Continua após a Publicidade
Categorias: Entrevistas

Luis Nascimento


O multi-instrumentista, compositor, arranjador e produtor musical niteroiense Luis nascimento, tem como instrumentos bases o Violão e a Guitarra.

Luis Nascimento teve o contato com a música através de acalantos, músicas em serviço de alto falante do bairro e rádios. Aos treze anos de idade, ganhou um Violão da tia e se juntou a turma da rua para trocar informações sobre acordes, sobre artistas, bandas, suas músicas e foi muito treino. A sua dedicação e seu entusiasmo levaram a tocar com precisão todas as músicas que tocava no rádio e nas vitrolas das casas dos amigos que admirados, o encorajou a tocar em alguma banda de baile. Então, ele partiu para tocar nos Bailes! Nos anos 70 as bandas de baile eram a forma de fazer chegar música ao vivo para o povo escutar e dançar.

Os bailes eram em clubes de bairro traziam a alegria, o entretenimento nos finais de semana e formaram grandes músicos. No Rio de Janeiro nos anos 60 a Bossa Nova que era um movimento musical considerado de elite que o fascinava. Os compositores a maioria moravam na zona sul e faziam acordes dissonantes em um ritmo sincopado que deixavam uma áurea de felicidade nos intérpretes e ouvintes nas salas de estar de suas casas e apartamentos.

Luis Nascimento todo fim de semana se reunia para escutar, observar e aprender no Camarão – São Gonçalo– RJ com o grupo Temporão. Era um grupo de amigos universitários, músicos, compositores e poetas, se juntavam para demonstrar suas novas composições, novos conhecimentos musicais e literários.

Luis Nascimento nos anos 70 após serviço militar atravessou a Baía de Guanabara de Niterói para o Rio de Janeiro tentar a vida como músico profissional. Começou em bandas de teatros de revista na praça Tiradentes e Cinelândia, e logo depois vieram as boates e hotéis na zona sul, tocou com grandes mestres e intérpretes da MPB.

Em 1974 foi contratado pela orquestra da Cia de danças folclóricas brasileiras Brasil Tropical para uma turnê pela Europa (Espanha, Alemanha Ocidental e Oriental, Áustria, França, Palma de Maiorca, uma temporada de 30 dias no navio Queens Elizabeth pelos Fiordes da Noruega), até 1975. Em março de 1976, foi convidado por Hélio Fazolato empresário em Além Paraíba – MG, a integrar seu conjunto de baile, o “Vanguarda” e tocou por oito meses. Voltou a morar em Niterói e foi trabalhar no Hotel Sheraton no Rio de Janeiro com Eli Arcoverde.

Em março de 1977 conheceu por intermédio de Carlinhos Batera, a cantora Alcione e ela o convidou para formar a banda “Toda Transa” para acompanha-la em shows, gravação de disco e apresentação de programas de televisão pelo Brasil e outros países como Suíça, Angola, México, Itália e Portugal como guitarrista, arranjador e diretor musical.

Luis Nascimento agradece as dicas valorosas sobre a teoria musical e arranjos que teve do maestro Eduardo Lages; da professora de teoria e solfejo dona Carolina e do maestro Radamés Gnattali, quando Luis começo a escrever para as cordas e orquestra. Luis Nascimento em 1984 recebeu uma proposta para tocar numa casa de shows na Côte D’Azur (França) como músico.

Em 1987 foi convidado por Alcione para dirigir sua nova banda (Banda do Sol) e a participar como arranjador e assistente de produção no disco – “Meu Nome é Resistência” com grandes sucessos como “Estranha Loucura”, “Meu Vício é Você”. Em 1988 realizaram na antiga União Soviética uma temporada de 28 shows em estádios e teatros de Moscou, Leningrado, Kiev, Tallinn e Vilnius. Em 1988 produziu e dirigiu o show de Alcione no Festival de Montreux (Suíça).

Em 1989 voltou para França como residente, fundou a empresa Luna Evénements produtora musical do Duo LUNA e residiu até 2007. Luis Nascimento trabalhou com: João Donato, Roberto Menescal, Leny Andrade, Emílio Santiago, Marinês, Paulo Moura, Dori Caymmi, Ivan Paulo, Bebel Gilberto, Luiz Carlos Vinhas, Pedrinho Rodrigues e Nazaré Pereira na França.

