Continua após a Publicidade
Categorias: Entrevistas

Ana Fernandez


A cantora, compositora sergipana Ana Fernandez e também uma grande comunicadora, dona de uma voz potente, é chamada de “Tina Turner” pelos americanos, não por sua aparência, mas por sua energia e também de “Célia Cruz” pela comunidade de idioma espanhol em New York – EUA, também por conta da energia e do seu carisma incontestável. Ela se sente imensamente agradecida a Deus por essas comparações por se tratar de duas grandes Divas da música Americana e Latina.

Ana Fernandez se apresenta em lugares renomados de New York: Nações Unidas, Jardim Botânico de NY, Cecil Harlem, The Williamsburg hotel Brooklyn, Jazz Forum  Westchester NY, Loulou Bistrô, Baby Brasa Shrine World Music, Silvana Jazz, e muitos outros.

Sua música Foi tocada na Globo internacional, e também na rádio Floria uma rádio famosa na Flórida. Ana Fernandez está com seu recente trabalho intitulado “Caber Amar” que está em todas as plataformas digitais. A canção foi composta no período da pandemia do covid-19 e traz uma mensagem muito importante.

Segue abaixo entrevista exclusiva com Ana Fernandez para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistada por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 11.05.2022:

01) Ritmo Melodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

Ana Fernandez: Nasci no dia 13/08/1962 em Aracaju – Sergipe.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

Ana Fernandez: Meu primeiro contato com a música foi quando eu tinha de 5 para 6 anos, eu ouvia meu pai, Manuel, cantarolando canções de Orlando Silva, Noite Ilustrada, Cartola, Jackson do Pandeiro e outros artistas que tinham músicas que eram sucessos.

03) RM: Qual sua formação musical e/ou acadêmica fora da área musical?

Ana Fernandez: Não tenho uma formação acadêmica na música nem em outras áreas.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

Ana Fernandez: Minhas influências musicais são: Samba, Baião, Forró, MPB, Bossa Nova, Samba Rock, Soul e Blues. Todos esses ritmos são imensamente importantes para minha formação musical.

05) RM: Quando, como e onde você começou sua carreira musical?

Ana Fernandez: Comecei minha carreira musical em 2004 em New York – USA.

06) RM: Quantos CDs lançados?

Ana Fernandez: Em 2006 lancei um álbum com nove músicas de outros compositores e duas composições de minha autoria: “Acho Que Não Sei” e “O Samba Do Pobre”.

07) RM: Como você define seu estilo musical?

Ana Fernandez: Eu me defino como uma cantora eclética.

08) RM: Você estudou técnica vocal?

Ana Fernandez: Sim e ainda estudo técnica vocal.

09) RM: Qual a importância do estudo de técnica vocal e cuidado com a voz?

Ana Fernandez: É muito importante fazer aulas de técnica vocal e cuidar da voz. Um músico tem o seu instrumento musical e se quebrar, ele compra outro, mas a voz não tem como comprar outras pregas vocais, então é imprescindível cuidar da voz.

10) RM: Quais as cantoras (es) que você admira?

Ana Fernandez: São muitas as cantoras que admiro: Ella Fitzgerald, Etta James, Nina Simone, Peggy Lee, Elis Regina, Gal Costa, Maria Bethânia, Marisa Monte e muitas outras.

11) RM: Como é seu processo de compor?

Ana Fernandez: Eu não tenho um processo para compor, pois sou uma compositora de inspiração, quando vem a inspiração já vem com a letra e a linha melódica. Eu nunca consegui compor uma música por encomenda, admiro muito os compositores que têm essa capacidade.

12) RM: Quais são seus principais parceiros de composição?

Ana Fernandez: Eu componho sozinha, mas estou recebendo algumas propostas de parceria com outros compositores.

13) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Ana Fernandez: O lado bom é me sentir livre para dirigir minha carreira da minha maneira, mas por outro lado, é mais difícil por falta de um produtor, pois acarreta muito trabalho para o artista, tanto de promoção, de direção e gerenciamento da carreira.

14) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira dentro e fora do palco?

Ana Fernandez: Às estratégias são de atingir o maior público possível, o que não é nada fácil, divulgar nas redes sociais, falar com as pessoas e o mais importante fazer parcerias.

15) RM: Quais as ações empreendedoras que você pratica para desenvolver a sua carreira musical?

