João Paulo Jr.

João Paulo Jr

O cantor, compositor, violonista cearense João Paulo Jr. defendendo a bandeira do Forró, procurou transitar, segundo ele próprio, não só de maneira tradicionalista, mas também entre ritmos como baião, rojão, marchinha junina e samba.

Durante a carreira, além de 37 álbuns, registrou mais de 500 músicas gravadas, boa parte são composições em parceria com seu irmão Alcymar Monteiro. Elas foram gravadas em sua voz e de outros artistas, como Luiz Gonzaga, Alcymar Monteiro, Alceu Valença, Raimundo Fagner, Elba Ramalho, Dominguinhos, Caju e Castanha, Sirano e Sirino, Sivuca, Teça Calazans, Marines, Frank Aguiar, Aviões do Forró, Toca do Vale.

Começou a carreira de compositor em 1973, e como cantor em 1987. Em 1987, teve sua composição “Rosa Dos Ventos”, interpretada por Alcymar Monteiro, incluída na coletânea “Sucessos Nota 10”, lançada pela Som Livre. Em 1987, Luiz Gonzaga gravou “Festa de Santo Antônio” e “Cor de Canela”, suas obras em parceria com Alcymar Monteiro. Em 1989, teve “Ingazeira” sua composição com Alcymar Monteiro gravada por Sivuca e Alcymar Monteiro no álbum – “Rosa dos Ventos”. Em 1996, Novinho da Paraíba gravou sua música “Sanfoneiro Porque Parou”. Em 1997, Alceu Valença gravou “Meu Forró É Meu Canto”, sua composição com Alcymar Monteiro. Em 1999, Teca Calazans gravou “Meu Forró É Meu Canto”, parceria sua com Alcymar Monteiro.

Em 2000 “Cavaleiro Alado” foi gravada por Fagner, no disco “Eu só quero um forró”, sua obra com Alcymar Monteiro, e por Waldonys, no álbum “Waldonys canta e toca sucessos nordestinos”. No mesmo ano, teve sua composição “Forrómangue” gravada por Caju e Castanha ‎no CD – “Vindo Lá da Lagoa”.

Em 2001, Alcymar Monteiro gravou sua composição “Dinheiro Não Tenho, Bonito Não Sou”, no CD – “O Maior Forró Do Mundo”. Em 2002, Vicente Nery gravou “Jeito Maroto”, sua composição com Alcymar Monteiro, no CD – “Forró Cheiro De Menina”. No mesmo ano, Jackson Antunes gravou “Sanfonicamente Pé De Serra”, “Eu fiquei te esperando” no CD – “Pé de Serra”. E lançou CD – “Forró Mangue”, no qual presta uma homenagem póstuma ao grande Chico Science. João Paulo Jr. participou do For All Festival Mundial de Forró em seis Continentes. Em 2012 ficou em primeiro lugar com “Maldito Crack” no Festival Itinerante de Direitos Humanos.

Em 2016, lançou o CD – “João Paulo Jr. – Canta seus sucessos”, com as músicas “Festa de vaquejada”, de Rui Grude, “Hotel Califórnia”, versão sua para a música de D. Felder e Heniey, e as parcerias com Alcymar Monteiro “Momentos de felicidade”, “Convivência”, “Cavalo alado”, “Dia dos namorados”, “Pirilampos”, “Rosa dos ventos”, “Valeu vaqueiro e valeu boi”, “Você na minha vida”, “Cor de canela”, “Forróteria”, “Verdes canaviais”, “Festa de Santo Antônio”, “Você quer namorar comigo”, “Forró no bilingulin”, “Bota fogo no forró”, “A rosa vermelha”, “Sorrindo à toa”, “Cavaleiro de Deus”.

Segue abaixo entrevista exclusiva como João Paulo Jr. para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistado por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 17.03.2021:

Índice

01) Ritmo Melodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

João Paulo Jr.: Nasci no dia 04.11.1956 na Vila de Ingazeira município de Aurora no Ceará. Registrado como João Monteiro dos Santos.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

