Banda Carbono Acústico

Banda Carbono Acústico

A banda Carbono Acústico foi criada em setembro de 2016 só com garotas na Paraíba.

As meninas da Banda Natália Liv (Voz, Guitarra, Violão e Gaita), Célia Moranguinho (Voz, Teclado e Pandeirola), Aryanna Hudson (Bateria e Cajon) sempre tiveram um amor muito grande pela música. Do sofá de casa e garagem para os palcos. Só mais tarde que as meninas da tabela periódica resolveram profissionalizar aquilo que elas sempre amavam fazer. Criando suas primeiras composições com simplicidade e amor. Com grande influência da MPB e do rock alternativo: Country, blues, folk, rock and roll.

A banda Carbono Acústico já se apresentou em alguns Bares da Paraíba e eventos privados: casamento, formatura, aniversário, entre outros. Trazendo energia positiva para todos, agitando e participando junto da festa.

Em 2020 lançaram o primeiro álbum – “Contradição“, lançado  pelas redes sociais e plataformas digitais.  E uma single “Contradição“ foi lançada pela OneRpm. Estão sempre tentando firmar parcerias, então todos podem ficar à vontade para entrar nessa vibe maravilhosa das meninas.

Segue abaixo entrevista exclusiva com a banda Carbono Acústico para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistada por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 28.08.2020: 

Índice

01) Ritmo Melodia: Qual a data de nascimento e cidade natal dos membros da banda? 

Banda Carbono Acústico: As três nasceram em João Pessoal capital da Paraíba. Célia Moranguinho, no dia 07.02.1979 (Voz, Teclado e Pandeirola); Aryanna Hudson no dia 10.06,2000 (Bateria e Cajon); Natália Liv no dia 22.06.1996 (Voz, Guitarra, Violão e Gaita). 

02) RM: Como foi o primeiro contato dos membros da banda com a música. 

Banda Carbono Acústico: Aryanna Hudson teve seu primeiro contato com a música em bandas sinfônicas na escola em que estudou. Célia Moranguinho e Natália Liv teve contato com a música em bandas de Igreja. E mais para frente entraram em bandas de amigos de estilos diferentes.

03) RM: Qual a formação musical e acadêmica fora música dos membros da banda? 

Banda Carbono Acústico: Natália Liv: Estudante de Agronomia. Célia Moranguinho: Fotografia, Filmagem e Iluminação. Aryanna Hudson: Estudante de tec. Enfermagem. Em relação a música, não temos formação acadêmica. Só de vida mesmo, experiências que tivemos por trabalhar com música.

04) RM: Quais as influências musicais no passado e no presente dos membros da banda? Quais deixaram de ter importância? 

Banda Carbono Acústico: No passado: Rock and roll, Country, Blues, MPB. Cássia Eller, Janis Joplin, Kiss, Scorpions, Legião Urbana, Luiz Gonzaga. Presente: Todas as anteriores: Nando Reis, Zé Ramalho, Cranberries, Sabrina Lopes, Projota, Marisa Monte, Cazuza, Raul Seixas, Gal Costa, Pitty, Joan Jett e muitas outras que poderíamos passar horas e horas citando. Nós da Banda temos personalidades diferentes, alguns em comum. Quando iniciamos tínhamos em mente que a banda teria um pouco de cada uma de nós, uma mistura boa. Rock, Country, MPB, Baião, RAP, Pop, Reggae. Hoje em dia notamos o quanto alternativo ficou nosso som. 

05) RM: Quando, como e onde começou a carreira musical da banda? E qual o significado do nome da banda? 

Banda Carbono Acústico: A banda começou em setembro de 2016 em João Pessoa – PB. O “Acústico” vinha da ideia de que faríamos umas versões acústicas de músicas de vários estilos em nossos shows. O “Carbono” tem uma história boa. Cada uma de nós sugeriu um nome e esse nome veio de Natália Liv, que ama química. E achamos que seria algo bem poético de acordo com nossas letras. Relacionar o “Carbono” com a vida, as ligações químicas. Nossas letras falam muito das questões sociais, sentimentos profundos. Então, achamos que tinha tudo haver o nome da banda Carbono Acústico.

