César Amaral

César Amaral

César Amaral, natural de Sertânia-PE, alto Sertão Pernambucano músico, intérprete, compositor, 19 anos de carreira, sete CDs gravados e dois DVDs, o primeiro gravado em Pernambuco e outro em Berlin/Alemanha.

Apresenta em sua trajetória um vasto caminho de conquistas no cenário musical: Vencedor de vários festivais, entre eles o Forró Fest, o maior Festival de Música Autoral da Paraíba com a canção “Mulher de Invernia”, pré-Selecionado ao Prêmio da Música Nacional com o álbum “Arranchado”, Vencedor do Prêmio da Música Pernambucana como o melhor DVD de Pernambuco, intitulado “Floraçâo”. Entre os Festivais que o artista apresentou sua arte destacam-se o Psiu! Forró Festival na Cidade de Berlin-Alemanha em o que mesmo esteve por duas vezes, em 2018 e 2020, e o Forró Lisboa em Portugal, em 2019, mostrando nossas raízes, nossa poesia, e o nosso Forró para o velho mundo.

O artista também já se apresentou em vários projetos culturais por todo Norte-Nordeste, festividades Juninas, SESC, Teatros, Projetos do Governo Estadual e Federal. Traz em seu repertório a versatilidade e a diversidade musical da identidade do seu povo, traduzida nos ritmos mais genuínos, que se entrelaçam na musicalidade universal contemporânea sem perder a sua originalidade. Dentre as obras executadas pelo o artista e sua banda evidenciam-se canções autorais e de grandes mestres do nosso cancioneiro.

Segue abaixo entrevista exclusiva com César Amaral para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistado por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 02.05.2021:

Índice

01) Ritmo Melodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

César Amaral: Nasci no dia 09.12.1969, em Sertânia-PE.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

César Amaral: Através dos meus familiares (irmãos e primos) que são quase todos músicos.

03) RM: Qual a sua formação musical e/ou acadêmica fora da área musical?

César Amaral: Sou músico autodidata, sou bacharelado em História, em Enfermagem com Especialização em Enfermagem do Trabalho.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

César Amaral: Caetano Veloso, Gilberto, Chico Buarque, Elomar, Jackson do Pandeiro. No presente minha irmã Cristina Amaral, Maciel Melo, Antônio Amaral, Zeto (in memoriam), Chico César…etc.

05) RM: Quando, como e onde você começou a sua carreira musical?

César Amaral: Comecei minha carreira nos Festivais de Música, com Grupo Sexteto Tamba, depois com a banda Forró Bacamarte com o primo Valter Amaral em que partimos para arte do Forró, dando início a um projeto. Depois iniciei minha carreira solo, gravando um álbum “Canto do Forró”, voltei também aos festivais foi vencedor do maior festival de música da Paraíba o Forró Fest, em 2005 com a “Mulher de Invernia” (César Amaral/Antônio Amaral). Daí em diante foi só trabalhos solos. Estive em três grandes festivais na Europa o PsiuForró Festival em Berlim em 2018 e 2020, e em Portugal, Lisboa, no Forró Lisboa.

06) RM: Quantos CDs lançados?

César Amaral: São seis CDs e dois DVDs. O primeiro, “Veio de Poesia”, Cesar Amaral e Valter Amaral, Músicos: Luciano Magno na Guitarra, Gennaro no Acordeon, Toninho no Baixo, Cieldes Brasiliano e Quartinha na Zabumba e Triângulo e Ninja na Bateria. O segundo foi em 2003, no “Canto do Forró”, com Saú Brito no Baixo, Vandinho na Zabumba, Jô Silva no Acordeon e Valter Amaral no Baixo. O terceiro em 2005, “Dois em Um”, com Jorge Andrade na Guitarra e Cavaquinho, Chiquinho de Belém no Acordeon, Marcone no Baixo, Gilson na bateria. O quarto em 2007, “Ao Vivo”, com Chiquinho de Belém no Acordeon, Marcone na Guitarra, Nanido Cavalcante no Baixo, Acácio Rufino Vocal, Tuta Sanfoneiro na segunda sanfona e Edison na bateria, com a participações de convidados como: Cristina Amaral, Josildo As, Nanado Alves.