João Paulo Jr.: Na Vila de Ingazeira eu já ouvia muito música no serviço de auto falantes: Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro, Ari lobo, Carlos Gonzaga, Altemar Dutra, Teixerinha, Nelson Gonçalves, Roberto Carlos e outros artistas da época. Mudei para Juazeiro do Norte – CE para estudar, em frente à minha casa na rua Santa Inês morava o Senhor Zequinha que tinha um Violão e eu aprendi afinar o Violão de ouvido e foi muito bom. Passei a ficar com o Violão e aprender a escala musical. Comecei a tocar, cantar e a primeira banda foi The Youngs. Depois cantei e toquei nas bandas: Os Brasões, João Martins Som, Hildelmartins Som. Eu me tornei sócio e o principal cantor da maior banda da região a Nova Geração. Eu cantava de tudo: Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro, Beatles, Peter Frampton, Queen, Kiss; na época da invasão da música americana, mas tudo isso passou e foi uma experiência musical muito boa. Eu tirava a pronúncia em inglês e cantava muito bem, fazendo muito sucesso por onde eu cantava.

03) RM: Qual a sua formação musical e/ou acadêmica fora da área musical?

João Paulo Jr.: A minha formação musical foram anos de músicas cantando todos os estilos de música. Do inglês ao romântico, Forró, Xote, Xaxado, Baião. Uma experiência vivenciada no dia a dia e na minha formação musical! Terminei o Ensino Médio. E tentei vestibular duas vezes e não passei, então passei a me dedicar de corpo e alma a música!

04) RM: Quais suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

João Paulo Jr.: Eu tive várias influências musicais, do Rock americano, Forró, Xote, Xaxado, Baião, pois fiz parte de bandas cantando todos os estilos! A influência que não existe mais é da música americana, já que hoje sou um forrozeiro de corpo e alma. Eu amo o meu Forró a cultura do nosso país, por isso sou João Paulo Jr – O poeta do Forró.

05) RM: Quando, como e onde você começou a sua carreira musical?

João Paulo Jr.: Com muito orgulho como profissional da música brasileira tendo minhas músicas gravadas em 1973 em São Paulo a cidade do sonho de todos! Minhas músicas foram gravadas por: Luiz Gonzaga, Fagner, Alceu Valença, Dominguinhos, Elba, Sivuca, Marinês, Caju e Castanha, Mastruz com Leite, Toca do Vale, Aviões, Wesley Safadão, Frank Aguiar, Alcymar Monteiro, Manhoso, Zé Nilton, Negão dos oito Baixos, Gilvan Neves e entre outros. Foi quando me tornei um profissional do disco, e passei a existir como compositor e em 1987 como cantor e compositor.

06) RM: Quantos CDs lançados?

João Paulo Jr.: Eu sou do tempo do vinil e que para se gravar um LP vinil, só em São Paulo ou no Rio de Janeiro. E tinha que ter talento para gravar, gravei oito LPs Vinil por grandes gravadoras. Meu primeiro LP em 1987 foi pela RGE, com meu primeiro sucesso “A Rosa Vermelha”, vendi mais de 100 mil LPS, depois vieram CONTINENTAL, POLYGRAM, BRILHO RECORD, EMY ODEON, POLYDISK CBS. E mais trinta e sete CDS e um DVD de Forró em Caruaru – PE.

LPs: Em 1987 – “Livre, leve e solto” pela RGE. Em 1988 a “Coletânea Sucessos” pela Continental. Em 1988/1989 pela Chame com distribuição da Continental. Este LP do lado A – João Paulo Jr e do lado B – Roberto Carlos. Em 1992 pela Continental. Que tem a “Dinheiro não tenho e bonito não sou”. Que estou em questão com o Wesley Safadão. Em 1992 a “Coletânea Sucessos” pela Continental. Em 1993 “Sensualidade” pela Polydisk CBS. Em 1994 “Coração, Forró e Paixão” pela Brilho, RECORD Emi-Odeon. Em 1995 “O estouro da boiada” pela Ingazeira.

CDs: Em 1993 “AACD Pernambuco”. Em 1994 “Forroboi, forreggae, coco de roda e reizado”. Em 1996 “Forró forrado”. Em 1997 “Nos bares da vida”. Em 1998 “A rosa vermelha”. Em 1999 CD – Ao vivo. Em 2001 “Sanfonicamente forrozado”. Em 2002 “Meu forró é minha vida”. Em 2003 “Forrómangue”. Em 2004 “As 20 melhores. volume 01”. Em 2005 “Reggae do Neymar”. Em 2006 “Raios da paixão”. Em 2007 “As 20 melhores. volume 02”. Em 2008 “Louvores”. Em 2009 “Você tem que acreditar”. Em 2010 “Champanhe azul”. Em 2011 “A Chave do Sucesso”. Em 2012 o DVD “Forró Forrado”. Em 2012 “Trilha Sonora do DVD”. Em 2012 “Maldito Crack”. Em 2013 “A Mulher enganou o Cão, Adão, Sansão e Lampião”. Em 2014 “O Poeta do Forró”. Em 2015 “Me dê Papai”. Em 2017 “Canta seus sucessos”.