06) RM: Quantos discos lançados? 

Banda Carbono Acústico: Em 2020 lançamos o primeiro álbum – “Contradição”. Já temos muitas músicas o segundo álbum.

07) RM: Como define o estilo musical da banda dentro da cena rock? 

Banda Carbono Acústico: Algo mais experimental, pois não rotulamos. Nem temos medo de criar coisas novas. Fazemos o que amamos independente do estilo. Nós do rock não podemos ter medo de criar, acreditamos em nossa liberdade de criação. 

08) RM: Como você se define como cantora/intérprete dentro da cena rock? 

Banda Carbono Acústico: Como uma cantora de uma banda que acredita no poder que a música tem de transformar vidas. Nosso grande objetivo sempre foi esse, sabíamos que podíamos ajudar outras pessoas, motivando-as a acreditar em seus sonhos. Nossas músicas falam sobre isso. Saber que estamos alcançando nosso objetivo, as pessoas estão conseguindo captar aquilo que queremos que elas ouçam, é uma sensação que não tem como explicar. Nesse momento difícil que estamos passando em nosso país, e no mundo por conta do novo corona vírus. A música nos ajudou muito e nos consolou. Quando estamos cantando lembramos de todos os desafios que enfrentamos e estamos enfrentando e falamos para as pessoas: “Ei você pode também”.

09) RM: Quais os cantores e cantoras que vocês admiram? 

Banda Carbono Acústico: Cássia Eller, Janis Joplin, Nando Reis, Luiz Gonzaga, Gal Costa, Zé Ramalho. 

10) RM: Como é o processo de composição musical dentro da banda? Quem faz a letra e melodia? 

Banda Carbono Acústico: É bem alternativo. As vezes uma cria a letra toda e as outras faz somente a melodia ou o contrário disso. É algo bem livre. 

11) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente? 

Banda Carbono Acústico: O ponto positivo é justamente a liberdade para criar. O ponto negativo é que se torna mais complicado quando você mesmo tem que arcar com tudo sem apoio financeiro nenhum. E ainda tem a questão de que infelizmente nem todos valorizam o trabalho do artista. Quando somamos, parece que que estamos pagando para tocar em um local, pois tem as despesas com hospedagem, alimento, etc. E fora os gastos para manter um instrumento. O pessoal parece que não calcula na hora de contratar uma banda para um evento.  Nós somos profissionais como qualquer outro e precisamos ser pagos também para pagarmos nossas contas.

12) RM: Quais as ações empreendedoras que vocês praticam para desenvolverem a carreira musical? 

Banda Carbono Acústico: Trabalhamos investindo em vendas dentro do nosso seguimento, além de tentar firmar parcerias com outros artistas, lojas de música.

13) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento da carreira musical? 

Banda Carbono Acústico: À medida que facilitou bastante para divulgação, também teve um aumento na questão da concorrência. Notamos que tem artistas que só conseguem uma boa visibilidade se pagar por isso. Um bom exemplo é o Facebook. Hoje em dia tornou-se mais difícil consegui alcance por ele. Nesses tempos deu uma diminuída. O tal do jabá online, ou impulsionamento.

14) RM: Como vocês analisam o cenário Rock brasileiro? Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas duas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu? 

Banda Carbono Acústico: Temos muito orgulho do Rock no Brasil, pois existe um número extenso de bandas, artistas no rock em nosso país. E é lindo ver o quanto somos fortes e resistentes. São pessoas que estão se reinventando e acrescentam muito na cena: “Violet Soda”, “Mulamba”, “Cantos dos malditos na terra do nunca”, Pitty, “Nervosa”, “Sepultura”, Roberto Carlos, Erasmo Carlos. 

15) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso à tecnologia de gravação (Home Studio)? 

