More Glorya Ryos »"/>More Glorya Ryos »" />
Uma Revista criada em 2001
pelo jornalista, músico e poeta paraibano
Antônio Carlos da Fonseca Barbosa.

Glorya Ryos

Glorya Ryos
Glorya Ryos
  • 1
    Share

Cantora, radialista e apresentadora Glorya Ryos mora em São Paulo há 50 anos, se considera paulistana do Piauí.

Canta desde os 9 anos de idade. Fez 40 anos que lançou seu primeiro disco e apresentou o programa Domingo de Glorya Ryos na Rádio Atual por 12 anos e seis anos apresentando um programa de TV pelo canal 18 UGF. Agora está com o programa musical: “Glorya Ryos e você” pela web Amaral TV.

Tem 13 discos gravados e um livro de dicas para as donas de casa, lançado pela editora Madras juntamente com sua irmã Nélia Maria, que cuidou da pesquisa. Hoje não tem grandes projetos, só quer viver com qualidade e ser feliz. No momento está gravando o segundo volume “Anos 60” e um CD de um show que fez pela Casa de Cultura da Penha.

Em 1965 iniciou a carreira em Teresina – PI, sua cidade natal, interpretando sucessos românticos de Cauby Peixoto e Ângela Maria, entre outros. Em 1968 mudou-se para São Paulo, lá prosseguiu a carreira artística interpretando a princípio composições de variados ritmos da Música Popular Brasileira. Em 1981 gravou pela Continental seu primeiro disco, contendo diversos Choros e Maxixes, e bastante elogiado pela crítica. Em seus shows foi pouco a pouco optando pelo Forró, ao qual passou a dedicar-se após o primeiro disco. Seu primeiro LP chegou a ser colocado entre os 20 melhores do ano pelo “Jornal do Brasil”.

Em 1988 foi eleita a “Rainha do Forró” em Campina Grande – PB. Em suas apresentações, entretanto, interpreta também composições de Caetano Veloso, além de Sivuca, Dominguinhos, Luiz Gonzaga. Em 1992 lançou o disco “Doçura”, no qual gravou composições de músicos como Nando Cordel e Téo Azevedo, contando ainda com a participação especial de Oswaldinho do Acordeon. Daquele disco destacou-se “Chore não”, composição mais executada nas rádios.

Em 1994 lançou “Glória de todos os cantos”, com produção de Téo Azevedo. No início de 1990 comandou um “talk-show” na Rádio Atual de São Paulo, que obteve o primeiro lugar de audiência na programação de Domingo. Trabalhou também na rede de televisão do Centro de Tradições Nordestinas.

Segue abaixo entrevista exclusiva com Glorya Ryos para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistada por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 26.02.2021:

Índice

01) Ritmo Melodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

Glorya Ryos: Nasci no dia 30.05.1956 em Teresina – Piauí. Registrada como Maria Assunção Sousa.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

Glorya Ryos: Com nove anos de idade eu cantava no quintal de casa, principalmente quando alguém cantava mal, eu fazia questão de cantar mais alto. Uma vizinha prometeu me levar a uma rádio e não o fez. Aos 13 anos de idade, fiz um bilhete e minha irmã mais nova levou à rádio difusora me oferecendo para ser convidada especial. A ousadia foi aceita e aí comecei a cantar nas rádios e show em Praças Públicas.

03) RM: Qual a sua formação musical e/ou acadêmica fora da área musical?

Glorya Ryos: Na música sou autodidata. Sou formada em Direito, mas, optei pela música que é bem mais forte dentro de mim.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

Glorya Ryos: Ângela Maria, Núbia Lafayete, Celly Campello, Gal Costa, Marinês, Luiz Gonzaga, Ary Lobo, Jackson do Pandeiro e muitos outros. Não gosto do FUNK e Sertanejo Universitário, porque parece que todas músicas são iguais. Isto é, não tem música.

05) RM: Quando, como e onde você começou a sua carreira musical?

Glorya Ryos: Cantei muito na TV da difusora no Maranhão, mas profissionalmente, só em São Paulo em 1981 quando gravei o primeiro LP pela Continental. Enquanto tentava ser contratada por uma gravadora, trabalhava como secretária na Bolsa de Valores de São Paulo. Eu estudava Secretariado e Direito respectivamente, até para tentar esquecer a música, por conta da dificuldade de ser contratada por uma gravadora. Mas, ao concluir o curso de Direito, enviei 30 fitas K7 para as gravadoras. A Continental, através de Moacir Machado me contrataram e me deram a liberdade de escolher o repertório. Como nunca cantei a noite por trabalhar em escritório, também não tinha um repertório. Um colega de trabalho me mostrou uma fica de Carmem Miranda e eu fiquei apaixonada pelo repertório e escolhi quatro músicas dela, e três inéditas de: Anastácia, Gerata, Jorge Mello. Este LP foi classificado pelo José Ramos Tinhorão; respeitado crítico musical do Jornal do Brasil, como um dos melhores de 1981 e eu como revelação. Nem eu sabia o peso destas músicas que regravei: “Jura”, “Tic tac do meu coração”, “Sarambá”, entre outras.

