Continua após a Publicidade
Categorias: Entrevistas

Cezinha Oliveira


O instrumentista, cantor, compositor, arranjador e produtor musical mineiro Cezinha Oliveira, radicado em São Paulo, há mais 30 anos, é autodidata, começou a cantar e tocar violão ainda garoto.

Cezinha Oliveira iniciou a carreira profissional, na década de 70, tocando em bailes pelo interior de Minas Gerais e Rio de Janeiro. Virtuoso também nas cordas do contrabaixo, já atuou ao lado de vários artistas e grupos de jazz e MPB, além de cantar e tocar violão em discos de outros artistas. Seu show solo foi apresentado em vários projetos e espaços culturais de São Paulo e Minas Gerais.

Em 2006, apresentou-se na feira de música PopKomm, em Berlim (Alemanha), interpretando canções de Eduardo Gudin em uma mostra de música brasileira independente. Seu primeiro CD, homônimo, foi lançado, em 2005, com participação especial de Renato Braz e Zé Guilherme. O álbum é basicamente autoral, um sofisticado trabalho de música brasileira com sotaque pessoal de Cezinha Oliveira.

Atualmente, integra o grupo Notícias Dum Brasil 4, de Eduardo Gudin, cujo disco foi lançado em 2015. Cezinha Oliveira exímio arranjador, ele assina produção musical de discos de Zé Guilherme, Cláudio Loureiro, Mario Tommaso e outros.

Segue abaixo entrevista exclusiva com Cezinha Oliveira para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistado por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 21.10.2020:

Índice

01) Ritmo Melodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

Cezinha Oliveira: Nasci no dia 18 de março de 1956 em Juiz de Fora, MG.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

Cezinha Oliveira: Na infância já cantarolava algumas canções com minha mãe que não cantava profissionalmente, mas seus irmãos eram violeiros e cantores. Na adolescência, fui atropelado por um carro enquanto andava de bicicleta, quebrei as pernas, o que impediu de me tornar um craque do futebol. Durante a recuperação, na cama que se deu meu encontro com o Violão, que nunca mais sairia do meu lado, das minhas mãos.

03) RM: Qual sua formação musical e/ou acadêmica fora da área musical?

Cezinha Oliveira: Na música sou autodidata. Só depois de me profissionalizar é que estudei um pouco de teoria musical, o suficiente para entender uma partitura musical.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

Cezinha Oliveira: Na infância, os grandes cantores e cantoras do rádio. E como todo adolescente da minha época, a influência do rock-pop foi muito presente, depois os grandes Festivais de Música que nos trouxeram: Edu Lobo, Chico Buarque, Tom Jobim, Dori Caymmi, Ivan Lins, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Milton Nascimento e tantos outros. Nada deixou de ser importante. Nas influências de nossa formação artística tudo é válido e permanece.

05) RM: Quando, como e onde você começou sua carreira musical?

Cezinha Oliveira: Em tempos longínquos, de 1968 a 1969, comecei a tocar em bailes em Juiz de Fora, MG e em outras cidades da zona da mata mineira. Estive presente nessa escola da vida, nesse movimento popular que movimentou a juventude, a música, a dança a diversão.

06) RM: Quantos CDs lançados?

Cezinha Oliveira: Em 2005 lancei meu primeiro álbum que leva o meu nome e com participação especial de Renato Braz e Zé Guilherme.

07) RM: Como você define seu estilo musical?

Cezinha Oliveira: Brasileiro. Música brasileira. A diversidade de ritmos e estilo, característicos da nossa cultura musical, dificulta uma classificação. Meu gosto musical define meu estilo, quem ouvir vai compreender. Talvez uma forma de definir seja pela exclusão de tendências rotuladas…

08) RM: Você estudou técnica vocal?

Cezinha Oliveira: Não estudei, mas acho importante.

09) RM: Qual a importância do estudo de técnica vocal e cuidado com a voz?

Cezinha Oliveira: Como em qualquer profissão, o conhecimento e aprimoramento são muito importantes. O cuidado é fundamental, é uma questão de saúde, como cuidar de um instrumento único a VOZ.

10) RM: Quais as cantoras(es) que você admira?

Cezinha Oliveira: Dos antigos (ou eternos): Elizete Cardoso, Agostinho dos Santos, juntos a tantos outros da era do rádio. Atualmente, convivo com cantores e cantoras maravilhosos: Renato Braz e Mônica Salmaso, como representantes de uma geração de muito talento. Como disse o Chico Buarque na letra de “Paratodos”: “Evoé, jovens à vista”. E temos grandes intérpretes, felizmente, na música brasileira. Só para ilustrar, Milton Nascimento, Beto Guedes, Lô Borges e muitos outros.

11) RM: Como é seu processo de compor?

