Lula Barbosa

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Avalie esta Entrevista

 

O Cantor e compositor paulistano Lula Barbosa traz dentro de si o dom de ser musical. Por conta de sua criatividade acima da média são escolhidos pela divindade do som.

Um aquariano que viveu a experiência dos Festivais de Música, de Estudantil aos grandes Festivais de Música popular brasileira: Festival da TV Globo em 2000 com as músicas: “Mira Ira” e “Brincos”. Que aos poucos estão voltando em algumas cidades do Brasil. Lula ganhou mais um, recentemente em Tatuí – SP. Com mais de 20 anos de carreira e uma discografia não numerosa, mas importante com músicas de qualidade em letra, melodia, arranjos e interpretação. Com uma voz soul, lírica e agradável aos ouvidos mais exigentes. Faz parte do seleto grupo da MPB, mesmo não estando na grande mídia. Cultiva o seu público fiel e conquistando sempre novos ouvidos e corações por onde canta.

Segue entrevista exclusiva com Lula Barbosa para a www.ritmomelodia.mus.br , entrevistado por Antonio Carlos da Fonseca Barbosa em 0.11.2003:

01) RitmoMelodia: Fale do seu primeiro contato com a música. Qual a sua cidade de origem e dia de nascimento?

Lula Barbosa: Venho de uma família musical, pois todo mundo em casa cantava e tocava: Violão, Cavaquinho, Acordeon, Bandolim, Flauta etc. Minha família vem de Mar de Espanha (MG), mas nasci em São Paulo no dia 30.01.1962.

02) RM: Fale da sua formação musical.

Lula Barbosa: Sou músico intuitivo embora tenha estudado com o meu tio um pouco de teoria musical.

03) RM: Fale do seu inicio na carreira musical. Qual era o panorama artístico da época?

Lula Barbosa: Iniciei a minha carreira musical quase sem querer, como disse anteriormente lá em casa sempre teve instrumentos musicais e os meus tios incentivavam a gente a aprender tocar o que quiséssemos, mas não passava pela minha cabeça que esta seria a minha profissão. Mas comecei nos Festivais de Música Estudantis ainda no ginásio e participando até o terceiro ano do Curso de Comunicação Social no Instituto Metodista de Ensino Superior, então decidi cantar a noite e seguir o meu instinto e acreditar na sorte. .

04) RM: Quantos discos lançados? Em que ano, titulo e perfil de cada um?

Lula Barbosa: Em 1981 Lancei um Compacto Duplo independente com as músicas: “Caminhada” (Lula Barbosa \ Wagner Salis), “Noite” (Lula Barbosa), “Nada de viver” (Lula Barbosa), “Dudu Meningite” (Lula Barbosa/Marco Antonio \ Mindú). E teve a participação especial do Miltinho na bateria, Lino Simão no Sax e flauta e Bocato no trombone. Essa foi a minha estréia no disco e fez sucesso tocou no programa do crítico musical e escritor Zuza Homem de Mello na Jovem Pan. O que abriu caminho para meu início de carreira musical. Depois veio outro Compacto Simples em 1984 com duas composições minha: “Pra ver nascer o sol” e “Felina”. Com produção de Reinaldo Barriga e Arranjos de Nico Rezende e participação especial de Torquato Mariano na guitarra. Em 1986 depois de vencer o Festival dos Festivais com “Mira Ira” em segundo lugar fui contratado pela gravadora CBS e lancei o meu primeiro Long Play – “Os Tempos são outros” com produção de Mariozinho Rocha e Alberto Rosemblit com os melhores músicos do país entre eles: Wagner Tiso, Gilson Peranzzetta, Mario Lúcio, Artur Maia, Vitor Biglione, Roberto Menescal etc… Mas a “febre do momento” era o Rock e o espaço na mídia e nas rádios era todo tomado pra as bandas de rock que estavam surgindo. Infelizmente fiquei sem opção e a gravadora se desinteressou e eu dancei. Em 1990 fiz um CD – “Amor Demais” com produção do Reinaldo Barriga e ainda inédito. Começava a dificuldade com as grandes gravadoras que só investiam em produto descartável.

Em 1994 gravei pela Velas o CD – “A Voz do Violão” e em homenagem a Francisco Alves e fui indicado ao prêmio Sharp. Este CD fez e faz muito sucesso até hoje tenho lá grandes músicos e amigos que fizeram com o maior carinho este trabalho comigo entre eles: Pichú, Elias Almeida, Pedro Ivo, Proveta, Fabio Jr. e Ivan Lins. Em 1998 lancei um CD – “Horizonte” em parceria com Wilson Castro, grande compositor mineiro, meu compadre, parceiro e fizemos um CD do tipo “Pé na estrada” bem Folck e bem mineiro. Em 2000 defendi a música “Brincos” no Festival da MPB na TV Globo como interprete, pois a música é do meu amigo Amaurí Falabella e ganhei o prêmio de preferência popular. E lancei em 2003 pela gravadora Atração o CD – “A roda do Tempo” mesclando o novo e o tradicional da MPB. Em 2001 lancei o meu primeiro CD – Acústico ao Vivo gravado na Funart intitulado de “Músicas que marcaram a noite” com o melhor da noite dos anos 50, 60, 70, e 80.