Minhas músicas em parceria com Alcymar Monteiro: “A rosa vermelha”, “A Vida continua”, “Arraia da capitã”, “Antigas emoções”, “Acorda Povo”, “Artur e Maria”, “Bom dia”, “Bota fogo no Forró”, “Bumba meu boi”, “Bmbar”, “Cavaleiro Alado”, “Cavaleiro de Deus”, “Caminhada”, “Cara-metade”, “Convivência”, “Cor de Canela”, “Colo e cafuné”, “Carupina, Caruaru Campina Grande”, “Corrente de flores”, “Desnamorados”, “Dia dos namorados”, “Eu gosto mermo é de você”, “Encontro marcado”, “Eternamente São João”, “Encanto”, “Eu acho é bom”, “Festa de Santo Antônio”, “Forró brasileiro”, “Forró no bilingulin”, “Forróteria”, “Forró nosso de cada dia”, “Forró lotado”, “Forroreta” , “Forró das multidões”, “Forrologia”, “Ingazeira”, “Indústria da seca”, “Jeito Maroto”, “Lampião e Maria Bonita”, “Magia de querer”, “Mão de pilão”, “My lyfe no Forró”, “Meu Forró É Meu Canto”, “Momentos de felicidade”, “Mistura perfeita”, “Marcado pra morrer de amor”, “Ninguém engana ninguém”, “Nova ilusão”, “Nordestinidade”, “Nós dois”, “Onde anda você”, “Ô de casa, Ô de fora”, “Papai e Mamãe”, “Peneira Gavião”, “Pirilampos”, “Pintando o sete”, “Pote cheio”, “Pra valer”, “Phonobrrgando cd pirata”, “Prego sem ponta”, “Quem me quer”, “Quarentena”, “Rosa dos ventos”, “Salgado e doce”, “Saideira”, “Sorrindo à toa”, “Rio salgado”, “Sem preconceito”, “Sina”, “Sofreu”, “Terra que ninguém anda”, “Todo dia”, “Um beijo pra você”, “Vida a dois”, “Valeu vaqueiro e valeu boi”, “Verdes canaviais”, “Você na minha vida”, “Você quer namorar comigo”, “Vem que tem”.

Sucessos só de minha autoria: “Dinheiro Não Tenho, Bonito Não Sou”, “Sanfoneiro Porque Parou”, “Sanfonicamente Pé De Serra”.

07) RM: Como você define seu estilo musical?

João Paulo Jr.: Sou um cantor e compositor Eclético, já compus vários seguimentos e estilos musicais. E como cantor já gravei do Gospel ao romântico e Forró, mas me considero um artista de estilo Forrozeiro Autêntico.

08) RM: Você estudou técnica vocal?

João Paulo Jr.: Eu estudei técnica vocal na “Faculdade musical da vida”, cantando em inglês e todos os gêneros musicais em bandas. Você aprende a colocação de voz, cantando músicas de artistas maravilhosos que eu interpretei. Essa foi a minha escola por experiência e a minha escola de técnica vocal.

09) RM: Qual a importância do estudo de técnica vocal e cuidado com a voz?

João Paulo Jr.: Eu cantei muitas músicas que a gravação original era com cantoras, em que a região da tonalidade é diferente do homem, mas sempre procurei uma tonalidade confortável para a minha extensão de voz! Mas mesmo assim exigi muito das minhas cordas vocais cantando 4 horas e meia de baile. E cantar na tonalidade certa é muito importante para cuidar de nossa Voz. E fazer alguns exercícios fonoaudiológicos que aprendi com fonoaudióloga na minha caminhada musical.

10) RM: Quais as cantoras(es) que você admira?

João Paulo Jr.: Ivete Sangalo, Marisa Monte, Gal Costa, Elba Ramalho, Alcione, Marinês.

11) RM: Como é o seu processo de compor?

João Paulo Jr.: Já componho letra, melodia e ritmo tudo de uma só vez com o violão. Não tenho hora para compor, é sempre quando me vem um tema, aí tento desenvolver com o violão, componho toda semana!

