More Lion’s Corporation Sound System »"/>More Lion’s Corporation Sound System »" />
Uma Revista criada em 2001
pelo jornalista, músico e poeta paraibano
Antônio Carlos da Fonseca Barbosa.

Lion’s Corporation Sound System


Selector Pepi Roots apresenta Lion’s Corporation Sound System que resgata a era dourada do reggae dos anos 70 trazendo à cena cultural potiguar (Rio Grande do Norte) o Sound System que é um formato marcado por apresentações repletas de improvisos, criatividades e sonoridades diversificadas do universo da música jamaicana. A Lion’s Corporation Sound System foi apresentada a cena cultural numa apresentação inaugural em formato de “Live” no mês de julho 2021.

O Sound System é o formato de apresentação que consiste em uma torre de som com diversos alto-falantes e um selector que anima a festa com músicas em formato vinil aos moldes como era feito na década de 70 na Jamaica. Selector Pepi Roots e junto com Sister Mica Black (Vocal) formam a Lion’s Corporation Sound System.

Segue abaixo entrevista exclusiva com Selector Pepi Roots para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistado por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 06.10.2021:

01) Ritmo Melodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

Lion’s Corporation Sound System: Nasci no dia 01 de abril de 1980 em Salvador – BA. Registrado como Adenilton Encarnação Reis.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

Lion’s Corporation Sound System: A música faz parte da essência de todo baiano. E logo esse contato é prematuro para todos nós. Desde de criança aprendi a apreciar “Os Novos Baianos”, Axé Music, Samba-Reggae, e os diversos ritmos e artistas locais.

03) RM: Qual a sua formação musical e/ou acadêmica fora da área musical?

Lion’s Corporation Sound System: Como a maioria dos Soundman (técnico de som) nossa formação vem de experiências vivenciadas no nosso cotidiano, além de muitas pesquisas ao longo desses anos buscando me aprimorar cada vez na Cultura Sound System.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

Lion’s Corporation Sound System: Como todo brasileiro recebi diversas influências musicais dentre elas Blocos Afro da Bahia, Músicas Latinas e o Reggae. E com o passar do tempo o Reggae foi chamando a minha atenção e se tornou minha grande paixão. No presente, existem artistas e equipes de sounds nacionais que me inspiram pelo talento, garra e pioneirismo como Yellow P (Dubversão), Thiago Malako (Ladu B sound), Jah Leo (Leão Conquistador), UPS Vibes, kNomoh (Quilombo HI-FI), banda RudyBoys que tem um trabalho autoral sensacional em Natal – RN e muitos outros artistas. Internacionais, Sinai Sound, Aba Shanti I, Channel One, agrada-me a forma como essas equipes de Sound System trabalham e movimentam o cenário principalmente na Europa.

05) RM: Quando, como e onde você começou a sua carreira como Seletor?

Lion’s Corporation Sound System: Em 2010 com a minha chegada a Natal – RN senti falta de festas de reggae ao estilo jamaicano anos 70, utilizando dessa minha necessidade que naquele momento era particular nasceu o Seletor Pepi Roots.

06) RM: Quando, como e onde você começou seu Lion’s Corporations Sound System?

Lion’s Corporation Sound System: Em 2019 iniciou-se o projeto da construção do Sound System Lion’s Corporations de forma totalmente independente na cidade de Extremoz-RN.

07) RM: Qual a diferença técnica entre a atuação do Seletor e do DJ?

Lion’s Corporation Sound System: Seletor faz seleções das músicas utilizando somente um toca disco e o DJ usa o duplo toca disco. Usamos maquinários analógicos, discos de Vinil, e os singjays (é uma forma de canto vocal jamaicano típico do reggae) fazem rimas e composições em cima de canções instrumentais DUB utilizadas durante a sessão pelo Seletor.

08) RM: A mesma pessoa pode atuar como Seletor e DJ?

Lion’s Corporation Sound System: Sim. A atuação artística é individual, o artista pode adaptar-se de acordo com a necessidade do público sem fugir das suas origens.

09) RM: Quais os prós e contras de ser dono de um Sound System?

Lion’s Corporation Sound System: O lado bom de fomentar a Cultura Sound System é sentir a vibração, energia, ver a reação do público diante de cada música apresentada; porém assim não muito diferente de quem trabalha com cultura no Brasil, a falta do reconhecimento do Sound System como cultura popular nos impede de avançar rumo as grandes massas e mídias.

10) RM: Quais as estratégias de planejamento para manter um Sound System?

Lion’s Corporation Sound System: Manter um Sound System de forma independente é muito complicado e dispendioso, e estamos buscando parcerias para atuarmos juntos, logo após todos estarem vacinados.

11) RM: Quais as ações empreendedoras que você pratica para manter um Sound System?

Lion’s Corporation Sound System: Estamos criando uma linha de produtos com a nossa marca que inicialmente virá em forma de loja virtual para custear a manutenção do Sound System.

12) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento do seu trabalho como dono de um Sound System?

Lion’s Corporation Sound System: A internet tem sido fundamental na divulgação do nosso projeto, principalmente nesses tempos pandêmicos. Não temos nada contra a internet, ao menos que ela seja usada de forma positiva para o nosso crescimento profissional.

13) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso à tecnologia de gravação (home estúdio)?

Lion’s Corporation Sound System: A tecnologia tem trazido grandes benefícios em todos os ramos e no musical não tem sido diferente, os dubmaster tem utilizado dessa ferramenta com grande propriedade para desenvolver seus projetos. Não vejo nenhuma desvantagem em utilizar a tecnologia no home estúdio.

14) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo. Mas, a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que o artista deve fazer efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

Lion’s Corporation Sound System: É necessário que o artista esteja sempre em processo de inovação para se destacar dentre os demais, apesar de não discordar da “competição interna” no ambiente artístico.

15) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira de Seletor e dono de um Sound System (falta de condição técnica para show, brigas, gafes, show em ambiente ou público tosco, cantar e não receber, ser cantado etc)?

Lion’s Corporation Sound System: Apesar de termos pessoas técnicas especialistas no assunto, mexer com eletricidade é sempre um problema no nosso ramo Sound System, sempre acontece imprevistos como: Falta de energia, pico e subenergia já nos deixou em maus lençóis.

16) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira de Seletor e dono de um Sound System?

Lion’s Corporation Sound System: Sinto-me feliz em poder contribuir de alguma forma para o desenvolvimento cultural, o Sound System é um meio de propagação do Reggae e temos que explorar esse meio. Infelizmente o momento que estamos passando nos impossibilita de colocarmos o som na rua e isso nos entristece.

17) RM: Quais as diferenças entre um Sound System na Cultura Reggae?

Lion’s Corporation Sound System: Cada Sound System tem suas particularidades desde da seleção das músicas a serem tocadas para o público até o design das suas torres (caixas de som), na cultura reggae, o Sound System dá vez e voz aos cantores anônimos dando-lhes oportunidade de divulgar o seu trabalho trazendo suas rimas ou fazendo versões de canções clássicas.

18) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira como Seletor ou dono de um Sound System?

Lion’s Corporation Sound System: Não faça nada sem amor.

19) RM: Qual a sua opinião sobre o espaço aberto pelo SESC, SESI e Itaú Cultural para cena musical?

Lion’s Corporation Sound System: Muito importante todos os setores: empresas, órgãos, incentivar a cultura.

20) RM: Como você analisa o cenário do reggae no Brasil. Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas duas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Lion’s Corporation Sound System: O Brasil tem grandes laços com a música jamaicana há tempos, o reggae tupiniquim é bem conceituado e reconhecimento internacionalmente inclusive nomes como: Monkey Jhayan, Dada Yute, Vibrações, Leões de Israel, representam bem nosso reggae. Soraia Drummond, Laylah Arruda, Nina Girassóis, são grandes surpresas pois mostram a força da mulher no mundo do reggae. Sobre regressão, infelizmente diversos artistas foram vítimas da crise que o Brasil atravessa.

21) RM: Você é Rastafári?

Lion’s Corporation Sound System: Não sou rastafári. Sou simpatizante de religião de matriz africana.

22) RM: Alguns adeptos da religião Rastafári afirmam que só eles fazem o reggae verdadeiro. Como vocês analisam tal afirmação?

Lion’s Corporation Sound System: O Reggae prega liberdade, ser Rasta significa ser livre, inclusive na forma de pensar.

23) RM: Na sua opinião quais os motivos da cena reggae no Brasil não ter o mesmo prestígio que tem na Europa, nos EUA e no exterior em geral?

Lion’s Corporation Sound System: Política de exclusão e desprestígio a Cultura Negra, dificulta nosso desenvolvimento interno.

24) RM: Existe o Dom musical? Como você define o Dom musical?

Lion’s Corporation Sound System: Somos prova disso, a grande maioria dos Soundman (técnico de som) são autodidata. O que explica que isso é dom divino!

25) RM: Quais os prós e contras do Festival de Música?

Lion’s Corporation Sound System: Festivais em geral é de grande importância para a cultura, é uma vitrine para divulgação dos artistas locais.

26) RM: Festivais de Música revela novos talentos?

Lion’s Corporation Sound System: Sempre! São em momentos como esse que os novos tem suas oportunidades.

27) RM: Quais os pros e contras de se apresentar com o formato Sound System?

Lion’s Corporation Sound System: Não consigo ver algo negativo neste formato! O maior destaque positivo é que no Sound System o improviso artístico prevalece, revelando talento de diversos artistas que ousam sair de suas zonas de conforto em busca de novos horizontes.

28) RM: Quais as diferenças de se apresentar com banda em relação ao formato com Sound System?

Lion’s Corporation Sound System: O contato com o público é mais intenso, pois temos total autonomia da apresentação.

29) RM: Tecnicamente quais os prós e contras do formato de paredões das Radiolas do Maranhão?

Lion’s Corporation Sound System: Os paredões utilizados no Maranhão também advêm da cultura jamaicana e historicamente falando eles são os primeiros Sounds Tupiniquins. Não vejo contras, assim no Sound. Positivamente é que a partir deles toda cultura maranhense foi plantada e solidificada.

30) RM: Qual o conceito de Cultura Sound System?

Lion’s Corporation Sound System: Da Rua para as Ruas. Levar cultura e diversão com consciência musical para as praças e parques da cidade.

31) RM: Apresente o Lion’s Corporations Sound System.

Lion’s Corporation Sound System: Somos o Sistema de Som potiguar tendo à frente o Selector Pepi Roots.

32) RM: Quais os seus projetos futuros?

Lion’s Corporation Sound System: Temos em foco nossas dubplates a ser produzidas, apresentações em LIVES em quanto estivermos em período pandêmico.

33) RM: Quais seus contatos para show e para os fãs?

Lion’s Corporation Sound System: (84) 99454 – 1664 | [email protected]

| [email protected] | https://web.facebook.com/lions.corporations

| Sábado Fyah! Participação [29.05.2021]: Pepi Roots (Natal – RN): https://www.youtube.com/watch?v=B8Oxtt7KvGU


Deixe um comentário

*

Uma Revista criada em 2001
pelo jornalista, músico e poeta paraibano
Antônio Carlos da Fonseca Barbosa.