Thomé Viana

Thomé Viana 1
  •  
  • 14
  •  
  •  
  •  
    14
    Shares

O cantor, compositor e contrabaixista baiano Thomé Viana no ano de 1990 foi o responsável pela formação da banda “Gueto Selvagem” e em 1997 passou a denominar banda “Ragga” na cidade de Salvador (BA).

Nos anos 80 Axé Music surgiu no cenário musical da Bahia e nos anos 90 do Brasil. E Thomé Viana durante esses anos de trabalho vem conquistando cada vez mais fãs e espaço no cenário musical, com apresentações em grandes eventos e dividindo palcos com atrações nacionais e internacionais. Ele tem mais de 20 anos de carreira, desenvolve um trabalho musical no ritmo do reggae com diversas influências de ritmos nordestinos, música brasileira e africana, mas sem deixar a herança dos acordes jamaicanos de lado. Ele tem quatro CDs gravados e já se apresentou em turnê passando por vários palcos do Brasil. Alguns prêmios conquistados pelo artista com suas canções. Ele foi vencedor do Festival da Canção PMPB – (1990) com a “Coração Sentimental” (Primeiro lugar). No Festival Sentisef – (1993) com a “Metamorfose” (Segundo lugar). Thomé Viana fundo em 1998 o “Bloco Banana Reggae”, levando o Reggae para a maior festa de rua do planeta – o Carnaval de Salvador. Ele é o presidente do “Bloco Banana Reggae”.

Thomé Viana, desde os anos 80 vem fortalecendo o movimento da música negra na Bahia. Ele tem como principal proposta fortalecer e aglutinar os principais movimentos da música reggae music através de eventos multiculturais, de temática negra.

Segue abaixo entrevista exclusiva com Thomé Viana para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevista por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 17.12.2018:

01) RitmoMelodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

Thomé Viana: Nasci no dia 20.08.1964 na zona rural (Quilombo Kanoge) distrito de Cachoeira – Bahia. Nome de batismo Thomé Nery Viana.

02) RM: Como foi o seu primeiro contato com a música?

Thomé Viana: Eu tinha o dom de compor canções aos 15 anos de idade. Comecei aprender a tocar Violão pela necessidade de formar acordes para compor a melodia das minhas canções. E dentro dessa trajetória me sinto um músico preparado, completo e perfeito dentro do meu desempenho musical como cantor, compositor e contrabaixista.

03) RM: Qual a sua formação musical e acadêmica fora música?

Thomé Viana: A minha se é formação acadêmica fora da música é o ensino médio completo. Além do trabalho com música, eu trabalhei como balconista em lanchonete. E estoquista e controlador de estoque de Supermercado. E na construção civil trabalhei como ajudante de máquinas pesada. E aprendi a profissão de Bombeiro hidráulico. E na industrial trabalhei como Caldeireiro. Na música sou autodidata.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente? Quais deixaram de ter importância?

Thomé Viana: Para mim as músicas do passado e presente sempre foram importantes algumas marcaram a minha infância. Além de escutar música instrumental que foi a minha verdadeira escola, eu escutava: Roberto Carlos, Luiz Gonzaga, Gilberto Gil, Tim Maia, Caetano Veloso, Dorival Caymmi, Beatles, Elvis Presley, Bob Dylan, Dave Maiclim, Stevie Wonder, Michael Jackson, Queem, Bob Marley, Peter Tosch.

05) RM: Quando, como e onde você começou a sua carreira musical?

Thomé Viana: Comecei em 1982 em Salvador (Bahia) me juntei com quatro amigos para formar a primeira banda de Rock que tinha o nome “Revelação” em 1983. E depois formei a banda “Lesão Parcial” em 1985 no momento do Axé Music. Eu como contrabaixista atuei nas bandas: “Frutos do mar”; “Licor de Mel” e com os artistas: Bule Bule, Chico Evangelista, Andrew Tosh, Primitive, Luciano, The Menssen jah, The Jammeres, Suga Roy, Conrad Cristal, Mickey General. 

06) RM: Quantos discos lançados?