12) RM: Quais são seus principais parceiros de composição?

João Paulo Jr.: Quase não tenho parceiro na minha caminhada musical. Eu tenho mais parceria com Alcymar Monteiro, mas deixei essa pareceria, pois fui bastante usado por ele. Eu dei muitas parcerias de músicas maravilhosas para ele que se tornaram sucesso; algumas fizemos juntos, mas muitas ele não botou nenhuma um pingo no i. Ele sempre negou que a maioria das obras eram minhas também, só dizia que as músicas eram dele sem falar no meu nome! Sempre colocava primeiro o nome dele nas músicas que muitas vezes ele não fazia! Uma grande falta de caráter. Mas continuo compondo sozinho, melhor só, do que mal acompanhado.

13) RM: Quem já gravou as suas músicas?

João Paulo Jr.: Tive a oportunidade de gravar com artistas como Luiz Gonzaga, Raimundo Fagner, Alceu Valença, Dominguinhos, Sivuca, Elba Ramalho, Marinês, Frank Aguiar, Caju e Castanha, Alcymar Monteiro, Toca do Vale, Aviões do Forró, Wesley Safadão, Mastruz com Leite, Solteirões do Forró, Manhoso, Negão dos oito Baixos, Gilvan Neves e outros.

14) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

João Paulo Jr.: Hoje vejo que o artista ficou órfão de pai e mãe, já que as gravadoras eram um mal necessário. Eu gravei em grandes gravadoras, e também em grandes estúdios como o Transamérica do Rio de Janeiro. O maior estúdio da América Latina na época, tudo bancado pela gravadora: passagens aéreas, hotel de quatro e cinco estrelas, com produtor para produzir, orientar, assistente de produção, fotos e capa! A gravadora lançava o disco para todo Brasil e em cada capital de cada Estado, tinha um divulgador propagando a nossa música e mandava para as cidades do interior o nosso LP, era uma maravilha! O artista era feliz e não sabia. A gravadora ainda pagava o jabá para tocar nossa música nos programas de rádios! Hoje com o nosso trabalho independente, se paga de tudo e nosso trabalho só chega aonde conseguimos mandar! Portas fechadas no Rádio, na TV, nos Jornais e as oportunidades para divulgação são poucas. O artista está musicalmente órfão de pai e mãe e perdido com o trabalho na mão.

15) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira dentro e fora do palco?

João Paulo Jr.: Sempre procuro fazer o melhor no palco com o meu show, cantando minhas músicas de sucesso e com músicos bons a altura do meu trabalho para poder fazer um bom show e agradar as pessoas que vão me ver cantar os meus Forró! Fora do palco sou verdadeiro, honesto simples, humilde de berço, com muito respeito ao próximo e temente a Deus. Eu sei que somos grão de areia nesse Universo imenso. E sou apaixonado por minha arte de cantar e o meu Forró. E amo a vida, as pessoas, a família e apaixonado por Jesus Cristo.

16) RM: Quais as ações empreendedoras que você pratica para desenvolver a sua carreira?

João Paulo Jr.: Atualmente vivemos um tempo tão difícil vendo o que o mercado fonográfico está passando. Eu não tenho nenhuma opção e ação empreendedora para investir e dá certo! Só Deus na causa. Vivemos um momento de muita reflexão e de muita sabedoria humana para continuar vivendo da nossa arte musical, e não definhar com tantos problemas pessoais.

17) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira?

João Paulo Jr.: Acho que a internet é a tábua de salvação para todos nós e em todos os segmentos da arte humana. Nós podemos colocar a nossa música nas redes sociais e divulgar sem pagar um centavo de jabá e atingir a um certo público dependendo das suas ferramentas usadas. O que prejudica é sempre a invasão de músicas ruins, e de enganadores sem talento matando a nossa música boa! A inversão de valores humano e artísticos está muito grande através da internet e da grande mídia televisiva paga e maldita. Só divulga mentira musical e pornô-fonia de agressão aos valores da família e dos jovens que é muito fácil de se alienar! A internet é uma faca de dois gumes, tem o que é bom, e tem o que não presta.

18) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso à tecnologia de gravação (home estúdio)?

João Paulo Jr.: As vantagens do home estúdio é ter a facilidade de execução de um trabalho mais homogêneo com a tecnologia da gravação com mais qualidade e atual.

19) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo. Mas, a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que você faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

João Paulo Jr.: Vejo que hoje a invasão é muito grande no meio artístico, até o porteiro do prédio virou artista e diz que é cantor. E grava em qualquer fundo de quintal, música sem qualidade e mal gravada, e joga no mercado fonográfico. Uma parte do povo não entende e só gosta do que não presta. Esse fato contamina o mercado! Eu como artista que já tenho uma estrada percorrida no mercado fonográfico. Eu faço a diferença gravando músicas boas e bem gravadas.

20) RM: Como você analisa o cenário do Forró. Em sua opinião quem foram as revelações musicais nas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

João Paulo Jr.: Vejo que o Forró perdeu a maioria dos seus grandes representantes, muitos foram para o plano Celestial! Está muito difícil, a perda é muito grande para o Forró e para cultura do Brasil. E sabemos que não temos um representante na política para brigar pelo o nosso Forró e por nós artistas! O Forró é a música de maior expressão do nosso povo, do São João, do Nordeste e da cultura do Brasil. E a culinária do Nordeste com comidas típicas que só tem no São João do Nordeste junto com o Forró. Eu sinto que o Forró foi explorado por muita gente travestido de forrozeiro só usando o Forró para se dá bem. E revelação do Forró no momento não sei quem é, não vou falar nomes para não errar. Nós temos alguns forrozeiros que fizeram boas obras e bons trabalhos que vão ficar por muito tempo como clássicos do Forró.

21) RM: Quais os músicos conhecidos do público que você tem como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

João Paulo Jr.: Nós temos bons músicos de estúdio de gravação, e músicos de show que já é outra pegada! Músicos de estúdio: João Neto, um grande guitarrista, Luciano Magno, também guitarrista, Léo do Acordeon, Gilvan Neves, Toninho Baixista, Quartinha Zabumba, Baby zabumba, Chico Botelho, Luizinho de Serra, e outros.

22) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical (falta de condição técnica para o show, brigas, gafes, show em ambiente ou público tosco, cantar e não receber, ser cantado etc)?

João Paulo Jr.: Sempre enfrentei situações difíceis como todo artista! Show com pouco público, mas em seguida um show com muita gente. E o som maravilhoso e fazer um show arretado, mas também local sem a mínima condição de fazer um bom trabalho musical. Se o equipamento de som é ruim, o contratante é pior, hotel e comida são tudo ruins! Cantar e não receber acontece muito, ainda tenho cheques sem fundos que não recebi e paguei toda a despesa dos músicos e da viagem! Hoje melhorou, só viajamos com cinquenta por cento depositado na conta. As cantadas sempre existiram principalmente na nossa juventude, quando tudo era divino, lindo e maravilhoso. Tempo que ficávamos com mulheres lindas e maravilhosas.

23) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

João Paulo Jr.: O que me deixa feliz é ver minhas músicas sendo cantadas pelo povo nos meus shows, minha obra gravada e cantada por outros Artistas tocando nas Rádios. É muito gratificante e me deixa feliz, saber que sempre tentei dá o melhor de mim na minha arte musical. O que me deixa mais triste na música são as retaliações dos próprios amigos de profissão, é muita falsidade, é uma máfia terrível, podridão. Cada um querendo derrubar o outro amigo de profissão. E alguns artistas até que merecem por falar tantas mentiras e jogar tanto confetes em cima de si próprio. Aonde deveria haver mais união da classe artística e um torcer sempre pelo outro.

24) RM: Quais os prós e contras do Movimento do Forró Universitário no Sudeste?

João Paulo Jr.: Não concordo com esse rótulo de “Forró Universitário”, pois, Forró é Forró em qualquer lugar. O ritmo é o mesmo e não muda nada. Foi criado esse rótulo para dizer que é diferente do nosso Forró autêntico, puro, genuíno e brasileiro em qualquer território nacional e internacional! O Forró é um só, puro e de Luiz Gonzaga sem faltar a sanfona, o zabumba, o triângulo e mais alguns instrumentos para enriquecer o nosso Forró. Criaram esse rótulo porque o Forró tornou-se sucesso no Sudeste por jovens cantando o Forró nas Faculdades e Casa de Forró, mas é o mesmo Forró.

25) RM: Quais os prós e contras do Movimento do Forró de Banda dos anos 90?

