Marilia Abduani

  • 117
    Shares
Marilia Abduani
5 (100%) 1 voto



Marilia Abduani o que mais gosta de fazer é escrever, brincar com as palavras e soltá-las ao vento.

Através dos seus poemas ela chega até o coração das pessoas. A sua poesia conta coisas do cotidiano, da natureza, e dos sentimentos: amor, saudade, esperanças, desejos, medos, ansiedades e tantos outros. Ela acredita que a arte é o alimento diário da alma, do espírito. Por termos a necessidade de ouvir uma música, ler um poema, ir a um teatro. É como respirar. Desde muito cedo foi despertada para a música através do seu pai. Cresceu em meio a cantorias, violões, e outros diversos instrumentos musicais. A sua casa sempre estava cheia. A sua inclinação poética surgiu no primário. Ela sempre gostou de ouvir histórias, de ler, declamar, fazer caderninhos de recordação, diários. Na década de oitenta publicou o livro de poemas “PELO ESTREITO CORREDOR DO TEMPO”. Em 2013 publicou “O BEIJO DA LUA”. Em novembro de 2014 publicou “NAS ASAS DO VENTO”.

Na cidade de Ponte Nova (MG) cursou Letras e suas Literaturas. Lecionou até 2011. Ao longo da vida participou de diversos Festivais de Música em diversas cidades com músicas de sua autoria. Escrevia para uma coluna no jornal Folha de Ponte Nova, em que participava escrevendo poemas, textos e notícias. Seus poemas foram publicados no Jornal da Tijuca (Rio de Janeiro). Em 2011, foi premiada pela vida: O Marcus Viana, monstro sagrado da nossa música, musicou alguns poemas seus. Ela é imensamente grata a ele pela generosidade e carinho. Uma das canções, “Ponte”, fez parte da trilha sonora da novela global “FLOR DO CARIBE”, na voz de Paula Fernandes.Ela tem mais de 500 composições em parceria com diversos compositores.

Em 2013, “Primeiro de Abril”, música dela e do Zebeto Corrêa, venceu o Festival Edésio da Canção, em Juazeiro (BA), interpretada pela cantora Fabiana Santiago. Em 2014, ficaram em segundo lugar, com a música “Quadrante”.

Segue abaixo entrevista exclusiva com Marília Abduani para a www.ritmomelodia.mus.br, entrevistada por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em

01) Ritmo Melodia: Qual a sua data de nascimento e sua cidade natal?

Marília Abduani: Eu nasci em Piedade de Ponte Nova, MG, no dia 08 de novembro de 1958.

02) RM: Quais as suas preferências musicais? Quais deixaram de ter importância?

Marília Abduani: Tenho uma relação muito forte com a música desde muito nova. Gosto de MPB, rock, forró, samba.

03) RM: Qual a sua formação acadêmica?

Marília Abduani: Sou Professora de Português e Literatura, curso superior completo.

04) RM: Como e quando você começou a sua atividade de letrista em parceria com compositores? Quais são os seus parceiros musicais?

Marília Abduani: Eu cresci em um ambiente altamente musical. Meu pai tocava violão, sanfona, cavaquinho. A minha casa sempre cheia de músicos. Comecei a compor aos 16 anos, participei de diversos festivais de música da região. A internet me permitiu a interação com músicos fantásticos e iniciaram-se as parcerias. Em 2011 eu tive a honra de ver poemas meus musicados pelo mestre Marcus Viana. Continuei postando poemas que foram bordados musicalmente por: Lima Júnior, Hermambrix, Pádua Cantador, Irineu de Palmira, Zé Luiz Rodovalho, Lula Barbosa, Zé Alexandre, Babal Galvão, Zebeto Corrêa, Tavinho Limma, João Araújo, Hardy Guedes, Felipe Bedetti, Thereza Tinoco, Murilo Altafine, Rogério Joe, Davi Primavera, Fernanda Sales, Marcos Catarina, Patrick Monnerat, Jorge Bodhar, Luiz César Delfino, Amauri Garcia, Luiz Augusto, André Maria, Manoel Boca, Walter Martins, Diorgem Jr, Jacareh, Tom de Minas, Bilora Violeiro, Zé Miguel, Henrique Dias, Pedro Hoisel, Josué Paglioto, Zé Maria Starling, Paulinho Ferreira, Samuel Gustinelli, Ânderson Teixeira, Luiz Bira, Dery Nascimento, Claudio Chaves, Mauricio Santini, Antônio Carlos Santini, Thales Martinez, Jader Moreira, Washington Lasmar, Ladston Nascimento, Joel Gomes.

