More Fátima Marcolino »"/>More Fátima Marcolino »" />
Uma Revista criada em 2001
pelo jornalista, músico e poeta paraibano
Antonio Carlos da Fonseca Barbosa.

Fátima Marcolino

A poeta e compositora paraibana Fátima Marcolino, tem letras em músicas gravadas por intérpretes como: Santanna – O cantador, Irah Caldeira, Alcimar Monteiro, Adelmario Coelho, entre outros, além de composições feitas em parcerias com Ilmar Cavalcante, Bira Marcolino, Maria da Paz, Roberto Cruz.

Ela nasceu na Paraíba, na cidade de Prata, e filha do compositor e poeta paraibano José Marcolino Alves que nasceu no sítio Várzea Paraíba em Sumé – PB, no dia 28 de junho de 1930 e no dia 19 de setembro de 1987, sofreu um grave acidente de carro, em Carnaíba-PE, vindo a falecer no dia seguinte, mais conhecido como Zé Marcolino. Ele nasceu em um lugar exuberante de sons, cheiros e cores. Inspirado na paixão pelo Nordeste, suas músicas falavam do Cariri e dos povos que habitam a região. Era um homem que valorizava as tradições nordestinas, sendo muito ligado aos cantadores e às prosas sertanejas, que foram profundamente importantes em sua vivência como homem de origem humilde.

Diante do desejo de conhecer Luiz Gonzaga, escreveu-lhe diversas cartas, porém nunca havia obtido resposta. Certo dia, sabendo que Luiz Gonzaga estava em sua cidade, hospedado no Grande Hotel, Zé Marcolino não se conteve, sabendo que aquele momento poderia ser a grande oportunidade para apresentar suas músicas a Luiz Gonzaga, e foi à sua procura. O primeiro encontro foi tratado com certo desinteresse percebido por Marcolino, que interrogou Luiz Gonzaga sobre o recebimento de suas cartas. O encontro não durou muito tempo, e o compositor foi embora desanimado com o desenrolar da conversa. Decorrente de sua persistência, Zé Marcolino conseguiu com que Luiz Gonzaga lhe escutasse. Após a sua apresentação, Luiz Gonzaga perguntou ao compositor quantas canções iria lhe dar. Marcolino disse: umas três. Por fim, recebeu um abraço de Luiz Gonzaga, que convidou o novo parceiro para ir com ele para o Rio de Janeiro, dando início a uma importante parceria que originou várias canções de grande sucesso na carreira de Luiz Gonzaga.

As suas principais composições são: “Cacimba Nova” (Zé Marcolino), “Numa Sala De Reboco” (Zé Marcolino / Luiz Gonzaga), “Cantiga do Vem-Vem” (Zé Marcolino / Panta), “Fogo sem Fuzil” (Zé Marcolino / Luiz Gonzaga), “Quero Chá” (Zé Marcolino / Luiz Gonzaga), “Sertão de aço” (Zé Marcolino / Luiz Gonzaga), “Serrote Agudo” (Zé Marcolino / Luiz Gonzaga),

“Pássaro Carão” (Zé Marcolino / Luiz Gonzaga), “Matuto Aperriado” (Zé Marcolino / Luiz Gonzaga), “A Dança de Nicodemos” (Zé Marcolino / Luiz Gonzaga), “No Piancó” (Zé Marcolino / Luiz Gonzaga), “Pedido a São João” (Zé Marcolino), “Caboclo Nordestino” (Zé Marcolino), “De Olho no Candeeiro” (João Silva / Zé Marcolino), “Boca de Caieira” (Zé Marcolino/Zé Mocó), “Eu e Meu Fole” (Zé Marcolino), “Projeto Asa Branca” (Zé Marcolino / Luiz Gonzaga), “Bota Severina Pra Moer” (Zé Marcolino / Zé Mocó), “Obrigado meu Deus” (Zé Marcolino).

Fátima Marcolino já trabalhou com divulgação artística na cidade de Caruaru – PE onde residiu por 30 anos, hoje ela reside em Petrolina – PE. Em 2022 lançará o seu segundo livro. O primeiro: “A mesa da cozinha lá de casa”, é uma coletânea de poesias, pensamentos e histórias da sua caminhada artística. Ela é cidadã caruaruense e em 2016 foi homenageada no São João de Caruaru.

Segue abaixo entrevista exclusiva como Fátima Marcolino para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistada por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 14.03.2022:

01) Ritmo Melodia: Qual a sua data de nascimento e sua cidade natal?

Fátima Marcolino: Eu nasci no dia 03 de fevereiro de 1952 na cidade de Prata – PB, no sítio chamado Pio IX que pertencia ao meu avô.

02) RM: Quais as suas referências musicais? Quais deixaram de ter importância?

