More Banda Semente Regueira »"/>More Banda Semente Regueira »" />
Uma Revista criada em 2001
pelo jornalista, músico e poeta paraibano
Antonio Carlos da Fonseca Barbosa.

Banda Semente Regueira


Banda Semente Regueira, formada no final de 2000 por músicos amigos e influenciados pela ideologia da música reggae.

A banda surgiu com o intuito de mostrar com suas canções uma reflexão sobre os problemas sociais vividos por nós, e mostrar que com muita fé, amor e paz no coração, podemos fazer do mundo um lugar melhor para todos.

Com músicas autorais que refletem sobre o preconceito, união, força popular e repressão. A Semente Regueira brevemente trará novidades. Atual formação: Fábio no vocal e metais, Marcel na guitarra e vocal, Fernando na bateria, Cleber no Teclado e vocal, Quende no Baixo e vocal. A banda vem se firmando cada vez mais no cenário reggae regional/nacional.

Segue abaixo entrevista exclusiva com a banda Semente Regueira para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistada por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 01.07.2022:

01) Ritmo Melodia: Qual a data de nascimento e cidade natal dos membros da banda?

Banda Semente Regueira: Fábio Pagliaccio Soares (Vocal e Metais), nasceu no dia 13/02/1981 em São Paulo – SP. Fernando Pagliaccio Soares (Bateria), nasceu no dia 21/08/1983 em São Paulo – SP. Marcel Juliane Guimarães (Guitarra e Vocal), nasceu no dia 19/10/1981 em Guarulhos – SP. Quende dos Santos Spinola (Contrabaixo e Vocal), nasceu no dia 19/07/1981 em Ibirataia – Bahia. Cleber dos Santos Spinola (Teclado e Vocal), nasceu no dia 17/08/1980 em Ibirataia – Bahia.

02) RM: Como foi o primeiro contato dos membros da banda com a música?

Banda Semente Regueira: Todos os integrantes tiveram aquela boa influência vindo dos próprios pais, e assim crescemos todos ouvindo músicas de época, inclusive o Reggae Roots.

03) RM: Qual a formação musical e acadêmica fora música dos membros da banda?

Banda Semente Regueira: Entre todos que compõem a formação atual, alguns estudaram um tempo no Conservatório, já outros, são autodidata.

04) RM: Quais as influências musicais no passado e no presente dos membros da banda? Quais deixaram de ter importância?

Banda Semente Regueira: Todos nós crescemos ouvindo vários estilos como Rock, Samba, Rap, Reggae. Hoje em dia damos preferência ao estilo Reggae Original Roots e algumas Vertentes.

05) RM: Quando, como e onde começou a carreira musical da banda? E qual o significado do nome da banda?

Banda Semente Regueira: Em 2000, os mesmos amigos que formam a banda hoje, já se encontravam no bairro Vila São Rafael em Guarulhos – SP, se juntavam para tocar seus primeiros acordes. Assim surgiu a ideia de formar a banda Semente Regueira que por vez está em atividade desde sempre. Hoje focada em mostrar seu trabalho autoral e a ideia do nome foi consenso de todos, plantamos uma semente diariamente na certeza de que nascera uma árvore da paz. Esse é o significado do nome da banda.

06) RM: Quantos discos lançados?

Banda Semente Regueira: Devido à falta de informação e recursos financeiros ainda não alcançamos um dos nossos maiores objetivos, que é gravar nosso primeiro álbum. Mas seguimos compondo músicas e temos um bom retorno da galera nos shows que agradece muito pela vibração que contem nelas. Assim continuamos nossa caminhada.

07) RM: Como define o estilo musical da banda dentro da cena reggae?

Banda Semente Regueira: Temos nossas influências e assim seguimos um estilo mais Roots, mas deixamos nossa identidade para que as pessoas possam se identificar com nosso estilo único.

08) RM: Fábio, como você se define como cantor/intérprete dentro da cena reggae?

Banda Semente Regueira: Estou sempre atento nos conteúdos e palavras que coloco em nossas letras, para ter certeza de que estou levando o melhor para nosso público. Eu, por estar na linha de frente sempre vamos representar o que queremos falar. O vocalista tem que ser um espelho refletindo o bem.

09) RM: Quais os cantores e cantoras que vocês admiram?