O quinto em 2010, “Arranchado”, com Jorge Andrade na Guitarra e Cavaquinho, Chiquinho de Belém no Acordeon, Marcone no Baixo, Pedro Neto no Violino, Gilson na bateria. O sexto, “Mamulengo” em 2012, com Jorge Andrade na Guitarra e Cavaquinho, Claudinho no Acordeon, Marcone no Baixo, Gilson na bateria.

Os DVDS: O primeiro “Floração” em 2014, premiado como o melhor DVD de Pernambuco em 2017 com Produção Executiva de Saulo Aleixo e César Amaral, Produção Musical de Luizinho de Serra, Músicos: Luizinho de Serra no Acordeon, Duda Gouveia na Bateria, FoFão no Baixo, Guilherme Eira na Guitarras e Violas, Vitamina na Percussão, Neném na Zabumba e Vocal, Lízia, Gal Menezes backvocal, Valdemir Silva na Flauta. Participações: Maciel Melo, Cristina Amaral, Santanna – O cantador, Sandra Belê, Jurandy da Feira, Encanto e Poesia, Bia Marinho, Petrúcio Amorim. O segundo “Forró na Alemanha” em 2018, gravado em Berlin, Alemanha. Músicos: Beto Hortis no Acordeon, Carlos Frevo na Percussão, Luciano na Zabumba.

Músicas que entraram no gosto do povo: “Sabor de Limão” (Petrúcio Amorim), “Coisa de Momento” (Rogério Rangel), “Mulher de Invernia” (César Amaral e Antônio Amaral), “Lápis de Cor” (Nanado Alves), “Socorro” (Gripa de Sertânia), “Arranchado” (Anchieta Dalí), “Coração Chora não” (Ilmar Cavalcante e Nanado Alves), “Nó” (César Amaral), “Sala de Reboco” (Zé Marcolino/Luiz Gonzaga).

07) RM: Como você define seu estilo musical?

César Amaral: Caminho por todos os estilos, Forró, Frevo e Cantorias.

08) RM: Você estudou técnica vocal?

César Amaral: Nunca.

09) RM: Qual a importância do estudo de técnica vocal e cuidado com a voz?

César Amaral: Na respiração e no relaxamento das cordas vocais.

10) RM: Quais as cantoras (es) que você admira?

César Amaral: Cristina Amaral, Gal Costa, Bethânia, Elis Regina, Marisa Monte, Elza Soares, são muitas.

11) RM: Como é o seu processo de compor?

César Amaral: Não tenho regras para fazer música, quando surge uma ideia ou uma situação que observo, chega à inspiração. Eu corro para pegar o violão, começa a nascer a ideia, a história, é uma coisa meio louca não sei bem explicar esse processo, chega de repente.

12) RM: Quais são seus principais parceiros de composição?

César Amaral: Antônio Amaral, Valter Amaral, Ilmar Cavalcante, Xico Bizerra.

13) RM: Quem já gravou as suas músicas?

César Amaral: Delmiro Barros, Paulinho Pantera, Cristina Amaral, Rinaldo Serra Branca.

14) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

César Amaral: O bom é que você tem a liberdade de criar sem nenhuma imposição de gravadora sem nenhuma interferência, você faz do seu jeito, escolhe seu repertório. O ruim é a dificuldade de produzir, a falta de grana, de apoio, temos que correr para os editais e isso leva um tempo.

15) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira dentro e fora do palco?

César Amaral: Fora do palco é divulgação nas redes sociais, com gravação de vídeos, clipes, lives, mantendo ensaios com a banda, atualizando repertórios, planejando arranjos e estratégias de apresentação.

16) RM: Quais as ações empreendedoras que você pratica para desenvolver a sua carreira?

César Amaral: Estudando os editais, participando dos mesmos, dentro da cadeia produtiva, sempre atento as oportunidades de financiamento proposto pelo governo.

17) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira?