05) RM: Você escolhe sistematicamente quem será o seu parceiro musical ou deixa acontecer espontaneamente?

Marília Abduani: Deixo acontecer. Às vezes posto poemas em redes sociais, ás vezes envio por Messenger, e-mail.

06) RM: No processo da parceria na criação da canção, você envia a letra/poema para o compositor para ele colocar a melodia? Você coloca letra em melodia que o compositor envia para você?

Marília Abduani: Normalmente, eu envio a letra para ser musicada. Raras vezes eu coloco letras em melodias prontas.

07) RM: Você permite o compositor alterar a sua letra?

Marília Abduani: Com certeza. O parceiro tem autonomia para alterar a letra, caso necessário para a canção fique boa. É preciso haver uma sintonia para que o trabalho seja realizado com êxito.

08) RM: Cite as principais canções que você é autora da letra e quem já gravou?

Marília Abduani: Paula Fernandes gravou “Ponte”, minha em parceria com Marcus Viana, para a Novela Global “Flor do Caribe”. Mayara Fernandes gravou “Berço e Jardim”, minha e do Marcus Viana. Vitor Monnerat e Sandro Dornelas gravou “Revoada” e “Flor da Agonia”, minha e do Marcus Viana, Marcus Catarina, gravou uma nossa “Saúde e Sorte”, Tom de Minas gravou uma nossa “Voragem”, Pádua Cantador, gravou uma nossa “Canto de Fado”. No primeiro CD de Felipe Bedetti, gravou seis parcerias nossas: “Interior”, Ilha e mar”, “Alma”, “Bons Tempos”, “Encantamento”, “Infância”. No CD – “Minas de Minas” de Vivian Peloso (Vocal), Daiana Mazza, Mary Tiso (Teclado) gravaram “Antes que seja tarde”, minha em parceria com Marcus Viana.

09) RM: Hoje ainda existe espaço e ouvinte para música com letra que se sustenta como um poema/poesia?

Marília Abduani: Claro que sim. Os tempos mudaram, é fato, mas ainda existem muitos que se preocupam com o conteúdo, com a musicalidade, com a verdadeira função de uma letra que é transmitir emoções, sentimentos, paz, alegria e liberdade.

10) RM: Na Rádio e na TV o autor da música quase não é informado. Quem canta passa a ser “autor” da canção. Esse fato te incomoda?

Marília Abduani: Às vezes, sim. Músicas são como filhos (risos). Todos nós somos um pouco vaidosos, em relação à criação.

11) RM: Você tem músicas que tocaram e tocam em Rádio, TV e em casa de show? O direito autoral é pago corretamente?

Marília Abduani: Eu recebo por três músicas apenas, mensalmente, uma pequena quantia.

12) RM: É possível sobreviver exclusivamente de direito autoral de suas músicas?

Marília Abduani: Acredito que só quem possui infinidades de musicas gravadas comercialmente.

13) RM: Depois que você teve letras de canções que se tornaram conhecidas, aumentou a procura de compositores em busca de parceria?

Marília Abduani: Eu agradeço imensamente ao mestre Marcus Viana pelas parcerias. Ele foi de uma generosidade indizível. Depois dele, eu passei a me empenhar mais, a criar mais e publicar pela internet (facebook) os poemas para serem bordados, como diz o meu parceiro querido, Graco Lima Jr. Os meus parceiros são incríveis, especiais. Sou grata!

14) RM: O que lhe deixa mais feliz e mais triste na função de letrista?

Marília Abduani: Eu fico extremamente feliz quando há o casamento perfeito entre letra e música. Triste, quando me passam uma música e eu sinto dificuldades em colocar letra.

15) RM: Quais as estratégias de planejamento da sua carreira profissional?

Marília Abduani: Eu realmente não planejo.

16) RM: Quais as ações empreendedoras que você pratica para desenvolver a sua carreira?

Marília Abduani: Eu apenas divulgo o meu trabalho em redes sociais.

17) RM: O que a internet ajuda e prejudica no desenvolvimento de sua carreira?

Marília Abduani: Através das redes sociais eu posso postar poemas que, na maioria das vezes, viram músicas. Isso é um presente de Deus.