Luis Nascimento de volta ao Brasil incentivado pelo advento da Informática na música, montou um home studio que atua como produtor musical, multi-instrumentos, compositor, arranjador, para novos e consagrados artistas do show BIZ, jingles e trilhas musicais para campanhas publicitárias rádios e cinema, lecionei violão no projeto Oficinas na Prefeitura Municipal de Além Paraíba – MG onde moro atualmente.

No ano de 2018 lançou o primeiro álbum intitulado AD/DA e atualmente está a frente do projeto Four Seasons, o seu segundo álbum  foi lançado em março de 2020.

Segue abaixo entrevista exclusiva com Luis Nascimento Smooth Jazz para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistado por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 24.04.2020:

Índice

01) Ritmo Melodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

Luis Nascimento Smooth Jazz: Nasci no dia 24.01.1952 em Pendotiba/Niterói – RJ, mas só fui registrado em 25.01.1953.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

Luis Nascimento: Essas coisas aconteciam quase que normalmente na época por diversas razões… O meu primeiro contato com a música foi feito através de acalantos, músicas em serviço de alto falante do bairro e rádios. Aos 13 anos de idade ganhei um violão da minha tia e me juntei a uma turma da minha rua para trocar acordes, informações sobre artistas, bandas, suas músicas e muito treino. A dedicação e o entusiasmo me levaram a executar com precisão todas as músicas que tocava no rádio e nas vitrolas das casas dos amigos que admirados, me encorajavam a participar de algum conjunto (banda).

Nos anos 60 os conjuntos (bandas) de baile eram a forma mais eficiente de fazer chegar ao povo música ao vivo para escutar e dançar. Os bailes em clubes de bairro traziam a alegria, o entretenimento nos finais de semana e formaram grandes músicos. Paralelamente aos bailes populares de música nacional e internacional, acontecia a Bossa Nova no Rio de Janeiro um movimento cultural musical considerado de elite que me fascinava.

A Bossa Nova com seus compositores na sua maioria nascidos na zona sul da cidade, trazia em seus ricos acordes dissonantes a suavidade e na descontração de sua batida, uma áurea de felicidade aos seus interpretes e ouvintes nas salas de estar de suas casas e apartamentos. Todo fim de semana reunia-se no Camarão – São Gonçalo – RJ o Grupo Temporão. Um grupo de amigos universitários músicos compositores e poetas, se juntavam para demonstrar suas novas composições, novos conhecimentos musicais e literários e lá estava eu, muitas vezes depois do baile para escutar, observar e aprender.

03) RM: Qual sua formação musical e\ou acadêmica fora da área musical?

Luis Nascimento Smooth Jazz: Autodidata. Vale a pena ressaltar as dicas valorosas sobre a teoria musical e arranjos do maestro Eduardo Lages, da dona Carolina minha professora de teoria e solfejo e do maestro Radamés Gnattali quando comecei a escrever para as cordas e orquestra.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

Luis Nascimento Smooth Jazz: Influência por gênero: As estações de rádio e serviço de auto falante difundiam programações musicais maravilhosamente ecléticas, podia-se ouvir de Ângela Maria a Tchaikovsky, de Sidney Bechet a Nelson Gonçalves passando por Luiz Gonzaga esbarrando em The Platters, Brenda Lee chegando a João Gilberto, pulando para George Gershwin após o jingle das Casas Pernambucanas. Influência por artista: Os violonistas Rogério, Waldemar e Edilson do Grupo Temporão e os guitarristas Mirabeau Pinheiro e George Benson, tudo e todos é de suma importância para mim até os dias de hoje.

05) RM: Quando, como e onde você começou sua carreira musical?

Luis Nascimento Smooth Jazz:: Após serviço militar nos anos 70 atravessei a Baía de Guanabara e fui para o Rio de Janeiro tentar ganhar a vida como músico. Comecei em bandas de teatros de revista na praça Tiradentes e Cinelândia, e logo depois vieram as boates e hotéis na zona sul do Rio de Janeiro, em que conheci e toquei com grandes mestres e interpretes da MPB.

06) RM: Quantos CDs autorais lançados? Cite os CDs da Alcione que você participou e outros artistas famosos?