César Amaral: Acho que hoje a internet veio pra somar, é um meio importantíssimo para mostrarmos nosso trabalho, através das plataformas do Facebook, Instagram, WhatsApp, e outras, pois chegar à televisão está cada dia mais difícil, complicado. O que querem é um produto fácil, de venda rápida, o espaço para a boa música é pequeno. Vejo na internet, a possibilidade de difundirmos nossa arte de forma mais livre. Um dos problemas é que esse universo cibernético, praticamente é terra de ninguém, e suas ideias podem ser distorcida em determinado momento.

18) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso à tecnologia de gravação (home estúdio)?

César Amaral: A vantagem é produzir sua música a hora que quiser, do seu jeito e com baixo custo a desvantagem é que você tem que ter um bom material e isso custo muito, daí dificulta um trabalho de qualidade, em algumas situações.

19) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo. Mas, a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que você faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

César Amaral: Não tenho receita para esse ponto, mantenho uma fidelidade com aquilo que produzo, cantando sempre o que gosto, sempre estou gravando, mostrando a cara, mantendo minhas raízes.

20) RM: Como você analisa o cenário do Forró. Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

César Amaral: Cada dia que passa, infelizmente o Forró está se perdendo no tempo. Os nossos ritmos: Forró, Xote, Baião, Xaxado, boa parte da juventude não sabe mais dançar esses ritmos, por só terem contato na época junina e em eventos em que 60% do que se toca é Sertanejo, 30% são bandas e 10% aqueles que tem compromisso com arte, poucos eventos, espaços e rádios que preservam o Forró, que tem compromisso com nossa cultura. Em relação a produção artística nesse seguimento vejo um crescimento muito grande, muitos artistas e bandas produzindo Forró, em destaque: Forró Casoando – PE, Forró Na Caixa – PE, Os Fulanos – PE e muitos outros.

21) RM: Quais os músicos já conhecidos do público que você tem como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

César Amaral: Maciel Melo, Flavio José, Rogério Rangel, Cristina Amaral, Irá Caldeira, Mestrinho.

22) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical (falta de condição técnica para o show, brigas, gafes, show em ambiente ou público tosco, cantar e não receber, ser cantado etc)?

César Amaral: Levar calote é uma comum entre artistas, falta de condições técnicas também, tocar em um evento em que as pessoas não curtem o seu estilo é um desafio, passei por isso. Um fato interessante foi quando fui tocar em uma cidade da Paraíba e, ao chegar percebi que o palco estava todo preenchido com os equipamentos da banda que iria tocar depois do meu show. Eu não subi no palco até que tudo fosse resolvido e retirados os equipamentos da tal banda, o dono da banda ficou puto, mas não dei ouvidos.

23) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

César Amaral: O que deixa muito feliz é quando escrevo uma canção, quando gravo, quando sinto o reconhecimento do público. E o que me deixa mais triste é falta de oportunidade por parte do poder público em não valorizar a nossa cultura.

24) RM: Qual a sua opinião sobre o movimento do “Forró Universitário” nos anos 2000?

César Amaral: Importantíssimo movimento do “Forró Universitário” para fortalecimento do Forró, pois foram muitas bandas que surgiram nesse movimento e isso refletiu até aqui no Nordeste, por exemplo eu e meu primo Valter Amaral montamos uma banda chamada Forró Bacamarte inspirada em todo esse movimento do Sudeste.

25) RM: Quais os grupos de “Forró Universitário” chamaram sua atenção?

César Amaral: Falamansa, Baião de Três, Bicho de Pé e outras.

26) RM: Você acredita que sem o pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

César Amaral: Em algumas emissoras só toca pagando o jabá, agora existe várias rádios que tem compromisso com a cultura e não cobra o jabá.

27) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

César Amaral: Corra atrás dos seus sonhos, busque, estude, e esteja preparado para os altos e baixos que esse universo oferece, mas vale apena.

28) RM: Hoje os Festivais de Música revelam novos talentos?

