Continua após a Publicidade
Categorias: Entrevistas

Marcos Veiga


O produtor musical, compositor, ativista cultural carioca Marcos Veiga iniciou sua carreira em 2000 ao fundar com amigos a Associação Cultural Encontros Musicais, responsável por vários projetos de resgate Cultural no Bairro de Marechal Hermes – RJ.

Marcos Veiga produziu dois CDs em homenagem ao Bairro Marechal Hermes pelas passagens de seus 90 e 95 anos de fundação, reunindo mais de cem artistas, músicos, compositores e cantores que doaram seus talentos em prol da Cultura do Bairro. Esse trabalho ganhou o Prêmio Antônio Pedro de Alcântara de Preservação do Patrimônio Histórico e Cultural da Cidade do Rio de Janeiro, pela Câmara Municipal em 10 de dezembro de 2003 com o Trabalho “Marechal Hermes 90 anos de Encontros Musicais”, realizado junto com o professor Luiz Poeta e membros da AsCEM – Associação Cultural Encontros Musicais.

Marcos Veiga como presidente do Fan Clube do Clube da Esquina de Marechal Hermes, promoveu vários eventos no Bairro com Artistas como: Tunai, Cláudio Nucci, Rui Maurity, Diana Pequena, Carlos Dafé E Artistas do Bairro …entre outros.

Marcos Veiga foi assistente de Produção do elogiado CD – “Bossa Light” do cantor, compositor Luiz Poeta e Produtor Executivo do Show de mesmo nome no Teatro Armando Gonzaga, com este trabalho, abriu-se as portas para muitos outros eventos e construiu sua identidade com a sua atual caminhada. Ele tem eterna gratidão ao Luiz Poeta pela sua luz e amizade.

Marcos Veiga faz parte da Produção do Festival de Música do CEPE Fundão como assistente da Produtora / Diretora Luiza Ratare desde o início dos trabalhos no Festival.

Em 2013, produziu o CD – “Tempos” de músicas autorais do cantor, compositor Humberto Assunção e criou a Banda Tempos para alavancar o trabalho e realizar uma turnê de lançamento do álbum e assim foi criado um paralelo com a Banda Tempos em que começou a realizar um Tributo ao Clube da Esquina e três anos mais tarde gravamos o CD – “Humberto Assunção & Banda Tempos”, em que registraram músicas do CD anterior e a gravação de mais duas inéditas, este trabalho rendeu vários Shows no Rio de Janeiro, Teresópolis e Belo Horizonte – MG.

Marcos Veiga junto com o cantor, compositor e violonista Thadeu Camargo (Voz e Violão), criaram com os amigos Leo Salles (Voz e Baixo), Marcelo Braga (Voz, Flauta, Sax e Percussão), Gibran Oliveira (Bateria e Voz),  Marcelo Barboza (Voz, Guitarra e Baixo). a “Banda Certas Canções” que busca de maneira mais acústica fazer uma releitura de músicas do Clube da Esquina e Clássicos da MPB. Em 2020 estão gravando um CD Autoral. Muito mais que um grupo musical levam na Alma toda a essência do Clube da Esquina que é sempre valorizar em primeiro lugar as pessoas, a amizade e a música.

Marcos Veiga criou as Páginas: Marechal Hermes – Cultura, Fatos e Fotoshttps://web.facebook.com/MarechalHermesCulturaFatosEFotos em que dar ênfase a parte Histórica e Cultural do Bairro de Marechal Hermes, preservando e resgatando sua história e Fanpage da “Banda Certas Canções” – https://web.facebook.com/Banda-Certas-Can%C3%A7%C3%B5es-633406610468045  como veículo de divulgações do trabalho relativo as atividades da Banda e criou também o Grupo Encontros Musicais – Clube da Esquina de Marechal – https://web.facebook.com/groups/125638930906959.

