Nanci Araújo

Nanci Araújo

A cantora e compositora porto-alegrense Nanci Araújo estreou em 1986 e desde então, tem buscado valorizar a música popular brasileira e em especial a gaúcha com sua arte.

Nanci Araújo é chamada por seus parceiros de caminhada como “guerreira”, em sua trajetória está a criação da primeira cooperativa de músicos – COOMPOR –, o esforço da divulgação e idealização de mostras de CDs Independentes em Porto Alegre, além de feiras internacionais, como a Feira Internacional do Disco, realizada no Rio de Janeiro. Sua carreira musical foi feita ao lado de alguns dos principais nomes da música e da cultura do país e do Rio Grande do Sul: Nelson Coelho de Castro, Gelson Oliveira, Bedeu, Bebeto Alves e Pery Souza.

Transitou por diversos estilos: do regional ao soul music, mas o Samba se tornou sua marca registrada. Com o samba ela viajou o Rio Grande do Sul e o país. Entre as inúmeras contribuições para a cultura brasileira no Rio Grande do Sul está seu insistente investimento no resgate de compositores como Bedeu, com seu Sambalanço e Lupicínio Rodrigues.

Nanci Araújo completa mais de 30 anos de carreira e investe sua experiência profissional, maturidade artística e capacidade criativa para levar esses compositores que já se converteram em parceiros de vida para comunidades de cidades da região metropolitana de Porto Alegre. Comprometida com o acesso às expressões artísticas da cultura nacional e regional como um direito, Nanci foi pioneira em fazer shows de MPB em escolas de samba de Porto Alegre. A cantora comemorou 30 anos de carreira junto a populações que por outras vias dificilmente teriam acesso a esse repertório.

Nanci Araújo canta desde menina, mas foi em 1986 sua estreia como cantora profissional na Cia. de Artes. No final dos anos 80, com os músicos Bebeto Alves, Paulo Gaiger, Peri Souza, Nelson Coelho de Castro, Gelson Oliveira e Neusa Ávila fundou a Cooperativa Mista dos Músicos de Porto Alegre, quando produziram juntos, o show “Coompor Canta Lupi”, um marco na época, valorizando as muitas vozes da cidade.

Nanci produziu seis edições do projeto-show “Moleque Gonzaguinha”, reunindo músicos e artistas para interpretar a obra de Gonzaguinha. Com Flora Almeida e Márcio Celi, produziu e coordenou por vários anos, a “Mostra de CDs Independentes” levando a várias cidades os CDs de compositores gaúchos. Sua trajetória artística passou pelos estilos: Regional, Samba de Raiz, Samba Rock e a MPB como um todo. Ela canta músicas de Bedeu, Lupicínio Rodrigues, Cartola, Chico Buarque, Túlio Piva, Elis Regina, Gonzaguinha, entre outros grandes nomes.

Nanci Araújo em 2000 abre outras fronteiras com Eduardo Solari e pesquisa os ritmos uruguaios como o candombe. Entre muitas apresentações em 2018, se apresentou na Sala Zitarrosa em Montevideo – Uruguai, trabalha a frente das oficinas culturais do espaço Quilombo das Artes do Coletivo Utopia e Luta e dá aulas de música no município de Esteio na grande Porto Alegre, em seus projetos estão seguir estudando, pretende fazer doutorado na área da musicalização infantil, onde atua como professora, investir em um disco novo com composições suas e de compositores daqui, seguir como militante social, onde atua há 15 anos com movimentos sociais da cidade, como o Utopia e Luta e seguir acreditando no ser humano, algo que a move.

Segue abaixo entrevista exclusiva com Nanci Araújo para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistada por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 16.09.2020:

Índice

01) Ritmo Melodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

Nanci Araújo: Nasci no dia 16.06.1963 em Porto Alegre – RS, em um inverno muito frio e chuvoso. Registrada como Nanci Teresinha de Araújo.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

Nanci Araújo: Meu contato com a música foi muito cedo através de audição de programas de rádio. Na minha casa se ouvia muito programas de rádio que chegavam do Uruguai e Argentina e as grandes cantoras de MPB dos anos 60 e 70.

03) RM: Qual sua formação musical e/ou acadêmica fora da área musical?

Nanci Araújo: Sou graduada em Pedagogia. Tenho habilitação em Canto Popular e sou professora de música na rede municipal em Porto Alegre – RS.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

Nanci Araújo: Sempre MPB e Samba, como referências Elizeth Cardoso, Maria Bethânia, Elis Regina, Leni Andrade. O que não me acrescenta por gosto musical é a música sertaneja.

05) RM: Quando, como e onde você começou sua carreira musical?

Nanci Araújo: Aos 15 anos de idade comecei a fazer apresentações em bailes com conjunto musical em Viamão – Rio Grande do Sul e por ser muito jovem, meu pai tinha que dar consentimento. Aos 22 anos início a minha carreira solo com shows em Teatro e Bares, aos 26 anos, participei da criação de uma cooperativa de músicos no Rio Grande do Sul.