Banda Semente Regueira: Gostamos muito de ouvir: Mato Seco, Jah Live, Ponto de Equilíbrio, Edson Gomes, e Bob Marley, Burning Spears, Gladiators, Stell Pulse, entre outros.

10) RM: Como é o processo de composição musical dentro da banda? Quem faz a letra e melodia?

Banda Semente Regueira: Não temos um método certo, mas compomos de várias maneiras, em conjunto ou individual. Mas nunca sozinho por que temos que efetuarmos a criação das músicas como banda e com certeza fica bem melhor o resultado final.

11) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Banda Semente Regueira: Acreditamos que ser uma banda independente traz seus benefícios, mas perdemos algumas oportunidades importantes, por exemplo, “shows” de grandes nomes em que os produtores e empresários envolvem só bandas que eles têm confiança, não permitindo que bandas independentes participarem.

12) RM: Quais as ações empreendedoras que vocês praticam para desenvolverem a carreira musical?

Banda Semente Regueira: Não temos muitos meios de investimentos, mas fazemos alguns “shows” por mês visando e almejando um cachê melhor, assim que podemos adquirir nossos equipamentos e fazer as gravações de “singles”.

13) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento da carreira musical?

Banda Semente Regueira: Acreditamos que esse mundo do meio streaming veio mais para ajudar do que atrapalhar, mas temos que trabalhar com prudência e sermos verdadeiros com as pessoas, pois, esse mundo também tem muita coisa fake que acaba virando Fato.

14) RM: Como vocês analisam o cenário reggae brasileiro? Em sua opinião quais foram as revelações musicais nas últimas décadas? Quais artistas permaneceram com obras consistentes e quais regrediu?

Banda Semente Regueira: No Brasil já tivemos um auge no cenário Reggae, mas pensamos que com os vários estilos que surgiram deu uma modificada no clima. Hoje em dia temos um cenário muito mais forte e resistente do que antes, pois, tem sido levado e regado por bandas de respeito como: Edson Gomes, Tribo de Jah, Cidade Negra, Skank, entre outros. E como revelações: Mato Seco, Ponto de Equilíbrio. E todas elas passaram essas décadas sempre inovando e nunca regredindo somos gratos pela resistência de todos.

15) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso à tecnologia de gravação (Home Studio)?

Banda Semente Regueira: As vantagens que vemos é o fácil acesso e o custo e benefício que se tem ao gravar num home studio, mas não podemos de fato lançar esse álbum com uma qualidade profissional do mercado mundial, mas já vale como um EP para divulgar nosso trabalho.

16) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical (falta de condição técnica para o show, brigas, gafes, show em ambiente ou público tosco, cantar e não receber, ser cantado, etc)?

Banda Semente Regueira: Por ser uma banda independente alguma dessas situações citadas na pergunta sempre acontecem. Fomos contratados por um produtor desconhecido que prometeu um “show” com local grande, aparelhagem, camarim, cachê e público, pois, era um lugar longe, com muito custo, ou seja, saindo o recurso do nosso bolso. Saímos de Guarulhos – SP com o astral lá em cima achando “top” tocar em uma quebrada diferente, mas chegando no local para nosso desespero que já era grande, pois, o lugar era sinistro, escuro e vazio. Nós descobrimos que de todas as promessas do produtor só existia o local para o evento e o restante era tudo ilusão, não tinha nem água para beber. O produtor ficou assustado quando chegamos, ele fez uma cara de quem não acreditou que tínhamos chegado naquele lugar, ainda para tentar amenizar perguntou se queríamos tocar sem som, luz, público, cachê, etc. Ficamos muito frustrados e mais duro que antes e voltamos para casa (risos).

17) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Banda Semente Regueira: A parte mais feliz na vida de músico é poder tocar a galera cantar e agradecer por fazer a vida deles melhor. A pior parte é quando somos proibidos de tocar e fazer nosso trabalho por motivos políticos e interesses próprios daqueles que tentam governar nossas vidas. Abaixo a opressão sobre o músico.

18) RM: Nos apresente a cena musical na cidade que vocês moram?

Banda Semente Regueira: Nossa cena e bem eclética, Guarulhos – SP é muito grande e vemos desde Sertanejo, Forró, Rock, RAP, Reggae, Pop, MPB e muito mais.