Banda Carbono Acústico: Vantagem: Permite a realização de trabalhos perto da família, ou seja, em casa. Uma oportunidade de vida ótima, poder realizar trabalhos perto de seus filhos. A desvantagem é que o mercado ainda tem um certo pé atrás a respeito de gravações em Home Studio.  Além disso, para ter um trabalho 100% de qualidade técnica é preciso comprar equipamentos que são muito caros. 

16) RM: Quais os músicos já conhecidos do público que vocês têm como exemplo de profissionalismo e qualidade artística? 

Banda Carbono Acústico: Gal Costa, Marx Cavalera, Pitty, Prika Amaral, Marisa Monte, entre outros.  

17) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical (falta de condição técnica para o show, brigas, gafes, show em ambiente ou público tosco, cantar e não receber, ser cantado e etc)? 

Banda Carbono Acústico: Passamos por todas as situações citadas na pergunta e mais um pouco. Mas o que mais pesou foram brigas que tivemos com músicos.  Muitos músicos que só fazia nos colocar para baixo. Quase nos fez parar, mas seguimos firmes.

18) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical? 

Banda Carbono Acústico: O que nos deixa mais felizes é saber que tudo que passamos nos deixaram mais forte para enfrentar os desafios que surgiam. Além de ter encontrado no caminho pessoas boas. O que nos deixa mais triste é saber que existe pessoas muito cruéis, que gostam de colocar para baixo, não ajudam ninguém e nem faz nada, mas amam está julgando a pessoa. 

19) RM: Vocês acreditam que sem o pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios? 

Banda Carbono Acústico: Hoje em dia há várias opções de rádio.  Nossas músicas já foram tocadas em algumas e não cobraram por isso. Porém ainda tem essa questão de quem paga para música ser tocada em rádios da grande mídia.  Ressaltamos a importância de nós artistas independentes divulgar as rádios web, aquelas que apoia nosso trabalho.  Bem como revistas como a RitmoMelodia, páginas, canais no YouTube que dão espaço para nós. Se continuarmos com esse pensamento de focar somente nas de grande mídia, continuaremos para baixo. 

20) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical? 

Banda Carbono Acústico: Tenha amor pelo o que você faz e não desista, vá à luta. Tenha paciência, foco, dedicação.  Dê seu máximo, vai ter momentos que vão ser bem difíceis, mas não desistam por favor. Entre em contato conosco, caso tenha interesse, fazemos umas trocas de divulgação, bem como trocamos informações a respeito disso. Temos alguns grupos de artistas underground.

21) RM: Existe o Dom musical? Como você define o Dom musical? 

Banda Carbono Acústico: Em parte sim, porém a técnica é essencial. Ou seja, precisamos estudar, tentar dar nosso máximo.  Dom musical é quando a pessoa já nasce com isso sem nem sequer ter estudado nada. Ela simplesmente pega o violão e cria algo de repente com muita facilidade. Tem pessoas que têm muita facilidade de aprender algo, acreditamos que isso seja dom.

22) RM: Quais os prós e contras do Festival de Música? 

Banda Carbono Acústico: Tem vários pós e contras, mas o principal é o fato de que na maioria das vezes só quem consegue participar é quem conhece alguém que organiza o evento. Além de que se na sua cidade não tem esses tipos de eventos, você tem que ir para outros lugares e geralmente tem que arcar com todas as despesas. Porém a parte boa é que nem sempre é assim. Tem vezes que a pessoa consegue sem ter conhecidos que organiza o evento. Além disso, consegue ajuda de custos e é uma oportunidade enorme de visibilidade de sua banda.

23) RM: Festivais de Música revelam novos talentos? 

Banda Carbono Acústico: Com certeza. 

24) RM: Como você analisa a cobertura feita pela grande mídia da cena musical brasileira? 

Banda Carbono Acústico: Infelizmente a cobertura feita pela grande mídia ainda tem muita coisa para melhorar. Ainda são pouca a visibilidade para o artista underground, por exemplo. 