Segue abaixo entrevista exclusiva com Marcos Veiga para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistado por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 10.08.2020:

Índice

01) RitmoMelodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

Marcos Veiga: Nasci no dia 01 de abril de 1958 – Rio de Janeiro – RJ, mas passei minha infância em um internato em Dorândia – Distrito de Barra do Piraí – RJ.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

Marcos Veiga: O primeiro contato começou na infância, meu tio era sanfoneiro e fazia parte de um grupo de Folia de Reis e também no Colégio Interno tínhamos eventos musicais nas datas temáticas e numa dessas festas tive a oportunidade de assistir ao show do Paulinho Diniz, tinha uns 13 anos de idade na época e me marcou muito.

03) RM: Qual sua formação musical?

Marcos Veiga: Tornei-me Produtor Musical autodidata, por ver uma inércia Cultural no meu Bairro, então resolvi com alguns amigos e começamos a produzir Festas Temáticas, Saraus e eventos de Músicas. Foi aí que surgiu o Fã Clube do Clube da Esquina de Marechal Hermes – RJ.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

Marcos Veiga: Primeiro vou falar de estilos musicais: Na primeira infância foram as Folias de Reis e as Festas Juninas ( Xotes/ Forrós), já na Adolescência já morando no Bairro de Marechal Hermes – RJ comecei a ter contato com o Samba, pois era vizinho do grande Osmar do Cavaco da Velha Guarda da Portela e amigo dos seus filhos incluindo o Serginho Procópio que a pouco tempo foi o Presidente da Portela, também entrei em contato com o Choro através da família do grande bandolinista Luperce Miranda também residente aqui em Marechal Hermes, já a influência da Bossa Nova se deu por conta da presença do grande pianista e maestro Cristóvão Bastos que também residia no Bairro Marechal Hermes. Essas influências foram marcantes pela forte presença musical no bairro de Marechal Hermes, em que era comum reuniões e apresentações desses fabulosos artistas.

Mas um certo dia entrei em contato com MPB e daí entrou na minha vida o Clube da Esquina, primeiro Milton Nascimento e Beto Guedes, depois 14 BIS, Lô Borges, Toninho Horta, Tavinho Moura, Wagner Tiso, Tunai, Paulinho Pedra Azul. Internacional o bom e velho Rock do Deep Purple, Pink Floyd, Supertramp, Led Zepelin, Beatles e o Festival Woodstock e muito mais, foram muito as influências, mas o Clube da Esquina me arrebatou e sou um apaixonado a tal ponto de fundar um Fã Clube.

05) RM: Quando, como e onde você começou sua carreira musical?

Marcos Veiga: Minha carreira musical começou como um Hobby no final dos anos 80, no bairro de Marechal Hermes, quando reunia a turma para festinhas Americanas com música mecânica até que um dia começamos a organizar festas maiores contratando Bandas e Cantores. Foi então que percebi que o que era uma diversão passou a ter um caráter mais profissional e foi então que comecei a estudar e aprender um pouco mais sobre Produção e através do Fã Clube do Clube da Esquina de Marechal começamos a realização de nossos sonhos ao trazer para apresentações aqui no bairro de Marechal Hermes, artistas consagrados da MPB como: Cláudio Nucci, Tunai, Diana Pequeno, Carlos Dafé, Rui Maurity, Monarco, Wilson Moreira

06) RM: Quantos CDs lançados?