Ana Fernandez: Eu mesma faço minha promoção, mas conto com amigos e fãs na divulgação. Também programas de rádio que me ajudam na divulgação.

16) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira musical?

Ana Fernandez: A internet ajuda imensamente, eu divulgo no Instagram, tenho muitos seguidores, pois sou vista por gente do mundo inteiro, a grande maioria turistas que estão em New York – USA e também os nova-iorquinos, que são descendem de muitas raças. Assim surgem oportunidades maiores para fazer show em outros países.

17) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso à tecnologia de gravação (home estúdio)?

Ana Fernandez: As vantagens da tecnologia são inúmeras, por exemplo, um custo mais baixo para gravar música, sem limites de horário que é uma das coisas que encarece um projeto de gravação. Os ensaios podem ser gravados se economiza tempo. A desvantagem é não contar com um estúdio renomado, por exemplo Carriage House, que um estúdio muito famoso, aonde a cantora Diana Ross já gravou, outros grandes nomes. Eu fiz uma gravação no Carriage House, pois proporciona mais prestígio ao trabalho.

18) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo. Mas, a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que você faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

Ana Fernandez: O que faço é o mesmo que todo mundo faz, colocar a música em todas as plataformas digitais, Facebook, Instagram e cantar nos shows as canções de minha autoria.

19) RM: Como você analisa o cenário da Música Popular Brasileira. Em sua opinião quais foram as revelações musicais nas últimas décadas? Quais artistas permaneceram com obras consistentes e quais regrediram?

Ana Fernandez: A música popular brasileira teve uma mudança muito grande com os novos ritmos que foram surgindo com Afro Reggae, Forró Universitário, Axé, entre outros. O povo brasileiro é muito criativo e a cada dia surgem novos estilos. Tiveram grandes revelações: Vanessa Da Mata, Ivete Sangalo, Marília Mendonça, Tiaguinho, Saulo Fernandes, Joelma e tantos outros. Mas por conta de tanta propaganda alguns nomes tão importantes para nossa cultura musical ficam quase sumidos no Brasil e curiosamente continua fazendo sucesso fora do Brasil.

20) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical (falta de condição técnica para show, brigas, gafes, show em ambiente ou público tosco, cantar e não receber, ser cantado, etc)?

Ana Fernandez: Existe muitas situações desconfortáveis na carreira musical como em outras carreiras. Já aconteceram muitas situações difíceis, mas eu procuro contornar da melhor forma possível, por exemplo, fazer um show e encher a casa de público pagante e o contratante ficar protelando o pagamento ou mesmo não pagar o cachê e eu pagar do próprio bolso o cachê dos músicos. Outra situação, está no palco e vir um cara correndo e me agarrar e o microfone bater no meu dente e quebrar e começar a sangrar. Tiveram as cantadas inconveniente e muitos outras coisas desagradáveis.

21) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Ana Fernandez: O que me deixa mais feliz é poder espalhar minha mensagem de amor através da música, amor pelas pessoas, passar uma mensagem de Paz para esse mundo tão louco e maravilhoso que vivemos. O lado negativo é que muitas vezes nos músicos somos incompreendidos e nem sempre levam a sério nossa profissão.

22) RM: Existe o Dom musical? Como você define o Dom musical?

Ana Fernandez: Existe o dom para a música da mesma forma que existe para muitas outras profissões. Muitos músicos e cantores frequentaram conservatório musical desde pequeno para ser tonar um grande músico e cantor, mas tem gente como eu que já nasce com o dom musical.

23) RM: Qual é o seu conceito de Improvisação Musical?

Ana Fernandez: Eu procuro me espelhar em grandes cantoras de gênero bebop como Ella Fitzgerald e tantas outras, mas sempre carregado de muito swing vocal da minha raiz brasileira.

24) RM: Existe improvisação musical de fato, ou é algo estudado antes e aplicado depois?

Ana Fernandez: Para fazer improviso tem que praticar muito, pois não é algo muito fácil, pelo menos para mim (risos).

25) RM: Quais os prós e contras dos métodos sobre Improvisação musical?

Ana Fernandez: Fazer improviso tem mais prol do que contra, mas tem que ser balanceado. O contra é que se você erra é visível demais.

26) RM: Quais os prós e contras dos métodos sobre o Estudo de Harmonia musical?

