Quinteto Violado

Quinteto Violado 1 Entrevista - Música - Revista Ritmo Melodia
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Tempo de Leitura: 9 minutos

O Quinteto Violado surgido em Pernambuco-PE no momento pós-tropicalista em 1971. E focou seu trabalho na música regional, valorizando a cultura brasileira através de trabalhos de pesquisa e agregando as experiências pessoais dos seus integrantes.

Até hoje a sua identidade sonora – construída a partir do contrabaixo, violão, viola, flautas, teclados, percussão e vozes – conquistam cada vez mais admiradores pelo Brasil e o mundo. O seu estilo FREE Nordestino se caracteriza pelos arranjos com a identidade nordestina e a influencia da música do mundo – A música do Quinteto é orgânica, com personalidade local, mas, quando projetada, tem referências que independem de nacionalidade. É um som universal com fortes influências nordestinas e cosmopolitas na sua harmonia. Algumas poesias ou letras são dos próprios integrantes, mas a maioria é leitura do cancioneiro popular que recebe roupagem nova com arranjos transformadores. As músicas têm um toque de contemporaneidade e improvisos típicos do jazz, passeando do erudito ao mais popular dos estilos.

O primeiro disco do grupo, há 40 anos, plantou uma semente de mudança no modo de sentir e expressar a música do Nordeste do Brasil. Música esta que desbravou novos e amplos horizontes pelo mundo. Europa e África receberam o Quinteto Violado de braços, olhos e ouvidos bem abertos. Portugal, Alemanha, Suíça, França, Iugoslávia, Áustria, Bélgica, Itália, Suriname, África e Síria. Angolanos, moçambicanos e Cabo – verdianos também conheceram esta nova música brasileira, fundamentada na cultura nordestina. E são frequentemente visitados pelo grupo.

O Quinteto Violado conta uma discografia de mais de 43 álbuns, afora compilações e projetos especiais. Em 1997 o grupo criou a Fundação Quinteto Violado, tendo por objetivo “valorizar e estimular o crescimento do homem através da arte, realizando ações socioculturais para melhoria da qualidade de vida e exercício da cidadania”. 

Segue abaixo entrevista exclusiva com o Quinteto Violado para a www.ritmomelodia.mus.br , entrevistado por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa  em 16 de janeiro 2015:

01) Ritmo Melodia: Qual o nome, a data de nascimento e a cidade natal dos membros do Quinteto Violado? 

Quinteto Violado – Dudu Alves – 5/2/1907 – Recife – PE. Ciano Alves – 14/02/1959 – Garanhuns – PE. Marcelo Melo – 12/02/1946 – Campina Grande – PB. Roberto Medeiros – 17/11/1964 – Garanhuns – PE. Sandro Lins – 06/09/1981 – Recife – PE

02) RM: Falem como foi o primeiro contato com a música dos membros do Quinteto Violado.

Dudu Alves: A partir da música instrumental com referências em Egberto Gismonti e Hermeto Pascoal. Marcelo Melo: Através da música instrumental e dos folguedos populares. Roberto Medeiros: Através das bandas marciais do interior de Garanhuns – PE. Ciano Alves: Através das bandas de pífanos. Sandro Lins: Através das bandas de baile e música instrumental.

03-) RM – Qual a formação musical dos membros do Quinteto Violado?

Quinteto Violado – Todos são autodidatas.

04) RM: Quais as influências musicais no passado e no presente. Quais deixaram de ter importância para os membros do Quinteto Violado?

Quinteto Violado: As influências são desde os folguedos até a música do mundo.

05) RM: Quando, como e onde  começou o Quinteto Violado? Quais os instrumentos que tocam cada membro do grupo? Qual a formação atual?

