Tina Dias

tina dias 001
  • 21
    Shares
Avalie esta Entrevista

Cantora, compositora e professora de técnica vocal, Tina Dias aos nove anos de idade fez seu primeiro curso de técnica vocal com a professora Maria Helena Soares, também aos nove anos subiu ao palco pela a primeira vez, até os 14 anos participou de corais em igrejas.

Aos 15 anos aos já cantava na banda Brasas e passou 2 anos na banda, depois cantou no Lordão, banda que passou vários cantores como Luiz Caldas, Beninha (cantora da banda Mel) entre outros cantores baianos.

Tina tem discos gravados com suas composições. Viajou pelo o Brasil dividindo o palco com vários artistas como: Wanderléia, Pholhas, Rosana, Leonardo, Bruno e Marrone, Fábio Junior, Roupa Nova, Renato e Seus Blue Caps, Dominguinhos, Elba Ramalho, Alcione entre outros.

Morou 11 anos no Espírito Santo, onde também estudou canto e fez um curso com o professor Lyba Serra coordenador da área de canto do conservatório musical Souza Lima-SP. Ainda no Espírito Santo participou da banda Pizindim.

Em 2004 e 2005 em Campina Grande – PB participou do Forró Fest e participou também de vários CDs: Amazan, Ton Oliveira, Rossine (tonho dos couros), Tann, Capilé, Marron, DVD de Toninho Cruz (guitarrista de Zezé de Camargo e Luciano) e do DVD de Tann entre outros. Cantou nos projetos “Seis e Meia” e “Sete Notas”, Festival de inverno, Troféu Gonzagão, entre outros .

Segue abaixo entrevista exclusiva de Tina Dias para a www.ritmomelodia.mus.br , entrevistado por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 07.08.2017:

01) Ritmo Melodia :  Qual a sua data de nascimento e sua cidade natal?

Tina Dias : Nasci no dia 07/08/73 em Itabuna – BA. Nome de batismo Isabel Cristina Dias Santos

02) RM : Fale do seu primeiro contato com a música.

Tina Dias : Cresci no meio musical. “Painho” (meu pai) tinha uma banda chamada THE LORD SHOW e eu vivia nos ensaios, louca para cantar. Mas foi aos nove anos de idade que tive a minha primeira experiência com a música, quando participei de um show de calouros ficando em primeiro lugar. Foi uma grande alegria para mim.

03) RM : Qual a sua formação musical e fora da área musical?

Tina Dias : Eu comecei a estudar música aos 09 anos de idade com a professora Helena em Itabuna na Bahia, depois fiz cursos em São Paulo, Espírito Santo e aqui em Campina Grande – PB.Sou professora de Técnica Vocal e de Musicalização Infantil. Fora da área musical, curso Geografia com o objetivo de desenvolver uma metodologia de ensino juntando Música e Geografia.

04) RM : Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

Tina Dias : Por influências da família, só escutava músicas boas instrumentais como as de Pixinguinha, Dilermando Reise músicas com letras lindas, inspiradoras e interpretadas por artistas maravilhosos como: Tom Jobim, Vinícius de Moraes, Elis Regina, Maria Bethânia, Alcione, Chico Buarque, entre outros.

05) RM : Quando, como e onde  você começou a sua carreira profissional?

Tina Dias : Aos 15 anos de idade, comecei a cantar em uma banda profissional chamada Brasas Show, depois veio Lordão, onde vários artistas da Bahia passaram como: Luiz Caldas, Ivete Sangalo, Tapajós de Salvador. Passei onze anos no Espírito Santo, lá cantei na banda Pizindim, depois vim para Campina Grande, onde estou até os dias atuaisParticipei de vários eventos como: Festival de Inverno, Boca da Noite, Seis e Meia, Sete Notas, Festivais de músicas: Forrofest, Festival de Itaúnas com músicas próprias.

06) RM : Quantos CDs lançados (quais os músicos que participaram nas gravações)? Qual o perfil musical de cada CD? E quais as músicas que se destacaram?