Fátima Marcolino: Minha referência musical é a música, pode ser Samba, Choro, Bolero, Rock, Forró, MPB, etc. Se tiver boa letra e melodia eu gosto. Gosto de músicas de Luiz Gonzaga a Guns N’Roses. Essa é que é a verdade.

03) RM: Qual a sua formação acadêmica?

Fátima Marcolino: Eu cursei o Ensino Fundamental.

04) RM: Como e quando você começou a sua atividade de poetisa/letrista em parceria com compositores? Quais são os seus parceiros musicais?

Fátima Marcolino: Eu comecei a escrever desde muito jovem, mas não mostrava o que escrevia. A partir de 2012 foi que comecei a mostrar. E os meus parceiros musicais são muitos, comecei escrevendo com meu irmão Bira Marcolino. Depois veio Maria Dapaz, Ilmar Cavalcante e outros.

05) RM: Você escolhe sistematicamente quem será o seu parceiro musical ou deixa acontecer espontaneamente?

Fátima Marcolino: Eu não escolho parceiro musical. Mostro a poesia e eles criam a melodia.

06) RM: No processo da parceria na criação da canção, você envia a letra/poema para o compositor para ele colocar a melodia? Você coloca letra em melodia que o compositor envia para você?

Fátima Marcolino: Não crio melodia, eu geralmente mando a poesia e meu parceiro musical cria a melodia.

07) RM: Você permite o compositor alterar a sua letra?

Fátima Marcolino: Eu permito que o compositor altere minha letra, pois duas cabeças pensando sai coisa melhor do que uma cabeça.

08) RM: Cite as principais canções que você é o autor da letra e quem já gravou?

Fátima Marcolino: Minha letra, da música “Aconteceu”, que por sinal é uma das minhas preferidas e a letra da música “Setembro” que a cantora e compositora Maria Dapaz fez as melodias e gravou ambas.

09) RM: Alguns compositores já declaram o fim da canção. Qual a sua opinião sobre essa afirmação?

Fátima Marcolino: E como é que pode não existir mais música?!

10) RM: Hoje ainda existe espaço e ouvinte para música com letra que se sustenta como um poema/poesia?

Fátima Marcolino: Existe. É tão provado que existe, que as músicas de antigamente são muito ouvidas pelas pessoas de bom gosto, a música boa nunca morre.

11) RM: Na Rádio e na TV o autor da música quase não é informado. Quem canta passa a ser “o autor” da canção. Esse fato te incomoda?

Fátima Marcolino: Incomoda muito e há muito tempo. Não por eu escrever, mas desde o tempo de meu pai Zé Marcolino. O parceiro fica oculto, aparecendo apenas o intérprete/cantor. Já liguei para algumas rádios perguntando quem era o autor da música, mesmo sabendo que era do meu pai.

12) RM: Você tem músicas que tocaram e tocam em Rádio, TV e em casa de show? O direito autoral é pago corretamente?

Fátima Marcolino: Não é, nunca foi e nunca será pago o direito autoral corretamente para o compositor e letrista. Mas fico contente quando escuto minhas músicas tocando em qualquer lugar.

13) RM: É possível sobreviver exclusivamente de direito autoral de suas músicas?

Fátima Marcolino: Não.

14) RM: Depois que você teve letras de canções que se tornaram conhecidas, aumentou a procura de compositores em busca de parceria?

Fátima Marcolino: Não.

15) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na função de letrista?

Fátima Marcolino: Só uma coisa que me deixa alegre, para não dizer feliz é quando ouço tocar em algum lugar e alguém diz que gosta da música. E triste quando a pessoa que escuta a música não sabe de quem é a autoria da letra. Só sabe o nome de quem está cantado.

16) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira profissional?

Fátima Marcolino: Nenhuma. Não estou nem querendo escrever mais, pois não tem mais quem grave. Só estou escrevendo meu segundo livro. Eu nunca encarei música e poesia como uma carreira profissional, mas, como algo para eu externar meus sentimentos. Por isso, nunca fiz planejamento nesse sentido.

17) RM: Quais as ações empreendedoras que você pratica para desenvolver a sua carreira?

Fátima Marcolino: Nenhuma. Por essa característica que tenho, divulgo meu trabalho com meus amigos e familiares. Quando entendo que preciso algo mais, uso as redes sociais.

18) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira?

Fátima Marcolino: A internet não prejudica e ajuda na divulgação. As pessoas ficam sabendo mais sobre nosso trabalho. Mesmo sem querer a vida da gente fica mais exposta, mas ajuda mais do que prejudica.

19) RM: Como você analisa o cenário musical brasileiro. Em sua opinião quais foram as revelações musicais nas últimas décadas? Quais permaneceram com obras consistentes e quais regrediram?

Fátima Marcolino: Eu acho que ninguém regrediu, mas também ninguém apareceu no cenário para ficar. Os que estão hoje em destaque são os de muitos anos atrás. Não tem nova revelação.

