Maga Lieri

maga lieri
Maga Lieri
Avalie esta Entrevista

A cantora, compositora e violonista paulistana Maga Lieri em janeiro de 2011 lançou seu segundo CD – “Bem Acompanhada” com distribuição Tratore/Fonomatic.

Em seu novo trabalho Maga reúne canções próprias, parcerias e a releitura do grande sucesso dos anos 70, como a bela “Pra que vou recordar o que chorei” com a participação especial de seu autor, o ícone da soul music brasileira Carlos DaféMaga traz também a participação do rapper Thaíde na canção “Sotaque Samba Soul”, uma crônica suingada da periferia de São Paulo. E a participação Lino Krizz, revelação da Black brazuca, na romântica “Uma Chance”. Os arranjos inspirados ficam por conta dos maestros Jefferson Caetano e Denys CristianMaga Lieri volta com muita força, balanço e a paixão que é seu cartão de visitas, misturando a MPB com o soul feito por aqui nos anos 70, de onde a cantora traz suas maiores influências (Tim Maia, Dafé, Hyldon, Cassiano, Dom Beto, Jorge Benjor etc).

Seu disco de estréia lançado em 2006 foi festejado pelos críticos musicais Toninho Spessoto (Rádio USP, AllTV e que faleceu em 23/12/2010), Osmar Santos Jr. (Brasil 2000FM) e Beto Feitosa (UOL) por seu jeito suingado de cantar, suas composições e interpretação apaixonada. Iniciou sua carreira como backing vocal de Tom Zé e foi integrante de uma das últimas formações do Secos & Molhados ao lado de João Ricardo, participou do CD comemorativo dos 30 anos da legendária banda Made in Brazil e dividiu o palco com Salloma Salomão (doutor em história afro-brasileira, cantor e compositor). Atualmente apresenta o programa musical Tah Ligado! na AllTV ao lado de Paulo Ragassi, onde pode ser vista todas as sextas-feiras às 15h pelowww.alltv.com.br . Segue abaixo entrevista exclusiva de Maga Lieri para a  em 01/02/2011: 

1) Qual sua data de nascimento e sua cidade natal?

Maga Liere – Sou libriana do dia 20 de outubro e nasci em São Paulo – SP.

2-) RM – Fale do seu primeiro contato com a música?

ML – Cresci numa família musical. Meu pai (Waldomiro) tocou piano por muitos anos, minha irmã (Miriam Moreira) é cantora e toca violão muito bem, além de minhas tias e primas que são instrumentistas e ótimas cantoras. Sempre ouvi muita música em casa por conta das minhas duas irmãs mais velhas (Miriam e Anne Liere). Por causa delas ouvi de tudo e conheço muita coisa da MPB. Aprendi a tocar violão olhando minha irmã Miriam e com 8 anos adorava tocar e cantar músicas de Lupicínio Rodrigues e Maysa.

3-) RM – Qual sua formação musical e acadêmica fora música?

ML – Fiz faculdade de Comunicação Social (Rádio e TV). E mais tarde me formei em Direito. Foram duas tentativas de fugir da música. Puro medo (risos). Hoje, além de cantar, apresento ao lado de Paulo Ragassi, um programa musical chamado Tah Ligado! na AllTV (www.alltv.com.br), todas as sextas às 15h. Lá posso divulgar e conhecer novos artistas. É delicioso.

4-) RM – Quais suas influencias musicais no passado e no presente? Quais deixaram de ter importância?

ML – Comecei ouvindo muita MPB na infância, principalmente Gilberto Gil, Jorge Benjor, Gonzaguinha, Belchior, Rita Lee e os Doces Bárbaros. Amava ouvir rádio, ouvindo conheci Tim Maia, Carlos Dafé, Hyldon e Cassiano, minhas referências até hoje e maiores influências. O primeiro disco que comprei na vida foi do Cassiano com “A lua e eu”. Na adolescência me apaixonei peloClube da Esquina e depois pelo soul gringo de Stevie Wonder, Marvin Gaye, Al Jarreau, Al Green etc. Acho que nada (que é bom) deixa de ter importância. Tudo tem um lugarzinho no meu coração.

