Marcelo Gasperini

Marcelo Gasperini

O baterista Marcelo Gasperini, o caçula de uma família de músicos: Maurício e Mauro Gasperini. Incentivado pelo pai, começou a tocar bateria aos 5 anos de idade.

Aos 20 anos de idade entrou na banda Katsbarnea que entre os anos de 1988 a 1993 foi uma das pioneiras e maior sucesso no meio Gospel. Participou de músicas marcantes como “Sonhos de Deus”, “Cristo ou Barrabás”, “Revolução”, “Extra”, entre outras, que marcaram época no rock gospel.

No SBT, fez parte da Caravana de Celso Portiolli. Esteve durante 25 anos na banda de seu irmão Maurício Gasperini; um ex-integrante da Rádio Taxi, uma banda renomada dos anos 80. Fez milhares de shows na banda do Maurício Gasperini e participou de alguns shows e CD e DVD da dupla “Mano a Mano” (Maurício e Mauro Gasperini) e do projeto de músicas Italianas em 2016.

Marcelo Gasperini tocou para vários artistas como: Paulo Ricardo, Ritchie, Leo Jaime, Kiko Zambianchi, Paula Lima, Lulu Santos, Milton Guedes, Pepeu Gomes, Frejat, Rodrigo Santos, Leo Maia, Kid Vinil, Paulo Miklos, Claudio Zoli, Roger Moreira, Toni Garrido, Afonso Nigro, Fabio Junior, Clemente, George Israel, Seu Jorge, Guilherme Arantes, PA, Fernando Deluqui, Nasi, Marcelo Nova, Luís Carlini.

Atualmente iniciou uma nova fase com o trio Terno Velho (Betto Luck, Herinco Machado) tocando hits do rock nacional dos anos 80,90 e 2000 nas noites paulistanas e ao lado de grandes músicos. É baterista do projeto Liga Retrô, Liga do Rock.

Segue abaixo entrevista exclusiva com Marcelo Gasperini para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistado por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 07.04.2021:

Índice

01) Ritmo Melodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

Marcelo Gasperini: Nasci no dia 04 novembro em São Paulo – SP.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

Marcelo Gasperini: Meu contato com a música começou aos cinco anos de idade com meus irmãos Marcos, Mauro, Maurício tínhamos uma banda com nome de “Os fraldas” que tinha também os músicos Hercules e Robertinho.

03) RM: Qual a sua formação musical e/ou acadêmica fora da área musical?

Marcelo Gasperini: Cursei até ensino médio e entrei na Faculdade de Comunicação, mas parei no primeiro ano.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

Marcelo Gasperini: Influências musicais: The Police, Paralamas do Sucesso, Capital Inicial. Rock dos anos 80 no geral. Todas têm importância até os dias atuais, mas devemos estar sempre se atualizando.

05) RM: Quando, como e onde você começou a sua carreira musical?

Marcelo Gasperini: Em 1990 comecei minha carreira com a banda gospel Katsbarnea, que alcançou a venda de 100 mil CDs e conquistamos disco de ouro na época.

06) RM: Quantos discos solos ou em grupo lançados? Cite alguns discos que você já participou?

Marcelo Gasperini: Sou o baterista do power trio Terno Velho (Betto Luck, Herinco Machado), ainda não concluímos o álbum em 2020, mas retomamos os trabalhos em 2021. Participei do CD da dupla “Mano a Mano” (Maurício e Mauro Gasperini). Do CD da banda “Renascer Praise”. Dos CDs da banda Katsbarnea: “Katsbarnea”, acústico gravado no Palace (2009); “A tinta de Deus” (2007); “Profecia” (2002); “Armagedom” (1995); “Katsbarnea” (1990); “Som que te faz girar” (1989).

07) RM: Como você define seu estilo como Baterista? Você toca outro instrumento musical?

Marcelo Gasperini: Tenho meu próprio estilo e sou ritmista, não toco outro instrumento a não ser Bateria e Percussão.

08) RM: Quais as principais técnicas que o Baterista deve se dedicar?

Marcelo Gasperini: Rudimentos, técnicas de mãos e pés, vídeo aulas, referências, educação musical.

09) RM: Qual a importância de o Baterista equilibrar a função de condução e de solista?