Cezinha Oliveira: Geralmente é simples e pura inspiração. Mas uma bela poesia ou letra ajudam muito.

12) RM: Quais são seus principais parceiros de composição?

Cezinha Oliveira: Minha mulher e parceira (e vice versa), Eliane Verbena, é mais constante. Tenho composições também com Celso Rosin, Zé Guilherme e Tatto Ferraz.

13) RM: Quem já gravou as suas músicas?

Cezinha Oliveira: O cantor Zé Guilherme gravou “Seca” em seu CD – “Tempo ao tempo” e “Cesta Básica” no CD – “Alumia”. Tatto Ferraz gravou “Sei Não Sei” e a cantora mineira Natália Vargas, “Uma Flor”. E no CD da Banda Sincrônica também tem um tema instrumental meu em parceria com Samir El Shaer. 

14) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Cezinha Oliveira: Uma carreira independente nos dá liberdade para mostrar nossas canções autorais e conquistar um espaço numa determinada cena musical. Não vejo pontos negativos, a não ser que se crie uma expectativa muito além da realidade. As dificuldades são muitas e cada um tem que procurar o melhor caminho dentro das suas possibilidades.

15) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira dentro e fora do palco?

Cezinha Oliveira: Não faço uso de nenhuma estratégia. Conduzo as coisas de acordo com o momento e as possibilidades. Talvez seja dedicação. E muito amor à música. No momento, por exemplo, como a maioria dos artistas, estou me dedicando às apresentações online, diante da quarentena, da pandemia do corona vírus que nos assola. É preciso ressaltar que o aprendizado é permanente. Entender como funciona a transmissão com qualidade, como chegar ao público pela internet, em tempo real, o que apresentar e como assimilar essa nova relação têm sido uma mistura de pesquisa, planejamento, aprendizado e descobertas.

16) RM: Quais as ações empreendedoras que você prática para desenvolver a sua carreira?

Cezinha Oliveira: Trabalho. Trabalho. Trabalho. Estou sempre aberto aos trabalhos, seja cantando minhas músicas em shows, seja tocando em shows de outros artistas ou em eventos, seja cantando em bares que ainda oferecem um bom cardápio musical, seja em gravações de CDs de outros intérpretes, seja produzindo e arranjando discos de outros artistas, coisa que tenho feito com frequência.

17) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira?

Cezinha Oliveira: Ajuda na divulgação do trabalho de maneira bem democrática e praticamente sem custos. Acho que não prejudica em nada, mas como já comentei acima, isto vai depender da expectativa de cada um.

18) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso à tecnologia de gravação (home estúdio)?

Cezinha Oliveira: A vantagem é o custo-benefício. É possível realizar um excelente trabalho com ajuda de ferramentas tecnológicas, e tem-se feito muita coisa boa. O que eu poderia chamar de desvantagem, talvez seja o fato de poder gravar e emendar (copiar e colar), o que pode levar a uma certa “preguiça” musical.

19) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo. Mas, a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que você faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

Cezinha Oliveira: Dificuldades diferentes em tempos diferentes. Sempre haverá dificuldades. Eu procuro apenas pessoas (público) afins. Faço meu trabalho com o máximo de entrega à minha arte: cantar, tocar e compor pede originalidade, personalidade… Acho que é por aí.

20) RM: Como você analisa o cenário musical brasileiro. Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas duas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Cezinha Oliveira: O cenário brasileiro é muito fértil, sempre foi e sempre será. Produção cultural boa e ruim também é uma constante. Acho que quem REGREDIU foi a grande mídia. Arte e cultura têm que ser plantada e colhida. As grandes empresas de hoje não o fazem. Os que permaneceram não é preciso nominar. São os que estão aí fazendo sua música, independente de estarem ou não tocando no rádio.

21) RM: Quais os músicos já conhecidos do público que você tem como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

Cezinha Oliveira: Chico Buarque, Gilberto Gil, Caetano Veloso, Milton Nascimento, Dori Caymmi, Maria Bethânia, Consuelo de Paula, Monica Salmaso, Vanessa Moreno, Fabiana Cozza, Rosa Passos… A lista é longa.

22) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical (falta de condição técnica para show, brigas, gafes, show em ambiente ou público tosco, cantar e não receber, ser cantado etc)?

Cezinha Oliveira: Um pouco de tudo citado na pergunta já me aconteceu. E acho que com todos do meio musical.

23) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Cezinha Oliveira: Feliz é poder cantar para pessoas afins, não importa a quantidade. Triste é ver que o sistema das “grandes” mídias priva as pessoas de conhecerem o trabalho de novos artistas. E priva também de conhecer trabalhos novos de artistas consagrados.

24) RM: Existe o Dom musical? Como você define o Dom musical?

Cezinha Oliveira: Existe sim. Como na natureza existem tons e cores. Existe Deus? Acho que assim se define o dom da arte.