20) RM: Como você analisa o cenário do Forró. Em sua opinião quais foram as revelações musicais nas últimas décadas? Quais permaneceram com obras consistentes e quais regrediram?

Fátima Marcolino: O Forró, eu acho que sempre está em alta, mas só toca durante um mês, no mês de São João/Festas Juninas, mas o Forró sempre está em alta.

21) RM: Como era a sua relação pessoal como seu pai Zé Marcolino?

Fátima Marcolino: Muito boa, muito sintonizada. Gostava muito de vê-lo compor, gostava de conversar sobre música e poesias. Acho que 80% do que sei hoje, devo a ele.

22) RM: Quem são os parceiros musicais do seu pai Zé Marcolino?

Fátima Marcolino: No início da carreira, algumas canções são em parceria com Luiz Gonzaga.

23) RM: Quem gravou as músicas do pai Zé Marcolino?

Fátima Marcolino: São mais de 65 intérpretes que gravaram músicas de Zé Marcolino. Agora, os principais são: Dominguinhos, Luiz Gonzaga, Trio Nordestino, Marinês, Flávio José, Santanna – O cantador e muitos outros.

24) RM: Qual a sua relação pessoal e profissional com os irmãos radialistas Mano Véio e Novo Novo?

Fátima Marcolino: Eu não conheço Mano véio (Luiz Duarte Amorim Filho), só conheci Mano Novo (Expedito Duarte); não me lembro o ano, mas fizemos um intercâmbio cultural muito grande, ele trabalhava na Rádio Bandeirantes de São Paulo. Passamos quase três anos fazendo esse trabalho, eu mandava música para lá e ele manda música para cá (Caruaru – PE). Nesse período conheci alguns artistas e radialista de São Paulo.

25) RM: Quais os prós e contras de ser divulgadora de artistas?

Fátima Marcolino: Não teve contra. Tudo que eu fiz foi válido e fiz por vontade. Foi de grande importância além de fazer o que gosto fiz grandes amigos.

26) RM: Quais os prós e contras da sua atuação na Fundação de Cultura de Caruaru – PE?

Fátima Marcolino: Foi muito boa minha atuação, pois aprendi muito e conheci muita gente através desse trabalho.

27) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Fátima Marcolino: Quando uma pessoa decide trilhar uma carreira musical, se tiver talento e vontade, que siga em frente. A música é um remédio que serve para a alma. Fico muito feliz quando vejo uma pessoa trilhando uma carreira musical, pois é uma promessa de mais um artista com sua arte ajudar a vida ficar mais leve.

28) RM: Como você analisa a cobertura feita pela mídia da cena musical brasileira?

Fátima Marcolino: Acho a cobertura feita pela grande mídia muito vaga, pois tem tantos artistas bons que a grande mídia não mostra. A gente é que precisa descobrir sozinho através das redes sociais e revista como a Ritmo Melodia que já entrevistou mais de 800 artistas em todos os gêneros musicais.

29) RM: Bob Dylan ganhou o prêmio Nobel de Literatura em outubro de 2016. Será que este fato anima outros letristas a “sonharem” com prêmios na área de Literatura ou é um fato isolado?

Fátima Marcolino: Foi um fato isolado o prêmio Nobel de Literatura para Bob Dylan.

30) RM: Os músicos americanos são conhecidos como grandes cantores, melodistas e arranjadores. Qual a sua opinião sobre a qualidade deles como letrista?

Fátima Marcolino: Eu só conheço os letristas do Brasil. E aqui tem muitos letristas bons.

31) RM: A apresente os livros que você já lançou.

Fátima Marcolino: Lancei “A mesa da cozinha lá de casa”. Um livro que fiz só para meus amigos, minha família. Não foi para divulgação.

32) RM: Qual a sua opinião sobre a função positiva do crítico musical?

Fátima Marcolino: Às vezes criticam o que a música tem de melhor.

33) RM: Nietzsche comenta que a melodia (música) sem letra perturba a alma. O que você acha dessa afirmação?

Fátima Marcolino: Quem perturba a alma, às vezes, é uma letra ruim. A melodia é sempre bem-vinda.

34) RM: No tempo da Ditadura Militar no Brasil as letras que tinham engajamento político fizeram sucesso. Qual a importância de letras que não tratem só do tema Amor?

Fátima Marcolino: A letra é uma reflexão. Qualquer sentido que ela vá, causa uma reflexão. Pode ser de amor, pode ser de protesto. Sempre é uma reflexão. A música que fala sobre o amor é um bálsamo para o espírito.

35) RM: Qual a sua opinião sobre “as letras pra acasalamento” que tocam no rádio (FUNK, Sertanejo, Pagode, Forró, etc)?

Fátima Marcolino: Detesto, nem escuto.