João Paulo Jr.: Acho a pior fase do nosso Forró, apareceu muito aproveitador usando o nome Forró para mercantilização do nosso Forró. E simplesmente ganhar dinheiro, ficar rico e banalizar a nossa arte musical, que é a pureza do Forró, da nossa cultura. E expondo mulheres com as genitálias de fora, seminuas, misturando a arte com sexo explícito. Uma vergonha para o nosso povo que gosta da boa música! Alguns imbecis, tarados por sexo, misturou e aplaudiu essa infâmia sexeforrozada! Mas graças a Deus passou, das bandas só restam os pedaços! É, atrapalhou muito os verdadeiros cantores de Forró e compositores autênticos como eu e outros artistas verdadeiros da arte musical. Deus no comando de tudo, o que é ruim tem de passar e acabar.

26) RM: Quais os prós e contras do Movimento do Forró Estilizado dos anos 2000?

João Paulo Jr.: Outra invenção e baixaria, Forró estilizado não existe, são apenas instrumentos colocados de maneira deturpada no nosso Forró. O ritmo para quem vai dançar é o mesmo! Não sou radical, sei que o novo sempre virá, mas que venha com verdade e decência, não com enganação e mentira.

27) RM: Você acredita que sem o pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

João Paulo Jr.: Acredito! Esses mafiosos diretores de Rádios que tentam matar nosso Forró, a nossa cultura, confundindo arte com pagar o jabá. Eles só tocam nossa música em horários noturno e achando que nosso Forró é a desonra da música brasileira. Eles estão com os dias contados, as rádios web estão tomando de conta do Brasil e do mundo! João Paulo JrO Poeta do Forró nunca toquei tanto, como estou tocando agora nas rádios web e gravando vinhetas e vídeos pra todo Brasil.

28) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

João Paulo Jr.: Digo que estude muito para ter uma profissão paralela à música, para não depender só da música no começo da carreira, pois se não for assim vai sofrer muito, retaliações humilhação porque o mercado fonográfico está muito difícil.

29) RM: Quais os prós e contras do Festival de Música?

João Paulo Jr.: A vantagem do Festival de Música, é para o cantor e compositor aparecer e mostrar sua música e a sua voz e mostrar a sua interpretação e a veia poética! Mas a maioria dos festivais é máfia e carta marcada. É sempre a safadeza do ser humano de enganar o próximo.

30) RM: Hoje os Festivais de Música revelam novos talentos?

João Paulo Jr.: Atualmente não. Eu nunca mais vi um Festival com o povão vibrando com a música como antigamente, com um grande veículo de comunicação patrocinando como nos Festivais da Record nos anos 60! Que revelaram grandes artistas que se tornaram ícones da nossa Música Brasileira. O Festival de hoje é tudo máfia e muito pequeno não revelou artista nenhum. Eu não conheço da atualidade nem um artista revelado por Festival.

31) RM: Como você analisa a cobertura pela grande mídia da cena musical brasileira?

João Paulo Jr.: A cobertura da grande Mídia? Nós estamos jogados as baratas artisticamente. Abandonados ao Deus dará, essa grande mídia não tem mais programas musicais, porque acham que não dá audiência. E ninguém luta pela música, pela cultura que é a maior referência e expressão do seu povo, só tem babaquice nas TVs, os Big Bosta do Brasil, as Fazendas da RECORD. E aos domingos faz vergonha ligar uma TV! Está tudo dominado, com essa mídia mentirosa, maldita, paga, devastando os artistas de qualidade, e matando a nossa Música brasileira. Não conheço a grande mídia dando cobertura a nossa Música, isso é Utopia.

32) RM: Qual a sua opinião sobre o espaço aberto pelo SESC, SESI e Itaú Cultural para cena musical?

João Paulo Jr.: É uma luz no final do túnel, em um país chamado Brasil que os seus artistas não valem nada. Em um país de primeiro mundo os seus artistas são reverenciados e apoiados pelo povo, por seus dirigentes e presidentes! O espaço aberto pelo O SESC, SESI, ITAÚ tem também a sua máfia. É só pra os medalhões, e alguns artistas pequenos que estão na panela deles! Nunca é pelo o trabalho honesto prestado de um artista com uma discografia abrangente, que o povo conhece em alguns Estados do Brasil. Não é qualquer um que entra nesse circuito, como sempre vivemos em um Brasil de carta marcada.

33) RM: Qual o seu contato pessoal e profissional com Alcymar Monteiro?

