Uma Revista criada em 2001
pelo jornalista, músico e poeta paraibano
Antônio Carlos da Fonseca Barbosa.

Evandro Paz

Evandro Paz
Evandro Paz

Reeducador Corporal, graduado em Dança e Movimento, o prof. Evandro Paz coordenou a Equipe de Professorxs da casa noturna Remelexo Brasil em São Paulo por 19 anos, ajudando na formação de gerações de dançarinxs e Professorxs de Forró com uma qualidade de movimento especial.

Sua especialidade é o estilo Forró Urbano dançado nas casas noturnas e festivais de São Paulo e sudeste com abraço efetuoso e conexão com o par, com jogos de pernas, contra-tempos e deslocamentos pelo salão. Participa de Coletivos que lutam para que o Forró se torne Patrimônio Cultural, trazendo recursos públicos para o meio. Desde 1995 dando aulas no Brasil e desde 2010 vai também para Europa / Asia / USA / Sul América transmitir nossa cultura, sendo reconhecido como um multiplicador mundial do Forró.

Segue abaixo entrevista exclusiva com prof. Evandro Paz para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistado por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 27.12.2020:

Índice

01) Ritmo Melodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

Evandro Paz: Nasci em 06.11.1971 em Fortaleza – CE. Registrado como Francisco Evandro Rodrigues. Aos 6 anos vim com minha família para São Paulo e vivo aqui até hoje em 2020, com 49 anos de idade.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

Evandro Paz: Meus primeiros contatos com a música que me recordo são de minha mãe cantarolando algo. Já em São Paulo eu me lembro de ouvir rádio e TV em casa, depois fitas cassete, e LPs com Altemar Dutra, Agnaldo Timóteo, Nelson Gonçalves, Roberto Carlos, música bregas, Sertanejo raiz, Choros que meu pai tocava no violão.

03) RM: Qual sua formação musical e/ou acadêmica fora da área musical?

Evandro Paz: Na graduação em Dança e Movimento pela Universidade Anhembi Morumbi em São Paulo, tive teoria e prática musical, tenho o livro de ditado melódico e rítmico do Ettore Pozzoli até hoje.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

Evandro Paz: Minhas influências musicais foram com meus pais e esse universo do Popular, do Brega, do Forró, Boleros, Samba-canção. Depois adolescente nos anos 80, foi o RAP, Black Music, o Samba-rock, Dancemusic, Newwave, Reggae, Pop-rock. Adulto, nos anos 90, entrei nas danças de salão, e tive contato com Salsa, Tango, Rockabilly além do Forró, Bolero, Merengue, Samba, Pagode, Samba de Gafieira. Tenho carinho por tudo isso. Nada perdeu importância.

05) RM: Quando, como e onde você começou sua carreira de professor de Dança?

Evandro Paz: Em 1994 eu fui convidado a dar aulas de Dança de Salão na Universidade de São Paulo (USP) onde eu era funcionário. Já fazia aulas desde 1991, não me achava pronto, mas topei o desafio, e virou paixão.

06) RM: Quais motivos levaram você escolher ser professor de Forró?

Evandro Paz: Ao Frequentar o circuito de Forró universitário de SP e dançar Forró para mim foi uma descoberta que trouxe uma felicidade diferente e única, muitas amizades, reconhecimento do meio, e me abriu as portas para viajar por todo mundo dando aulas de Forró. Eu resolvi ser professor de Forró para poder transmitir essa alegria para o máximo de pessoas.

07) RM: Qual o diferencial do baile de Forró?

Evandro Paz: Vivemos em uma sociedade que valoriza o verbo TER, o lucro, o capital, e isso é muito estressante. Quando frequentamos as casas noturnas de Forró em São Paulo, e os festivais de Forró do sudeste e no planeta com o lifestyle do Forró Urbano, dançamos com todo mundo, damos valor mais ao verbo SER. Nos sentimos parte de um estilo de vida que é libertador, pois mesmo na metrópole, temos a sensação de tribo, de comunhão entre o urbano e o tradicional. Esse Forró é urbano, mas tem um pé no barro, no ancestral.

08) RM: Como você escolhe o seu repertório?