36) RM: Renato Russo comento que as letras que falam de amor sempre estarão na moda. Qual sua opinião a respeito dessa afirmação?

Fátima Marcolino: Concordo plenamente com Renato Russo.

37) RM: Você acha que as pessoas no geral estão mais para aceitar as letras que buscam o entretenimento ou a divagação lírica do que proporcionar reflexões humanas e sociais profundas?

Fátima Marcolino: Acho sim, o povo hoje está com muita preguiça de pensar.

38) RM: Quais os seus projetos futuros?

Fátima Marcolino: Ler e escrever.

38) RM: Quais os seus contatos com o público?

Fátima Marcolino: (81) 99981 – 2600 (WhatsApp)

“Aconteceu” ( Maria Dapaz e Fátima Marcolino): https://www.youtube.com/watch?v=KWQzpU4tLTw

“Setembro” ( Maria Dapaz e Fátima Marcolino): https://www.youtube.com/watch?v=ip9pgRFpT2M

“Cacimba Nova” (Zé Marcolino) – Luiz Gonzaga: https://www.youtube.com/watch?v=YrgblOUp0h4

“Numa Sala De Reboco” (Zé Marcolino / Luiz Gonzaga): https://www.youtube.com/watch?v=lQlieadHVaw

NUMA SALA DE REBOCO – A HISTÓRIA POR ZÉ MARCOLINO: https://www.youtube.com/watch?v=sonXTeiD6l0

“Cantiga do Vem-Vem” (Zé Marcolino / Panta) – Maria Dapaz: https://www.youtube.com/watch?v=0yjC4GkgzXs

“Fogo sem Fuzil” (Zé Marcolino / Luiz Gonzaga): https://www.youtube.com/watch?v=RB8rKhG_q2A

“Quero Chá” (Zé Marcolino / Luiz Gonzaga): https://www.youtube.com/watch?v=s3D9O9z1gxc

“Serrote Agudo” (Zé Marcolino / Luiz Gonzaga): https://www.youtube.com/watch?v=rijqOkxlJFY

“Sertão de aço” (Zé Marcolino / Luiz Gonzaga): https://www.youtube.com/watch?v=u90u6zPqklA

“Pássaro Carão” (Zé Marcolino / Luiz Gonzaga): https://www.youtube.com/watch?v=5bE4jblPdXg

“Matuto Aperriado” (Zé Marcolino / Luiz Gonzaga): https://www.youtube.com/watch?v=G5_UqN-Arfo

“A Dança de Nicodemos” (Zé Marcolino / Luiz Gonzaga): https://www.youtube.com/watch?v=0WUeTj6r8ew

“No Piancó” (Zé Marcolino / Luiz Gonzaga): https://www.youtube.com/watch?v=gibkw09_Aa4

“Pedido a São João” (Zé Marcolino): https://www.youtube.com/watch?v=Ucba95nEdUA

“Caboclo Nordestino” (Zé Marcolino): https://www.youtube.com/watch?v=F_xoH93LqvU

“De Olho no Candeeiro” (João Silva / Zé Marcolino): https://www.youtube.com/watch?v=YM1MLKkbTfw

“Boca de Caieira” (Zé Marcolino/Zé Mocó): https://www.youtube.com/watch?v=y8DwCfMLVU0

“Eu e Meu Fole” (Zé Marcolino): https://www.youtube.com/watch?v=9DgqXKZMtFU

“Projeto Asa Branca” (Zé Marcolino / Luiz Gonzaga): https://www.youtube.com/watch?v=3JSbVY7CnnQ

“Bota Severina Pra Moer” (Zé Marcolino / Zé Mocó): https://www.youtube.com/watch?v=JnlUDfdvbAQ

“Obrigado meu Deus” (Zé Marcolino): https://www.youtube.com/watch?v=AFFBd5OqX84

Pedra de Amolar a Zé Marcolino (2004) Álbum Completo: https://www.youtube.com/watch?v=vXwnIK_VnRc

ZÉ MARCOLINO E QUINTETO VIOLADO | PROGRAMA SOM BRASIL: https://www.youtube.com/watch?v=-swbn7ifq6I

ZÉ MARCOLINO, CHICO ARRUDA, VAL PATRIOTA, BIRA MARCOLINO E ZETO: https://www.youtube.com/watch?v=K-1zCtczrmY

O acidente em que o poeta José Marcolino perdeu a vida: https://www.youtube.com/watch?v=goKgAtliyFs

Jorge Du Peixe – Lançamento do disco “Baião Granfino” para o Música #EmCasaComSesc: https://www.youtube.com/watch?v=BPVhmrZ9C4o

Deixe um comentário

*

Uma Revista criada em 2001
pelo jornalista, músico e poeta paraibano
Antonio Carlos da Fonseca Barbosa.