25) RM: Qual a sua opinião sobre o espaço aberto pelo SESC, SESI e Itaú Cultural para cena musical? 

Banda Carbono Acústico: São boas opções. 

26) RM: O circuito de Bar na cidade que você mora ainda é uma boa opção de trabalho para os músicos? 

Banda Carbono Acústico: Mais ou menos, pois em João Pessoa – PB o músico ainda é muito pouco valorizado. Agora é interessante para divulgação do trabalho.  

27) RM: Quais os seus projetos futuros?  

Banda Carbono Acústico: Vamos ter mais investimentos ainda quanto ao nosso som. Muita coisa ainda estamos aprendendo, temos ciência disso. Pensamos em voltar para os trabalhos voluntários em hospitais, casa de idoso. Isso nos ajuda a evoluir como pessoa e profissional, pois no mundo da música precisamos tá exercitando nossa paciência, focando no amor, nas coisas boas da vida. Pretendemos voltar para os eventos privados com tudo. Continuar reunindo bandas em praças como sempre fazíamos, fortalecendo a cena autoral em nosso Estado.  Trabalhar lançamentos de outros álbuns, bem como nosso primeiro vídeo clipe.

28) RM: Como está sendo para vocês a situação de crise política e a pandemia por conta do novo corona vírus? 

Banda Carbono Acústico: Está sendo muito difícil, porém a música nos ajuda muito nesses momentos, bem como a cultura de modo geral. Essa pandemia por conta do novo corona vírus nos mostrou várias questões, tais como, a importância de investi na cultura. Algo que está sendo pouco valorizado em nosso país. Agora que estamos em casa o que nos consolou? Live de artistas que gostamos por exemplo. Bem como avaliamos o quanto a música e a solidariedade estão interligadas. 

29) RM: O que um artista precisa ter para ser considerado um bom artista? 

Banda Carbono Acústico: Primeiramente humildade, honestidade, ser solidário, ter amor ao próximo, está se atualizando, focando em sua liberdade criativa sem se preocupar tanto com os outros. Fazer algo por você, pois você tem que fazer um som que você mesmo consiga ouvir depois. Amar o que você faz antes de tudo. 

30) RM: As letras das músicas tratam dos sentimentos e de questões sociais. Fale mais sobre essa opção temática da banda. 

Banda Carbono Acústico: Como mencionamos em outras perguntas, é muito importante o artista não ter medo de mostrar aquilo que eles acreditam e defendem com muita garra. É preciso ter coragem para falar verdades que muitos parecem ter medo de falar ou não sabem como. A Carbono Acústico  é  assim,  a música  para nós  tem o poder de transformar, então vamos falar aquilo que precisamos ouvir. 

31) RM: Banda Carbono Acústico, Quais os seus contatos para show e para os fãs? 

Banda Carbono Acústico: (83) 98885 – 9367 | [email protected]  | www.instagram.com/Carbonoacusticooficial   

| Banda Carbono Acústico  no Twitter 

https://web.facebook.com/natalialima.silva.520 

https://web.facebook.com/carbonoacustico

Canal: https://www.youtube.com/channel/UCCvMXIkmz2VQeOfkDesfYwg 

Playlist do álbum “Contradição: https://www.youtube.com/playlist?list=PLq9mUYQ9YeOkDLAON4O39bCR4NmbbbWFU


Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor responsável pela revista digital RitmoMelodia desde 2001, jornalista, músico, poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, propaga a diversidade musical brasileira através de entrevistas e artigos. Jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB (1996 a 2000) que lançou um livro de poesia em 1998 e seus poemas ganharam melodias gravadas em três álbuns concluindo a trilogia "reggae baseado em poesia" no seu projeto musical Reggaebelde. Unindo a sensibilidade do poeta, músico com o senso crítico do jornalista e pesquisador musical colocado em prática em uma revista que Canta o Brasil.