5-) RM – Quando, como e onde  você começou sua carreira profissional?

ML – Comecei como backing vocal de Tom Zé. Através de minha prima, a mega cantora e maestrina Regina Machado, fui convidada para a gravação de um disco infantil com canções do Tom Zé. Quando a gravação terminou; ele chamou as duas para banda. Eu só tinha 15 anos e Foi muito bom. Mais tarde fui convidada por João Ricardo para integrar o grupo Secos & Molhados que foi uma experiência maravilhosa na minha vida.

6-) RM – Quantos CDs lançados (quais os músicos que participaram nas gravações)? Qual o perfil musical de cada CD? E quais as músicas que se destacaram em cada CD?

ML – Tenho dois CDs lançados. Os dois têm a produção e os arranjos de Jefferson Caetano e Denys Cristian. É uma parceria que deu certo. Adoro trabalhar com eles. O melhor é que curtem demais meu som, acho isso muito importante pra que tudo role bem.

Lancei em 2006 o meu primeiro CD – Maga Lieri. É um disco sofisticado e elegante. A canção mais querida pelas pessoas é “Só por essa noite” parceria com Jair Caminha. Entrou no disco nos 45’ do segundo tempo. A única em que eu toco violão, do jeito que componho em casa.

Em 2011 lancei o novo CD – Bem Acompanhada. É mais suingado, com mais grooves, mais solto. Com participações mega especiais de Carlos Dafé, Thaíde e Lino Krizz. Artistas de três gerações da música negra brasileira que admiro e respeito muito. Foi uma honra MESMO! A minha maior preocupação é que meu trabalho tenha um clima legal, que deixe as pessoas num estado diferente, de alegria, vontade de viver e se possível. Se apaixonar (risos).

7-) RM – Como você define seu estilo musical?

ML – É uma mistura de MPB com soul. Um jeito mais balançado de fazer músicas de amor.

😎 RM – Como você se define como cantora/interprete?

ML – Sou uma cantora que procura ao máximo ter personalidade própria. Procuro fazer do meu jeito. Também costumo dizer que só sei cantar de verdade, mesmo nos ensaios, eu solto a voz e sinto a canção da mesma maneira. Já parei ensaio pra chorar feito uma louca (risos).

9-) RM – Você estudou técnica vocal?

ML – Estudei técnica por 6 anos com a grandes mestras Nancy Miranda e Cláudia Mocchi. Para gravar tive o auxílio imprescindível da fonoaudióloga Andréa Chacur.

10 -) RM – Quais as cantoras que você admira?

ML – Nana Caymmi, Marina Lima, Maria Bethânia, Jane Duboc, Rosana, Sylvinha Araújo, Clara Nunes, Alcione e muitas outras. E fora do Brasil Anita Baker, Aretha Franklin, Adriana Evans, Joss Stone e Corinne Bailey Rae.

11-) RM – Você compõe? Quem são seus parceiros musicais?

ML – Sim, compor é um momento muito especial pra mim. Meus parceiros letristas são Osmar Santos Jr. e Salloma Salomão, além dos músicos Marcelo Tai, Jair Caminha, Jefferson Caetano e Edu Schultz. Nesse novo trabalho o rapper Thaíde assina uma canção comigo também.

12-) RM – Quais os prós e contras de desenvolver uma carreira musical de forma independente?

ML – O melhor é fazer o que se quer, do jeito que bem entender, sem palpites. O pior é a falta de estrutura na hora da divulgação do trabalho.

13-) RM – Como você analisa o cenário musical brasileiro. Em sua opinião quem foram às revelações musicais nas duas últimas décadas e quem permaneceu com obras consistentes e quem regrediu?