18) RM: Como você analisa o cenário musical brasileiro. Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas duas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

Marília Abduani: Temos artistas excelentes envolvidos em bons projetos que, muitas vezes, são pouco divulgados. E para que esses artistas continuem nos proporcionando músicas de qualidade, divulgação é fundamental. Eu gosto muito do trabalho do Chico César, Zeca Baleiro, Renato Braz, Lenine, Roberta Sá, Rita Ribeiro e muitos outros.

20) RM: Qual a sua relação pessoal e profissional com Sonekka?

Marília Abduani: Sou fã. Gostaria imensamente de fazer parcerias com ele.

21) RM: Você acredita que as suas músicas tocarão nas rádios sem pagar o jabá?

Marília Abduani: Eu não acredito. Mas ficaria feliz se fossem tocadas sem precisar pagar para serem tocadas.

22) RM: O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

Marília Abduani: Persistência, dedicação, estudo, paciência.

23) RM: Quais os prós e contras de Festival de Música?

Marília Abduani: Nos Festivais de Música há a possibilidade da interação, da troca de experiências musicais. O lado negativo é que quem perde sai um pouco frustrado. E nem todos podem ganhar.

24) RM: Hoje os Festivais de Música ainda têm a importância de revelar talentos?

Marília Abduani: Com certeza. Eu já participei de Festivais de Música e acredito que eles atraem uma vasta gama de talentos. Oferecem espaços onde a diversidade musical é valorizada.

25) RM: Como você analisa a cobertura feita pela grande mídia da cena musical brasileira?

Marília Abduani: A cobertura é ínfima para o tipo de trabalho que eu e os meus parceiros fazemos. MPB. Infelizmente, predomina na grande mídia os sucessos de fácil assimilação pela massa.

26) RM: Bob Dylan ganhou o prêmio Nobel de Literatura em outubro de 2016. Será que este fato anima outros letristas a “sonharem” com prêmios na área de Literatura ou é um fato isolado?

Marília Abduani: Sonhos movem o mundo e todos nós temos. A alma humana é plena de desejos.

27) RM: Nos apresente os livros que você já lançou.

Marília Abduani: São: “Estreito Corredor do Tempo”, “O Beijo da Lua” e “Nas Asas do Vento”. Alguns livros infantis prontos para serem publicados.

28) RM: Qual a sua opinião sobre a função positiva do crítico musical?

Marília Abduani: Acredito que um crítico musical possua uma ampla bagagem musical. É aquele que analisa atentamente a música, a arte, de forma profissional e embasada.

29) RM: Qual sua opinião sobre os livros ou sobre a análise do Luiz Tatit sobre a função da letra na música?

Marília Abduani: A letra da música tem que tocar a alma. Tem que estar em sintonia com a música. Uma sendo o complemento da outra. Quando há um casamento perfeito entre música e letra, a beleza é garantida.

30) RM: Nietzsche comenta que a melodia(música) sem letra perturba a alma. O que você acha dessa afirmação?

Marília Abduani: A letra é a vestimenta da música. Mas algumas que são tão raras, tão harmoniosas que nem precisam de letras.

31) RM: No tempo da Ditadura Militar no Brasil as letras que tinham engajamento político fizeram sucesso. Qual a importância de letras que não tratem do tema Amor?

Marília Abduani: Nós passamos por momentos tão difíceis! As letras que não falam de amor, que são engajadas na política, são gritos de todos nós, que clamamos por justiça, igualdade e paz.

32) RM: Qual a sua opinião sobre “as letras pra acasalamento” que tocam no rádio (FUNK, Sertanejo, Pagode, Forró, etc)?

Marília Abduani: Sei que devemos ser versáteis, mas eu não gosto.

33) RM: Renato Russo comentou que as letras que falam de amor sempre estarão na moda. Qual sua opinião a respeito dessa afirmação?

Marília Abduani: Ah, o amor! O amor une, acaricia, acalma, transborda, escorre feito um rio e só pode fazer bem e azeitar a alma. A linguagem e os sons do amor não saem de moda.

34) RM: Quais os seus projetos futuros?

Marília Abduani: Escrever. Escrever. Escrever. O que virá depois dependerá do dedo de Deus.

35) RM: Quais os seus contatos com o público?

Marília Abduani: [email protected]WWW.mariliaabduani.blogspot.com

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor Responsável pela revista Ritmo Melodia desde 2001, músico, letrista e poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, sempre se preocupou em divulgar a música (popular, regional, instrumental e erudita) com entrevistas e artigos sobre os músicos e artistas brasileiros.