05) RM: Fale das suas parcerias musicais em composições.

Lula Barbosa: Tenho tido ao longo da minha carreira vários parceiros, poetas casuais e profissionais. Gosto de letras bem feitas e dentre eles: Vanderlei de Castro (meu primeiro parceiro), Wilson Castro, Ana Lucia Heringer, Rubens Alarcon, Eduardo Gudin, Irineu, Salgadinho, Fabio Jr, Telma Alves, Wismar Rabelo, Wagner Salis, Ge Alves Pinto, Edu Santhana. Agora com o César Camargo Mariano. E eu é que sou o letrista na parceria, interessante não é?

06) RM: Fale das suas participações em Festivais de Música.

Lula Barbosa: Participo de Festivais de Música desde menino. E ainda no cursando o ginásio tinha um grupo chamado “Semente” que era composto por Marquinho, Alemão, Mindú, Joca, Luiz Carlos, Betinho, Claudemir e os vocais Márcia Cauê e Arlete. Tempo bom inesquecível e que não volta mais e ganhamos vários festivais no período estudantil. Na fase profissional os principais foram: Festival dos Festivais em 1985 com segundo lugar e melhor arranjo com “Mira Ira” (Lula Barbosa \ Vanderlei de Castro). Em 1997 Festival de Avaré – Fampop – SP com “Meninos” (Natan Marques). Em 1998 no Festival de Tatuí – SP, com “Para Juliana” (João Bid \ Maria Cândida) com primeiro lugar. E em 2002 com “Harmonia” (Paulo César Pinheiro \ Miltinho \ Sirlã) com segundo lugar. Em 1996 no Festival de Boa Esperança – MG primeiro lugar com: “Braseira” (Rita Altério \ João Aluá). Em 2002 segundo lugar com: “Amor verdadeiro” (Lula Barbosa \ Edu Santhana). Em 2000 no Festival da TV Globo – Festival da Música Brasileira com “Brincos” (Amauri Falabella). Em 2002 em Cascavel – SC com “Se eu pudesse” (Lula Barbosa \ Pedro Barezzi) com primeiro lugar. Em 2002 no Musicanto em Santa Rosa – RS com “Mão do Tempo” (Edu Santhana \ Sérgio Augusto) terceiro lugar. Em 2003 no Festival Internacional da canção do Panamá com a versão em espanhol da música “Mira Ira”: “América Morena” (Lula Barbosa \ Vanderlei de Castro).

07) RM: Qual a sua opinião sobre o mercado fonográfico e musical atual?

Lula Barbosa: Acho que o momento é de saturação. A saturação do mercado popular com muitos artistas e pouca qualidade. E vai haver uma seleção natural e o que for bom fica e quem vai ganhar é aquele que gosta da boa música.

08) RM: Quais foram e são suas referencias musicais ?

Lula Barbosa: Tive dois tipos de referências. Uma era a música que eu ouvia em casa cantada pela minha mãe, meus tios que gostavam de Cascatinha e Nhana, Francisco Alves, Orlando Silva, Ângela Maria etc. E a outra era o que ouvia no rádio e também na televisão com Festivais de Música, O fino da Bossa Nova, a Jovem Guarda e Beatles, James Taylor, Ray Charles etc…

09) RM: Quais foram e são as dificuldades enfrentadas na carreira musical?

Lula Barbosa: A principal de todas foi à falta de conhecimento de como funciona o mercado musical. A quem procurar, em que local se apresentar para ser visto, etc. Outro problema foi de não ter condições financeira para financiar o próprio trabalho e não depender de ajuda de empresários. E por último de ter nascido em uma cidade muito grande (São Paulo) que é quase um país e que não tem os olhos voltados para os artistas locais e sim pros de fora que já vem com patrocínios e indicações no colete.

10) RM: A semelhança de timbre de voz com do Milton Nascimento traz prós ou contra na sua carreira musical?

Lula Barbosa: Acho que são duas vozes quentes e somos negros, filhos de mineiros, tenores, mas os nossos timbres são bem diferentes. Aliás, não existem timbres iguais geneticamente. No começo me incomodava com a comparação, mas hoje até tiro proveito dessa “semelhança”.

11) RM: Quais os Projetos para 2004?

Lula Barbosa: Lanço em 2004 o CD – “Coração Mulato”, pela Atração, com clássicos da música brasileira. A minha música “Tempo de Fé” terá a participação de Emanuel (irmão Jessé, que foi o primeiro cantor a gravar as minhas músicas). Terá a clássica “Sertaneja” (Hervé Cordovil), com a participação das: Irmãs Galvão. E a música: “Até Pensei” do Chico Buarque. É um CD muito importante na minha carreira, em que coloco a minha voz e interpretação em músicas que marcaram uma época.

Contatos : (11) 96959 – 8225 | 99570 – 5299 | www.lulabarbosa.com.br | [email protected] | [email protected]


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Antonio Carlos Da Fonseca Barbosa

Criador e Editor Responsável pela revista Ritmo Melodia desde 2001, músico, letrista e poeta paraibano Antonio Carlos da Fonseca Barbosa, sempre se preocupou em divulgar a música (popular, regional, instrumental e erudita) com entrevistas e artigos sobre os músicos e artistas brasileiros.