ML – Estamos no meio de uma grande mudança no mercado musical. Além da pirataria, não sabemos mais qual o formato que a música terá nos próximos anos. Alguns acreditam que o CD morreu e que agora o artista venderá apenas a música. Acredito nisso, mas acho que tudo acontece simultaneamente, ou seja, as pessoas compram ou baixam só uma canção, mas também ainda querem ter um contato físico com a música, comprando CDs para conhecerem o trabalho completo do artista. A maior revelação dos últimos anos foi sem dúvida o Lenine. Maravilhoso cantor e compositor. Personalidade musical forte, do jeito que eu gosto. Não sei quem regrediu, mas sempre têm aqueles que são “a bola de vez” por um período e depois somem.

14-) RM – Qual ou quais os músicos já conhecidos do público que você tem como exemplo de profissionalismo e qualidade artística?

ML – Vários, mas gosto do jeito que o Ed Motta conduz sua carreira. Sempre prima pela qualidade, mesmo sem agradar sempre a todos.

15-) RM – Quais as situações mais inusitadas aconteceram na sua carreira musical?

ML – Acho que a situação mais absurda que vivi foi quando fui abrir o show do Carlos Dafé. Iria conhecer o cara na passagem de som e estava muito nervosa, já que ele representa muito pra mim e meu trabalho. Subi no palco pra conhecê-lo, mas tropecei na caixa de retorno e me estatelei no chão. De repente, lá estava o grande Dafé tendo que me socorrer e me livrar daquela situação. O tTeclado voou no chão porque tentei me segurar nele. Foi um show à parte (risos). Estou contando essa história inteira na página do CD – Bem Acompanhada no meuwww.facebook.com.

16-) RM – O que lhe deixa mais feliz e mais triste na carreira musical?

ML – O que me deixa mais feliz é compor, sem dúvida. A convivência com os músicos e público também é demais. O mais triste é não conseguir fazer o trabalho chegar a mais pessoas. Infelizmente, existem poucas rádios especializadas. A boa notícia é que revistas como a Ritmo Melodia, rádios e TVs na Web estão crescendo cada vez mais.

17-) RM – Nos apresente a cena musical na cidade que você mora?

ML – São Paulo tem de tudo. Mas o que vem acontecendo de mais interessante são os projetos de samba pelos bairros da cidade, como por exemplo, o Samba do Monte da comunidade doMonte Azul que pode ser visto no meu clipe, já no site da MTV, da canção Sotaque Samba Soul com a participação especial do  Thaíde.

18-) RM – Quais os músicos ou/e bandas que você recomenda ouvir?

ML – A grande revelação da música Black atual é Lino Krizz, sem dúvida.

19-) RM – Você acredita que sua música vai tocar nas rádios sem o jabá?

ML – As rádios na web estão cada vez mais fortes e costumam tocar bastante as minhas músicas. A rádio USP também me dá muita força. Acredito sim que esse trabalho trará boas surpresas. Tenho a mania de sempre acreditar nas pessoas.

20-) RM – O que você diz para alguém que quer trilhar uma carreira musical?

ML – Estudar música e trabalhar muito. Focar no que se quer e fazer alguma coisa que seja de verdade, com sinceridade e alma. Acho que isso faz a diferença.

21-) RM – Quais os seus projetos futuros?

ML – Quero fazer o show de lançamento do meu novo CD “Bem Acompanhada” em março. Espero fazer muitos shows esse ano. Quero gravar um DVD também…e que mais e mais gente tenha acesso ao meu trabalho. Tudo que um artista quer é ser ouvido, né?

Contatos: [email protected] / www.magalieri.com.br / www.youtube.com/magalieri / www.myspace.com/magalieri / www.programatahligado.wordpress.com / www.alltv.com.br

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor Responsável pela revista Ritmo Melodia desde 2001, músico, letrista e poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, sempre se preocupou em divulgar a música (popular, regional, instrumental e erudita) com entrevistas e artigos sobre os músicos e artistas brasileiros.