Quinteto Violado: O Quinteto Violado começou em Nova Jerusalém – PE, aonde pela primeira vez se apresentou e lá foi batizado de Quinteto VioladoDudu Alves – Teclado. Marcelo Melo – Violão, Viola e Voz. Roberto Medeiros – Bateria e Voz. Ciano Alves – Flauta. Sandro Lins – Contrabaixo

06) RM: Quantos CDs lançados, quais os anos de lançamento? Qual o perfil musical de cada CD? E quais as músicas que entraram no gosto do público?

Quinteto Violado: Quinteto Violado, em 1972. Coleção Música Popular do Nordeste, (Marcus Pereira) em 1972.

Berra Boi, em 1973. A Feira, em 1974. Folguedo, em 1975. Missa do Vaqueiro, em 1976. Antologia do Baião, em 1977. …Até a Amazônia? Em 1978. Poligamia do Baião, em 1979. O Rei e o Jardineiro (Opereta Infantil), em 1980. Desafio, em 1981. Notícias do Brasil, em 1982. Coisas que o “Lua” Canta, em 1983. Enquanto a Chaleira não Chia, em 1984. O Maior Forró do Mundo, 1985. O Guarani, em 1986. História do Brasil, em 1987. Ilhas de Cabo Verde, em 1989. Kuiré – O Concerto, em 1989. Missa do Vaqueiro (segunda versão), em 1991. Algaroba, em 1993. Retrospectiva em 5 movimentos, em 1994. Criar e Recrear, em 1994. Ópera do Bandoleiro, em 1994. Vanja Orico & Quinteto Violado, em 1994. 25 anos não são 25 dias, em 1996. Quinteto Canta Vandré, em 1997. Farinha do Mesmo Saco, em 1999. Forrozada, em 2001. Visão Futurística do Passado, em 2001. Retirantes de Sanfonas e Violados, em 2003. 100 Anos Depois… É Frevo no PE, em 2008. Quinto Elemento, em 2008. Quinteto canta Adoniran Barbosa & Jackson do Pandeiro, em 2010. Quinteto Violado canta Gonzagão – em 2013. Eu Disse Freeevo! – em 2014. DVDs: 5 Peba na Pimenta, em 2005. Uma Canção que virou Concerto – com Orquestra Sinfônica Jovem de PE, em 2008. 40 anos Quinteto Violado – em 2011. Quinteto Violado canta Gonzagão – em 2013. INTERNACIONAIS: Asa Branca, em 1974 – Japão . A Feira, em 1975 – Japão. Missa do Vaqueiro, em 1977 – Espanha. Quinteto Violado in Europe, em 1979 – Alemanha, França, Espanha e Portugal. Kuiré, em 1987 – Alemanha. Ilhas de Cabo Verde, em 1989 – Cabo Verde. Brésil Sur Scène Nordeste, em 1990 – França. Ópera do Bandoleiro, em 1994 – Portugal. COLETÂNEAS: Milleninum, em 1999. Raízes Nordestinas, em 1999. As 20 preferidas do Quinteto Violado, em 1997. Melhor do Quinteto Violado, em 1993. Prestígio de Quinteto Violado, em 1982. Quinteto Violado in Europe, em 1979. Olha pro céu meu amor, em 2012. PARTICIPAÇÕES: Coleção Música Popular do Nordeste, em 1972. Recirandar, em 1999. Natal em Canto, em 1999. Frevoé, em 1998. Rei Volta pra Casa, em 1998. Dominguinhos e Convidados 2, em 1997. Ópera do Bandoleiro, em 1994. Vanja Orico, em 1994. João Batista do Vale, em 1994. Viva Gonzagão, em 1994. Trilha Musical da novela Renascer 2, em 1993. Brésil Sur Scène Nordeste, em 1990 – França. Maior Forró do Mundo, em 1986. Zé Marcolino – Sala De Reboco – em 1983. Michiles – Cercas e Quintais, em 1983. Rogério do Maranhão, em 1982. Lavilliers – O Gringo, em 1980. Frevo ao Vivo, em 1974. Jair Rodrigues “… Abra Um Sorriso Novamente…”, em 1974. Gerlane Lopes, em 2008. Marciel Melo, em 2011. Banda Cervac – força especial, em 2011. Missa do Vaqueiro – em 2013. Sérgio Ramos – em 2014.  – em 2014. INFANTIS: Rei e o Jardineiro, em 1981. Criar e Recrear, em 1994. TRILHAS: Abertura do GLOBO ECOLOGIA.Filme Corisco e Dadá

07) RM: Como vocês definem o estilo musical do Quinteto Violado?