06) RM: Quantos CDs lançados?

Nanci Araújo: Em mais de 40 participações em CDs de músicos gaúchos e Dois CDs Solo e muitos coletivos. Em 1989 gravo o LP – “Coompor Canta Lupi” em homenagem a Lupicínio Rodrigues. Em 1996 e 1997 lancei meus dois álbuns solo. Em 1998 lancei “Nanci Araújo Canta o Samba de Porto Alegre”, uma homenagem ais grandes compositores do samba gaúcho: Wilson Ney, Túlio Piva, Bedeu, Luís Vagner, entre outros.

07) RM: Como você define seu estilo musical?

 Nanci Araújo: Sou uma Sambista.

08) RM: Você estudou técnica vocal?

Nanci Araújo: Sim. Estudei Técnica Vocal por dez anos com a professora Déa Mancuso.

09) RM: Qual a importância do estudo de técnica vocal e cuidado com a voz?

Nanci Araújo: O estudo de técnica vocal e cuidado com a voz é de suma importância. Permite ter um domínio de execução vocal, nos dando um preparo profissional que permite saber como utilizar a voz de forma correta e cuidadosa. Entre os cuidados com a voz cito: não tomar gelados ou longas conversas por telefone e ter uma alimentação saudável e beber muita água.

10) RM: Quais as cantoras(es) que você admira?

Nanci Araújo: Leni Andrade, Leci Brandão, Clara Nunes, Clementina de Jesus, Elis Regina, entre outras.

11) RM: Como é seu processo de compor?

Nanci Araújo: Já compus mais no passado. Mas sempre vem letra e melodia juntas, gravo para não esquecer e a partir daí vejo com o violonista como podemos trabalhar a composição, constituindo uma parceria.

12) RM: Quais são seus principais parceiros de composição?

Nanci Araújo: Lothar Guttieres, Eduardo Solari, Tom Martins.

13) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Nanci Araújo: O bom é a autonomia existente em desenvolver projetos, já a divulgação e distribuição do trabalho fica mais comprometida. Porém aqueles que dominam a ferramenta de Internet se saem melhor nesse quesito.

14) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira dentro e fora do palco?

Nanci Araújo: Por muitos anos cuidei do planejamento de minha carreira, produzindo, divulgando, compondo e empresariando. Hoje, organizo de fazer alguns shows que julgo importante durante o ano e me dedico mais à docência e projetos na linha da educação e transformação que a música oferece para as crianças no processo escolar.

15) RM: Quais as ações empreendedoras que você pratica para desenvolver a sua carreira musical?

Nanci Araújo: Na minha concepção só o trabalho coletivo pode transformar e impulsionar aqui em Porto Alegre – RGS, uma carreira musical, mas nós artistas estamos muito distantes de ocupar espaço na programação da grande mídia.

16) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira?

Nanci Araújo: A internet proporciona o acesso a meu trabalho por muitas pessoas com extrema rapidez, mas muita música ruim também surgiu.  Como se todos fossem artistas e talentosos, alguns pode serem, mas acaba nivelando baixo a qualidade do criar.

17) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso à tecnologia de gravação (home estúdio)?

Nanci Araújo: Permite o compositor organizar suas criações em casa e facilita no custo final. Nesse âmbito acho super favorável.  Mas muitas vezes não tem um aparato profissional de qualidade, um diretor musical, um bom técnico de som etc.

18) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo. Mas, a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que você faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

Nanci Araújo: Algo simples. Pesquiso e pesquiso, estudo muito sobre história da música e como é importante na hora de se fazer um projeto para um edital ou projeto de teatro. Acredito que sempre existirá espaços para todos, alguns são mais perseverantes e se dedicam mais.

19) RM: Como você analisa o cenário musical brasileiro. Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas duas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Nanci Araújo: Os grandes compositores continuam hoje e sempre sendo os melhores, estão há mais de quatro décadas aí e comprovam. Hoje composições com conteúdo socia é inexistente. Ouço alguns gaúchos como Zé Caradipia, Nelson Coelho de Castro, Bebeto Alves, gosto muito do Lenine, Chico Cesar.

20) RM: Quais os músicos já conhecidos do público que você tem como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

Nanci Araújo: Acho que Maria Bethânia e Ivete Sangalo, lindas e divinas, exemplos de condução de carreira musical.

21) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical (falta de condição técnica para show, brigas, gafes, show em ambiente ou público tosco, cantar e não receber, ser cantado e etc)?

Nanci Araújo: Tudo citado na pergunta já passei em mais de 30 anos de estrada. Mas tenho duas situações hilárias. Uma em um palco no litoral gaúcho levei um choque elétrico do microfone e em outra em um ginásio esqueci de desligar o celular e ficou perto da amplificação e tocava muito e alto, quebrando o momento de solo do guitarrista.

22) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Nanci Araújo: No palco é onde realmente me realizo. Eu fico triste com a falta de respeito com a cultura e falta de políticas públicas dando acesso a todos culturalmente. É decepcionante.

