Continua após a Publicidade
Categorias: Entrevistas

Dhalmas


Cauã Dalmas Melim Gomes, mais conhecido como Dhalmas é um cantor de apenas 17 anos de idade que encanta de primeira quem o conhece. Apesar da pouca idade, a revelação teen possui voz marcante e estilo icônico que o colocam como uma das apostas do Trap.

Nascido em Curitiba (PR), mas vivendo atualmente em São Paulo, Dhalmas lançou sua primeira música em 2018. “Me Deixe Só” veio acompanhada de um videoclipe que abriu portas para que o menino realizasse alguns shows no Hard Rock Café de Curitiba, onde cantava covers em uma escola de música. “Pouco tempo depois lancei minha segunda música com clipe chamada “Só Se eu Sonhar” e apostei no meu canal do Youtube com covers”, relembra o artista.

No mesmo ano, após entrar em uma gravadora pequena na cidade, lançou mais dois trabalhos que se orgulha muito. “Só Pra Dançar” e “Irmãos” marcam um período em que se conecta mais com seu trabalho, com letras mais pessoais e marcantes. Inclusive, ele próprio compôs a canção “Irmãos”, que é um marco em sua carreira com mais de 5 mil visualizações naquele mesmo ano.

Após outros projetos e com a percepção de que queria ir além, em 2020 lança seu primeiro EP, independente. “Esse EP foi totalmente caseiro, colocamos um microfone dentro de um armário e fizemos todo o isolamento acústico com colchões e almofadas. Decidimos criar um projeto de show para sair rodando pelo Brasil divulgando o nosso trabalho, na estreia haviam 987 pessoas presentes”, conta o cantor que com a chegada da pandemia do covid-19 teve que adiar os planos dos shows.

Aliás, foi justamente durante o ano pandêmico que o cantor Vitão compartilhou um vídeo de um cover que havia feito em sua varanda e convidava vizinhos para o assistirem. Depois dele, a cantora DAY e Di Ferrero também compartilharam em suas redes vídeos e trend de Dhalmas. Foi o momento de mergulhar de cabeça nesse universo e se profissionalizar.

Bruno Mars, Michael Jackson, Chorão e Shawn Mendessão algumas de suas referências na música. Além disso, no tempo livre, não dispensa aprender músicas novas, tocar guitarra ou teclado, dançar hip hop e praticar algum esporte: “Já participei de um grupo profissional de hip hop ficando em terceiro lugar no Festival Internacional de Hip Hop (FIH2), em 2018, e em primeiro lugar no Festival de Dança de Curitiba. Amo essa arte, mas tive que abandonar por conta da carreira, sempre que posso dou uma praticada”, finaliza o cantor.

Segue abaixo entrevista exclusiva com Dhalmas para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistado por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 03.08.2022:

01) Ritmo Melodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

Dhalmas: Nasci no dia 05 de março de 2005 em Curitiba (PR). Registrado como Cauã Dalmas Melim Gomes.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

Dhalmas: Sempre fui uma criança muito voltada para a arte. Minhas brincadeiras eram sempre relacionadas à música de alguma forma. Lembro-me de sempre pedir aplausos para meus pais toda vez que me apresentava para eles com uma guitarra de brinquedo. Quando eu tinha 7 anos de idade, meus pais e eu decidimos que eu deveria fazer um treinamento de PNL (Programação Neurolinguística) voltado para crianças; o Treinamento Você Kids. Foi então que, em um projeto de vida, decidi que queria ser cantor e espalhar a alegria e o amor através da minha arte. Meus pais ficaram surpresos na época, mas não hesitaram em me ajudar nessa jornada e estão comigo até hoje.

03) RM: Qual sua formação musical e/ou acadêmica fora da área musical?