Marcelo Gasperini: Na condução temos que acompanhar o que a musicalidade pede bem como o artista cantor. No caso do solo, temos mais liberdade de expor nosso estilo.

10) RM: Quais os principais vícios técnicos ou falta de técnicas têm bateristas alunos e alguns profissionais?

Marcelo Gasperini: Falta de postura, técnicas de baquetas, pouco treino.

11) RM: Quais as principais características de um bom Baterista?

Marcelo Gasperini: Domínio dos ritmos, comportamento e humildade.

12) RM: Quais são os Bateristas que você admira?

Marcelo Gasperini: SerginhoRoupa Nova; Pascoal Meirelles – Jazz;

Robertinho Silva – Samba; João Barone – Paralamas do Sucesso; Rafinha Laia – Sertanejo; Stewart Copeland – The Police; Phill Rud – AC/DC.

13) RM: Existe uma indicação correta para escolher uma Bateria?

Marcelo Gasperini: Só é possível escolher uma Bateria a partir da experimentação e identificação com a mesma, é quase “gosto pessoal” mais que técnica.

14) RM: Quais os gêneros musicais que necessitam de bateria especifica?

Marcelo Gasperini: Samba, Jazz, Rock, Baião, ou seja, cada gênero é um tipo de Bateria.

15) RM: Qual a marca de Bateria da sua preferência?

Marcelo Gasperini: Minha preferência é a marca DW pela sonoridade que me identifico mais.

16) RM: Existe marca ideal para cada gênero musical ou é preferência pessoal?

Marcelo Gasperini: Preferência pessoal.

17) RM: Quais os prós e contras de ser professor de Bateria?

Marcelo Gasperini: Prós: ensinar e multiplicar conhecimento. Contra: responsabilidade de encaminhar o aluno para o seu estilo próprio.

18) RM: Existe o Dom musical? Qual seu conceito de DOM?

Marcelo Gasperini: Sim. É inexplicável, pois o dom nasce com o indivíduo e se destaca ao decorrer da sua vida em qualquer profissão.

19) RM: Quais os prós e contras de ser baterista freelancer acompanhando artista ou grupo?

Marcelo Gasperini: Prós: experimentar vários desafios na musicalidade e lidar com seres humanos diversos. Contra: não ter ganho fixo.

20) RM: Quais os prós e contras de tocar em uma única banda?

Marcelo Gasperini: Prós: ter ganho fixo. Contra: ficar condicionado e se acomoda ao som da banda.

21) RM: Quais os prós e contras de ser músico de estúdio de gravação?

Marcelo Gasperini: Prós: ganhar experiência e ter nome no mercado musical. Contra: não ter a vivência de um palco e plateia (improviso).

22) RM: Quais grupos você que já participou?

Marcelo Gasperini: Atualmente estou no power trio Terno Velho junto com o cantor, compositor, baixista carioca Betto Luck que foi líder da banda Flashback e colheu boas conquistas em Vitória- ES. Com a aprovação do público capixaba, era hora de tentar alçar voos maiores, o que acarretou em sua vinda a São Paulo. Em 1998, trazendo na bagagem experiência e muita determinação, Betto chegou à capital paulistana e logo formou a banda Soulgang, com a qual gravou três álbuns, realizou inúmeros shows não só em São Paulo, como também no Rio de Janeiro e em Minas Gerais, além de participações na rádio e na TV. Era hora de novos desafios de se lançar em carreira solo.

E Henrico Machado, que iniciou da vida musical em Vitória – ES no início dos anos 90 como guitarrista em uma banda de rock. Como todos os guitarristas da época suas influências foram os grandes guitarristas da década. Passou a viver de música ao entrar na Soul Machine Band no final dos anos 90 quando iniciou a caminhada com o amigo Betto Luck, ainda em Vitória. Em 1998, mudou-se para São Paulo afim de tentar uma carreira verdadeiramente próspera e mais uma vez com Betto Luck passou a tocar no cenário paulistano sob as cores da Soul Gang, banda que com muito sucesso, representou a disco music durante muitos anos no cenário musical. Em 2007 gravou as guitarras no DVD ao vivo Betto Luck e seguem juntos até hoje, agora no novo projeto chamado Terno Velho.

Fui baterista da banda de Maurício Gasperini (ex cantor da Rádio Táxi); da banda de Mara Maravilha; da Katsbarnea; da Renascer Praise e do Terno Velho; com artistas convidados no projeto com músicas dos anos 80.