Evandro Paz: No repertório musical das aulas de Forró eu procuro mesclar entre músicas que facilitam aos alunos perceberem a marcação forte, com outras melódicas. E gosto de tocar as estruturais e clássicas como: Jackson do Pandeiro, Luiz Gonzaga, Dominguinhos, Anastácia. Seus seguidores como: Gilberto Gil, Elba Ramalho, Alceu Valença, Fagner, Djavan, Nando Cordel, Flávio José, Marinês, Santanna – O cantador, Assisão, Trio Nordestino, Os 3 do Nordeste, Benício Guimarães, Ary Lobo, Genival Lacerda, Tiziu do Araripe, Rouxinol Paraibano. Os grandes nomes do “Forró Universitário” como: Tião Carvalho, Trio Virgulino, Trio Sabiá, Trio Cristalino, Trio Juazeiro, Trio Xamego, Miltinho Edilberto e seus seguidores Bicho de pé, Rastapé, Falamansa, Baião de 4, Circuladô, Caiana, Circuladô, Arleno Farias, Peixelétrico, Tio Crispiniano, Boi de Lata (Banda G), Banguele Banguela, Bando de Maria, Bandabagana, Trio Jerimum, Forroçacana, Chamachuva. E os atuais do Forró Urbano como: Mestrinho, Mariana Aydar, Bernadete França, Ó do Forró, Diego Oliveira, Dona Zefa, Nando Nogueira, Coisa de Zé, 2 Dobrado, Forró de Ka (Alemanha), Baião Brasil (Espanha), Fabiano Santana, Zeu Azevedo (Reino Unido).

09) RM: Você é colecionador de disco?

Evandro Paz: Eu não coleciono vinis. Mas adoro os poucos que tenho. É como um livro, trazem a fisicalidade, o manuseio, o orgânico.

10) RM: Quais outros ritmos são de sua preferência?

Evandro Paz: Jazz, R’N’B, Poprock, samba (todas as vertentes), Reggae, nova MPB, música de raiz.

11) RM: Quais as cantoras(es) que você admira?

Evandro Paz: Fora do Forró, sempre gosto de ouvir Michael Jackson, Jessé, Elis Regina, Nelson Gonçalves, Elza Soares, Amelinha, Roberto Carlos, Pitty, Bono Vox, Louis Armstrong, Caetano Veloso, Eddie Vedder, Gilberto Gil, Marisa Monte, Alcione, Byafra, Daniela Mercury, Cazuza, Kurt Cobain, Chico César, Vanessa da Mata, Janis Joplin, tantos.

12) RM: Apresente sua metodologia de aula.

Evandro Paz: Eu parei de dar aulas regulares em grupo semanais, que sempre acabam tendo um público com mil interesses diferentes mesclados na mesma aula. E aí ninguém fica feliz, nem eu. Uns vem socializar, outros arranjar companhia pessoal, ou aprender mesmo a dançar, outros já pensam em dar aulas um dia, ou só passar o tempo, só não ficar sozinho em casa.

Eu gosto de workshops com temas específicos, e abordagem didático-pedagógica direcionada para um recorte de um público alvo, com foco num nível específico de aprendizado. Assim as chances de fluência são maiores. Minha metodologia se embasa na prática de 25 anos dando aulas, e frequentando assiduamente o circuito de Forró Urbano do sudeste do Brasil, dentre os quais, 10 anos indo dar aulas em turnês anuais fora do país, formando novos agentes multiplicadores para o #ForróDança das pistas, dos salões de baile.

13) RM: Quais são os principais passos para dançar Forró?

Evandro Paz: Olha, primeiro, existem muitos estilos de dançar e sotaques corporais pelo Brasil e pelo planeta, e cada um tem suas bases mecânicas e regras sociais de jeito de se vestir, de se portar nos bailes, na alimentação, conforme culturas locais. Eu dou aulas do que chamo Forró Urbano, os desdobramentos do Forró Universitário que começou em 1994 em São Paulo, e virou febre nacional na virada do século 20, com bandas e trios tocando nas Tvs abertas.

Daí as pessoas que vivem no sudeste de toda classe social também quiseram aprender o novo jeito de dançar e vivenciar esse forró urbanizado das cidades grandes, e ao viajar, levaram para todo o mundo. Na dança podia-se perceber jogos de pernas e de corpo com influência de Itaúnas-ES, mesclando com os giros de braços vindos mais de São Paulo.

Depois apareceram alguns galhos desse DNA, e estilos como o dançado no Remelexo (casa noturna onde explodiu a banda Falamansa, e dei aulas de forró por 19 anos), Calango, Pé Descalço, Cabrueira, Roots, dentre outros. A base mecânica mais comum no sudeste é o chamada de frente e trás.

14) RM: Quais as diferenças entre dançar Forró Chamegado e Coreografado?

Evandro Paz: Independente da região ou do estilo, o Forró ainda é muito dançado no improviso pela maioria dos frequentadores das festas. O aprendizado quase sempre é orgânico, no calor da batalha, ou melhor, no calor dos abraços aconchegantes. O que demanda tempo, pois depende do talento e da frequência de cada um. Esses dançarinxs tendem a dançar mais chamegado, menos preocupados com passos, métricas, linhas, charmes, certo ou errado ou com quem assiste a dança. Seu foco é o prazer da entrega ao jogo da dança com seu par.