Dhalmas: Ainda estou no ensino médio, mas pretendo me desenvolver e me aprofundar cada vez mais na área da música e produção musical.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

Dhalmas: Ao passar dos anos acabei me identificando em vários estilos musicais, tais como: trap, pop, hip hop, rock, RNB e MPB. Então não posso dizer que algum desses estilos deixaram de ter importância para mim, pois acho que tenho muito o que absorver das características de cada um. Porém posso dizer com qual eu dou mais importância e me identifico atualmente, que é o trap. Minha voz se encaixa bastante com os “beats” e com os “flows”, então tenho curtido muito estar nesse ramo. Mas não deixo de ouvir outros tipos de músicas, principalmente as raízes brasileiras da MPB e o contemporâneo do Pop internacional, para me manter atualizado no mercado.

05) RM: Quando, como e onde você começou sua carreira musical?

Dhalmas: Como mencionei sempre quis ser cantor, mas como era um sonho de criança eu não tinha maturidade para entender algumas responsabilidades de criar uma carreira. Comecei a ter uma visão melhor do que era o meu sonho em 2018, quando entrei pela primeira vez em um estúdio para gravar a minha primeira música (Me Deixe Só). Uma das pessoas que me ajudou nesse processo inicial foi o Marcelo Kalef, que me apresentou um estúdio em Itajaí (SC) e deu o suporte que eu e minha família precisávamos. Desde lá fui lançando “covers” nas redes sociais, aprendi a compor minhas próprias músicas e venho as lançando, crescendo cada vez mais.

06) RM: Já lançou um álbum?

Dhalmas: Atualmente tenho 9 músicas lançadas em todas as plataformas digitais, entre elas um EP lançado em 2020 chamado “VC” com 4 músicas, que foi um marco na minha carreira, pois foi quando eu decidi mudar meu nome artístico para “Dhalmas”. Também foi o primeiro contato que tive com a produção musical e com o trap. Meu último lançamento chamado “Caô”, marca a virada do meu estilo musical.

07) RM: Como você define seu estilo musical?

Dhalmas: Atualmente estou migrando de estilo, uma fase de transição. Posso dizer que hoje sou pop, mas no próximo lançamento serei Trap. Sempre gostei de atualizar meu estilo musical para a pessoa que sou no momento. Posso dizer que esse é o “estilo Dhalmas” de ser (risos).

08) RM: Você estudou técnica vocal?

Dhalmas: Sim, estudo desde meus 7 anos de idade. Acabei passando por um período de muda vocal com 15 anos então tive que reaprender as técnicas tudo de novo. Sorte que meu professor Cristopher Clark me ajudou durante esses dois anos e hoje posso dizer que sou melhor do que antes da minha mudança de voz.

09) RM: Qual a importância do estudo de técnica vocal e cuidado com a voz?

Dhalmas: Acho fundamental principalmente para não lesionarmos as pregas vocais. Quanto mais consciência do apoio e da respiração tivermos mais natural será a emissão da nota e consequentemente o seu desenvolvimento irá melhorar. Aquecer pode parecer chato, mas é isso que vai te prevenir de algo mais sério.

Temos que lembrar também que a prega vocal é um músculo, que se não trabalhado ele perde toda sua força. A repetição é muito importante para o desenvolvimento.

10) RM: Quais as cantoras (es) que você admira?

Dhalmas: Atualmente tenho escutado muito os cantores internacionais, tais como: Justin Bieber, Bruno Mars, Post Malone, Harry Styles, entre outros. No Brasil me inspiro muito no Chorão (CBJR), no Vitor Kley, no Matuê e no Teto. Escuto eles principalmente para perceber qual é a característica da voz de cada um e quais técnicas eles usam que ficariam interessantes na minha voz.

11) RM: Como é seu processo de compor?

Dhalmas: Eu sempre busco inspiração nos meus sentimentos ou busco refletir qual é o momento da minha vida que estou passando. Tento sempre maximizar toda essa energia e por fim escrevo a música. Meu processo já foi diferente, teve muitas vezes em que eu buscava ideias em séries ou em outras histórias. Mas atualmente estou conseguindo compor bastante sobre o que eu sinto e realmente fico muito feliz em conseguir buscar essa inspiração.

