Seu Mathias e Panela Zen

Seu Mathias e Panela Zen 1 Entrevista - Música - Revista Ritmo Melodia
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Tempo de Leitura: 6 minutos

O cantor, músico, escritor, compositor carioca Seu Mathias desde os anos oitenta atua no cenário musical e foi um dos precursores do movimento reggae em Belford Roxo – RJ em que fez parte da banda KMD5 com os músicos: Dida Nascimento, Marrone Recaregue, Nana Amâncio e Lauro Farias (baixista da banda O Rappa).

Seu Mathias de lá pra cá nunca mais parou tendo feito parte de outras bandas como: Negrotu, 5 Kilates (um CD gravado pela gravadora play arte), banda Maria Preta (um CD gravado pela gravadora sun record ) e fez parte da banda Sangue Rasta em que ajudou a produzir um CD. Após a sua trajetória por essas bandas, Seu Mathias já tocou ao lado de artistas como: Ras Bernardo (primeiro vocalista da Cidade Negra e autor de vários sucessos da banda), Serginho Meriti, Paulo Da Ghama (ex-guitarrista da Cidade Negra e autor de vários sucessos da banda), Pablo Mooses (cantor jamaicano em sua turnê pelo Brasil), entre outros… Após sua saída dessas bandas, Seu Mathias fez um apanhado de tudo que já havia feito em termos de música até o momento e lança o seu primeiro CD baseado nas suas experiências passadas. Neste CD – “Seu Mathias e Panela Zen”, ele desenvolve um trabalho eclético em que passeia por vários ritmos: Blues, Forró, Xaxado, Jazz, Reggae, entre outros. Traz a influência de artistas como: Gilberto Gil, Chico Buarque, Djavan, Carlos Santana, Bob Marley, The Police entre outros. Sem espaço na grande mídia para divulgar o seu CD apostar nas redes sociais. Ele vende o seu CD e de forma singular posta pela internet à foto com a pessoa que comprou. Ele ainda grava vídeo com quem adquire o seu CD como forma de agradecimento.

Seu Mathias além de estar trabalhando no lançamento do seu CD, encontrou tempo para escrever dois livros: “A carta” em que lançou em formato e-book pela cia do ebook no ano passado e outro que está sendo escrito “Enxergando através da escuridão”, em que pretende lançar em 2019.

Seu Mathias procura levar a sua arte aonde for possível alcançar as pessoas. Além da música, ele trabalha como animador cultural pelo governo do Estado do Rio de Janeiro desde 1994.

Segue abaixo entrevista exclusiva com Seu Mathias para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistado por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 07.10.2019:

01) RitmoMelodia: Qual sua data de nascimento e sua cidade natal?

Seu Mathias: Nasci no dia 31 de janeiro de 1961, Rio de Janeiro – RJ e criado em Belford Roxo – RJ. E fui registrado como João Mathias Rocha.

02) RM: Conte como foi o seu primeiro contato com a música.

Seu Mathias: Meu primeiro contato com a música foi ouvindo minha mãe (Maria José Francisca Rocha) cantar.

03) RM: Qual sua formação musical e acadêmica fora música?

Seu Mathias: Sou autodidata, porém estudei na Escola de Música Villa-Lobos, fora a música sou professor e escritor.

04) RM: Quais suas influências musicais no passado e no presente? Quais deixaram de ter importância?

Seu Mathias: Minhas influências musicais vem do Soul music em que curtia muito James Brown e logo depois descobri o reggae, porém aprendi muito com os ritmos brasileiros. E até hoje todas tem importância no trabalho que faço.

05) RM: Quando, como e onde  você começou sua carreira profissional?

Seu Mathias: Comecei minha carreira em Belford Roxo nos idos dos anos oitenta quando formei minha primeira Banda.

06) RM: Quantos discos lançados?

Seu Mathias: Lancei um CD com a banda “5 Kilates” e outro com a banda “Maria Preta”, com os músicos: Mauro Rincón, Santo, Nalton Ferreira, Márcio K e Ferrinho. E lancei em 2019 o CD – “Seu Mathias e Panela Zen”.

07) RM: Como você define seu estilo musical dentro da cena reggae?

Seu Mathias: Já fiz parte de bandas de reggae, porém hoje em meu trabalho solo Fuji um pouco do estilo, mas em breve lançarei um trabalho dirigido só para o reggae.

08) RM: Como você se define como cantor/intérprete?

Seu Mathias: Defino-me como intérprete de minhas próprias composições.

09) RM: Quais os cantores e cantoras que você admira?

Seu Mathias: Elis Regina, Elza Soares, Nelson Gonçalves, Ney Matogrosso, Djavan, entre outros.

10) RM: Quem são seus parceiros musicais?

Seu Mathias: Geralmente componho sozinho, poucas músicas tenho parceria com outros músicos.

11) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Seu Mathias: O bom de ser independente é que faço o que realmente tem haver comigo e minhas raízes, já quando estamos atrelados a alguma gravadora estamos sujeitos a algumas imposições que nem sempre vão de encontro ao que queremos.

