Raphael Arcanjo

raphael arcanjo
Avalie esta Entrevista

O cantor, compositor e pianista paulistano Raphael Arcanjo, apresenta suas composições em álbum revelador, com participação especial da cantora Ná Ozzetti.

O álbum batizado de “In Natura” traz dez faixas inéditas, canções de Arcanjo“In Natura” é um disco que passeia por diferentes influências da música popular, como jazz, presente na música “Fé”, folk na canção “Natureza”, rock’n rol da faixa de abertura “Canção”. Essa diversidade flui de maneira orgânica por todo o disco, inclusive quando escutamos o rit “Onda”, que é uma mistura de rock com xote e reggae music, com a interpretação esplêndida da cantora Ná Ozzetti. Ele como pianista nos remete a uma intensidade criativa, como pode ser ouvido na oitava faixa, “Só”, gravada em um piano de calda Gaveau. Produzido nos últimos três anos pelo seu irmão, André Balboni, a concepção musical e os arranjos do disco foram realizados numa intimidade fraternal. Após um longo processo de desenvolvimento e lapidação, a obra chega ao público madura e com uma sonoridade única. Na simplicidade das composições, a interpretação marcante de Raphael Arcanjo aproxima o ouvinte à essência passional das canções. As vozes foram dinamizadas analogicamente em rolos de fita magnética pelo músico e engenheiro de som Thiago Nassif, em um processo experimental que ressaltou as qualidades da voz do cantor.

A arte do CD traz retratos do artista feitos pela fotógrafa Caroline Bittencourt, em São Paulo, no Parque da Luz, em meio à natureza urbana. O titulo do álbum “In Natura” nos remete a um conceito estético que dialoga diretamente com a vivência do artista na natureza, o qual transita por paisagens urbanas e rurais, trazendo no interior de suas músicas o improviso e a simplicidade da instrumentação, além de assuntos que revelam manifestações do universo natural. Ao contrário do que poderia se supor desse título, associando-o a uma intenção bucólica, “In Natura” é vivaz e promete uma exaltação intensa àqueles que a ele se entregar. Outro aspecto relevante que faz parte desse contato de Raphael com a natureza é a venda dos CDs que será convertida em preservação e reflorestamento ambiental no sítio UOAEI em São Miguel Arcanjo – SP, sendo um dos artistas pioneiros nessa abordagem espiritual e ecológica.

Segue abaixo entrevista exclusiva de Raphael Arcanjo para a  www.ritmomelodia.mus.br, entrevistado por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 01 de Abril de 2014:

01) RitmoMelodia: Qual a sua data de nascimento e a sua cidade natal?

Raphael Arcanjo: Nasci no dia 02 de novembro de 1984 em São Paulo-SP.

02) RM: Fale do seu primeiro contato com a música.

Raphael Arcanjo: Na infância com a natureza. No campo e Floresta.

03) RM: Qual a sua formação musical e\ou acadêmica (Teórica)?

Raphael Arcanjo: Estudei canto lírico, piano, teoria da música e cursos de musicoterapia com grandes mestres, grandes aprendizagens, grandes vivências muito transformadoras.

04) RM: Quais as suas influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância?

Raphael Arcanjo: O reggae, rock country, soul, pop, samba, jazz, blues, punk e clássico. Não me importo se não ha alma.

05) RM: Quando, como e onde você começou sua carreira profissional?

Raphael Arcanjo: Pelo reconhecimento do público e da família.

06) RM: Quantos CDs lançados, quais os anos de lançamento (quais os músicos que participaram nas gravações)? Qual o perfil musical de cada CD? E quais as músicas que entraram no gosto do seu público?

Raphael Arcanjo: CD – “Universalia in rebus” foi o primeiro em 2009. É tem a música “rockbossablues” , com um quarteto ao vivo, mas a marchinha é que mais agrada o público: “Nós”. O CD – “In natura” foi o segundo em 2013.

07) RM: Como você define seu estilo musical?

Raphael Arcanjo: Espontâneo e eclético. Não da para definir, não tenho definição!

08) RM: Como é seu processo de compor?

Raphael Arcanjo: É sozinho e na paz após uma intuição. Depois de sofrer uma sensação fortemente verdadeira, eu começo a compôr.

09) RM: Quais são seus principais parceiros musicais?

Raphael Arcanjo: Meu irmão, músico e produtor André Balboni.

10) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Raphael Arcanjo: Não dá dinheiro e fama, que é onde mora o perigo, mas da uma impressão de não profissionalismo que é desanimadora. O bom é ser músico, e só!

11) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira dentro e fora do palco?

Raphael Arcanjo: Sem planos, não há, eles são ilusões. Na última hora nunca funciona.

12) RM: Quais as ações empreendedora que você prática para desenvolver sua carreira?

Raphael Arcanjo: Liga-las ao meio ambiente, a sustentabilidade que esta na moda.

13) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira?

Raphael Arcanjo: Não prejudica e não ajuda muito porque eu não me plugo muito nisso. Mas acredito que poderá ajudar muito no futuro.

14) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso a tecnologia de gravação (home Studio)?

Raphael Arcanjo: Pouca, quando se é bom manda a raça.

15) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente a carreira musical. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo. Mas, a concorrência de mercado se tornou o grande desafio. O que você faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

Raphael Arcanjo: Nada. Sou eu mesmo, o mercado é uma desigualdade só. Vale a dignidade e honestidade que só o tempo pode dar.

16) RM: Como você analisar o cenário musical brasileiro.Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas duas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Raphael Arcanjo: Eu não acredito em cenário, nem em revelações. Nós somos um só, cada qual é a expressão única de um cenário e de uma revelação. Eu admiro Gilberto Gil e Caetano Veloso. Que é quem, eu conheço mais. E regredir não nos importa, importa ao retardado.

17) RM: Quais os músicos já conhecidos do público que você tem como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

Raphael Arcanjo: Gilberto Gil e Caetano Veloso.

18) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical?

Raphael Arcanjo: Ver figuras de peso no lançamento do meu primeiro disco. Foi uma grande surpresa!

19) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Raphael Arcanjo: Só alegria. E tristeza não tem lugar na carreira, só na vida privada. A carreira é pública, de todos e total, só coisa boa!

20) RM: Nos apresente a cena musical da cidade que você mora?

Raphael Arcanjo: Falida, não existe nada musicalmente em São Miguel Arcanjo-SP.

21) RM: Quais os músicos, bandas da cidade que você mora você indica como uma boa opção?

Raphael Arcanjo: Nada, até eu não tenho feito nada por aqui.

22) RM: Você acredita que sem o pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

Raphael Arcanjo: Sim, claro!

23) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Raphael Arcanjo: Acredite e pronto!

24) RM: Quais os seus projetos futuros?

Raphael Arcanjo: Plantar muitas árvores e produzir comida saudável.

25) RM: Quais seus contatos para show e para os fãs?

Raphael Arcanjo:  www.facebook.com/raphael.arcanjo.96  | [email protected]

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor Responsável pela revista Ritmo Melodia desde 2001, músico, letrista e poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, sempre se preocupou em divulgar a música (popular, regional, instrumental e erudita) com entrevistas e artigos sobre os músicos e artistas brasileiros.