06) RM: Quantos CDs lançados?

Glorya Ryos: Entre LP e CD, 13 discos, neste momento estou gravando mais dois, um de chorinho e outro com músicas dos shows. Em 2001 o CD – “Do povão a classe”, com forró de alta qualidade. Digo neste trabalho que o forró não tem fronteiras, não tem dono e é para todos. Em 1995 o CD – “Forró Apimentado” uma coletânea de dois discos anteriores, colocando belas gravações de clássicos da nossa música nordestina “Mulher Rendeira” e “Farinhada”. Em 1994 o LP – “Glória de todos os cantos”. Em 1991 o LP – “Doçura”. Em 1988 o LP – “Rainha do Forró”. Em 1986 o LP – “Isso aqui tá bom demais”. Em 1985 o LP – Coletânea com duas músicas e uma delas “Isso Aqui Ta Bom Demais” (Nando Cordel / Dominguinhos). Em 1986 o LP – “Me leva com você”. Em 1981 o LP – “Picante e Brasileira” pela Continental.

07) RM: Como você define seu estilo musical?

Glorya Ryos: Meu primeiro disco foi de Chorinho e Maxixe, mas nos shows o público pedia músicas de Luiz Gonzaga e Elba Ramalho. Desta forma a gravadora disse que eu deveria gravar Forró, aí gravei um mix com a “Isso aqui tá bom demais” que vendeu 20 mil em uma semana. O terceiro LP, gravei músicas de Nando Cordel, Anastácia, Dominguinhos, Antonio Barros e Cecéu, um chorinho. O que me rendeu uma homenagem em Campina Grande – PB na pessoa do diretor presidente da rádio Campina FM, Hilton Motta, um show na casa de show Forral, em que fui coroada “Rainha do Forró” de Campina Grande. Foi uma linda homenagem que até hoje agradeço.

08) RM: Você estudou técnica vocal?

Glorya Ryos: Não tive tempo nem condições, pois tive que trabalhar muito na Bolsa de Valores de São Paulo e saí do emprego quando lancei o LP pela Continental. Eu fiz muitos shows pelas secretarias de Cultura Municipal e Estadual de São Paulo. E depois fui convidada pela Rádio Atual para apresentar um programa, em que fiz por 12 anos. No programa eu apresentava dicas para donas de casa; o que deu origem a um livro em parceria com minha irmã Nélia Maria, pela editora Madras. Aflorou o meu lado social, em que fiz um belo trabalho social muito grande, participando de todas as campanhas beneficentes da Rádio Atual e CTN – Centro de Tradições Nordestinas.

09) RM: Qual a importância do estudo de técnica vocal e cuidado com a voz?

Glorya Ryos: Gostaria muito de ter estudado a técnica vocal como ter aprendido a tocar um instrumento musical, mas não deu. Os cuidados com a voz são: dormir bem, não beber gelado, nem álcool.

10) RM: Quais as cantoras(es) que você admira?

Glorya Ryos: Gal Costa, Pery Ribeiro, Dalva de Oliveira, Leny Andrade, Agnaldo Timóteo, Aguinaldo Rayol, Altemar Dutra, Emílio Santiago, Nelson Gonçalves e muitos outros. Tem tanta gente boa que não dar para enumerar. O Brasil é muito rico de artistas, é pena que não temos incentivo do sistema, até para termos matérias artísticas nos colégios.

11) RM: Como é o seu processo de compor?

Glorya Ryos: Não me considero compositora, embora tenha feito algumas músicas. Posso estar em qualquer lugar e a música chega, tenho que anotar ou gravar para não esquecer. Um exemplo é a “Menino sozinho” que fiz em 1968 e só há cinco anos gravei. É um samba choro que fala da criança abandonada.

12) RM: Quais são seus principais parceiros de composição?

Glorya Ryos: Cesar Fontes, minha irmã Creusa, Maria Dapaz (in memoriam) e minha mãe Teresinha de Jesus Sousa.

13) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Glorya Ryos: Quando comecei era difícil e continua difícil. Meu primeiro LP foi pela Continental e demorei 13 anos para conseguir um contrato com uma gravadora. Quando a diretoria que me contratou foi demitida, todos os artistas tiveram os contratos encerrados. Fiquei com o LP na mão, sem direção. Passei na Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo e me apresentei para a Mirtes que comandava o projeto “Canto da terra”. Ela disse: seu disco é muito bom. Respondi: preciso fazer shows. Tudo é muito difícil e gente não sabe o caminho. Era difícil, porque teríamos que ser contratados por uma gravadora, agora, gravamos com facilidade, mas não temos o capital para divulgar.

14) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira dentro e fora do palco?

Glorya Ryos: Sempre fui pela minha intuição. E procurei um repertório que eu gostava, ensaiava coma a banda para fazer o show.

15) RM: Quais as ações empreendedoras que você pratica para desenvolver a sua carreira?

Glorya Ryos: Nada programado. O telefone era meu companheiro, eu ligava muito. Divulgava em jornais, rádios, fazia programas de tv. Sempre tive muita sorte em fazer amizade com jornalistas, radialistas; o que facilitou muito minha divulgação. Mesmo sem disco, os primeiros a divulgarem o meu trabalho foram: Sonia Abrão e Nelson Rubens.

16) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira?

Glorya Ryos: O que prejudica é a gente com mais idade não entender o uso da internet como os jovens, mas é muito interessante estar viva para poder desfrutar desta possibilidade, que é a internet.

17) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso à tecnologia de gravação (home estúdio)?

Glorya Ryos: Todas as vantagens. É tudo de bom a praticidade para gravar música que não existia antes. Em qualquer cantinho de sua casa você poder fazer um home estúdio para fazer as gravações. É muito prático e facilita muito.

18) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo. Mas, a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que você faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

Glorya Ryos: Gravar hoje não é problema, o difícil é divulgar, aí tem que ter o dinheiro para pagar tudo. Sigo tranquilamente usufruindo o que acontece de bom. Os convites para programas de TV dos meus amigos, gravando músicas que gosto. Foi assim que gravei um projeto “Anos 60” e estou gravando “Anos 60”, volume 2. Acostumei a não depender de ninguém, acho tudo natural. Quem tem dinheiro paga para divulgar, como sempre, quem tem “padrinho” vem com uma estrutura grande. Eu sigo fazendo o que dar para fazer e não me queixo de nada.

19) RM: Como você analisa o cenário do Forró. Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas duas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Glorya Ryos: Ultimamente não tenho visto revelações, mas tem muita gente boa que vem fazendo um bom trabalho há muito tempo. Mas, a Anastácia continua sendo a grande referência de uma artista que permanece desde que iniciou.

20) RM: Quais os músicos já conhecidos do público que você tem como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

Glorya Ryos: O Brasil é muito rico de bons artistas, o que falta é o verdadeiro reconhecimento e espaço para todos trabalharem.

21) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical (falta de condição técnica para o show, brigas, gafes, show em ambiente ou público tosco, cantar e não receber, ser cantado etc)?

Glorya Ryos: Com 37 anos de carreira musical, coisas boas, ruis, alegres e tristes acontecem. Uma coisa boa que aconteceu em 1988, quando fui eleita “Rainha do Forró” em Campina Grande – PB em uma promoção da Campina FM, na pessoa do seu presidente Hilton Motta. Faltou um bom empresário para usar esta situação e vender muitos shows. Quando o bailarino do Fantástico Ronaldo Resedá começou a fazer shows cantando; ele faleceu em Imperatriz – MA, eu também fui contratada pelo mesmo empresário. E o falecimento de Resedá, os meus shows foram cancelados e o empresário não queria pagar nem a passagem de volta. São tantas as histórias (risos).

22) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Glorya Ryos: A felicidade de todo artista é poder estar no palco cantando. Antigamente eu ficava triste quando não conseguia estar nas TVs de grande audiência. Hoje nada me deixa triste neste setor, estou em paz. A vida é muito maior do que tudo isto.

23) RM: Qual a sua opinião sobre o movimento do “Forró Universitário” nos anos 2000?

Glorya Ryos: Eu não concordo que o Forró seja “Universitário” ou “Mobral”, Forró é Forro, pode ser bom ou ruir, bem gravado ou mal gravado.

24) RM: Quais os grupos de “Forró Universitário” chamaram sua atenção?

