Continua após a Publicidade
Categorias: Entrevistas

Bia Fya


Com raízes na MPB, no Samba e na cultura underground, a cantora e compositora Bia Fya vem desde 1997 trazendo palavras de força e conscientização nos palcos em que se apresenta. Hoje é um dos nomes mais conhecidos entre as cantoras femininas do cenário do Sound System de São Paulo.

Paulista e residente na zona leste, Bia Fya já se apresentou com grandes nomes como Edson Massada, Nana Roots, Romano Sound System, além de ter participado também do projeto Zambol House Sound, com o DJ Zambol Gomide em 2018. Ainda nesse ano foram mais de 40 apresentações, entre elas participações especiais em projetos premiados em editais da prefeitura e do Estado de São Paulo como o projeto Amplifyah SP, de onde se tornou MC residente, criando um elo dentro da festa entre os seletores e o público e atuando como porta voz dos integrantes do evento. Casas de reggae tradicionais como CCPC – Centro Cultural Popular Consolação, Rasta Bier, Tupinikim e outras diversas Casas de Cultura também estão na lista de passagens da artista que, antes de tudo, se preocupa em cantar para a evolução da alma, sua e do próximo, refletindo sobre a violência doméstica, suas consequências e como evita-la.

Para a artista a música é uma das melhores terapias para manutenção da sanidade mental do ser humano e quer trazer em suas letras muito mais do que as pessoas apenas gostariam de ouvir, ela quer trazer a realidade que ocorre nos bairros periféricos de São Paulo.

Segue abaixo entrevista exclusiva com Bia Fya para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistada por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 17.09.2021:

01) Ritmo Melodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

Bia Fya: Nasci no dia 17.09.80 em São Roque – SP. Registrada como Ana Beatriz Morotti. 

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

Bia Fya: Quando eu era criança tinha perto de minha casa uma Escola de Música – São Roque – SP, mas eu não podia frequentar por problemas de aceitação pela minha família. Eles acreditavam não ser a arte o melhor caminho!

03) RM: Qual a sua formação musical e\ou acadêmica fora da área musical?

Bia Fya: Tenho o Ensino Médio completo e nunca tive oportunidade de estudar a fundo a música. Minha “Faculdade” musical foi nos eventos nas ruas de São Paulo.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

Bia Fya: Influências permanentes que jamais esquecerei são: Elis Regina, Iseo & Dodosound, Dennis Brown, Bob Marley, Djavan, Caetano Veloso, Clara Nunes, Jah9, Dezarie, Christine Miller, Mike Love. Nenhuma referência perdeu a importância.

05) RM: Quando, como e onde você começou a sua carreira musical?

Bia Fya: Iniciei 1997 minha carreira musical cantando em um evento da cidade de Juquitiba – SP, após o evento passei a cantar em um grupo de samba “Pura fascinação”.

06) RM: Quantos CDs lançados?

Bia Fya: Em  2021 ou 2022 lançarei meu primeiro EP.

07) RM: Como você define seu estilo musical?

Bia Fya: Sou cantora, gosto de passear pelos estilos de músicas diferentes. Não há um rótulo.

08) RM: Você estudou técnica vocal?

Bia Fya: Nunca.

09) RM: Qual a importância do estudo de técnica vocal e cuidado com a voz?

Bia Fya: Cuidado com a voz é primordial assim como o estudo da técnica vocal.

10) RM: Quais as cantoras(es) que você admira?

Bia Fya: Dezarie, Jah9, Elis Regina, Cassia Eller, Denise Alves, entre muitas.

11) RM: Como é o seu processo de compor?

Bia Fya: Preciso da melodia para escrever a letra. O Silêncio, um tema e muita concentração.

12) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Bia Fya: Chegar até o público é muito mais difícil.

13) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira dentro e fora do palco?

Bia Fya: Com a pandemia do Covid-19 não estou traçando estratégias, pois não sabemos como será nosso cenário musical. Mas me mantenho gravando e lançando músicas.

14) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira?

Bia Fya: A Internet é o melhor canal prata desenvolvimento de minha carreira musical, talvez quase o único!

15) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso à tecnologia de gravação (home estúdio)?

Bia Fya: Muito importante o acesso ao home estúdio, pois facilita a realização do meu trabalho e chegue a várias pessoas sem que seja necessário se reunir vários músicos ao mesmo tempo para realizar a gravação.

16) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo. Mas, a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que você faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

Bia Fya: Eu procuro gravar minhas músicas e deixar o livre acesso delas a todos. Não me preocupo em remuneração através da música, pois é muito difícil tê-la no mercado musical.

17) RM: Como você analisa o cenário musical brasileiro. Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas duas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Bia Fya: Não gosto de analisar nem citar nomes sobre regressão musical, quem sou eu. Vozes novas que gosto muito são: Iza, Marina Peralta, Layla Arruda. Sobre a cena musical falta ainda muito espaço as mulheres!

18) RM: Quais os músicos já conhecidos do público que você tem como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

Bia Fya: Denise Alves, Marina Peralta.

19) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical (falta de condição técnica para show, brigas, gafes, show em ambiente ou público tosco, cantar e não receber, ser cantado etc)?

