More André Loyola »"/>More André Loyola »" />
Uma Revista criada em 2001
pelo jornalista, músico e poeta paraibano
Antonio Carlos da Fonseca Barbosa.

André Loyola

[responsivevoice_button voice=”Brazilian Portuguese Female” buttontext=”Clique Aqui Para Ouvir a Entrevista”]

O cantor, compositor e musicista mineiro André Loyola adicionou à sua discografia digital o quarto EP da carreira, iniciada há dois anos. Intitulado “Ponta Cabeça”, o trabalho de duas faixas é classificado por ele como de “canções brasileiras, latinas e modernas”.

A definição se refere a diversidade rítmica e a utilização de elementos dos arranjos popularizados nas últimas décadas. Neste cenário, o sentimento carnavalesco e de alegria são comuns em ambas as faixas. Por outro lado, as mensagens são de teor reflexivo e de profundidade.

“Pra Te Fazer Feliz” é dançante e muito transporta o ouvinte para o universo latino. Por sua vez, a letra retrata uma hipotética conversa da qual um oferece força e palavras de consolo ao outro. O intuito, portanto, é exatamente o mesmo que sugere o nome da canção.

Assim como a anterior, “Ciranda”, é rica em termos de guitarra e seu uso é de acordo com o que requer o conjunto dos outros instrumentos. Ela, que pode ser relacionada às marchinhas de Caetano Veloso, é inspirada num encontro real entre duas pessoas íntimas no passado, mas que hoje se reconhecem como estranhos, vivendo completamente diferentes, em mundos distintos.

As gravações foram realizadas com instrumentos básicos: teclado, guitarra, bateria, baixo e percussões. A produção musical é assinada por Davi Bernardo, e o lançamento é do selo Vitrola Play. O resultado está disponível em todas as plataformas digitais, e “Pra Te Fazer Feliz” em videoclipe no Youtube.

Além de instrumentista, compositor e cantor, André Loyola é médico, com especialidade em Patologia, e professor em Faculdades de Medicina e Farmácia. Antes de iniciar a carreira solo, em 2020, integrou quatro bandas de rock, entre elas, a Zbritos, grupo cover do The Beatles e ainda em atividade.

Nascido e residente em Pouso Alegre (MG), André tem relação íntima com os estudos voltadas à espiritualidade, e é apreciador da poesia e música brasileira. Esses elementos constituem a base de suas letras e mensagens.

No âmbito sonoro, Loyola é inspirado primordialmente na MPB, samba, rock, pop, bossa nova, e outros movimentos nacionais, como a jovem guarda, e internacionais, a exemplo do rock britânico.

Segue abaixo entrevista exclusiva com André Loyola para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistado por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa 23.03.2022:

01) Ritmo Melodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

André Loyola: Nasci no dia 27/01/1981 em Pouso Alegre – MG.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

André Loyola: Meu primeiro instrumento foi o violão. Tinha 12 anos de idade. Comecei a aprender os primeiros acordes nas revistinhas que comprava nas bancas, depois fui tocar na missa do colégio católico que estudava, até mais tarde, comprar uma guitarra e montar a primeira banda de rock.

03) RM: Qual sua formação musical e/ou acadêmica fora da área musical?

André Loyola: Sou médico patologista e músico pela paixão à música, sem formação acadêmica.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância? 

André Loyola: Comecei no rock. Ouvi muito Beatles! Depois a carreira solo do Paul McCartney, John Lennon e George Harrison. Como adolescente nos anos 90 ouvi muito Grunge, especialmente Nirvava e Pearl Jam. Depois fui ampliando horizonte com Beach Boys, Bob Dylan, Stones, Led, Pink Floyd, Queen. Paralelamente sempre gostei muito da nossa música brasileira. Ouvi muito João Gilberto, Tom Jobim, Caetano, Gil, Milton, Lô Borges. Atualmente tenho ouvido muito a obra dos Novos Baianos, Mutantes, tenho ouvido muito samba também como Cartola, João Nogueira, Beth Carvalho, Paulinho da Viola, Nelson Cavaquinho, Nelson Sargento, Luiz Melodia e por aí vai.

05) RM: Quando, como e onde você começou sua carreira profissional?

André Loyola: Quando montamos uma banda de pop rock para fazer som autoral e também cover no final dos anos 90, banda Nômades. Ali ganhei meu primeiro cachê, aprendi a trabalhar como cantor, a dominar o palco, passar por diversas situações, enfim iniciar um certo amadurecimento como músico.

06) RM: Quantos CDs lançados?

André Loyola: Um disco/CD com a Banda Nômades.

Quatro EPs e um single na minha carreira solo. O perfil musical transita entre MPB, música mineira e pop rock. As músicas mais tocadas são: “Bom dia”, “Cálido Inverno”, “Novo Amor”, “Pra te fazer feliz”.

07) RM: Como você define seu estilo musical?

André Loyola: Da MPB ao rock pop.

08) RM: Você estudou técnica vocal?

André Loyola: Tive algumas orientações, mas não fiz curso.

09) RM: Qual a importância do estudo de técnica vocal e cuidado com a voz?

André Loyola: Quem conhece a técnica vocal tem maior sobrevida em relação a voz.

10) RM: Quais as cantoras (es) que você admira?

André Loyola: Fred Mercury, Gal Costa.

11) RM: Como é seu processo de compor?

André Loyola: Componho na maioria das vezes com o violão construindo simultaneamente melodia, harmonia e letra. Às vezes componho letra e melodia e depois algum parceiro me ajuda na harmonia.

12) RM: Quais são seus principais parceiros de composição?

André Loyola: Davi Bernardo.

13) RM: Quem já gravou as suas músicas?

André Loyola: Amanda Coutinho gravou “Samba do coração”.

14) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

André Loyola: Prós: liberdade de criação e também em definir a agenda. Contras: falta de financiamento e limitação de contato.

15) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira dentro e fora do palco?

André Loyola: Estou ainda construindo público (fora do palco) através das redes sociais, principalmente YouTube, Instagram e Facebook. Com muita vontade de ir ao palco com este projeto em breve.

16) RM: Quais as ações empreendedoras que você pratica para desenvolver a sua carreira?

André Loyola: Tenho parceria com a Vitrola play que me assessora na construção da carreira e me direciona como empreender.

17) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira?

André Loyola: Hoje, com a internet, é possível lançar seu trabalho ao mundo através das plataformas. Facilita enormemente a disponibilidade. Ao mesmo tempo, aumenta demais o número de lançamentos, com muita gente ao mesmo tempo, tornando o mercado ainda mais competitivo.

18) RM: Quais as vantagens e desvantagens do fácil acesso à tecnologia de gravação (home estúdio)?

André Loyola: Vantagem do home estúdio é o baixo custo e agilidade. Desvantagem acho que seria a falta do contato e interação entre os músicos que acontece dentro do estúdio.

19) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo. Mas, a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que você faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

André Loyola: Busco fazer o meu melhor possível, imprimindo qualidade nas composições. Tento inovar e sair do óbvio. E depois conto com pessoas muito competentes para me ajudar na produção.

20) RM: Como você analisa o cenário da música brasileira. Em sua opinião quais foram as revelações musicais nas últimas décadas? Quais artistas permaneceram com obras consistentes e quais regrediram?

André Loyola: Cenário musical brasileiro está bastante pulverizado. Minha atenção ultimamente está voltada para MPB, Nova MPB, Indie (que é um termo muito amplo na verdade) e Samba. Tenho ouvido muito mais coisa do passado para ser honesto. Então não tempo como avaliar progressão. Curiosamente, observo, que os destaques deste cenário ao qual me dedico mais, se alimentam muito do passado também.

21) RM: Quais os músicos já conhecidos do público que você tem como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

André Loyola: Gilberto Gil, Caetano Veloso, Chico Buarque, Roberto Carlos, Erasmo Carlos, Gal Costa, Rita Lee.

22) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical (falta de condição técnica para, brigas, gafes, show em ambiente ou público tosco, cantar e não receber, ser cantado e etc)?

André Loyola: O motorista da van que nos levaria a um show chegou alcoolizado, porém já estávamos atrasados e tivemos que ir com ele mesmo. Sentei no banco da frente e tive que desviar a direção para não atropelar uma pessoa em uma bicicleta na estrada logo no início da viagem! Foi tenso, mas sobrevivemos!

23) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

André Loyola: Mais feliz é ver o público cantar! Isso me emociona muito!

Mais triste é a desvalorizar do trabalho do músico que é muito real e presente no nosso país.

24) RM: Existe o Dom musical? Como você define o Dom musical?

André Loyola: Existe talento. Facilidade com a arte musical. Existe também a influência do ambiente das pessoas com quem convive, especializado a família.

25) RM: Qual é o seu conceito de Improvisação Musical?

André Loyola: Saber aplicar toda uma base de conhecimento musical de maneira inesperada.

26) RM: Existe improvisação musical de fato, ou é algo estudado antes e aplicado depois?

André Loyola: Existe improvisação sim.

27) RM: Quais os prós e contras dos métodos sobre Improvisação musical?

André Loyola: Ajuda a ampliar as possibilidades. Pode ser maçante ao público leigo.

28) RM: Quais os prós e contras dos métodos sobre o Estudo de Harmonia musical?

André Loyola: Ajuda a ampliar as possibilidades. Pode ser maçante ao público leigo.

29) RM: Você acredita que sem o pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

André Loyola: Acho que tem potencial, mas sei que não é suficiente. Contato e jabá são determinantes no mercado da música.

30) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

André Loyola: Não faça a escolha pela carreira musical se for só por dinheiro. Seja autêntico!

31) RM: Quais os prós e contras do Festival de Música?

André Loyola: Festival de Música é uma maneira muito boa de divulgação e de interação com o público. Pode ter “carta marcada”!

32) RM: Hoje os Festivais de Música revelam novos talentos?

André Loyola: Não mais como eram os festivais de música da década de 60/70 por exemplo.

33) RM: Como você analisa a cobertura feita pela grande mídia da cena musical brasileira?

André Loyola: A cobertura feita pela grande mídia da cena musical brasileira é muito limitada e repetitiva.

34) RM: Qual a sua opinião sobre o espaço aberto pelo SESC, SESI e Itaú Cultural para cena musical?

André Loyola: Acho bons incentivadores, tem muita gente boa se apresentando nestes lugares. Poderia ser mais divulgado.

35) RM: O circuito de Bar na cidade que você mora ainda é uma boa opção de trabalho para os músicos?

André Loyola: Sim, apesar de pagar mal.

36) RM: Quais os seus projetos futuros?

André Loyola: Continua compondo, produzindo e buscando oportunidades para se apresentar ao vivo.

37) RM: Quais seus contatos para show e para os fãs?

André Loyola: https://www.instagram.com/andre__loyola 

| https://www.facebook.com/andreloyola.music 

| https://www.youtube.com/user/alduarte81 

https://www.youtube.com/watch?v=rloYGCH2oes

SPOTIFY: https://open.spotify.com/artist/5F591AtA6bo4HzuzRni12V?si=PKTsDX6vS9iqK6msE4W6WA

https://ffm.to/ponta-cabeca

Deixe um comentário

*

Uma Revista criada em 2001
pelo jornalista, músico e poeta paraibano
Antonio Carlos da Fonseca Barbosa.