Luis Nascimento Smooth Jazz: Discografia: Em 2020 o álbum – “Four Seasons”. Em 2019 os singles: “SPRING TO LOVE”; “LET ME WARM YOU UP”; “WINTER WITH YOU”; “APPLE, THE FRUIT OF SIN”; “AUTUMN DANCE”. Eu fui o multi-instrumentista, Arranjador e Produtor Musical. Em 2018 o álbum “AD/DA”. Em 2016 fui o multi-instrumentista, Arranjador e Produtor Musical do álbum de Maria Elisa – “SÍAP ON ECILA”. Em 2016 fui o multi-instrumentista, Arranjador e Produtor Musical do álbum de Rafael Tavares –

“BASTA UMA PALAVRA”. Em 2013 fui o multi-instrumentista, Arranjador e Produtor Musical do álbum de Marco Antonio Bouquard.

Em 2010 fui o multi-instrumentista, Arranjador e Produtor Musical do álbum de Pepe & Neném – “IMPREVISÍVEL DEMAIS”. Em 2010 fui o guitarrista, Arranjador e Produtor Musical do álbum de Maíra Santafé – “RAIZ DE SAMBA”. Em 2003 fui o guitarrista, Arranjador e Produtor Musical do álbum de Loalwa Braz – “RECOMEÇAR”. Em 1998 fui Guitarrista, Arranjador e Produtor Musical do álbum “Beijo na Boca”. Em 1998 fui o multi-instrumentista, Arranjador e Produtor Musical do álbum de Arnaud Rodrigues. Em 1998 fui o multi-instrumentista, Arranjador e Produtor Musical do álbum de CEL. TOTONHO. Em 1987, 1982, 1981, fui o Guitarrista, Arranjador e Diretor Musical dos álbuns de Alcione – “Nosso nome: Resistência”. Em 1982 do álbum “VAMOS ARREPIAR”. Em 1982 ALCIONE 10 ANOS DEPOIS. Em 1981 ALCIONE. Em 1980 “E VAMOS À LUTA”. Em 1979 “GOSTOSO VENENO”. Em 1978 “ALERTA GERAL”. Em 1977 “PRA QUE CHORAR”.

07) RM: Como você define seu estilo musical?

Luis Nascimento Smooth Jazz: O guitarrista, Smooth Jazz.

08) RM: Quais as cantoras(es) que você admira?

Luis Nascimento Smooth Jazz: Ângela Maria, Leny Andrade, Zizi Posse, Ella Fitzgerald, Cissy Houston, Minnie Ripperton, Nelson Gonçalves, Agostinho dos Santos, Taiguara, Frank Sinatra, Luiz Miguel e Stevie Wonder.

09) RM: Como é seu processo de compor?

Luis Nascimento Smooth Jazz: A qualquer hora e/ou lugar, frases soltas me vem à cabeça e eu decoro e/ou gravo, ou escrevo e depois desenvolvo.

10) RM: Quais são seus principais parceiros de composição?

Luis Nascimento Smooth Jazz: Ronaldo Barcelos, Olavo David, Biafra, Loalwa Braz.

11) RM: Quem já gravou as suas músicas?

Luis Nascimento Smooth Jazz: Pixote, Loalwa Braz, Beijo na Boca, dentre outros…

12) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Luis Nascimento Smooth Jazz: Prol é proporcionar a verdadeira realização e identidade artística. Contra é que é o caminho mais difícil de tornar conhecida a sua arte.

13) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira dentro e fora do palco?

Luis nascimento Smooth Jazz: Atuo como o compositor, o músico, o interprete, o músico acompanhante/executante, o arranjador, o produtor musical todas essas funções estão estrategicamente muito bem mixados em mim, cada um em seu lugar com planos independentes para cada situação.

14) RM: Quais as ações empreendedoras que você pratica para desenvolver a sua carreira musical?

Luis nascimento Smooth Jazz: Em 2018 lancei o meu primeiro álbum solo “AD/DA” e em 2019 lancei cinco singles. Todos através da distribuidora CD Baby.

15) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira?

Luis nascimento Smooth Jazz: A internet é o veículo de acesso ao meu público alvo, é comunicação, intercâmbio cultural e comercial e de forma nenhuma prejudica o desenvolvimento de minha carreira musical.

16) RM: Quais as vantagens e desvantagens do fácil acesso à tecnologia de gravação (home estúdio)?

Luis nascimento Smooth Jazz: A tecnologia já chegou, e com ela infinitas possibilidades em fixar sua ideia, seu talento, sua arte, mas não a considero de fácil acesso, para obtê-la é preciso pagar e é muito dispendioso, além de requerer tempo para estudar e aprender seu manuseio.

17) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo. Mas, a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que você faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

Luis nascimento Smooth Jazz: Sim, foi difícil gravar no passado. Não se tinha vontade própria, quem gravava era o escolhido pela gravadora ou quem tinha recursos. Música instrumental só nos Estados Unidos, sim, gravar hoje é possível para todos, e o que estabelece a diferença, é a música que se grava.

18) RM: Como você analisa o cenário musical brasileiro. Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas duas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Luis nascimento Smooth Jazz: Sempre houve, há e haverá artistas, seres sensitivos com a missão de transmitir aos seus irmãos o entretenimento, aguçar sentimentos o amor e a paz.

19) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical (falta de condição técnica para show, brigas, gafes, show em ambiente ou público tosco, cantar e não receber, ser cantado e etc)?

Luis nascimento Smooth Jazz: Acho que música que se quer é profissional, é entretenimento que chega ao público pelo sentido auditivo e secundariamente pelo sentido visual não cabendo nenhum outro sentido ou reações adversas, se gostei aplaudo se não gostei me retiro.

20) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Luis nascimento Smooth Jazz: Feliz é vê-la acesa, participativa. Triste é quando se apaga.

21) RM: Qual seu contato pessoal e profissional com Alcione?

Luis nascimento Smooth Jazz: Hoje nem um, nem outro.

22) RM: Nos apresente a cena musical do Rio de Janeiro dos anos 70 e 80?

Luis nascimento Smooth Jazz: Novos compositores se inscreveram na história e passaram com nota 10 nos anos 70. Nos 80 um pouco menos…

23) RM: Você acredita que sem o pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

Luis nascimento Smooth Jazz: Sim, em umas rádios e em outras não.

24) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Luis nascimento Smooth Jazz: Se é a sua, vá em frente!

25) RM: Quais os prós e contras do Festival de Música?

Luis nascimento Smooth Jazz: Um bom Festival de música será sempre bom.

26) RM: Festival de Música revela novos talentos?

Luis nascimento Smooth Jazz: Sim.

27) RM: Como você analisa a cobertura feita pela grande mídia da cena musical brasileira?

Luis nascimento Smooth Jazz: Superficial e tendenciosa muita das vezes sem conhecimento de conteúdo musical.

28) RM: Qual a sua opinião sobre o espaço aberto pelo SESC, SESI e Itaú Cultural para cena musical?

Luis nascimento Smooth Jazz: Muito boa iniciativa.

29) RM: O circuito de Bar na cidade que você mora ainda é uma boa opção de trabalho para os músicos?

Luis nascimento Smooth Jazz: Não.

30) RM: Quais os seus projetos futuros?

Luis nascimento Smooth Jazz: Lancei no dia 24/04/2020 meu novo álbum “Four Seasons” e em maio começo a compor … Já tenho o tema “Praias”.

31) RM: Quais seus contatos para show e para os fãs?

Luis nascimento Smooth Jazz: www.luisnascimento.net.br | luisinhonascimento@gmail.com | adm@luisnascimento.com.br


Continua após a Publicidade
Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor responsável pela revista digital RitmoMelodia desde 2001, jornalista, músico, poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, propaga a diversidade musical brasileira através de entrevistas e artigos. Jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB (1996 a 2000) que lançou um livro de poesia em 1998 e seus poemas ganharam melodias gravadas em três álbuns concluindo a trilogia "reggae baseado em poesia" no seu projeto musical Reggaebelde. Unindo a sensibilidade do poeta, músico com o senso crítico do jornalista e pesquisador musical colocado em prática em uma revista que Canta o Brasil.

Disqus Comments Loading...
Publicado Por
Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa
    Continua após a Publicidade

Artigos Recentes

Jorge Mello

O cantor, compositor, arranjador, produtor musical, instrumentista, advogado, o piauiense Jorge Mello, é amigo e…

% dias atrás

Banda Zangaia

A Zangaia começou no ano de 2010 em Capão da Canoa, quando alguns amigos das…

% dias atrás

Nanda Guedes

A cantora, compositora, violonista, acordeonista, percussionista cearense Nanda Guedes aos quatro anos de idade teve…

% dias atrás

Edvaldo Santana

“Não há equivalente de Edvaldo Santana na música brasileira. Digo isso de um longínquo e…

% dias atrás

Mauro Marcondes

O cantor, e compositor, violonista carioca Mauro Marcondes criado em Copacabana na época da Bossa…

% dias atrás

O Cordel que virou Música

O   cantor, compositor, violonista e poeta pernambucano Cacá Lopes escreveu um cordel a partir de…

% dias atrás
Continua após a Publicidade

Este website usa cookies.