Quinteto Violado: FREE Nordestino: ESTILO – Se caracteriza pelos arranjos com a identidade nordestina e a influencia da música do mundo. GÊNERO – independente da letra, melodia e dos instrumentos utilizados, o FREE Nordestino privilegia a identidade nordestina com influencia da música do mundo. RITMO – Permite a utilização de todos os ritmos, tendo como diferencial a colocação de elementos que remetem à cultura nordestina.

08) RM: Como é o processo de compor dos membros do Quinteto Violado?

Quinteto Violado: Cada um traz uma ideia inicial e em grupo montamos os arranjos inserindo as nossas influências musicais.

09) RM: Quais são seus principais parceiros de composição?

Quinteto Violado: Entre eles estão Dominguinhos, Maciel Melo, Aldir Blanc, etc.

10) RM: Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

Quinteto Violado: A parte boa é tocar a música que gosta, e o lado mais complicado é colocá-la na mídia. As gravadoras tem mais facilidade de colocar na mídia.

11) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira dentro e fora do palco?

Quinteto Violado: Todo ano fazemos duas reuniões de planejamento estratégico na empresa e traçamos metas a curto e longo prazo, buscando sempre corrigir os erros e fortalecendo os acertos.

12) RM: Quais as ações empreendedoras que vocês praticam para desenvolver a carreira musical?

Quinteto Violado: A criatividade.

13) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento a sua carreira musical?

Quinteto Violado: Acredito que a internet só ajuda principalmente no contato direto com o fã.

14) RM: Quais as vantagens e desvantagens do acesso a tecnologia  de gravação no home estúdio?

Quinteto Violado: A gente não pratica gravação em home estúdio, prefiro manter o padrão no estúdio que sempre gravamos que é o Carranca, em Pernambuco – PE.

15) RM: No passado a grande dificuldade era gravar um disco e desenvolver evolutivamente uma carreira musical. Hoje gravar um disco não é mais o grande obstáculo, mas, a concorrência se tornou o grande desafio. O que você faz efetivamente para se diferenciar dentro do seu nicho musical?

Quinteto Violado: No Quinteto Violado a grande diferença está nos arranjos que fazemos para as músicas que interpretamos, e isso faz o nosso diferencial.

16) RM: Como você analisa o cenário musical brasileiro. Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas duas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Quinteto Violado: Gostamos muito do trabalho de Lenine, Mônica Salmasso, Zeca Baleiro e tantos que estão sempre se renovando, mas sem perder sua essência.

17) RM: Quais os músicos já conhecidos do público que você tem como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

Quinteto Violado: Gostamos muito do profissionalismo de Marisa Monte. Ela é um exemplo de artista que vive da sua arte sem depender de governo, apenas do seu público.

18) RM: Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical (falta de condição técnica para show, brigas, gafes, show em ambiente ou público tosco, cantar e não receber, ser cantado e etc)?

Quinteto Violado: Todas essas que você citou acima, acontecem. O que faz a diferença é como o artista reage a cada situação para aprender e crescer com o fato.

19) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

Quinteto Violado: A carreira musical só nos deixa feliz. É a realização de fazer o que gostamos e poder viver de música. É estar perto de Deus quando podemos tocar nossa música.

20) RM: Nos apresente a cena musical da cidade que você mora?

Quinteto Violado: Caetano Veloso falou uma vez que Recife – PE é a capital cultural do Brasil. Talvez tenha dito isto por causa da variedade impressionante que temos de artistas cada qual em seu estilo. Hoje acho que o forró pé de serra e o frevo tem começado a ganhar uma presença marcante a nível nacional no país.