Thomé Viana: Em 1990 participei da “Coletânea Palco”, com a minha música “Coração sentimental”, que venceu um Festival de MPB. 1997 em lancei o CD – “Lama de mangue”. Em 2001 lancei o CD – “Banda Ragga ao vivo vol. 1”. Em 2007 participei da coletânea “Reggae Mania” pela gravadora Pato Discos com a minha música “Balanço da Jamaica”. Em 2009 lancei o CD – “Igualdade pra Viver”.  Em 2012 lancei o CD – “Você Vencerá”.  Músicas que caiu no gosto do público: “Lama do mangue”, “Eu preciso dar um tempo”, “Pura Verdade”; “Amor azul”, “Homem sem dinheiro”, “Não pisa na bola”, “Desabafo”, “Pra Sempre vou te amar”, “Pega Leve”.

06) RM: Como você define seu estilo musical dentro da cena reggae?

Thomé Viana: Um trabalho sério conduzido com muito profissionalismo, qualidade e dedicação.

07) RM: Como você se define como cantor/intérprete?

Thomé Viana: Um artista completo com muita qualidade, experiência, profissionalismo. E no seguimento reggae sempre tento inovar a música com novos elementos.

08) RM: Quais os prós e contras de cantar e tocar o contrabaixo no reggae?

Thomé Viana: Eu não tenho problemas em cantar e tocar as linhas de Baixo. Eu tenho independência para tocar facilmente as músicas do meu repertório, de minha autoria ou de outros músicos. O pró é porque quem conduz o show em uma banda de reggae é praticamente o baixista e o baterista. E tocar contrabaixo e cantar em uma banda de reggae não é tão fácil, pois o músico tem que ter muita segurança e competência. Ao mesmo tempo o cantor não fica dependência de um baixista. Os contras: é a dependência da banda pela condução do baixista. E o cantor que toca o contrabaixo fica um pouco preso no palco prejudicando o seu desemprenho em mobilidade no palco e contato com o público; pois, está tocando, cantando e conduzindo a banda. Nas minhas músicas as linhas de contrabaixo que eu crio são de acordo com as melodias. Dão apoio ao meu cantar. Mas nas canções de outros músicos sou obrigado a tocar as linhas como foram gravadas originalmente, principalmente as músicas de: Bob Marley, Peter Tosh, Alpha Blondy, Burning Spear, Jacob Muller, Gilberto Gil e outros. Mas para alguns músicos tocar contrabaixo e cantar em uma banda de reggae não é tão fácil. O músico tem que ter muita segurança e competência, já que em uma banda de reggae quem conduz o show praticamente é o baixista e o baterista. O cantor que toca baixo fica um pouco preso no palco por tocar, cantar e conduzindo a banda.

09) RM: Quais os cantores e cantoras que você admira?

Thomé Viana: Bob Marley, Burning Spear, Mickel Jackson, Fred Mercury, Lauryn Hill, Gilberto Gil, Luiz Gonzaga, Renato Russo, Tim Maia, Raul Seixas, Roberto Carlos, Elis Regina, Vanessa da Mata.

10) RM: Como é o seu processo de compor?

Thomé Viana: Principalmente a noite de preferência na madrugada e sempre nas horas mais calma e tranquila.

11) RM: Quem são os seus parceiros em suas composições?

Thomé Vianna: Eu, Deus e o Violão.

12) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Thomé Viana: Através das barreiras causadas dentro do cenário artístico devido as concorrências e falta de recurso financeiro conduzir uma carreira tem que passar por muitas dificuldades por questão de apoio institucional que não proporciona a estabelecer uma carreira musical pelo contrario existem outros artistas que tem mais sorte por ser influente no eixo cultural ou existir pessoas influentes ao seu redor que facilita a sua projeção no mercado artístico com mais facilidade é diferente daqueles que tem um trabalho de respeito que merece uma oportunidade e não alcança sua meta com facilidade por não ter influências nem recursos para agregar mesmo apostando no seu talento.

12) RM: Quais as ações empreendedora que você prática para desenvolver sua carreira?

Thomé Viana: Através de Shows.

13) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento da sua carreira?

Thomé Viana: Não tenho do que reclamar sobre a Internet, pois é mais uma ferramenta de utilidade que me dar o poder de ajudar alavancar o meu trabalho.

14) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira dentro e fora do palco?

Thomé Viana: A música não pode parar no tempo. No palco sou o artista e fora do palco sou um empreendedor que promove o próprio trabalho com objetivo de adquirir espaço o ano inteiro para trabalhar planejando as ações que venham a fortalecer minha carreira musical.

15) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso a tecnologia  de gravação (home estúdio)?