Marcos Veiga: Foram um total de seis CDs. Dois CDs foram uma Coletânea que gravamos em homenagem ao Bairro de Marechal Hermes pela passagem de seus 90 e 95 anos de fundação, com a participação de Artistas do Bairro, resgatando a sua história e prestando sua homenagem, são os seguintes músicos, cantores, Compositores: Luperce Miranda Filho, Jorge Luperce, Jorge Anacleto, Guaracy 7 Cordas, Serginho Procópio, J Magno, Jairinho,Pedrinho, Tião Boca, Delei Duarte, Francisco Macambira, Timbira, André do Cavaco, Cristovão Bastos, Banda Indiana, Xandú, Toninho Lima, Luiz Poeta, Momo , Bianca Cardoso, Beto Gomes, Gélson de Barros, Cláudio Fonseca,Dudé Viana, Alberto Magalhães, Jorginho Astral, Ró Maior, Marcos Vasconcelos, Jorge Roberto, Humberto Assunção,Banda Gota Fria, Banda Sollis, Marcílio e Gracinete,Gilton Rodrigues, Campos,Rogério Soares, Bruno Vinicius, Haroldo PQD, André Rocha, Argenor ( Lotar), Cristina Trabboid, Maika , Lídia Gaucha, Tuninho Lima, Taiza Cipriano,Fábio Moreno, Mazinho Batera, Cleilson, Luciene Lima, Luizinho Baixista, Mauricio Fonseca, Wilson Moraes, Luquinhas, gravados  em 2002 e 2007 no M&C Estúdio por Maurício Fonseca.

CD – “Bossa Light” do cantor, compositor Luiz Poeta (Direção Geral / Musical) Luiz Poeta – Marcos Veiga – Produção Executiva – Gravado em 2002 no gênero MPB & Bossa Nova – no Estúdio Eclético.  CD – “Tempos” do cantor, compositor Humberto Assunção – Produção Geral / Executiva em 2011. No gênero MPB/ ROCK/ BLUES – Músicos que participaram: Humberto Assunção, Wilson Moraes, Luiz Felipe, Olavo Luz, Ruben Amoêdo, Pablo Gregório, Jorge Roberto. Direção Musical Ruben Amoêdo e Arranjos de Humberto Assunção. Gravado no LF Estúdio. CD – “O Andarilho das Canções” do cantor, compositor Dudé VianaDudé Viana na produção e Direção e Marcos Veiga – Assistente de Produção Executiva no Rio de Janeiro em 2012. No gênero MPB / Frevo / Xote). CD – “TEMPOS” de Humberto Assunção & Banda Tempos. Marcos Veiga – Produção Geral / Executiva em 2015. No gênero MPB / ROCK / BLUES com Direção Musical: Robson Souza / Gelson Ribeiro. Músicos: Humberto Assunção, Léo Salles, Robson Souza, Ricardo Pardal, Gelson Ribeiro, Lima Piedad. Gravado no Estúdio Pardal por Ricardo Pardal e Armando Vaz.

Quando o Bairro Marechal Hermes completou 100 anos, junto com o violonista Ruben Amoêdo compomos “A Bossa Canta Marechal” que se tornou um Hino ao Bairro, em que gravamos um Videoclipe que foi lançado durante as comemorações no Teatro Armando Gonzaga e na Festa Oficial na Praça XV de Novembro. “A Bossa Canta Marechal” foi interpretada pelo cantor Humberto Assunção e com Ruben Amoêdo no Violão, Jorge Roberto no Teclados, Léo Salles no Baixo, Luiz Felipe na Bateria e nos vocais Edna Amoêdo, Mary Salles, Ruben Amoêdo. Ano de gravação foi 2013.

07) RM: Como você define seu estilo musical?

Marcos Veiga: Sou eclético quanto a estilos musicais, mas a música tem que ter um conteúdo para me atrair, boa letra, uma boa harmonia e melodia, gosto de Rock Progressivo, Blues, MPB, Country, Jazz, Clássicos, Folk… Resumindo, a Música tem que ter Alma.

08) RM: Quais as cantoras(es) que você admira?

Marcos Veiga: Diana Pequeno, Leila Pinheiro, Joyce Moreno, Maria Bethania, Zizi Possi, Bárbara Barcelos, Nana Caymmi… Cantores: Milton Nascimento, Lô Borges, Cláudio Nucci, Zé Renato, Geraldo Azevedo, Renato Braz, Boca Livre, 14 BIS.

09) RM: Como é seu processo de compor?

Marcos Veiga: Por pura inspiração, geralmente acontece quando tenho fortes emoções.

10) RM: Quais são seus principais parceiros de composição?