12) RM: Quais são seus principais parceiros de composição?

Dhalmas: Atualmente a pessoa que mais compõe comigo é meu produtor Fernando De Gino. Temos uma conexão muito boa, tanto para letra quanto para a produção. Às vezes eu “viajo” na letra e ele me dá um norte, acho que formamos uma boa equipe (risos).

13) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Dhalmas: Atualmente não sou independente, faço parte da gravadora Midas Music. É mais fácil trabalhar com eles do que sozinho.

14) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira dentro e fora do palco?

Dhalmas: Eu e minha equipe buscamos trabalhar de forma individual cada lançamento, com ideias inovadoras e sempre voltado para o meu público, tanto nas redes sociais quanto nos shows.

15) RM: Quais as ações empreendedoras que você pratica para desenvolver a sua carreira musical?

Dhalmas: Eu faço meu planejamento de covers, desde produzir o “beat” até o dia certo para postagem. Sempre leio os feedbacks para saber o que meu público acha. Já com as minhas músicas eu busco sempre atualizar a minha sonoridade e deixar ela cada vez mais marcante.

16) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira musical?

Dhalmas: A internet é um lugar de muita visibilidade. Isso pode ser bom ou ruim, basta entender qual o público você deseja alcançar.

17) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso à tecnologia de gravação (home estúdio)?

Dhalmas: Podemos dizer que temos mais vantagens do que desvantagens, já que os cantores estão sabendo lidar e entender como é um processo de produção. Porém é importante tomar cuidado para fazer algo com boa qualidade sonora e não ficar no mesmo som que outras pessoas já fazem.

18) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo. Mas, a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que você faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

Dhalmas: Acho que o meu diferencial, além do meu estilo musical é a dança. Danço hip hop desde 2015 e existem poucos cantores brasileiros que cantam e dançam.

19) RM: Como você analisa o cenário do Pop Brasileiro. Em sua opinião quais foram as revelações musicais nas últimas décadas? Quais artistas permaneceram com obras consistentes e quais regrediram?

Dhalmas: Acho que tivemos vários nomes marcantes no cenário pop, podemos citar: Jão, IZA, Vitor Kley, Anitta, Lagum, entre outros. Não sei dizer sobre obras ou a carreira de outros artistas, procuro focar na minha carreira.

20) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical (falta de condição técnica para show, brigas, gafes, show em ambiente ou público tosco, cantar e não receber, ser cantado, etc.)?

Dhalmas:  A situação mais inusitada e mais marcante foi no dia em que eu ainda estava no ensino fundamental e um grupo de pessoas se aproximaram de mim e pediram um autógrafo. Depois um professor veio me entregar uma carta desse pessoal, guardo ela até hoje.

21) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Dhalmas: Fico feliz com várias situações, desde achar o timbre perfeito de um teclado até terminar um show e escutar os aplausos. Tudo nesse trabalho me fascina. As vezes fiquei desmotivado, mas minha família sempre me apoiou nesses momentos.

22) RM: Existe o Dom musical? Como você define o Dom musical??

Dhalmas: Existe. Acho que o Dom vem com a experiência e com a vontade de ir além.

23) RM: Qual é o seu conceito de Improvisação Musical?

Dhalmas: A Improvisação Musical acontece quando queremos fazer algo diferente dentro daquilo que sabemos ou não. Na mesma hora em que criamos, tocamos.

24) RM: Existe improvisação musical de fato, ou é algo estudado antes e aplicado depois?

Dhalmas: Acho que muitas das improvisações são reflexo do conhecimento de quem toca. As vezes queremos explorar algo novo e só descobrimos enquanto estamos improvisando.

25) RM: Quais os prós e contras dos métodos sobre Improvisação musical?

Dhalmas: Pode ser muito bom para descobrir sonoridades novas, mas tem que tomar cuidado para não se perder e acabar fazendo algo ruim e exagerado (risos).