Thomé Viana: Antigamente tudo era mais difícil para se gravar música. Gravar um disco teria que ter muito dinheiro. Hoje a tecnologia está mais avançada existem estúdios de boa qualidade que o músico entra de mãos vazias e sai com suas músicas produzidas com boa qualidade sem gastar muito. É preciso aprimorar mais o conhecimento de mixagem, masterização e timbragem na música reggae.

16) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo. Mas, a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que você faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

Thomé Viana: O motivo mais sério não é gravar e sim combater a pirataria. Todo problema está dentro da pirataria, então não podemos mais acreditar em vendas de CDs. Alternativa é realizar shows e tentar combater a forma que está sendo conduzida no mercado fonográfico com nosso suor.

 17) RM: Como você analisa o cenário reggae brasileiro? Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas duas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Thomé Viana: Para mim reconheço o reggae como é um gênero musical já consistente e estabelecido dentro do mercado nacional. Existiu revelação de novos talentos no mercado brasileiro que não souberam aproveitar a oportunidades. E surgiram alguns talentos de forma passageira que não agregaram valores de união para estabelecer e fortalecer o movimento e mercado reggae no país. Eu acredito que haverá um momento que os grandes empresários irão pensar diferente e começar a promover talentos e Festivais de Música com propósito de valorizar a música reggae sem focar investir só em artistas estrangeiros esquecendo que no Brasil existem artistas de qualidade que deveriam ser apreciados e valorizados.

18) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Thomé Viana: Para mim está tudo indo bem, graças a Deus.

19) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Thomé Viana: Ter muito amor, carinho, dedicação, profissionalismo, honestidade, respeito e responsabilidade no que faz.

20) RM: Como você analisa a relação que se faz do reggae com o uso da maconha?

Thomé Viana: A Maconha está vinculada não só dentro do movimento reggae e sim no meio profissional não só cultural e sim Social em todo canto do planeta em  toda diversidade sem distinção de Ritmos ou seja  seguimentos em direcionado a qualquer meio social.

21) RM: Como você analisa a relação que se faz do reggae com a religião Rastafari?

Thomé Viana: Uma Filosofia de vida para quem é adepto.

22) RM: Você usa os cabelos dreadlock. Você é adepto a religião Rastafari?

Thomé Viana: Uso o Dreadlock, mas não sou adepto a religião Rastafári.

23) RM: Os adeptos a religião Rastafari afirmam que só eles fazem o reggae verdadeiro. Como você analisa essa afirmação?

Thomé Viana: Cada um tem a sua própria opinião sobre a cena reggae.

24) RM: Na sua opinião porque o reggae no Brasil não tem o mesmo prestigio que tem na Europa, nos EUA e no exterior em geral?

Thomé Viana: Os grandes empresários não enxergam o a música Reggae como um produto cultural de grande valor. Eles apenas utilizam o produto como uma forma de se beneficiar financeiramente promovendo os seus grandes festivais. Esses empresários não tem nenhum conhecimento sobre a música reggae. Eles acham que o reggae é apenas uma cultura de modismo e passageira. Usam do oportunismo para se beneficiar financeiramente em algumas ocasiões.

25) RM: Quais os seus projetos futuros?

Thomé Viana: Conduzir a minha música sempre de forma valorizada perante o público. E ver todos aqueles artistas que contribuem com a música reggae conquistarem o seu espaço de forma honesta e serem reconhecido com um artista de grande valor.

26) RM: Quais os seus contatos para show e para os fãs?

Thomé Viana: [email protected] | https://www.facebook.com/thomevianna.vianna

[email protected] l (71) 99129 – 7329 | 98555 – 9212

Links:

http://www.youtube.com/watch?v=HD3fcrEQ3EQ

http://www.vagalume.com.br/thome-vianna/

http://palcomp3.com/thomeviannabandaragga/

http://letras.mus.br/thome-vianna/

http://musica.com.br/artistas/thome-vianna.html

http://www.garagemmp3.com.br/thome-vianna-banda-ragga

http://www.aldeianago.com.br/musica/eventdetail/41099/39/thome-vianna-a-banda-ragga-convidados

http://www.myspace.com/thomeviannaebandaragga

http://www.musicasgratisparaouvir.com/baixar-e-ouvir-thome-vianna-banda-ragga.html

http://letraclub.com/thome-vianna/videos/


  •  
  • 14
  •  
  •  
  •  
    14
    Shares
Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor Responsável pela revista Ritmo Melodia desde 2001, músico, letrista e poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, sempre se preocupou em divulgar a música (popular, regional, instrumental e erudita) com entrevistas e artigos sobre os músicos e artistas brasileiros.