E há quem queira aprender um pouco mais rápido, ou quer ser apresentado ao ambiente por quem já está lá e poder fazer amizades logo, para não se sentir sozinho no começo. Ou já tem intenção de se aperfeiçoar, quem sabe um dia dar aulas, quer aprender também didática e ter acesso a uma metodologia de ensino. Muitas dessas pessoas procuram em suas cidades, aulas de Forró. E além de dançar chamegado, também tendem a executar passos e sequências aprendidas em aulas, até passar um bom tempo e começarem a improvisar e reconstruir sua dança ao seu gosto, como em outros aprendizados na vida.

Quem dança Forró coreografado, com mais caras e bocas, mais carão, focado mais para shows, palco, ou campeonatos, geralmente também sabe dançar mais miudinho, aquele Forró chamegado como pede no salão, que não se preocupa em aparecer, mais sim em sentir a dança, curtir o momento.

15) RM: Quais os melhores ritmos de Dança de Salão?

Evandro Paz: Adoro quase todo tipo de música e dança. Mas o forró é especial, né? Pois nasci em Fortaleza – CE, e fui criado por pais cearenses, então reconheço no Forró minhas origens. Pra mim não é o ritmo, mas o lifestyle. Não encontrei nada que eu me identifique como o Forró Urbano bailado nas casas noturnas e festivais do Sudeste.

E antes frequentei os bailes das escolas de danças de salão, e dos guetos específicos de Samba-Rock, de Tango, de Zouk-Lambada, de Pagode, mas “não há nada igual ao forró, bom de ver, bom de ouvir e de dançar…” (Miltinho Edilberto).

16) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira dentro e fora do palco?

Evandro Paz: Sou mais das salas de aula de dança. Ensino mais o Forró para dançar nos bailes, nas pistas de dança, nem tanto para shows. Sempre foco no aprendizado dos alunos a médio e longo prazo. Em estudos e parcerias, em manter meu nome forte, e não alimento bairrismos e corporativismos.

17) RM: Quais as ações empreendedoras que você pratica para desenvolver a sua carreira de professor de Dança?

Evandro Paz: Uso as redes sociais, os fomentos públicos ao Forró e a dança, o bom networking.

18) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira de professor de Dança?

Evandro Paz: A internet ajuda, pois, difunde tudo muito mais longe. E atrapalha, pois, muita gente aventureira pega carona nos movimentos, se forma pelo YouTube, sem muito preparo e sem responsabilidade em se aprofundar um pouco mais, antes de querer virar agente multiplicador.

19) RM: Quais as situações inusitadas aconteceram na sua carreira de professor de Dança?

Evandro Paz: Muitas. Uma vez faltou energia elétrica no local e demos aula na calçada.

20) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira de professor de Dança?

Evandro Paz: O que me deixa feliz nessa carreira é ver as crias andando com as próprias pernas, aprendendo a dançar e se sentindo mais à vontade no ambiente social dos bailes. E outras virando agentes multiplicadores do lifestyle do Forró Urbano. Triste: Ver que muitos parecem não lembrar de quando eram iniciantes e dançavam nada ou quase nada, e agora que já se garantem, não ajudam quem está começando ou reconhecem quem lhes ensinou o Bê-á-bá.

21) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira como professor de Dança?

Evandro Paz: Estude muito. Frequente muito o ambiente onde a dança que você quer dar aulas é praticada e alimente boas amizades no meio. Seja flexível e atentx. Desenvolva com o tempo uma boa didática de aula e crie uma metodologia de médio e longo prazo. E tenha um plano B para se aposentar, ou pague INSS e previdência privada, a vida passa voando. Eu já faço 50 anos de idade em 2021, e 26 anos de aulas de Forró.

22) RM: O circuito de Salão de Baile e Escolas de Dança na cidade que você mora ainda é uma boa opção de trabalho?

Evandro Paz: Sim. São Paulo oferece muitas oportunidades de trabalho, mas para quem está preparadx.

23) RM: Qual a importância de o professor de Dança conhecer a história e cultura dos ritmos que ensinam?

Evandro Paz: É fundamental conhecer a história e cultura dos ritmos. Para poder oferecer outros cursos e informações aos interessados em cultura, além das mecânicas e sequências de passos. Aconselho se profissionalizar, fazer curso técnico em dança, ou graduação, ou pós graduação. Ou pelo menos ter noções de psicologia, retórica, filosofia, anátomo – fisiologia, biomecânica, balé clássico e contemporâneo, danças populares, teatro, iniciação musical e vocal, além de história da arte e da dança, para começar.