21) RM: Quais os músicos, bandas da cidade que você mora, que você indica como uma boa opção?

Quinteto Violado: Artistas como Spok no frevo e Santanna no forró, são os destaques da nossa cultura Pernambucana.

22) RM: Vocês acreditam que sem o pagamento do jabá as suas músicas tocarão nas rádios?

Quinteto Violado: Tocar nas rádios não é nossa preocupação, acho que nosso público sabe onde nos encontrar pela internet.

23) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Quinteto Violado: Goste do que faz e tenha sempre a criatividade como ponto principal para manter viva a sua carreira.

24) RM: Quais prêmios que o Quinteto Violado já ganhou e Excursões ao Exterior e Projetos Especiais?

Quinteto Violado: PRÊMIOS: 1973 – Berra Boi – Melhor Show do Ano pela Revista Veja. 1974 – Troféu Noel Rosa – Melhor Conjunto Instrumental do Brasil, pela Associação de Críticos de Arte de São Paulo. 1980 – Prêmio de Melhor Arranjo para a música Rio Capibaribe (Toinho Alves – João de Jesus Paes Loureiro) no MPB Shell-80, festival de música popular da Rede Globo. 1982 – Prêmio Disco Visão – Associação Brasileira de Produtores Fonográficos. 1991 – Medalha de Mérito da Fundação Joaquim Nabuco. 1992 – Prêmio Sharp na categoria Melhor Grupo Regional, com o CD Missa do Vaqueiro. 1993 – Título de ‘Melhor do Ano’, pela Rádio Clube de Pernambuco. 1996 – Prêmio Sharp – Melhor Grupo Regional, com o CD 25 Anos não são 25 Dias. 1997 – Medalha do Mérito José Mariano, concedida pela Câmara Municipal do Recife. 1997 – Título de ‘Memória Viva do Recife’, concedido pelo Museu da Cidade do Recife. 1998 – Troféu Cultural Cidade do Recife. 2003 – Homenagem, Escola Polichinelo. 2007 – Homenagem da Sociedade Teatral Fazenda Nova. 2008 – Troféu “Acorde Brasileiro”, SESC RS. 2009 – Troféu “Anum de Ouro”, concedido pela Prefeitura de Garanhuns. 2010 – Troféu “O melhor de Pernambuco”, concedido pela ACINPE. 2010 – Prêmio da Música Brasileira “Melhor grupo MPB”,cd/Quinto Elemento. Indicação. 2011 – Troféu “PE que dá certo”, concedido pelo Diário de Pernambuco. 2011 – Homenagem da Prefeitura do Recife no São João. 2011 – Prêmio da Música Brasileira “Melhor Grupo Regional”, cd – Quinteto Violado canta Adoniram Barbosa & Jackson Brasileiro. 2011 – Ordem do Mérito Cultural – Ministério da Cultura, MINC. 2011 – Troféu “Melhor da Música de Pernambuco”, concedido pela ACINPE. 2011 – Medalha – “Academia Pernambucana”. 2012 – Prêmio da Música Brasileira, indicação a “Melhor Grupo Regional”, DVD 40 anos. 2012 – Certificado Empresa – OF QUALITY BRAZIL. 2013 – Certificado Empresa – OF QUALITY BRAZIL. 2013 – Prêmio da Música de Pernambuco – Melhor Grupo Regional. 2014 – Prêmio da Música de Pernambuco – Melhor DVD/cd Quinteto canta Gonzagão. 2014 – Prêmio da Música Brasileira – Melhor Grupo Regional – DVD/cd Quinteto canta Gonzagão. Excursões ao Exterior: 1975 – MIDEN – Cannes/França. 