12) RM: Quais as ações empreendedoras que você pratica para desenvolver sua carreira?

Seu Mathias: Trabalho muito com o relacionamento através das redes sociais e meto a mão no bolso para gravar minhas músicas (risos).

13) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento da sua carreira?

Seu Mathias: Sabendo usar tem mais a ajudar do que prejudicar.

14) RM: Como você analisa o cenário reggae brasileiro? Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas duas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Seu Mathias: Acho que o cenário reggae ainda deixa um pouco a desejar devido a falta dele apoio no que diz respeito a divulgação, porém como o reggae é música de resistência sempre estará em evidência. Tem duas bandas que se destacaram bastante nos últimos tempos, Natiruts e Ponto de equilíbrio. Regressão eu não vejo nenhuma.

15) RM: Como você analisa o cenário musical brasileiro? Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas duas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Seu Mathias: Acho que o atual cenário da música popular brasileira está muito restrito ao ritmo Sertanejo e ao Pagode, porém com as redes sociais as pessoas podem fugir do que apresenta a grande mídia; que na maioria das vezes funciona a base do “Jabá” e pesquisar outros ritmos musicais e artistas. Têm muita coisa boa que a grande mídia não mostra. E os músicos alternativos estão aí na atividade, basta as pessoas pesquisarem que com certeza irão se identificar com alguma coisa.

15) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso à tecnologia  de gravação (Home Studio)?

Seu Mathias: Só vejo vantagens, pois o custo para gravação de música é mais barato, só que tem que está atento para produzir um bom trabalho.

16) RM: Quais os músicos já conhecidos do público que você tem como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

Seu Mathias: Gilberto Gil, Caetano Veloso, Paralamas do Sucesso, etc…

17) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical?

Seu Mathias: Já fui fazer um show em que o transporte para nos levar era um caminhão de lixo (risos).

18) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Seu Mathias: Feliz é quando as pessoas reconhecem o meu trabalho e triste é quando vou fazer um show e as pessoas não respeitam a minha obra.

19) RM: Nos apresente a cena musical na cidade que você mora?

Seu Mathias: A cena musical aqui em Belford Roxo já foi muito melhor que hoje em dia devido a poucos espaços para apresentação.

20) RM: Quais os músicos ou/e bandas que você recomenda ouvir?

Seu Mathias: Acho que cada um tem um gosto musical, então recomendar fica meio complicado.

21) RM: Você acredita que sua música tocará nas rádios sem o jabá?

Seu Mathias: Pode até ser que sim, mas acho muito difícil isso acontecer.

22) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Seu Mathias: Fazer com amor e não desistir nunca.

23) RM: Como você analisa a relação que se faz do reggae com o uso da maconha?

Seu Mathias: Acho ridículo, simplesmente uma coisa não tem nada haver com a outra, coisas da grande mídia.

24) RM: Você usa os cabelos dreadlock. Você é adepto a religião Rastafári?

Seu Mathias: Uso, mas não faço parte de religião nenhuma.

25) RM: Os adeptos a religião Rastafári afirmam que só eles fazem o reggae verdadeiro. Como você analisa essa afirmação?

Seu Mathias: Sem comentários até porque não conheço a fundo a religião.

26) RM: Na sua opinião porque o reggae no Brasil não tem o mesmo prestigio que tem na Europa, nos EUA e no exterior em geral?

Seu Mathias: Brasil é muito feito de modinha criada por grandes empresários e daí massificam e a grande parte da galera vai na onda.

27) RM: Você faz a sua letra em cima de um Riddim já conhecido usando uma linha melódica diferente?

Seu Mathias: Não, geralmente minhas músicas nascem acompanhadas de um violão.

28) RM: Quais os prós e contras de fazer show usando o formato Sound System (base instrumental sem voz)?

Seu Mathias: Meus shows são sempre com bandas, ou violão voz e percussão.

29) RM: Você se apresenta com Banda?

Seu Mathias: Sim, porém em saraus o formato é diferente.

30) RM: Quais os seus projetos futuros?

Seu Mathias: Dar andamento ao lançamento do meu segundo livro e continuar fazendo shows divulgando meu CD.

31) RM: Quais os seus contatos para show e para os fãs?

Seu Mathias: (21) 97667 – 3261 | [email protected]  | e o meu CD está disponível nas plataformas digitais.

Links: CLIPE REGGAE DO VOVÔ (oficial ) – Seu Mathias: https://www.youtube.com/watch?v=f0ZsMsx7ijs | Seu Mathias e Panela Zen: https://www.youtube.com/watch?v=vD3FjPtYKFM | Canal do Seu Mathias e Panela Zen: https://www.youtube.com/channel/UC6G8mJNa_euKp1Ya4BwHFHg

 

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of
Tagged
Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor Responsável pela revista Ritmo Melodia desde 2001, músico, letrista e poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, sempre se preocupou em divulgar a música (popular, regional, instrumental e erudita) com entrevistas e artigos sobre os músicos e artistas brasileiros.