24) RM: Como o Forró é visto fora do Brasil?

Evandro Paz: O Forró é visto fora do Brasil com muito carinho. O Forró já está em quase todo o planeta. Tem quase 100 festivais de Forró de diferentes partes no mundo.

25) RM: Fale de sua atuação como professor Dança de Forró fora do Brasil.

Evandro Paz: Tem muitos professorxs morando fora do Brasil e fomentando o lifestyle do Forró Urbano que começou com o “Forró Universitário”, promovendo Workshops com aulas e música ao vivo e/ou com DJs de Forró, festas, encontros, festivais. Desde 2010 eu saio de 2 a 3 meses em Turnê para Europa, Ásia, USA, fomentando o lifestyle do #ForróDança, multiplicando o trabalho dos DJs de Forró, musicistas e produtorxs. Dou aulas para formação de novos interessados em dançar Forró Urbano, e para agentes multiplicadores que querem dar aulas.

26) RM: Além de professor de Dança, você é músico?

Evandro Paz: Não sou músico. Mas tive teoria musical na graduação em Dança e Movimento na Universidade Anhembi Morumbi, então tenho uma boa noção de musicalidade e toco o básico de Zabumba, Triângulo, Agogô. Até fiz umas aulas de Acordeon, mas aí exige muita dedicação.

27) RM: Quais os prós e contras do professor de Dança ser músico?

Evandro Paz: Prós do professxr de Dança ser músico: Poder dar aulas bem mais completas no quesito musicalidade. Contras do professxr de Dança ser músico: Pode querer trazer aos alunos de dança, o complexo mundo da teoria musical, desnecessário numa aula semanal, bom, talvez, para um workshop específico. Pode colocar nas aulas uma hierarquia da música sobre a dança, como na ópera. E para mim a dança existe por si. Dançar no ritmo de uma música é uma convenção, não é verdade absoluta e universal.

28) RM: Quais os prós e contras do professor de Dança não ser músico?

Evandro Paz: A maioria dos professorxs de dança não é músico. E começa a dar aulas por convite, ou por impulso de ensinar, por paixão ao Forró (ou outro ritmo). Muitos sequer têm noção técnica de pulso, de compasso, de convenções mínimas do mundo da música. E muitos tem tudo isso na prática, na hora da dança, mas não tem didática ou metodologia de ensino sobre isso. A desvantagem de não ser músico e dar aulas de dança, é às vezes dar mais atenção a parte mecânica, dos passos e sequências em detrimento do ritmo. Acho que quem dá aulas de dança deve ter pelo menos noções de musicalidade, ritmo. A vantagem é que quando o professxr não é músico, ou não tem noções da teoria musical, por instinto pode criar sua maneira de ensinar musicalidade de uma forma mais orgânica, e focada na troca de peso, como a dança necessita. E sem a complexidade técnica de aulas de musicalização formais. Sei bem como é, já fiz muitas (risos).

29) RM: Quais os seus projetos futuros?

Evandro Paz: Eu tenho o sonho que o Forró tenha cada vez mais adeptos em escala mundial, e maior incentivo financeiro junto ao poder público. Então participo de Coletivos que lutam por isso. Além disso, junto com iris De franco, criei o Método Uaná Urbano de ensino de dança e lifestyle do Forró Urbano. Disponibilizaremos aulas gravadas em plataformas digitais, e faremos workshops online e presenciais, para quem quer aprender a dançar Forró começando do zero, ou tem alguma experiência e quer se aprofundar nesse forró mais orgânico, urbanizado. Ou ainda cursos específicos para quem já se acha avançado, e quer ir mais fundo em detalhes, ou até se tornar um agente multiplicadxr e passar também a dar aulas de Forró Urbano.

30) RM: Quais seus contatos para aulas/show e para os fãs?

Evandro Paz: (11) 99103 – 9160 |[email protected] | www.uanaurbano.com.br | https://linktr.ee/forroevandropaz

Canal do YOUTUBE: https://bit.ly/InscreverForróEvandroPaz

30# Neide Gara-pé e banda – Live Evandro Convida #ForróMúsica: https://www.youtube.com/watch?v=J1qFVMJvRxQ

28# Tiziu do Araripe – 50 anos cantando Forró em SP – Live Evandro Convida #ForróMúsica: https://www.youtube.com/watch?v=yifZucoqS3Q

Playlist História do Forró: https://www.youtube.com/watch?v=fDSeTznjw70&list=PLspcftA2RJ6_ptjZmFHzWX7hCQ0FaQMTd


Deixe um comentário

*

Uma Revista criada em 2001
pelo jornalista, músico e poeta paraibano
Antônio Carlos da Fonseca Barbosa.