César Amaral: Sim. O Festival de Música é um canal importantíssimo para revelar talentos, sou fruto desse universo, apesar de que quase não há mais festivais, na minha região.

29) RM: Como você analisa a cobertura feita pela mídia da cena musical brasileira?

César Amaral: A preocupação da grande mídia são produtos que vendem fácil, é que se tem observado nos dias de hoje, o investimento no retorno financeiro.

30) RM: Qual a sua opinião sobre o espaço aberto pelo SESC, SESI e Itaú Cultural para cena musical?

César Amaral: Maravilhosos. São ferramentas importantes para o desenvolvimento da nossa cultura em todo seguimento, para a música não podia ser diferente. No meu estado temos o FUNCULTURA que é outra ferramenta necessária para o artista. Vejo esses incentivos com um escape para arte.

31) RM: Qual a sua opinião sobre as bandas de Forró das antigas e as atuais do Forró Estilizado?

César Amaral: Já fui muito questionado sobre esse assunto, e briguei rebati, mas acho uma discussão inútil, temos que nos preocupar com aquilo que produzimos e levar o que tem de melhor para o público, cada um tem o seu melhor para levar. Todos nós fazemos parte da cadeia produtiva da música e sobrevivemos dela, uns fomentam e contribui para uma sociedade melhor, outros denigrem essa sociedade e é muito bem aceito. Eu faço parte daqueles que querem o melhor na música e na poesia.

32) RM: César Amaral, Quais os seus projetos futuros?

César Amaral: Gravar o terceiro DVD e gravação de um EP de Frevo.

33) RM: Quais seus contatos para show e para os fãs?

César Amaral: (81) 99631 – 0961 | 99631 – 0961 | 99703 – 7963

| [email protected]

| https://web.facebook.com/cesaramaral8

| https://web.facebook.com/cesaramaraloficial

| www.instagram.com/cesaramaralreal

Canal César Amaral: https://www.youtube.com/channel/UCmthwGf7k8UZ9RNtHJyVOtw

Cesar Amaral Live: https://www.youtube.com/watch?v=JyEdt5XlCIg

César Amaral – Floração (DVD Ao Vivo): https://www.youtube.com/watch?v=kv8ClnRrsjM

PSIU! FORRÓ FESTIVAL BERLIN (DOCUMENTARY): https://www.youtube.com/watch?v=kv8ClnRrsjM&t=1272s

DVD PSIU! FORRÓ FESTIVAL BERLIN: https://www.youtube.com/watch?v=Qnk3guHU1lY

PSIU! FORRÓ FESTIVAL BERLIN (FORRÓ DAS FREIEN): https://www.youtube.com/watch?v=PBOGEsoKcBQ

PROGRAMA CANTOS E CONTOS: https://www.youtube.com/watch?v=VpDrLejjPY0

28ª SEMANA ESTUDANTIL DE SERTÂNIA (MÍDIA EM AÇÃO): https://www.youtube.com/watch?v=mEX8EV35O_w

PARTICIPAÇÃO DVD CRISTINA AMARAL (RECIFE/PE): https://www.youtube.com/watch?v=rtEHV4aCuk0

PROGRAMA INTERATIVO: https://www.youtube.com/watch?v=Us6HRY7zS5g

MULHER DE INVERNIA (PART. FLÁVIO JOSÉ): https://www.youtube.com/watch?v=flQGvvqkUNg&authuser=0

MÚSICA: O TEMPO: https://www.youtube.com/watch?v=LVEiu7tnoZo&authuser=0

https://www.palcomp3.com.br/cesaramaral/um-galope-galopado/


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tagged
Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor responsável pela revista digital RitmoMelodia desde 2001, jornalista, músico, poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, propaga a diversidade musical brasileira através de entrevistas e artigos. Jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB (1996 a 2000) que lançou um livro de poesia em 1998 e seus poemas ganharam melodias gravadas em três álbuns concluindo a trilogia "reggae baseado em poesia" no seu projeto musical Reggaebelde. Unindo a sensibilidade do poeta, músico com o senso crítico do jornalista e pesquisador musical colocado em prática em uma revista que Canta o Brasil.