25) RM: Qual é o seu conceito de Improvisação Musical?

Cezinha Oliveira: Talvez a melhor definição seja: interpretar de maneira diferente, reler uma melodia ou solo.

26) RM: Existe improvisação musical de fato ou é algo estudado antes e aplicado depois?

Cezinha Oliveira: Existe sim. Mas na música tudo deve ser pensado antes, para que o improviso flua depois.

27) RM: Quais os prós e contras dos métodos sobre Improvisação musical?

Cezinha Oliveira: Tudo deve ser muito estudado para ser usado da forma correta e na ocasião adequada.

28) RM: Quais os prós e contras dos métodos sobre o Estudo de Harmonia musical?

Cezinha Oliveira: Não pode haver nada contra qualquer tipo de estudo. Mais importante que o método é quem passa as informações sobre ele. 

29) RM: Você acredita que sem o pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

Cezinha Oliveira: Quem paga “jabá” geralmente quer fama mais do que sucesso ou reconhecimento artístico. Mas temos algumas poucas rádios que não cobram jabá e tocam artistas independentes.

30) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Cezinha Oliveira: Se tiver talento e qualidade vai fundo, mas é preciso ter vocação e consciência das dificuldades.

31) RM: Quais os prós e contras do Festival de Música?

Cezinha Oliveira: O bom é o prêmio para quem vence o Festival de Música. Geralmente a música não sai dali.

32) RM: Festivais de Música ainda revelam novos talentos?

Cezinha Oliveira: Não. O tempo da força dos Festivais de Música já passou. O que tem hoje são movimentos/festivais, importantes para o intercâmbio, a troca entre novos compositores, mas não tem tanta relevância no âmbito do grande público.

33) RM: Como você analisa a cobertura feita pela grande mídia da cena musical brasileira?

Cezinha Oliveira: A cobertura feita pela grande mídia da cena musical é triste, pobre, sem conteúdo cultural ou artístico.

34) RM: Qual a sua opinião sobre o espaço aberto pelo SESC, SESI e Itaú Cultural para cena musical?

Cezinha Oliveira: Importantíssimo! Se não fossem esses espaços, estaríamos em coma cultural.

35) RM: O circuito de Bar na cidade que você mora ainda é uma boa opção de trabalho para os músicos?

Cezinha Oliveira: Importantíssimo também. Para muitos, é a única opção de trabalho. E isso, antes da pandemia.

36) RM: Quais os seus projetos futuros?

Cezinha Oliveira: Pós-pandemia, gravar com qualidade de estúdio e presença física dos músicos, algumas novas canções.

37) RM: Quais seus contatos para show e para os fãs?

Cezinha Oliveira: (11) 997325 – 0199 / cezinhaoliveiramusica@gmail.com

/ https://www.facebook.com/cezinha.oliveira.98

/ https://www.instagram.com/_cezinhaoliveira/   

Canal: https://www.youtube.com/channel/UCWicubSrasvPku0d7oJGHvg 

Álbum completo – Cezinha Oliveira: https://www.youtube.com/watch?v=WETrGydLyPQ&list=OLAK5uy_liacmzENzN0T4uojMfI59dVSUIvlyTILQ&index=1

 


Continua após a Publicidade
Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor responsável pela revista digital RitmoMelodia desde 2001, jornalista, músico, poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, propaga a diversidade musical brasileira através de entrevistas e artigos. Jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB (1996 a 2000) que lançou um livro de poesia em 1998 e seus poemas ganharam melodias gravadas em três álbuns concluindo a trilogia "reggae baseado em poesia" no seu projeto musical Reggaebelde. Unindo a sensibilidade do poeta, músico com o senso crítico do jornalista e pesquisador musical colocado em prática em uma revista que Canta o Brasil.

Disqus Comments Loading...
Publicado Por
Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa
    Continua após a Publicidade

Artigos Recentes

Jorge Mello

O cantor, compositor, arranjador, produtor musical, instrumentista, advogado, o piauiense Jorge Mello, é amigo e…

% dias atrás

Banda Zangaia

A Zangaia começou no ano de 2010 em Capão da Canoa, quando alguns amigos das…

% dias atrás

Nanda Guedes

A cantora, compositora, violonista, acordeonista, percussionista cearense Nanda Guedes aos quatro anos de idade teve…

% dias atrás

Edvaldo Santana

“Não há equivalente de Edvaldo Santana na música brasileira. Digo isso de um longínquo e…

% dias atrás

Mauro Marcondes

O cantor, e compositor, violonista carioca Mauro Marcondes criado em Copacabana na época da Bossa…

% dias atrás

O Cordel que virou Música

O   cantor, compositor, violonista e poeta pernambucano Cacá Lopes escreveu um cordel a partir de…

% dias atrás
Continua após a Publicidade

Este website usa cookies.