Bia Fya: Tantas situações citadas na pergunta eu já passei na noite de São Paulo. Brigas entre as pessoas tínhamos sempre, pois alguns eventos que participei era na rua, então sempre tínhamos uma ou outra treta (risos).

20) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Bia Fya: Feliz por ter a possibilidade de passar o que penso em música e saber que pode ser o que outras pessoas também pensam! Triste pela dificuldade de fazer minhas músicas chegarem até as pessoas.

21) RM: Você acredita que sem o pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

Bia Fya: Não. Somente nas rádios “alternativas” e web rádio, mas rádios não chegam até grande audiência.

22) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Bia Fya: Que siga em frente com seu sonho.

23) RM: Como você analisa a cobertura feita pela grande mídia da cena musical brasileira?

Bia Fya: A grande mídia mostra só o que querem mostrar. Temos eventos bons que não são divulgados pela grande mídia.

24) RM: Qual a sua opinião sobre o espaço aberto pelo SESC, SESI e Itaú Cultural para cena musical?

Bia Fya: Muito importante!

25) RM: Como você analisa o cenário do reggae no Brasil. Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas duas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

26) RM: Alguns adeptos da religião Rastafári afirmam que só eles fazem o reggae verdadeiro. Como vocês analisam tal afirmação?

Bia Fya: Isso acontece muito. Há um grupo que ainda pensa dessa forma, mas existem muitos rastafaris que entendem o reggae de verdade.

26) RM: Na sua opinião quais os motivos da cena reggae no Brasil não ter o mesmo prestígio que tem na Europa, nos EUA e no exterior em geral?

Bia Fya: Culpa dos próprios brasileiros que só dão valor para que vem de fora.

28) RM: Existe o Dom musical? Como você define o Dom musical?

Bia Fya: Uma pessoa que não precisa estudar música e já canta com afinação ou já toca de ouvido mesmo sem nem saber as notas musicais. Como explicar? Só sendo um Dom.

29) RM: Quais os prós e contras do Festival de Música?

Bia Fya: Prol: muita música. Contra: Poucas mulheres!

30) RM: Festivais de Música revela novos talentos?

Bia Fya: Sim.

31) RM: Quais os pros e contras de se apresentar com o formato Sound System?

Bia Fya: Prol: levar música de qualidade, bem próximo ao que se faz na Jamaica, para todos a céu aberto.  A mesa de som fica muito mais próxima da galera, que pode ter um contato mais de perto com os artistas, isso traz igualdade. No chão todos no mesmo nível! Contras: a polícia que mesmo sendo evento da prefeitura age com truculência por preconceito.

32) RM: Quais as diferenças de se apresentar com banda em relação ao formato com Sound System?

Bia Fya: No Sound System dependemos de menos pessoas para fazer acontecer. O formato é diferente de banda, mas a vibe é garantida. O Sound System produz a sonoridade de uma banda. Com uma banda eu nunca me apresentei! Mas acredito que mais calor humano também seja bom! E tenho muita vontade de cantar nesse formato.

33) RM: Quais os seus projetos futuros?

Bia Fya: Gravar meu EP com produtor Yakgroo e lançar as músicas que ainda estão sendo produzidas.

34) RM: Quais seus contatos para show e para os fãs?

Bia Fya:  https://www.facebook.com/Biacanta10 

| https://www.instagram.com/biafya

Canal: https://www.youtube.com/channel/UCXXDKqzqC1rHRXf6e-Tlteg 

“Levita” – Bia Fya: https://www.youtube.com/watch?v=fhFquVLXFzA


Continua após a Publicidade
Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor responsável pela revista digital RitmoMelodia desde 2001, jornalista, músico, poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, propaga a diversidade musical brasileira através de entrevistas e artigos. Jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB (1996 a 2000) que lançou um livro de poesia em 1998 e seus poemas ganharam melodias gravadas em três álbuns concluindo a trilogia "reggae baseado em poesia" no seu projeto musical Reggaebelde. Unindo a sensibilidade do poeta, músico com o senso crítico do jornalista e pesquisador musical colocado em prática em uma revista que Canta o Brasil.

Disqus Comments Loading...
Publicado Por
Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa
    Continua após a Publicidade

Artigos Recentes

Qual a utilidade do crítico ou influenciador musical?

Por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa Crítico de música escreve comentários ou “teses” sobre música,…

% dias atrás

Irivan Lima

O cantor, compositor, violonista paraibano Irivan Lima, é de uma família musical e em 1970…

% dias atrás

Lucimar

O cantor, compositor, multi-instrumentista, arranjador, produtor musical tocantinense Lucimar, filho de músico amador, cresceu ouvindo…

% dias atrás

Banda Tribo do Sol

Tribo do Sol, como banda de reggae, está inspirada nas células rítmicas e nos temas…

% dias atrás

Ilmar Cavalcante

Ilmar Cavalcante, compositor paraibano, nasceu no dia 19 de outubro de 1970, em João Pessoa-PB,…

% dias atrás

Banda Província Roots

A banda Província Roots se revela como a promessa da nova geração do reggae local.…

% dias atrás
Continua após a Publicidade

Este website usa cookies.