Marcos Veiga: Thadeu Camargo, Delei Duarte, Ruben Amoêdo, Humberto Assunção e Jorge Roberto.

11) RM: Quem já gravou as suas músicas?

Marcos Veiga: Humberto Assunção, Banda Tempos, Jorge Roberto, Momo Ferreira e Bianca Cardoso, Banda Certas Canções.

12) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Marcos Veiga: É bom uma carreira independente pôr podermos ser quem realmente somos. Não ter que se submeter a padrões comerciais e gravar o que realmente vem de dentro da sua arte. A dificuldade encontrada é nas divulgações e vendas do trabalho. O que hoje já se consegue superar um pouco essa dificuldade é o alcance que a Internet nos dá.

13) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira dentro e fora do palco?

Marcos Veiga: Hoje posso falar sobre o planejamento em relação a produção da Banda Certas Canções, que temos como objetivo o Tributo ao Clube da Esquina & Clássicos da MPB. Estamos gravando no Estúdio Pardal o nosso primeiro álbum de músicas autorais em 2020.

14) RM: Quais as ações empreendedoras que você prática para desenvolver a sua carreira?

Marcos Veiga: Atualmente o foco está sendo em divulgar a Banda Certas Canções e aumentar os seguidores em nossa Fanpage.

15) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira?

Marcos Veiga: A Internet é um canal de comunicação com os fãs e que nos abre as possibilidades de alcançarmos lugares que antes seria impossível e também na divulgação de nossos eventos.

16) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso à tecnologia de gravação (home estúdio)?

Marcos Veiga: As Vantagens é a velocidade que você tem na divulgação de suas músicas e a desvantagem é que com a facilidade de baixar os arquivos, poucos ainda adquirem o seu trabalho físico.

17) RM: Como você analisa o cenário musical brasileiro. Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas duas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Marcos Veiga: Vejo o cenário musical um pouco acanhado, mas não por culpa de quem produz, mas a grande mídia que cisma em empurrar a música de fácil digestão e banalizada. Tenho acompanhado uma rapaziada boa, mas que não conseguem furar essa barreira. Ficam na música independente e realizando coletivos em que conseguem reunir pessoas que estão afim de realmente ouvir músicas.

18) RM: Quais os músicos já conhecidos do público que você tem como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

Marcos Veiga: Admiro muito Toninho Horta, Telo Borges, Cristóvão Bastos, Lui Coimbra, Tulio Mourão e todo o pessoal do Clube da Esquina, são fantásticos.

19) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical?

Marcos Veiga: Quando ainda produzia a Banda Tempos, fomos fazer um show no Bar Café Etílico no Recreio dos Bandeirantes – RJ e a cidade estava em obras para a Olimpíadas, estavam construindo a trans olímpica e o transito estava caótico. O show era um Tributo ao Clube da Esquina e lançamento do CD. O público não apareceu e foi apenas três casais e um dos casais estava fazendo aniversário de casamento, fizemos um show impecável. O casal gostou tanto que me chamou e com pena de não ter quase ninguém para assistir ao show me perguntou qual era o cachê que a Banda cobrava. Falei que ali seria através de couvert artístico, então eles pagaram o cachê como se o Bar estivesse Cheio. Isso foi inusitado. O respeito que os músicos tiveram tocando como se o Bar estivesse cheio, foi retribuído com o respeito de quem foi ali para ouvir boa música e se sentiu respeitado.

20) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Marcos Veiga: O que me deixa mais feliz é a amizade e o carinho da nossa Banda Certas Canções, pois a banda acredita nos sonhos e o que importa é estarmos juntos fazendo Arte e a alegria das pessoas.

21) RM: Nos apresente a cena musical da cidade que você mora?

Marcos Veiga: A Cena musical no Rio de Janeiro é bem diversificada com predominância para o Pagode, Sertanejo, FUNK e até Karaokê, mas ainda tem aqueles que fazem resistência e tocam MPB e Rock.