Ana Fernandez: Estudar Harmonia só tem prol não tem contra (risos).

27) RM: Você acredita que sem o pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

Ana Fernandez: Eu acredito que um trabalho de divulgação bem feito pode levar a música a tocar nas rádios só depende da fama (risos).

28) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Ana Fernandez: Digo que primeiro tenha certeza do amor pela música, e esteja preparada para um grande desafio que é trilhar essa carreira que é tão árdua, mas tão gratificante.

29) RM: Festival de Música revela novos talentos?

Ana Fernandez: Os festivais de música são uma grande vitrine reveladora de talentos, a exemplo de grandes nomes da nossa música brasileira que foram revelados nos festivais como Elis Regina e muitos outros.

30) RM: Como você analisa a cobertura feita pela grande mídia da cena musical brasileira?

Ana Fernandez: A grande mídia está cada dia mais sofisticada, mas o que realmente manda hoje é quantos seguidores o artista tem no Instagram (risos).

31) RM: Qual a sua opinião sobre o espaço aberto pelo SESC, SESI e Itaú Cultural para cena musical?

Ana Fernandez: Eu vejo a abertura dos espaços citados como algo muito positivo para nossa cultura, dar oportunidade a nossa classe musical de poder realizar seu trabalho com mais segurança de que será reconhecida. Em contrapartida revelar novos talentos é valorizar os grandes talentos já existentes.

32) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical no exterior?

Ana Fernandez: São muitas as dificuldades para desenvolver uma carreira nos EUA. A primeira barreira é o idioma, digo no meu caso pessoal, que quando eu cheguei eu não falava inglês, então levei muito tempo para me projetar na sociedade americana. E depois, outros obstáculos como, moradia, alimentação, transporte, aqui tudo é muito caro. E também tem que ter permissão do governo para se apresentar, pagar os impostos, enfim uma série de obstáculos, mas também há um lado muito bom que é como nós músicos brasileiros somos amados pelos americanos, que nos valoriza e admira o nosso trabalho.

33) RM: Quais os seus projetos futuros?

Ana Fernandez: Tenho alguns projetos, além de estar preparando um repertório de canções de minha autoria para o lançamento de um álbum e ao mesmo tempo estou escrevendo um musical.

34) RM: Quais seus contatos para show e para os fãs?

Ana Fernandez: ana2012569@gmail.com

| https://www.instagram.com/ana13fernandez

Caber Amar – Ana Fernandez: https://www.youtube.com/watch?v=vceSVCEAXGA

Ana Fernandez – ACHO QUE NAO SEI: https://www.youtube.com/watch?v=hyqvlBa9KuE


Continua após a Publicidade
Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor responsável pela revista digital RitmoMelodia desde 2001, jornalista, músico, poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, propaga a diversidade musical brasileira através de entrevistas e artigos. Jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB (1996 a 2000) que lançou um livro de poesia em 1998 e seus poemas ganharam melodias gravadas em três álbuns concluindo a trilogia "reggae baseado em poesia" no seu projeto musical Reggaebelde. Unindo a sensibilidade do poeta, músico com o senso crítico do jornalista e pesquisador musical colocado em prática em uma revista que Canta o Brasil.

Disqus Comments Loading...
Publicado Por
Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa
    Continua após a Publicidade

Artigos Recentes

M. Paulino

O cantor, compositor pernambucano M. Paulino, com um estilo pessoal "O Pernambuxé" além de forrozeiro…

% dias atrás

Banda Semente Regueira

Banda Semente Regueira, formada no final de 2000 por músicos amigos e influenciados pela ideologia…

% dias atrás

Músicas de Gilberto Gil mais consagradas, segundo os dados do ECAD

Gilberto Gil: 80 anos, canções mais tocadas e “amor” como a palavra mais repetida em…

% dias atrás

Quinta Essentia Quartet

Com sete álbuns gravados entre participações e trilhas completamente feitas pelo grupo, o Quinta Essentia…

% dias atrás

Gilberto Gil é o “Pelé” da Música do Brasil

Por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa Gilberto Gil, chega aos 80 anos de idade (26/06/2022)…

% dias atrás

Paulinho Akomabu

Há mais de 20 anos, Paulinho Akomabu, iniciou a sua carreira, mais precisamente no Centro…

% dias atrás
Continua após a Publicidade

Este website usa cookies.