade que você mora ainda é uma boa opção de trabalho para o DJ?

DJs do Frequênciareggae: Leroy: raramente toco em Bar.

Jamaica: Raramente tem algum espaço para Dj em Bar, mas acredito que seja ainda uma opção.

27) RM: Você acha que o DJ tomou o lugar do músico ou banda?

DJs do Frequênciareggae: Leroy: jamais tem espaço para todos, e o que seria do DJ sem o trabalho do músico.

Jamaica: Tomar lugar não, mas se fortalecendo com os músicos e bandas, divulgando os seus trabalhos.

28) RM: Quais os seus projetos futuros?

DJs do Frequênciareggae: Leroy: continuar fazendo um trabalho sério que já faço a mais de 20 anos.

Jamaica: Continuar com a mesma humildade no movimento e ajudar o próximo. Passar coisas boas para a mente do público. Os projetos futuros estão na mão de Jah.

29) RM: Quais seus contatos para show e para os fãs?

DJs do Frequênciareggae: Leroy: (11) 98053 – 7261 | Jamaica: (11) 98061 – 7476 | [email protected]

| https://web.facebook.com/leroy.frequencia.3

| https://web.facebook.com/flaviof.ferreira.98

Eventos: https://web.facebook.com/leroy.frequencia.3/media_set?set=a.407628183395466

https://web.facebook.com/leroy.frequencia.3/media_set?set=a.301033320721620

| Canal: https://www.youtube.com/channel/UCuDGXagNyOc1vQuQi-Yxv0w

Programa Frequênciareggae: https://www.youtube.com/watch?v=TD6VhzsRdJM

Entrevista Rádio Heliopolis: https://www.youtube.com/watch?v=kRYPqy5_5tI

Tocando como Dj: https://web.facebook.com/leroy.frequencia.3/videos/409847556506862

Frequênciareggae apresenta Charles Saint’s & General Sandoz – The Pressure (Live in Barcelona): https://www.youtube.com/watch?v=IHcLHPOdaOw

Reflexão sobre o Reggae Nacional – 10.11.2019 em Poá – SP: https://www.youtube.com/watch?v=Gwxt6bFEykI


! Comentrio sobre “Os DJs do Frequênciareggae”

  1. Parabens a familia Frequenciareggae.
    Foram muito autenticos nas respostas falaram assuntos muito importantes.Principalmente quando nos grandes eventos que não dão espaço para as Bandas local que esta no inicio de carreira.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tagged

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor responsável pela revista digital RitmoMelodia desde 2001, jornalista, músico, poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, propaga a diversidade musical brasileira através de entrevistas e artigos. Jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB (1996 a 2000) que lançou um livro de poesia em 1998 e seus poemas ganharam melodias gravadas em três álbuns concluindo a trilogia "reggae baseado em poesia" no seu projeto musical Reggaebelde. Unindo a sensibilidade do poeta, músico com o senso crítico do jornalista e pesquisador musical colocado em prática em uma revista que Canta o Brasil.