23) RM: Quais principais dificuldades de relacionamento que enfrentou em grupos?

Marcelo Gasperini: Os egos.

24) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira?

Marcelo Gasperini: Ajuda na divulgação de meu trabalho, mas prejudica quando é utilizada para terapia de pessoas que não tem o que fazer.

25) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso à tecnologia de gravação (home estúdio)?

Marcelo Gasperini: Vantagem: agilidades. Desvantagem: qualidade do som da música.

26) RM: Como você analisa o cenário da música instrumental no Brasil. Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Marcelo Gasperini: O cenário musical instrumental não é reconhecido no Brasil. Nas últimas duas décadas não teve nenhuma revelação.

27) RM: Como você analisa o cenário do Rock brasileiro. Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Marcelo Gasperini: O cenário musical do rock caiu e é pouco valorizado. Nas últimas décadas: Anitta, Fernando e Sorocaba continuam a crescer constantemente, já o rock sempre está em regressão.

28) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical (falta de condição técnica para show, brigas, gafes, show em ambiente ou público tosco, cantar e não receber, ser cantado etc)?

Marcelo Gasperini: São milhares de situações das citadas na pergunta.

29) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Marcelo Gasperini: Feliz é tocar. E tristeza a falta de união e agora a destruição da nossa classe musical.

30) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Marcelo Gasperini: Fazer isso por amor à arte, humildade e foco.

31) RM: Quais os erros na metodologia do ensino musical?

Marcelo Gasperini: Não conseguem ainda ensinar improviso.

32) RM: Apresente seu método para o ensino de Bateria?

Marcelo Gasperini: Método livre e de experiência prática maior que a teoria.

33) RM: Como surgiu o conceito que Bateria e o Baixo trabalham juntos? Já caiu em desuso esse conceito?

Marcelo Gasperini: O chamado conceito cozinha é real, pois os instrumentos se complementam num show de grande porte. Não caiu em desuso, apenas no momento atual não existe paga para bandas completas e estão utilizando o conceito de pocket show.

34) RM: Marcelo Gasperini, Quais os seus projetos futuros?

Marcelo Gasperini: Voltar às atividades de shows constantes com o projeto Terno Velho e convidados anos 80.

35) RM: Quais os seus contatos para os fãs?

Marcelo Gasperini: (11) 99624 – 2700 (Angélica Gasperini) | [email protected] | https://web.facebook.com/marcelo.gasperini.5

| https://web.facebook.com/Ternovelhooficial-103147707929823

| www.instagram.com/ternovelhooficial

O Terno Velho: https://www.eshows.com.br/artistas/terno-velho-banda

Canal de Marcelo Gasperini: https://www.youtube.com/channel/UCWxLmEX_yHQY-tGWPtKvG2A

Canal de Maurício Gasperini: https://www.youtube.com/user/gasperinimauricio

DVD – Maurício Gasperini: https://youtu.be/YDNbMZoEJcc

DVD Músicas dos anos 80 Maurício Gasperini: https://youtu.be/z8OuKp7UDgU

Canal da KATSBARNEA: https://www.youtube.com/user/KATSBARNEAOFICIAL

KATSBARNEA – VIAGEM DE ORAÇAO: https://youtu.be/pTPcZrofmAI

KATSBARNEA: https://www.letras.mus.br/katsbarnea/discografia

RO390: ICARO SCAGLIUSI (Paulo Ricardo), MARCELO MAGAL (Biquini Cavadão) & MARCELO GASPERINI (T. Velho): https://www.youtube.com/watch?v=zoqTEDYhlr0

Live com Marcelo Gasperini: https://www.youtube.com/watch?v=ZmJaW-Eqngs


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor responsável pela revista digital RitmoMelodia desde 2001, jornalista, músico, poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, propaga a diversidade musical brasileira através de entrevistas e artigos. Jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB (1996 a 2000) que lançou um livro de poesia em 1998 e seus poemas ganharam melodias gravadas em três álbuns concluindo a trilogia "reggae baseado em poesia" no seu projeto musical Reggaebelde. Unindo a sensibilidade do poeta, músico com o senso crítico do jornalista e pesquisador musical colocado em prática em uma revista que Canta o Brasil.