23) RM: Existe o Dom musical? Como você define o Dom musical?

Nanci Araújo: Acho que sim. Algo mágico que alguns tem em maior quantidade em relação a outros. Inerente aos estudos e qualificações, está presente e não se explica.

24) RM: Qual é o seu conceito de Improvisação Musical?

Nanci Araújo: Uma grande brincadeira que se estudou muito para fazer, no contexto da prática, em palco acho integrativa com os instrumentistas, um momento raro e lindo.

25) RM: Existe improvisação musical de fato, ou é algo estudado antes e aplicado depois?

Nanci Araújo: Para improvisar; com certeza o músico estudou muito para chegar até ali, seria você brincar com tudo que estudou e mostrar essas possibilidades de forma livre e divertida.

26) RM: Quais os prós e contras dos métodos sobre Improvisação musical?

Nanci Araújo: Como cantora sempre achei esse momento muito rico e de aprendizado ao mesmo tempo sentia algum receio de como iria chegar no vocalize sem saber onde chegaria determinado acorde. Corre risco sempre e isso que fascina em um improviso. Hoje dispomos de métodos fáceis de entender e aprender na internet, com esse advento ficou acessível estudar.

27) RM: Quais os prós e contras dos métodos sobre o Estudo de Harmonia musical?

Nanci Araújo: Em harmonia é necessário que já domine ao menos o básico de teoria musical. Sem esse requisito você não conseguirá evoluir. É importante que você já conheça elementos como escalas, intervalos, formação de acordes e campo harmônico. Temos grandes estudiosos que compartilham seus conhecimentos como Ian Guest, todo método que permite aprender sempre algo se tira dali.

28) RM: Você acredita que sem o pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

Nanci Araújo: Acredito que isso ocorra de outra forma hoje em dia. Via departamento comercial das rádios, claro se você anuncia, automaticamente vai tocar na determinada rádio. Mas influencia sim.

29) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Nanci Araújo: Se dedique e estude.

30) RM: Quais os prós e contras do Festival de Música?

Nanci Araújo: Antes Festival de Música era uma ferramenta de promoção e divulgação para músicos, fonte de renda. Hoje não existe quase, algo que deveria se investir mais.

31) RM: Hoje os Festivais de Música revelam novos talentos?

Nanci Araújo: Sim. Mas o Festival de Música deveria contar com um suporte maior de divulgação e premiações que motivassem os compositores a escreverem suas músicas.

32) RM: Como você analisa a cobertura feita pela grande mídia da cena musical brasileira?

Nanci Araújo: Sempre os mesmos. A TV Cultura teve em vários momentos programas dedicados a divulgação de artistas de todos os estados, isso não acontece mais. Hoje é péssima.

33) RM: Qual a sua opinião sobre o espaço aberto pelo SESC, SESI e Itaú Cultural para cena musical?

Nanci Araújo: Importante, muitos conseguem fazer um circuito musical através desses espaços.

34) RM: O circuito de Bar na cidade que você mora ainda é uma boa opção de trabalho para os músicos?

Nanci Araújo: Acredito que não, se pensarmos que Porto Alegre estar ao sul do sul do Brasil, temperatura fria, sem praias e poucos Bares com programação de música ao vivo, fica difícil atuar e se manter somente de bares na capital gaúcha.

35) RM: Quais os seus projetos futuros?

Nanci Araújo: Sempre seguir estudando, pretendo fazer doutorado na área da musicalização infantil, onde atuo como professora. Investir em um disco novo com composições minhas e de compositores daqui. Seguir como militante social, onde atua há 15 anos com movimentos sociais de Porto Alegre, como o Utopia e Luta, onde coordeno as Oficinas e seguir acreditando no ser humano.

36) RM: Nanci Araújo, quais seus contatos para show e para os fãs?

Nanci Araújo: [email protected] / https://web.facebook.com/nanci.araujo.395 / www.instagram.com/icnan395   

 Canal: https://soundcloud.com/nanci-araujo-491793036 

TRIBUTO AO BEDEU NANCI ARAÚJO: https://youtu.be/BXmjomNEFq4 

COOMPOR canta Pery Souza – canção ‘Recado’ com Nanci Araújo e banda: https://www.youtube.com/watch?v=1cHc-0bmDpM 

Déa Mancuso, professora de canto de Nanci Araújo, irmã do declamador Delmar Mancuso: https://www.youtube.com/watch?v=KzZbn3__tL4

0 0 voto
Article Rating

Subscribe
Notify of
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor responsável pela revista digital RitmoMelodia desde 2001, jornalista, músico, poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, propaga a diversidade musical brasileira através de entrevistas e artigos. Jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB (1996 a 2000) que lançou um livro de poesia em 1998 e seus poemas ganharam melodias gravadas em três álbuns concluindo a trilogia "reggae baseado em poesia" no seu projeto musical Reggaebelde. Unindo a sensibilidade do poeta, músico com o senso crítico do jornalista e pesquisador musical colocado em prática em uma revista que Canta o Brasil.