Tina Dias : Tenho cinco CDs lançados, sendo três com banda Pizindim e os Tambores da Bahia; Pizindim – “A Galera do Brasil” Pizindim ao vivo em Rio das Ostras – RJ, com a mesma formação: na Bateria – Marquinho Drums, no Baixo – Jorge Jocão; na Guitarra/violão – Ronaldo Delay; no Teclado – Zezinho Boni e na Percussão – Lelo e Girafa.

Um CD Gospel – “VIDA VIVA”; gravado com os alunos de canto, com o objetivo de mostrar o desenvolvimento do aluno e como forma de incentivo.

CD – “Eu Mulher”; um trabalho que mostrou o meu lado crítico e romântico como intérprete e compositoraEstiveram comigo nesse trabalho: o baterista –Marquinho Drums; no baixo – Beto Piller; no Teclados e arranjos –Paulo Pelee; na percussão – Salsa; backing vocais – Jalles Franklin e Léo Star, Participações:Toninho Cruz (guitarrista de Zezé di Camargo e Luciano), Jorge Ribbas, Moisés Freire, Pepysho Neto, Boy, Tann, Vaguinho Duduta, entre outros.

Participei dos CDs: Forró de Itaúnascom música autoral, Projeto Autoral da Picanha 200, “Coisas Silvestre” de Silvestre Almeida, Choro Novo, DVD de Toninho Cruz, DVD de Flávio Romero, DVD de Tann.

07) RM : Como é o seu processo de compor?

Tina Dias : Me inspiro em histórias e fatos que acontecem no dia a dia. Às vezes começo compondo a letra para depois colocar a melodia ou surge uma melodia bonita em minha mente me pedindo para colocar uma letra.

08) RM : Quais são seus principais parceiros musicais?

Tina Dias : Já tive vários; Zezinho Bonni: pianista e sanfoneiro do Trio Forrozão; Jorge Ribbas; Moisés Freire; Rainere Travassos.

09) RM : Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Tina Dias : Para melhor divulgação, tanto no lado de intérprete, quanto no de compositor. O desenvolvimento de um projeto abre fronteiras e nos remete a lugares diferentes com novas oportunidades. Por outro lado, como o mercado fonográfico está mais direcionado a produtos populares, torna-se difícil divulgar.

10) RM : Como você analisa o cenário musical brasileiro. Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas duas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Tina Dias : Bem, dos anos 90 até hoje, surgiram cantores e compositores que marcaram e se consolidaram como: Cássia Ellen, Ana Carolina, Maria Gadú, Jorge Vercillo, Jorge Aragão, Zeca Baleiro, Lenine, entre outros.Mas, apesar de tantos artistas bons com músicas de ótima qualidade, o cenário musical começou a cair a partir daí.Muitos produtos descartáveis foram expostos no mercado com letras sem sentido e melodias pobres até os dias de hoje. Isso me deixa triste, porque vejo a música brasileira dando os seus últimos suspiros.

11) RM : Qual ou quais os músicos já conhecidos do público que você tem como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

Tina Dias : Falo de Alcione, porque já tive oportunidade de conhecê-la pessoalmente e ver o seu trabalho, a forma e o carinho que ela trata os seus músicos, seu profissionalismo e performance no palco. Djavan também, muito tranqüilo e observador e Ivete Sangalo, que trata os seus músicos com respeito e humildade.

12) RM : Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical (falta de condição técnica para o show, brigas, gafes, show em ambiente ou público tosco, cantar e não receber, ser cantado e etc)?

Tina Dias –Risos… Já passei por todas essas situações que você citou: som ruim, esquecer letras, público cansado, quedas no palco e em trios elétricos (risos). Cantadas até de mulheres. Agora, uma das situações mais engraçadas que me aconteceu, foi uma queda que levei no trio elétrico. Caí no buraco do trio. Eu estava cantando e correndo pra lá e pra cá e não percebi que alguém abriu uma tampa que dava acesso à escada. Aí passei direto. A música continuou e eu nada de cantar (risos). Foi quando deram conta que eu havia caído.

13) RM : O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Tina Dias : Mais feliz é quando sinto e vejo em cada rostinho que estou conseguindo passar emoção, uma mensagem boa para o meu público. Triste, quando vejo a música brasileira sendo assassinada.