22) RM: Você acredita que sem o pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

Marcos Veiga: Sem jabá podem até tocar nas rádios, mas apenas uma vez só.

23) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Marcos Veiga: Perseverança e tentar se juntar a um Coletivo, pois juntos abrem mais espaços. Eu gosto e acredito muito nos Coletivos.

24) RM: Quais os prós e contras do Festival de Música?

Marcos Veiga: Faço parte da produção junto com a Produtora / Diretora Luiza Ratare do Festival de Música do CEPE-FUNDÃO PETROBRAS. Vejo nos Festivais a oportunidade de você mostrar seu trabalho para quem realmente quer ouvir e está ali para te ouvir. Um Festival sério te dar essa oportunidade. O Festival do CEPE já tivemos candidatos que gravaram e até fizeram carreira Internacional.

25) RM: Hoje os Festivais de Música revelam novos talentos?

Marcos Veiga: Sim, acredito muito nos Festivais de Música, ainda vejo como alternativa para divulgação.

26) RM: Como você analisa a cobertura feita pela grande mídia da cena musical brasileira?

Marcos Veiga: Deixa muito a desejar. A grande mídia tem que valorizar mais as cenas independentes, os coletivos e acreditar que ainda existe um mercado musical que ainda ama a música boa e de qualidade.

27) RM: Qual a sua opinião sobre o espaço aberto pelo SESC, SESI e Itaú Cultural para cena musical?

Marcos Veiga: Esses Espaços são como resistência Cultural, principalmente o SESC.

28) RM: O circuito de Bar na cidade que você mora ainda é uma boa opção de trabalho para os músicos?

Marcos Veiga: Sim. Ainda é uma forma de músicos mostrarem seus trabalhos, mesmo com um mínimo de cachê, mas o que importa é estar numa vitrine.

29) RM: Fale da sua atuação como produtor musical.

Marcos Veiga: Em primeiro lugar é fazer o que gosto, é sonho mesmo e não deixar morrer a Poesia, a boa música, a Arte.

30) RM: Fale do seu projeto com a música mineira (Lumiar).

Marcos Veiga: A música Mineira está dentro de mim, enraizada. É coisa de Alma, de sentimento, de Sonho. Ha tempos atrás junto com Humberto Assunção criamos a Banda Tempos e fizemos muitos tributos ao Clube da Esquina. Uma Banda sensacional, de resistência, muitos sonhos realizados, foi muito bom, mas a banda seguiu seu rumo mais voltada ao Rock e Pop.

Então juntei as pessoas que são Clubeiras, que entendem e sentem na Alma a essência do Clube da Esquina e junto com Thadeu Camargo, Marcelo Braga, Marcelo Barboza, Leo Salles e Gibran Oliveira, demos início aos trabalhos com a Banda Certas Canções, que respira e sente emoção com as músicas do Clube da Esquina. Em Lumiar – Nova Friburgo encontramos, um solo fértil para as músicas de Minas Gerais, lá tudo se parece: A Natureza, as Montanhas, os Rios, as Cachoeiras e as pessoas. Eu sempre digo: Lumiar é um pedacinho de Minas no Rio de Janeiro.

Sou muito grato a Banda Tempos, pois através dela realizei muito dos meus sonhos, inclusive ter se apresentado no Bar do Museu Clube da Esquina, a banda teve duas formações: Humberto Assunção, Ruben Amoêdo, Ricardo Pardal, Gelson Ribeiro, Robson Souza, Léo Salles e Lima Piedad. Com a saída do Pardal entrou o Marcelo Barboza. E a segunda formação: Robson Souza, Nilo Carvalho, Léo Salles, Gibran Oliveira. Com a saída do Gibran Oliveira entrou o Viny Soares.

31) RM: Existe o Dom musical? Como você define o Dom musical?

Marcos Veiga: O Dom Musical vem geralmente junto com o DNA. A pessoa com o Dom encontra facilidades no aprendizado e no desenvolvimento de sua carreira musical.