26) RM: Quais os prós e contras dos métodos sobre o Estudo de Harmonia musical?

Dhalmas: O Estudo de Harmonia musical é muito importante para saber os fundamentos de uma música e em um nível mais avançado, se guiar apenas pelo ouvido. Porém pode te aprisionar de muitas ideais que “soam erradas”.

27) RM: Você acredita que sem o pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

Dhalmas: Acredito.

28) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Dhalmas: Tenha muito foco e seja livre para criar e achar sua verdade, mas escute as outras pessoas, principalmente as que te querem bem.

29) RM: Festival de Música revela novos talentos?

Dhalmas: Com certeza!

30) RM: Como você analisa a cobertura feita pela grande mídia da cena musical brasileira?

Dhalmas: A mídia tem um papel fundamental na divulgação dos artistas. Mas às vezes eles julgam os artistas que tentam inovar.

31) RM: Qual a sua opinião sobre o espaço aberto pelo SESC, SESI e Itaú Cultural para cena musical?

Dhalmas: Acho muito bacana. Quanto mais incentivo para a música e a arte melhor.

32) RM: Quais os seus projetos futuros?

Dhalmas: Estamos produzindo um trap que será lançada em breve pela gravadora que eu faço parte Midas Music. Além de eventos e projetos que ainda não posso revelar, mas que serão incríveis.

33) RM: Quais seus contatos para show e para os fãs?

Dhalmas: Contato para shows: (41) 98705 – 6229 (Daniel Melim Gomes) 

| https://www.instagram.com/dhalmas

Canal: https://www.youtube.com/channel/UCuuxkNkpox4ilAaFac1obsg

Dhalmas – Caô (Áudio Oficial): https://www.youtube.com/watch?v=-C_ZxzF7EGE

Dhalmas – Irmãos (Áudio Oficial): https://www.youtube.com/watch?v=SZHI2vIiq_s

Playlist de autorais: https://www.youtube.com/watch?v=-C_ZxzF7EGE&list=PLmkO5ceJo3eoBelSgZy1xjRAdc-BhC1bG

Playlist do EP – VC: https://www.youtube.com/watch?v=4UHzgL2xRXY&list=PLmkO5ceJo3erjSc1nmjuJCVgyFp3_T1bU


Continua após a Publicidade
Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor responsável pela revista digital RitmoMelodia desde 2001, jornalista, músico, poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, propaga a diversidade musical brasileira através de entrevistas e artigos. Jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB (1996 a 2000) que lançou um livro de poesia em 1998 e seus poemas ganharam melodias gravadas em três álbuns concluindo a trilogia "reggae baseado em poesia" no seu projeto musical Reggaebelde. Unindo a sensibilidade do poeta, músico com o senso crítico do jornalista e pesquisador musical colocado em prática em uma revista que Canta o Brasil.

Disqus Comments Loading...
Publicado Por
Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa
Tags: popTRAP
    Continua após a Publicidade

Artigos Recentes

Val Tomato

Como cantor, compositor e gaitista, Val Tomato é considerado um mestre do Blues no Brasil,…

% dias atrás

China Marinho

Natural de Aracruz, no Espirito Santo, o cantor China Marinho lançou “Subiu a Pressão”, dos…

% dias atrás

Ana Rita Simonka

Ana Rita Simonka está entre os casos raros de artistas que criam novos gêneros musicais.…

% dias atrás

Sofia Heringer

Sofia Heringer lança single “Sua História” que marca retomada de carreira artística da cantora. Uma…

% dias atrás

Dagô Miranda

Dagô Miranda nascido e criado em São Paulo, Bela Vista, (Bexiga), terceiro filho de cinco…

% dias atrás

Edmundo Cassis

Edmundo Cassis iniciou sua carreira musical em 1974 e desde então vem atuando como pianista…

% dias atrás
Continua após a Publicidade

Este website usa cookies.