14) RM : Nos apresente a cena musical da cidade que você mora?

Tina Dias : Moro em uma cidade cheia de vida, com artistas maravilhosos. Campina Grande é riquíssima em cenário musical. Terra onde Marinês escolheu para viver e revelar para o mundo, terra de Antônio Barros e Cecéu (na época Queimadas era distrito de Campina Grande), Elba Ramalho, Biliu de Campina, Amazan, mas que não toca somente forró. Existem vários estilos musicais que sangram na Borborema como: Socorro Lira, Tann, Janine Lima, Eloisa Olinto, Moisés Freire, Sócrates Gonçalves, Sandra Belê, Pepysho Neto, Verônica Ryos, Canto Andino, Albatroz, entre outros. São tantos e são vários estilos, para todos os gostos.

15) RM : Quais os músicos e bandas locais que você recomenda ouvir?

Tina Dias : Banda Albatroz, que é uma banda de rock antiga com um repertório excelente muito respeitada, todos esses artistas que foram citados na anterior são recomendados.

16) RM : Quais os fatores que faltam para uma cidade universitária e de forte comércio como Campina Grande, ter um mercado melhor para a profissão de músico?

Tina Dias : Dos políticos: a sensibilidade musical para que possam investir de uma melhor forma mais ampla direcionada a todos os estilos, valorizando o OURO e não a prata da casa. Do público: O acesso a músicas de boa qualidade e o incentivo a história da música com shows de artistas locais. Do artista: Lutar pelo espaço e divulgação das suas obras tão ricas e muitas vezes esquecidas.

17) RM : Campina Grande que realiza o Maior São João do Mundo gera de fato um mercado profissional para os músicos locais?

Tina Dias : Não.

18) RM : O que falta para o Festival de Inverno ter o mesmo destaque que o Maior São João do Mundo?

Tina Dias : Incentivo, patrocínios, divulgação e valorização.

19) RM : Campina Grande que faz o Maior São João Mundo, tem espaços para dançar forró fora do mês de junho?

Tina Dias : Deveria.

20) RM : Quais os outros gêneros musicais que é forte em Campina Grande?

Tina Dias – Acredito que não com muito espaço, mas o repente tem um público bom. Com a direção do poeta e declamador Iponax Vila Nova, acontecem às apresentações e o público é bom.

21) RM : Quais os principais espaço de música ao vivo em Campina Grande?

Tina Dias : Picanha 200, Bar do Cuscuz. Onde mais? Não tenho saído muito, devido às mudanças de repertório.

22) RM : Fale da sua relação pessoal e profissional com Marquinhos Drumer.

Tina Dias : Fomos casados durante 15 anos e agora somos irmãos. Grande profissional, dedicado.

23) RM : Fale da sua relação pessoal e profissional com Amazan.

Tina Dias : Já gravei com ele, gente muito boa e um grande artista.

24) RM : Fale da sua relação pessoal e profissional com Capilé.

Tina Dias : Já gravei com ele também e o acho um guerreiro.

25) RM : Fale da sua relação pessoal e profissional com Eloísa Olínto.

Tina Dias : Elô bebê! Minha branquinha, amiga querida! Outra grande guerreira e determinada. Já dividimos o palco várias vezes e a energia é linda!

26) RM : Fale da sua relação pessoal e profissional com Gabmar Cavalcanti e com Kátia Virginia.

Tina Dias : Nomes respeitados não só aqui em Campina Grande. Gabi era de uma humildade fora do comum, um músico fantástico, diria até, um fenômeno. Kátia de voz aveludada, afinada e única. Dividimos o palco algumas vezes, uma pessoa muito querida!

27) RM : Fale da sua relação pessoal e profissional com Tann.

Tina Dias – Tann é um amigo muito querido e foi um dos primeiros artistas com quem dividi o palco. Formamos uma banda a Avalon e aprendi muito com ele.

28) RM : Fale da sua relação pessoal e profissional com Emerson Uray.

Tina Dias : Fazíamos parte na época de uma associação musical a ACORDE, foi quando nos conhecemos melhor. Um artista e tanto!

