Artistas Sem Mecenas

mecenas

Tempo de Leitura: 2 minutos

Nos séculos passados alguns artistas (pintor, Músico e escultor) virtuosos ganhavam a proteção financeira, abrigo e prestígio de nobres mecenas. Eles investiam na produção e divulgação da obra dos seus poucos escolhidos. O artista podia se dedicar exclusivamente a criação.

Com o passar do tempo os mecenas foram desaparecendo da cena cultural. No passado a obra de arte servia como investimento financeiro e status social. A música tinha valor lúdico  e estético valorizado. No clero e no palácio havia muitos mecenas.

Na atualidade com o foco no lucro mais rápido e status equivalente, os mecenas tradicionais estão em extinção. Apareceram outras formas de “mecenas” que são os produtores e agenciadores artísticos de pop star que investem em uma estrutura imensa com a possibilidade de projetar em poucos meses um E.T.cantor (a).

Essa realidade fez alguns músicos acreditarem no conto de fada de sair do anonimato para o estrelato com a visibilidade midiática. Só esqueceram que o investimento é astronômico. Mas alguns músicos em pleno século XXI agem como “gatas borralheiras” que acreditam que um produtor – príncipe encantado vai aparecer na sua porta procurando uma voz de sereia ou um gênio da composição ou um instrumentista virtuose.

Um músico realista tem mais chances de furar o bloqueio da falta de incentivo financeiro e construir uma carreira com profissionalismo e metas plausíveis. Ser bom e criativo são obrigações e ter visão de mercado será o diferencial. Não se contente com o seu melhor hoje, acredite sempre que será muito melhor amanhã. Muitos músicos são virtuosos na sua arte, mas não sabem expor a sua obra e se expor para o público que deseja atingir.

O músico independente deve avaliar friamente se é viável lançar um disco a cada dois anos com a popularização do Single e com o seu pouco recurso para a divulgação e distribuição do seu disco. O mais ponderável é traçar metas a curto, médio e longo prazo. Os primeiros mil CDs são fáceis de serem vendidos, mas dez vezes esse número é mais complicado e levará mais tempo. Antes de se enroscar com gravadoras que não têm uma infra-estrutura de divulgação e distribuição busque caminhos próprios.

Lembre-se do dito popular: “Quem trabalha para pobre pede esmola para dois”. Conhecemos uma gravadora competente pelo seu plano de mídia (Divulgação em rádios, jornais, revistas e internet) e uma ampla distribuição do disco em loja e plataforma digital. Se o artista consegue chegar a um sucesso considerável sozinho terá mais independência de negociar um contrato mais favorável com uma grande gravadora.

Hoje as gravadoras contratam músicos que já têm a matriz do disco (fonograma) com qualidade e já com um certo público comprador. Hoje se você tem um disco de qualidade, visão de mercado e público crescente, os mecenas modernos aparecem em fila indiana. Mas esperar ser financiado por “um caçador de talento” é melhor gastar energia e neurônios tentando a sorte com edital de incentivo a cultura.

Após a criação da sua obra trate a sua carreira musical como um empreendimento comercial no dia a dia. E no palco mostre a sua essência criativa e emocional. Ser famoso descartável virou lugar comum. Ter uma obra relevante e importante continua sendo o diferencial. Falta ouvintes para consumirem as obras de tantos artistas, bons e ruins.

Artistas Sem Mecenas 1 Ritmo Melodia

0 0 voto
Article Rating

Subscribe
Notify of
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Tagged
Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor responsável pela revista digital RitmoMelodia desde 2001, jornalista, músico, poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, propaga a diversidade musical brasileira através de entrevistas e artigos. Jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB (1996 a 2000) que lançou um livro de poesia em 1998 e seus poemas ganharam melodias gravadas em três álbuns concluindo a trilogia "reggae baseado em poesia" no seu projeto musical Reggaebelde. Unindo a sensibilidade do poeta, músico com o senso crítico do jornalista e pesquisador musical colocado em prática em uma revista que Canta o Brasil.