1976 – CONGRESSO INTERNACIONAL DE AGENTES DE VIAGENS & FESTIVAL INTERNACIONAL DO FOLCLORE – Trujillo e Lima/Peru. 1979, 1986, 1989, 1990 – FESTIVAL HORIZONTES (Berlim), SEMANA IBERO-AMERICANA (Hamburgo), uma grande turnê por vinte cidades alemãs para o lançamento do disco Kuiré (estendendo-se até a Áustria), e em 1990, durante uma excursão por seis países da Europa. 1980 – PROJETO KALUNGA – Luanda/Angola. 1988/1989 – EXPO BRASIL-CABO VERDE – Ilhas de Cabo Verde/África. 1994 e 1999 – PROJETO CUMPLICIDADES, V FESTIVAL DE SONS E SABORES DO MUNDO, SEMANA DE PERNAMBUCO – 14 cidades Portuguesas/Portugal. 2006 – Suriname. 2007 – Damasco/Síria. 2008 – Galícia e Portugal. PROJETOS ESPECIAIS: 1979 – Projeto – Poupança Banorte. 1993 – Projeto – Viva Nota, Governo de Pernambuco. 1995 – Circuito Universitário CAIXA. 2005 – Projeto “Chinelada”. 2009 – Circuito Multicultural. 2010 – Circuito Multicultural. 2011 – ExpoQV40 anos – “Lá vem os Violados…!” – Centro Cultural dos Correios. 2011 – Quinteto Violado 40 anos – Centro Cultural dos Correios. 2011 – ExpoQV40anos – “Lá vem os Violados! – Instituto Ricardo Brennand. 2012 – ExpoQV40anos – “Lá vem os Violados! – Rio de Janeiro – Curitiba – Brasília –  Belo Horizonte – São Paulo – Centro Cultural dos Correios. 2012 – CERVAC – Instituto que atende a pessoas “especiais”, Direção geralda gravação do Cd da Banda Cervac; doação de produtos QV e doação de uma Bateria Odery. 2012 – QUINTETO VIOLADO CONCERTO AULA – Centro Cultural dos Correios. 2014 – QUINTETO VIOLADO CONCERTO AULA – Centro Cultural dos Correios. 2014 – QUINTETO VIOLADO CONCERTO AULA – Centro CAIXA cultural. 2015 – QUINTETO VIOLADO – Quinteto Violado Canta DOMINGUINHOS. PROJETOS DA FUNDAÇÃO QUINTETO VIOLADO. Cidadão da Arte – capacitação de jovens na faixa de 18 a 25 anos de idade nas áreas de técnico de som, técnico de luz, assistente de palco, montagem de palco, música, dança, teatro, figurino e cenário. Registro de Ícones Culturais – pesquisa e registra atividades culturais nas regiões do Brasil que tem representações de valores culturais sendo arquivadas em DVD ou CD. Este projeto recebeu o prêmio de CULTURA VIVA do Ministério da Cultura.

25) RM: Quais os seus projetos futuros?

Quinteto Violado: No segundo semestre de 2014 vamos a Coreia fazer uma tour internacional, também vamos realizar o projeto CONCERTOS AULA, faremos shows para o publico em geral. Para 2015 faremos um circuito do show QUINTETO VIOLADO CANTA DOMINGUINHOS por todo Brasil, passando por 12 estados. Em 2016 lançaremos o LP, CD e DVD – Quinteto Violado FREE Nordetino, com músicas novas.

25) RM: Quais os contatos para show e para os fãs?

Quinteto Violado: www.quintetoviolado.com.br | [email protected] | (81) 3241 – 2132 | (81) 9452 – 0903 – Dudu Alves | [email protected]

Link: DVD – Quinteto Violado em Homenagem ao Luiz Gonzaga

http://www.youtube.com/watch?v=jcVMmbNOCWk

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor Responsável pela revista Ritmo Melodia desde 2001, músico, letrista e poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, sempre se preocupou em divulgar a música (popular, regional, instrumental e erudita) com entrevistas e artigos sobre os músicos e artistas brasileiros.