29) RM : Fale da sua relação pessoal e profissional com Alquimedes Daera.

Tina Dias : Também uma das primeiras pessoas que conheci quando cheguei emCampina e é de fato um excelente compositor e cantor.

30) RM : Fale da sua relação pessoal e profissional com Biliu de Campina.

Tina Dias – Com Biliu não tenho muito contato, mas o acho maravilhoso. Ele brinca com o ritmo como ninguém.

31) RM : Fale da sua relação pessoal e profissional com Socorro Lira.

Tina Dias : Maravilhosa, lutadora, corre atrás dos seus sonhos.

32) RM : Fale da sua relação pessoal e profissional com Gintana Pimentel.

Tina Dias : Se destacou no mercado, está sempre buscando coisas novas, isso é muito bom!

34) RM : Fale da sua relação pessoal e profissional com Tony Dumonnd.

Tina Dias : Uma pessoa muito querida! Conhecemo-nos há muito tempo, já dividimos palco e fiz um trabalho de direção vocal em um dos seus CDs.

35) RM : Fale da sua relação pessoal e profissional com Jorge Ribbas.

Tina Dias : Meu professor, mestre, amigo e irmão. O primeiro músico que me acompanhou aqui em Campina Grande e o começo de uma grande amizade. Um homem de grandes qualidades e um baita profissional e uma ponte para futuros profissionais da música.

36) RM : Fale da sua relação pessoal e profissional com Pepysho Neto.

Tina Dias : O segundo um músico que me acompanhou (risos), grande figura, grande compositor, grande músico e cantor.

38) RM : Fale da sua relação pessoal e profissional com Fábio Dantas.

Tina Dias : Conheci Fábio na rádio e nem sabia que ele tocava. Maravilha quando descobri o seu outro talento, por que ele tem vários. Tocamos juntos algumas vezes e foi mágico.

39) RM : Fale da sua relação pessoal e profissional com Fidélia Cassandra.

Tina Dias : Um timbre único, gente muito boa e já dividimos o palco algumas vezes.

40) RM : Fale da sua relação pessoal e profissional com Sócrates Gonçalves.

Tina Dias : Quando o conheci era um guri (risos). Hoje está ai dando nó em pingo d’água!

41) RM : Você acredita que sem o pagamento do Jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

Tina Dias – Depende! Se você conhecer o dono da rádio ou o locutor, ele toca, mas sem conhecer: fica difícil.

42) RM : O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Tina Dias : Aprender a ouvir, ter paciência, ser humilde, não se deixar levar pelos holofotes da vida e se subir, não pirar e nem ter medo de cair.

44) RM : Como você se define como cantora?

Tina Dias : Gosto de cantar músicas que me façam viajar junto com o meu público. Amo cantar. E sou uma eterna apaixonada pelo palco e quero passar o que aprendi para os outros sempre que puder.

45) RM : Qual a importância para você do estudo de técnica vocal? Você estudou técnica vocal com quem?

Tina Dias : Existem aqueles nascem com o dom e os que podem adquiri-lo. A técnica ajuda você a se conhecer, a respirar corretamente, usar melhor o seu corpo, ampliar os seus limites sem agredir o suas pregas vocais.

46) RM : Qual a importância para você da saúde vocal?

Tina Dias : Tudo! Não só para quem canta, mas para todos é importante uma higiene bucal, uma boa alimentação, uma boa noite de sono e tentar manter o corpo relaxado. Cuidando do corpo, você está cuidando da sua voz.

47) RM : Quais os projetos futuros?

Tina Dias : Terminar o meu CD – “Bossa’nroll”. Uma fusão da bossa com o rock.

48) RM : Quais os seus contatos para show e para seus fãs?

Tina Dias : [email protected] | (83) 9.8119 – 1888 (vivo) | 9.9102 – 6334 (WhatssApp).

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor Responsável pela revista Ritmo Melodia desde 2001, músico, letrista e poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, sempre se preocupou em divulgar a música (popular, regional, instrumental e erudita) com entrevistas e artigos sobre os músicos e artistas brasileiros.