19) RM: Vocês acreditam que sem o pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

Banda Semente Regueira: Temos 22 anos de estrada e as oportunidades que tivemos nesse aspecto, a expectativa foi sempre boa, mas a realidade foi sempre outra. A única chance que temos é pagar o jabá e só assim teremos espaço para a nossa música tocar em rádios.

20) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Banda Semente Regueira: O mesmo que ouvimos de nossos ídolos, se você tem um sonho corra atrás e dê o seu melhor. Não olhe para o lado e sempre para frente e foque na chegada que é o lugar de quem almeja seu melhor na vida.

21) RM: Como vocês analisam a relação que se faz da música reggae com o uso da maconha?

Banda Semente Regueira: De fato não podemos negar que a maconha faça parte do contesto, mas não podemos associar o reggae a maconha, pois assim como no Chile se usa a folha de cocaína como algo cultural e na Índia se usa narguilé como costume local. Em todos os países tem hábitos que existem nas tribos locais e cada um com a sua cultura.

22) RM: Como você analisa a relação que se faz da música reggae com a religião Rastafári?

Banda Semente Regueira: Esse é um contesto que requer muita sabedoria, na época que o Reggae surgia na Jamaica não se tinha muita religião que fosse certa. Algumas tribos aderiram o velho testamento da Bíblia, como uma forma de vida correta a se viver nessa terra e seguir seus preceitos era uma regra para aquele que se comprometesse com JAH ou DEUS. Acreditamos muito no poder JAH sobre nossas vidas e sabemos que, quanto mais se anda no caminho dele mais honrado seremos, pois, o Amor dele, nos cobre.

23) RM: Você é adepto a religião Rastafári?

Banda Semente Regueira: Para Viver como um legítimo Rastafári teríamos que morrer e nascer de novo. É sobre ser um santo na Terra e só Jesus Cristo pode realizar tal feito. O que nos resta é guardar e usar as palavras e a sabedoria passadas a séculos pelo nosso criador. Todos seremos rasta se usarmos o Amor de JAH todos os dias de nossas vidas.

24) RM: Alguns adeptos da religião Rastafári afirmam que só eles fazem o reggae verdadeiro. Como vocês analisam tal afirmação?

Banda Semente Regueira: Sim, observando pelo lado positivo o Reggae surgiu na Jamaica, os rastas com certeza dominam a arte de fazê-lo, mas uma vez lançado no universo o ritmo Reggae se tornou uma coisa boa a todos que o ouvem. Sendo assim, quem por vez quiser senti-lo e até tocá-lo, de fato estará fazendo o Reggae puro de coração, pois, é feito de puro sentimento e não da razão.

25) RM: Na sua opinião quais os motivos da cena reggae no Brasil não ter o mesmo prestígio que tem na Europa, nos EUA e no exterior em geral?

Banda Semente Regueira: Pela falta de cultura e entendimento pagamos um preço alto, vivemos num Brasil em que perdemos a cultura em troca de modinhas que rende milhões. E não falo só da nossa cultura e sim do que poderíamos aprender se valorizarmos o que tem de bom pelo mundo afora.

26) RM: Quais os seus projetos futuros?

Banda Semente Regueira: Estamos a caminho para gravar nosso primeiro EP, queremos também gravar alguns clips e se possível gravarmos nosso segundo álbum. O material já temos só nos falta o apoio certo para darmos andamento.

27) RM: Quais os seus contatos para show e para os fãs?

Banda Semente Regueira: (11) 97237 – 6342 (Pimenta) | (11) 96374 – 5300 (Fabricio)

| (11) 94451 – 7259 (May Roots)

Mídias Sociais: https://web.facebook.com/sementeregueira

| https://www.instagram.com/sementeregueiraoficial

Canal: https://www.youtube.com/c/SementeRegueiraoficial

Semente Regueira: https://www.youtube.com/watch?v=W53IY44UOd0

Semente regueira ao vivo no Rasta Bier: https://www.youtube.com/watch?v=zsPIRNw5bBg

Playlist de shows: https://www.youtube.com/watch?v=xFB3xd__RAI&list=PLok5zn0QiVlXeQdzsZVY7aUe1aJmeqwLW

 


Comments · 1

  1. Muito obrigado por divulgar e propagar o cenário do Reggae entre outros parabéns pela Revista

Deixe um comentário

*

Uma Revista criada em 2001
pelo jornalista, músico e poeta paraibano
Antonio Carlos da Fonseca Barbosa.
Notícias por WhatsApp