Glorya Ryos: No movimento “Forró Universitário” lançaram as bandas: Rastapé, Bicho de Pé e Falamansa e nada mais aconteceu. Estas bandas são boas.

25) RM: Você acredita que sem o pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

Glorya Ryos: Nem eu, nem ninguém toca mais nas rádios sem o pagamento estipulado pelas rádios.

26) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Glorya Ryos: Eu aconselho a estudar, se formar e cantar por hobby, se der certo ótimo.

27) RM: Quais os prós e contras do Festival de Música?

Glorya Ryos: Para quem está começando Festival de Música é muito bom.

28) RM: Hoje os Festivais de Música revelam novos talentos?

Glorya Ryos: Acho que não, só se criarem um movimento grande através de uma TV de grande audiência.

29) RM: Como você analisa a cobertura feita pela mídia da cena musical brasileira?

Glorya Ryos: Não vejo nada, as músicas que estão na grande mídia, com poucas exceções, a gente não lembra de nada quando a música termina.

30) RM: Qual a sua opinião sobre o espaço aberto pelo SESC, SESI e Itaú Cultural para cena musical?

Glorya Ryos: Não dão oportunidade para todos como acontecia antigamente, agora só produtores conseguem estes espaços no SESC, SESI e Itaú Cultural e a maioria com os artistas da grande mídia.

31) RM: Qual a sua opinião sobre as bandas de Forró das antigas e as atuais do Forró Estilizado?

Glorya Ryos: Antigamente era o Forró Pé de Serra com Sanfona, Zabumba e Triângulo e com grandes artistas como Luiz Gonzaga, Marinês, Ary Lobo, Jackson do Pandeiro e muitos outros. E com o advento das bandas muitos não gostaram dizendo que não era Forró, mas pelo menos o movimento era de Forró e é sempre bom falar do nosso Forró, da nossa cultura. Agora que as bandas não estão com tanta evidência, o Forró Pé de Serra continua firme e forte.

32) RM: Como começou a sua atuação profissional na Rádio Atual?

Glorya Ryos: Fui chamada para fazer um show no CTN – Centro de Tradições Nordestinas – Rádio Atual em 1991 e conversando com o diretor da Mauricio de Oliveira (mineiro falecido em 1994) que já estava careca e eu com cabelos crespos e louros; não nos reconhecemos, só perto da imagem do Frei Damião foi que nós reconhecemos como ex-namorados em 1968 quando adolescentes. Desde deste momento não nos largamos mais, começamos a trabalhar juntos na Rádio Atual, e depois ele me deu um horário e passei 12 anos. Espaço que foi de aprendizado, pois tanto as entrevistas, os apelos para os carentes, tudo só acrescentou aos meus conhecimentos.

33) RM: Glorya Ryos, Quais os seus projetos futuros?

Glorya Ryos: Meu maior projeto é viver com qualidade, curtir muito minha família, apresentar meu programa de TV pela internet na Amaral TV e cantar quando for possível. O Brasil tem que ter mais atenção com a cultura, se perguntarmos hoje para um jovem quem foi Nelson Gonçalves, ele saberá? Isto é muito triste e vergonhoso. Isto não se faz com a memória de um país rico artisticamente como o nosso.

34) RM: Quais seus contatos para show e para os fãs?

Glorya Ryos: (11) 99301 – 5217 | [email protected]

https://bloggdafama.blogspot.com/2015/02/cantora-radialista-e-apresentadora.html | https://web.facebook.com/glorya.ryos

Canal: https://www.youtube.com/channel/UCUfB8CYvcFICQHgiTBn8CuA

GLORYA RYOS NO PROGRAMA MEGA FEST BRASIL: https://www.youtube.com/watch?v=nIE8fo_M36o

GLORYA RYOS NO PROGRAMA LUCAS DE ALENCAR: https://www.youtube.com/watch?v=usMRe0pWYiM&list=FLUfB8CYvcFICQHgiTBn8CuA

Glorya Ryos – Sanfona Velha – Programa Alma Cabocla: https://www.youtube.com/watch?v=SdluBZck_ig

Glorya Ryos – Show Parque do Carmo (completo): https://www.youtube.com/watch?v=LqxLHaul3MA

SHOW Glorya Ryos voltando as sus origens: https://www.youtube.com/watch?v=OJvJQ2DMTto

Velask Brawm entrevista Glorya Ryos: https://www.youtube.com/watch?v=4sPeLgV4ZWo

 


  • 1
    Share

Deixe um comentário

*

Uma Revista criada em 2001
pelo jornalista, músico e poeta paraibano
Antônio Carlos da Fonseca Barbosa.