32) RM: Qual é o seu conceito de Improvisação Musical?

Marcos Veiga: Improvisação é o músico estar totalmente à vontade para seguir sua sensibilidade.

33) RM: Existe improvisação musical de fato, ou é algo estudado antes e aplicado depois?

Marcos Veiga: Existe e sempre existirá. Vejo a improvisação como um grupo que está na mata fazendo uma trilha e cada um pega um caminho, mas que no final se encontram no mesmo lugar.

34) RM: Quais os prós e contras dos métodos sobre Improvisação musical?

Marcos Veiga: Nas improvisações a música flui com mais emoção, leve e solta, com músicos experientes não vejo contras.

35) RM: Quais os prós e contras dos métodos sobre o Estudo de Harmonia musical?

Marcos Veiga: A Harmonia é o que define uma boa música. É aonde está toda emoção. Os acordes junto com a Melodia é o que dá o conceito musical.

36) RM – Quais os seus projetos futuros?

Marcos Veiga: Projeto futuro é sem dúvidas a gravação do trabalho autoral da Banda Certas Canções com composições maravilhosas de Thadeu Camargo com algumas parcerias comigo e com Leo Salles (Baixista / Violonista) da Banda Certas Canções.

37) RM: Marcos Veiga, Quais seus contatos para show e para os fãs?

Marcos Veiga: (21) 98827 – 8409 (WhatsApp) | bandaemusicais@gmail.com

| https://www.facebook.com/marcos.veiga1

|https://web.facebook.com/Banda-Certas-Can%C3%A7%C3%B5es-633406610468045

| www.instagran.com/bcertascanções

| Fan Clube – Clube da Esquina de Marechal: https://www.facebook.com/groups/125638930906959/

| Clube da Esquina de Lumiar: https://www.facebook.com/Encontros-Musicais-Clube-da-Esquina-de-Lumiar-Fan-Clube-RJ-244879346349564/?modal=admin_todo_tour

| Canal: https://www.youtube.com/channel/UCO0OE9xkPKmzyuizPTwS94Q

| Feito Pra Sonhar ( Jorge Roberto/ Marcos Veiga) Banda Certas Canções: https://www.youtube.com/watch?v=PZWnpMgnWgM

| Clube da Esquina 2 ( Milton Nascimento/ Lô Borges/ Márcio Borges ) Banda Certas Canções: https://www.youtube.com/watch?v=k8L2VrUqexI


Continua após a Publicidade
Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor responsável pela revista digital RitmoMelodia desde 2001, jornalista, músico, poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, propaga a diversidade musical brasileira através de entrevistas e artigos. Jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB (1996 a 2000) que lançou um livro de poesia em 1998 e seus poemas ganharam melodias gravadas em três álbuns concluindo a trilogia "reggae baseado em poesia" no seu projeto musical Reggaebelde. Unindo a sensibilidade do poeta, músico com o senso crítico do jornalista e pesquisador musical colocado em prática em uma revista que Canta o Brasil.

Publicado Por
Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa
    Continua após a Publicidade

Artigos Recentes

Ronaldo Coisa Nossa

Ronaldo Antônio da Silva, conhecido como Ronaldo Coisa Nossa ou Ronaldo do Opção passou sua…

% dias atrás

Nanci Araújo

A cantora e compositora porto-alegrense Nanci Araújo estreou em 1986 e desde então, tem buscado…

% dias atrás

Rúrion Melo

Rúrion Melo é doutor em Filosofia (USP) e professor de Ciência Política (USP). Além de…

% dias atrás

Ras Lukaz

O cantor, compositor baiano Ras Lukaz está em contato com a música desde dos 9…

% dias atrás

Valter Saty

“Todo dia eu te espero naquela rua e você toda bonita vai me encontrar... Um…

% dias atrás

Lucas Ghetti

O cantor, compositor e violonista mineiro Lucas Ghetti é apaixonado por cinema e música. Lucas…

% dias atrás
Continua após a Publicidade

Este website usa cookies.