João Paulo Jr.: Atualmente nenhum. Esse senhor é meu irmão, filho do meu pai, filho da minha mãe e somos da mesma barriga, mas é o maior mau caráter que já conheci na minha existência. Fui criado com ele e sempre vi suas artimanhas para o lado não muito bom! Um mau irmão e amigo, individualistas, prepotente, muito mentiroso, humilde por conveniência. Ele fala 10 palavras e 15 é mentira, me usou muito, explorando o meu talento de compor quando lhe entreguei minhas obras de mão beijada que são sucesso!

Não posso escrever certas maldades que Alcymar Monteiro fez contra a minha pessoa, e contra a minha carreira como artista e como ser humano! Prejudicou-me como artista, aonde ele pode botar os pés! Construiu a sua carreira em cima de mentiras querendo ser o primeiro em tudo que na verdade não o é! Jogou tanto confetes em cima de si próprio que vai morrer afogado nós próprios confetes! Aproveitador dos nomes de Luiz Gonzaga e de outros artistas que fizeram sua história com honestidade e trabalho. E, só fala em Luiz Gonzaga nas suas entrevistas, faz vergonha, nem Joquinha Gonzaga que é sobrinho de Gonzagão fala tanto em Luiz Gonzaga como o senhor Alcymar Monteiro! Mas não fala em João Paulo Jr, cantando 85% das minhas obras que são sucesso e que deixou recheado de dinheiro o seu bolso!

É um ingrato e sempre tentou esconder o meu valor como artista como cantor, como compositor e como ser humano! Esse desabafo não é a metade do que já passei com esse senhor mirabolante! Judas Iscariotes é fichinha perto dele. O seu nome deveria ser Falcymar e não Alcymar. Estou em paz com a minha consciência só lhe fiz o bem, mas tudo tem seu tempo de verdade! Dizem que roupa suja se lava em casa, mas não concordo com esse dito popular, se lava roupa suja aonde tem Água e Sabão. E essa é a oportunidade que tenho com água e sabão pra lavar essa roupa suja. O senhor Alcymar Monteiro me enganou a vida inteira, aproveitando do meu talento e da minha ingenuidade de jovem sem experiência na época em que convivi com ele.

34) RM: João Paulo Jr, Quais os seus projetos futuros?

João Paulo Jr.: Estamos no segundo ano de pandemia do Covid-19. A humanidade está de joelhos diante do mundo. É tempo de muita reflexão, não sabemos qual o nosso destino! Mas mesmo assim nós seres humanos continuamos prepotentes e orgulhosos! Eu estou nas mãos de Deus, e seguindo a palavra do mestre Jesus Cristo. O redentor falou, aquele que me negar diante do homem, eu lhe negarei diante do meu pai! Por isso vou sempre falando a minha verdade acima de tudo, mesmo que machuque.

35) RM: Quais seus contatos para show e para os fãs?

João Paulo Jr.: (81) 99807 – 0575 | [email protected]

|https://web.facebook.com/joaopaulojr.monteiro

|https://web.facebook.com/JoaoPauloJrCantorECompositor

| www.instagram.com/joaopaulojrmonteiro

https://www.palcomp3.com.br/joaopaulojr/discografia.htm

https://www.forroemvinil.com/tag/joao-paulo-jr/

https://www.suamusica.com.br/KiwiFreitas/joao-paulo-jr-cd-canta-os-seus-sucessos

Canal de JOÃO PAULO JR, O POETA DO FORRÓ: https://www.youtube.com/channel/UC0ZAUF5Xo5RNLnYeojaOvIg

Live- João Paulo Jr Canta os seus sucessos – 23.01.2021: https://www.youtube.com/watch?v=AGLbtU8NBdc

Playlist de João Paulo Jr: https://www.youtube.com/watch?v=cnt2WSJH3a0&list=PLmv1mz59vhA7fpB5V9AnJadVy6hvnpR4S

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tagged

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor responsável pela revista digital RitmoMelodia desde 2001, jornalista, músico, poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, propaga a diversidade musical brasileira através de entrevistas e artigos. Jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB (1996 a 2000) que lançou um livro de poesia em 1998 e seus poemas ganharam melodias gravadas em três álbuns concluindo a trilogia "reggae baseado em poesia" no seu projeto musical Reggaebelde. Unindo a sensibilidade do poeta, músico com o senso crítico do jornalista e pesquisador musical colocado em prática em uma revista que Canta o Brasil.